Tainha, Vinho… e muito Climb!

Yo Bitchess!! Ok, a frase que entitula o post de hoje é de um video que viralizou em 2014 [clique aqui para ver a referência] mas é mais ou menos assim que tem sido ultimamente. Rolou OuroBoulder, mais uma vez incrível, Fui pra Franca algumas vezes só pra escalar e voltei com sei lá, 5 vias novas kkkkkkkk E finalmente pude abrir a primeira via de um pico novo em Mineiros do Tietê, ali pertinho de Jaú, Bauru, Botucatu. Mas como faria Dexter… vamos por partes! (E tinha esquecido, depois adicionei, dei um curso de abertura de vias e a caralha ja ta com 9 vias na falésia, 14 no total)..

2016-07-09 13.23.50

Crash Borboleta “Quero Escalar” Brilhou muito nas vielas estreitas entre galhos nos boulders de Ouro Preto!

Bem, Tudo começou [há um tempo atrás, na ilha do sooooool…] com a trip para pra OuroPreto com a Rê Leite numa quarta de manhã. Só que de caminho fizemos um PitStop em Arcos por dois dias. Climb Incrível lá, sempre, apesar de ter pego uma infestação de micuins, a maior da minha vida, tipo, centenas, foi Horrível! (Ô dó) Pude mandar o flash da via “Essa via é de todos nós”, um 7b novo no vale das sombras maravilhosa, e depois fiz a Entre o Sol e a Extraordinária, uma variante que faz a saída da Entre o Sol e a Sombra e na quarta chapa cai pra extraordinária. Costurões de 60cm nas 3 primeiras e 120 nas duas seguintes mandatório pra controlar o arrasto!! Foi uma viagem empoderadora, pois a Rê tem se engajado em muita coisa que eu acredito mas nem sabia que tinha gente ativamente lutando pra isso. Realmente um dos pontos mais positivos da viagem foi essa influência positiva. Mas o objetivo era OP então ficamos só dois dias em Arcos e na sexta mesmo já partimos de Arcos. E na sexta feira mesmo já rolou muito Climb. O combinado era escalar com o Bonde de Arcos: Cintura, Tetê, Fabio, Igor, Felipe e Cia. ltda. Mas na sexta quem encontramos foi uma turminha da pesada que sempre apronta altas confusões: O Greg Hidatá de Pira com a Tá e o Sevê e a Ju. Climb Foi Incrível, pude mandar vários Boulders mesmo com joelho fodido e ombro doendo. Os detalhes de todos os boulders, o processo em si e tudo mais vou poupa-los pois se não ficaria longo demais. (mais longo que isso aqui genja?!) O curioso foi que sábado tava com menos dores do que tinha acordado na sexta. Vai entender. Mas no fim do dia não sei se exagerei ou o que, mas acabei q não consegui escalar praticamente nada. Uma dor absurda no braço e nem 6h da tarde e ja era climb pra mim. Ibuprofenos e cornetação. Cê lá Ví! C´est la vie!  Confira a Miucha no minuto 1:00 do vídeo correndo atrás do Drone mais que gato de rua..

Bem, domingo voltei pra casa né, fazer o quê? Braço zuado, azedo né, de não ter podido escalar tudo que gostaria, mas foda-se. Bom que no fds seguinte as dores deram uma amenizada e eu pude escalar com meu brother Wagner de Franca no Cusco, e fizemos nossa primeira via de cordada (duas), a 97 Bons motivos. Via irada no Cuscuzeiro que recomendo fortemente! Nesse mesmo finde chegou ao Brasil o Espanhol mais brasileiro da Índia, o Raul, que morou por aqui uns 5 anos antes de voltar para sua terra natal. O São Carlos Pression Team apareceu uniformizado esse dia hehehe

No finde seguinte rolou climb e abertura de vias em Franca. Pra variar, fui só pra escalar, e voltei de lá com 2 vias abertas kkkkkkkk Bastardos Inglórios e O Exorcista, duas vias de 30m sensacionais no melhor estilo de arenito, com agarras boas porém há que se usar mais a cabeça que o corpo. Mas o melhor mesmo foram as fotos da fotógrafa lacradora Fabiula de Rio Claro. Confira você mesmo:

 

Tem a seção da Biaoncê divando na Bastardos Inglórios e o Gui na “Flertando com o Teto”, entre outras:

Mas não para por aí pois no finde seguinte pude abrir a primeira via da região de Mineiros do Tietê, na região da pedra branca, com visual da represa de Barra Bonita, coisa mais linda! Ainda está bastante inexplorado, nem trilha para a rocha tem, mas a pedra é um arenito de qualidade intermediária. Melhor que a Invernada, mas também não é nenhum Pico do Mané. Diria que ta mais pra Cuscuzeiro. Tem muita fenda, mas muita via em face, com agarras, tetos, contraposições, batentes, enfim… Vai ter pra todos os gostos! Já fazia mais de ano que o Ives achou essa formação no google maps e enrolávamos esperávamos um ensejo pra ir pra lá, já que na ocasião estávamos meio órfãos de picos de Climb por aqui (o colorido tava desativado, a caralha pensávamos ser uma bosta, o mané ganhara suas primeiras vias e ainda não estávamos plenamente convencidos de seu potencial, fora outros 3 ou 4 picos que o dono não deixa entrar aqui em São Carlos, Ibaté e Descalvado). Aì o André fez o curso de escalada com a gente em janeiro, e como ele é de Jaú, ali do lado, botei pilha pra ele ir lá ver “qualéqueera” do lugar. E não é que ele foi mesmo!? Mandou umas fotinhos, e aí eu animei e marquei no calendário com 2 meses de antecedencia pra não marcar nada  por cima. E lá fui eu, 120KM de São Carlos, sozinho, pra matar essa curiosidade e animação de conhecer o pico. Só que não deu muito certo pq agora eu quero é voltar mais vezes, com mais frequência. Quem consegue mandar seus projetos se fica “só abrindo via” desse jeito?!

Nossa, esse dia eu agradeci muito estar com uma mochila Osprey. Estava com jogo completo de móveis, furadeira, quase 30 costuras, sapatilha, mag, água, café, rango, Kit de Primeiros Socorros e mais 50m de corda estática no lombo. Aí na hora de descer, acabamos ficando meio perdidos por umas 2h presos na mata extremamente fechada e densa (reitero: não há trilha ainda). Teria sido “badvibes” estar ali com tudo aquilo de peso nas costas com uma mochila que machuca e incomoda. Ô Grória! Mas no final deu tudo certo e chegamos no carro ainda tinha 2l de água daquela garrafa tudo suja e fudida de água do radiador pra matar a sede! kkkkkkk (mas a sorte é que o Nei, tio do André tinha enchido a garrafa no mesmo dia – disse ele). E domingo ainda fui pro cusco e tirei umas fotos cabulosas da Bia na “Distúrbios do Sono”.

 

BIA_SONO

Fotinho Clichê passando Mag, mas ta massa! As outras tão melhores… em breve no Instagram da QE 😉

Ah! Ja ia esquecendo! Caramba! Teve uma coisa que aconteceu no primeiro fds de Julho que foi IRADISSIMO!! Foi o Primeiro Curso de Abertura de Vias da Quero Escalar. O André lá de Jaú, e mais 3 de Campinas (O Francismar, o Soler e o Rafa) puderam aprender a teoria e botar a mão na massa, resultando em mais duas vias lá na falésia da Caralha, que agora conta com 9 vias, fora as 4 da caralha propriamente dita. (Agora falta arrumar a trilha – voluntários para o dia 15? – abrir mais 2 vias e soltar o croquizão).

Ufa!! Chega!! Fui sucinto (Ah sim, claro, super!) pq era muita informação e muita foto! Sayonará e bora que logo menos tem mais climb, mais abertura de via, mais curso, novidades… nuuu… que bom q não para!

IV Encontro de Escalada de Arcos

IMG_7817

Bia na clássica Helicoidal, no terceiro Andar

Ahhh o Festival de Arcos.. Como não amar? Muita via boa junta. Um lugar onde você escala sem parar, toma espanco de uma, passeia na outra via do lado, volta, equipa, limpa. Repete. Tudo acessível. Muita gente boa junta. Ninguém reclamando que a via é protegida demais, nem de menos. Só escalando! Gente feliz? Uai, se não era, lá fica sendo rsrs

Vira e mexe a gente encontra um chato que reclama que o croqui tem “beta demais” ou que a via tem chapa demais. Mas tudo bem, o Rastro é praqueles outros 99,99999% dos escaladores que curtem escalar, e não reclamar (não que eu não reclame, longe de mim rsrs mas costumo reclamar por coisa mau feita, não caprichada demais). E lá essa galera se reúne e escala – e muito! Muitos setores. Vias na Sombra. Vias no sol. Vias com agarrão. Vias negativas. Vias de 30m. Vias seguras. Muitas. Vias. Democrático. Muito 6º grau com agarrão. Muito 7a “na promoção” (ADORO). Outros sétimos que são oitavo kkkk Mas os oitavos são oitavo mesmo! Mas é bom, mantém os máquinas ocupados. Tão ocupados quanto os seres humanos que vão lá pra escalar e se divertir com a galera, e fazem justamente isso!

Este slideshow necessita de JavaScript.

O Encontro de Arcos é uma festa da Escalada. Um dos melhores encontros de Escalada Esportiva do Brasil pois é tudo muito  fácil: Você vai lá pra escalar, então você vai lá e escala. Não precisa ficar 2h perdido no mato procurando via. Ta, eu sei, é conforto demais, tira o caráter aventura da escalada. Mas pra quem gosta de ficar perdido, tem pico que é mais aventura que escalada, e na hora de escalar é uma aventura. Em Arcos não: a gente vai pra escalar. Gostoso né? Em ARCO na Itália, o que fez a escalada sair do patamar de atividade marginal para um esporte popular e democrático (e os equipos de escalada se popularizarem e baratearem) foram justamente as falésias dentro da cidade que você vai caminhando, escala, escala, escala, depois desce e vai pro bar. A pé. Já estava mais do que na hora de termos um cantinho assim também!

Bem, não é dentro da cidade, mas de onde vc para o carro é tudo tão pertinho! A única excessão é o melhor setor de todos, o terceiro Andar, que fica na sombra o dia inteiro, tem 20 vias de 5º a 8a, base plana “child-friendly” mas tem que fazer a trilha de 15 minutos para o segundo andar (Ô que ruim), subir a escadinha de acesso e depois mais 5 minutos de caminhada (nossa, já cansei #sqn).

2016-05-27 09.59.14

Mochila Osprey Kestrel 48 incrível, cabendo tudo pra variar, e maguina Desfibrila. Fininho do jeito q eu curto!

E falando sobre o Encontro em si: IN-CRÍ-VEL!! Muita gente no abrigo, fora dele. Todo mundo escalando, organização de primeiro mundo. Comida da fazenda, pão de queijo, açucar com café… Minas né gente, o estado mais acolhedor do Brasil! (se bem que depois que eu conheci o Ceará, eu acho que pode rolar um empate técnico). A organização não deixou faltar nada, acho que não tem o que mudar para o ano que vem. Tipo, melhorar sempre dá, mas ficou evidente que a organização fez o máximo, o possível e o impossível que estava em seu alcance pra que ficasse perfeito. Prometo que ano que vem eu vou estar com voz e o Microfone vai ser meu na apresentação final e sorteio de brindes! hahaha

O foda foi que eu cheguei pro evento na terça com uma P… gripe. Chegava no fim das vias ofegante, fracooo… que tristeza. Até que no sábado comecei a apertar um negocin aqui outro ali  mas não deu pra entrar em nenhum projeto, que triste… Isso me frustrou bastante. Ainda bem que era festival e nem deu tempo de achar ruim, tava com uma galera bacana.  Well… mais ou menos hehehe O pessoal de São Carlos ficou numa casinha entre o abrigo e o pico. Mas eu preferi ficar na Geral com o pessoal de Franca. Aí o pessoal de São Carlos achava que eu tava com o pessoal de Franca. E o pessoal de Franca achava que eu tava com o pessoal de São Carlos kkkkkk E aí no final eu tentava juntar os dois grupos mas acabava indo sozinho pro pico (1h depois que todo mundo ja tinha ido) hehe

Mas foi bem massa pq no fim das contas deu pra escalar bastante, a galera aprovou as vias que eu pude abrir com o Ives e o Fabinho ano passado, e eu mesmo que não tinha entrado em várias, entrei, e pirei. É estranho, mas eu adoro as vias que eu abro rsrs  Tipo pai coruja achando que seu filho é sempre o mais bonito kkkkk

Finalmente mandei a Helicoidal, um clássico de Arcos no terceiro andar, e a  famigerada “Meia Seca” (quem me conhece sabe a história do nome da via hehehe 😛 ) um 7b de pés em aderência com agarras todas de lado ou invertidas, equilíbrio pra caralho e muita fé. E claro, entrei na Pilares da terra, um 6º cujo final teve a grampeação   sob a responsabilidade do Ives, e que ficou espetacular. A via é bem protegida pois tem um galho um certo momento da via, que passa bem atrás, e você tem que passar entre o galho e a pedra. 30m de puro regozijo numa escalada de agarras boas e final negativo de patacão com um pouco de técnica. Tem como não amar?

E claro, fiz um voluminho e perdi o medinho de uma via que tinha entrado quando tinham acabado de abrir e estava suja e eu tinha achado um terror. Desta vez, entrei, recuperei minha dignidade e recomendo a todos também a via “Meu amigo Stive” no vale das sombras. Aliás, por falar em vale, ali foi bonito de ver a galera malhando a   “Ho´ponopono” e a “Samsara”. Cadenas espetaculares da galera de Sanca e agregados, kamon! Ah! E a “Toko loco” também, incrível, negativo de batentões bons, só agarrão, um 6sup de teto no começo praticamente (depois fica vertical de agarras boas). Muito amor por esse encontro, esse pico, essas vias, essa galera! Agora passando a temporada de boulder volto pras vias e pros meus projetos que tive que adiar dessa vez.

Kamon!

_DSC0110

Valews, falows! =D (eu na Meia Seca)

Caindo na estrada parte 3/∞ (Bocaina é a Vibe!)

Fabio na Shana Crazy ao por do Sol!

Fabio na Shana Crazy ao por do Sol!

Mano, as últimas semanas e meses tem sido a coisa mais louca do universo. Fui pra essa trip que tenho postado devagar, mas depois que voltei já fui pra mais tanto rolê massa que fica dificil postar tudo!!!

O melhor de tudo foi o reconhecimento que as conquistas e o profissionalismo que temos adotado tiveram e consegui uma bela parceria com a maior fabricante de parabolts da America Latina, a Âncora sistemas de fixação. Mas vou fazer um post só sobre isso. Hoje vou falar sobre um pico de escalada com muita personalidade, uma comunidade local unida que dá a Vibe mesmo não estando presente, através das vias bem protegidas, trilhas muitissimo bem cuidadas, acessos, enfim.. um dos picos mais bem cuidados que eu já vi no Brasil: BOCAINA!

Foto da Bocaina, by Cintia, grande fotógrafa e escaladora!

Foto da Bocaina, by Cintia, grande fotógrafa e escaladora!

Pra quem não lembra estava na estrada desde a quinta anterior. Estivemos na abertura de temporada do Cipó e lançamento do Incrível Guia de Escaladas da Serra do Cipó. Depois ficamos 3 dias em Arcos abrindo via e agora a saga continua. Saímos de Arcos na quinta de manhã  para quatro dias de muita escalada. Os brothers de Divinópolis Cintura, Tetê, Nati, Peixe e o Carlão já estavam lá, e fizemos uma favelinha de “Arcos/Divinópolis” por lá. A vibe dessa galera é tão boa que quando viajo com eles já me considero como sendo parte integrante desse time, o que é uma sensação inestimável poder sentir-se parte dessa galera!

Essa história de “A VIBE DO CLIMB” realmente tem um poder transformador e ensina muita coisa. Não tem como explicar, só sentindo mesmo!! E só viajando, escalando com outras pessoas, em outros picos, outros lugares é que a gente se vê imerso nessa energia tão contagiante e pra frente que é a escalada. É a Vibe!

Shana Crazy - Classiqueira da Bocaina!

Shana Crazy – Classiqueira da Bocaina!

Pudemos escalar várias vias clássicas como a Shana Crazy, Ramadan, Suindara, International Love, a incrível “Decadentes” e muitas outras. Nos últimos dias já sentia meu ombro bem melhor finalmente pude subir a marcha do grau e dar vários pegas na “Samurai Rastafari”, um 7b da cadeia bem hard, com certeza um clássico da bocaina!!! Até no setor ensolarado pudemos escalar no terceiro dia pois estava nubladinho de manhã, beta da grande Bianca Castro, valeu demaiss!!

O abrigo estava lotado e o clima era de Encontro de Escalada. Encontramos gente do Rio, de Campinas, de São Carlos, de Divinópolis, Franca, Arcos, BH, Indaiatuba e até os locais de Araxá! Teve inclusive várias personalidades do Climb que vieram querer tietar comigo (kkkk ta mentira, eu que pedi pra tirar foto mesmo!). E não posso esquecer de citar a galera vibe demais do Highline que estavam representando em peso ali! Até o meu brother daqui de Descalvado, o Carlão tava lá, foi loco!! Ele me apresentou vários brothers, foi mto massa mesmo essa integração, ali rola demaisss!

Wagner  tirou umas fotos bem massa minha na decadentes! (wagner, da próxima alinha o horizonte, ok?)

Wagner tirou umas fotos bem massa minhas na decadentes! (wagner, da próxima alinha o horizonte, ok?)

Bocaina Incrível, mesmo os setores de sol batem sombra ou antes ou depois de certa hora tipo 2 ou 3h, então não precisa fritar no sol, e uma coisa que me chamou bastante atenção é que mesmo no sol é possível escalar sem derreter, pois ali é alto e bate sempre uma brisa fresca – sem contar que estávamos no inverno. Aqui no Cuscuzeiro e região (tipo Franca) é impossível escalar no sol que vc simplesmente torra, tem uma insolação antes de chegar na parada da via, então até parede com potencial que temos visto por aí não temos investido pois no mínimo o seg precisa ficar na sombra se não não vale a pena abrir via.

A série caindo na estrada acaba aqui, (de começar)… Depois disso já rolou abrir mais via em Franca, rolou o patrocinio da Âncora, trip pra Arcos pra abrir mais via no terceiro andar e Ouroboulder incrível. Ah! E o novo pico de Boulder do interior aqui perto do pedágio de Brotas. Aguardem, muitas postagens acumuladas!!!

Caindo na Estrada Parte 2,5/3 (Novo setor em Arcos)

Inaugurando o novo Abrigo Base

Inaugurando o novo Abrigo Base

Tudo muito bom, tudo muito bem, idéia vai idéia vem… aquela coisa, no Cipó tava lindo, mas o plano era tocar pra Arcos domingo a noite e “toquemos”. Fomos direto para estrear o novo “Abrigo Base”, gerenciado em parceria pelo casal Tete/Cintura e Dalva/teco. Da última vez que estivemos lá essa casinha era alugada pelo Cintura e a Tetê pra eles mesmos, de Divinópolis passarem o final de semana em Arcos próximo ao pico, mas agora a casinha tinha virado um abrigo!!

Pudemos estrear a casinha, e na segunda cedo tocamos pra cidade comprar comida pros próximos dias. Fomos chegar na pedra por volta de meio dia. Eu ja conhecia o terceiro Andar, mas o Fábio me mostrou um setor em cima de uns trepa-pedras pelo qual eu desisti de abrir as vias que eu tinha flagrado. Ali era muito sensacional. Base plana, sombrinha o dia todo, muitas agarras e no centro do salão, vias longas de 25m.

Jpeg

A primeira de muitas

Logo começamos os trabalhos, guiei uma fenda em móvel (Que virou via: A “To vendo mas não ta subindo, 5º <móvel>) e cheguei rapidamente ao cume, mas não o cume do setor todo, pois havia uma “greta” que me impedia de passar pro outro lado e bater um top onde a gente queria. Mas tudo bem porque ali já saiu o Top de duas vias, “A primeira de muitas, 7a” que fica bem na entrada do salão e tem um teto no finalzinho, e a “Volta o cão arrependido 6º/6ºsup” pra direita da primeira (e à esquerda da “To vendo mas nao ta subindo”). Claro que não foi tudo de uma hora pra outra que abrimos essas vias.

Pra aproveitar o finzinho de tarde e aproveitar e gastar umas baterias, subi rapidinho outra fenda meio diagonal em móvel, que ficou a “Quartinho de Ilusão, 4º”<móvel> e bati uma parada. Dali escalamos, marcamos e furamos a “Exame de Próstata 4ºsup/5º”

Fabio vindo de segundo na "Exame de Próstata", detalhe para a torre inacreditável atrás dele..

Fabio vindo de segundo na “Exame de Próstata”, detalhe para a torre inacreditável atrás dele..

No dia seguinte continuamos os trabalhos na “Primeira de muitas” e na “volta o cão arrependido”. Eu furei uma e o Fábio outra. Após estas vias estarem prontas, eu reparei que o problema da “Greta” pra acessar o cume da falésia acabava antes do top da Exame de Próstata, então eu subi até ali, chamei o Fábio de segundo e dali ele me deu seg para eu tocar para o cume. Acabou que era um rampão fácil, não bati chapa nem protegi em nada também porque minha idéia era não voltar por ali, não chamar o fábio, era puxar corda e rapelar pro outro lado. Uma vez no cume bati uma chapa de onde rapelei pra alcançar o lugar onde seria a parada da “Império Galático, 7a”. Foram poucas as vezes na vida que eu fiz um furo sem ter escalado antes, mas nessa foi necessário pois a linha era super negativa. Analisei 1h sobre onde colocar a parada e mais especificamente a chapa que reenviaria a corda no negativo pra poder escalar com mais segurança e marcar o restante dos furos, e acabou que ficou excelente! O Fábio subiu marcando e já desceu furando: a equipe estava entrosada e alinhada!!!

No terceiro dia eu fiz o FA da Império Galático e, por uma árvore que cruzava o salão, guiei uma travessia pra chegar do outro lado e bater a parada de uma via que sobe por uma coluna helicoidal de concreto, coisa mais loca do universo! O nome da via? Helicoidal, 7a/b. O Fábio subiu marcando, pagou uma travessia pela pedra mesmo, pra esquerda, e bateu o top de mais uma, a “Miranoku e vai”: É um negativo, e lá em cima tem um buraco branco com a borda preta, certinho. Quem quiser saber por onde a via passa, Miranoku e vai! hahaha Como ele desceu pela linha da Miranoku, eu tive que subir a Helicoidal pra confirmar os furos, e desci furando.

OrangoGenja!

OrangoGenja!

Quando cheguei no chão já tava meio escurinho, tivemos que abandonar a miranoku, que ficou pra próxima viagem. O Terceiro andar ali é in-crí-vel. As linhas vão ficar iradas, compridas, não necessariamente difíceis mas tem algumas ali que vão dar trabalho! Já flagramos um monte de linhas, nomes imaginários, mas claro, que enquanto não batemos o martelo na ultima chapa nao batemos o martelo no nome hehehe O Acesso não é de graça, é preciso escalar o comecinho (3 chapas) do quinto grau que dá acesso à cafeína, acessar o platô e rapelar pro outro lado. Ali já tem umas 5 ou 6 vias muito legais, parece que ali chama “Jardim do Eden”. Uns 40m seguindo pelo corredorzinho tem um trepa pedras por onde rapidamente se acessa o salão do terceiro andar. Depois pra ir embora é só voltar pelo mesmo caminho e rapelar de novo do lado de onde você havia rapelado pra “chegar” no setor. Assim você volta pro pé da via “Stone Fischer”.

E foi isso, relato rápido de 3 dias muito intensos, de muita conquista, parceria forte ali, era nóis dois, O Fabio e eu, nuu! Teve bão! Já estamos com viagem marcada de novo pra Arcos, dessa vez pra ficar uma semana abrindo via ali, que da última vez 3 dias foi é pouco! Setor incrível, vias animais, clima ideal.

Pra encerrar deixo uma compilação de dois videozinhos que fiz durante as conquistas…

A noite fomos comer na cidade mas, antes de pegar a estrada para nosso próximo destino, acabamos dormindo na casa de uma escaladora local de arcos amiga nossa, a Lu (que arranjou uns docinhos sinistros pra gente, valeu!!). Assim, uma vez na cidade, ali ficamos, e saímos em direção ao nosso próximo destino, que era até então desconhecido por nós, com a luz do sol.

BOCAINA! Inacredibiliível! Muita viibeeeee!!! Mas aí essa eu conto na última parte da segunda parte do relato…

Na estrada parte 2/3

O Parceiro, Fábio!

O Parceiro de trip, Fábio!

E se eu não me apressar com esses posts logo serão mais partes hahaha

Mês passado teve o lançamento do guia de escalada mais esperado da década depois do guia do Cusco, é claro ;). Foi lá na Serra do Cipó que os escaladores locais Barão, Belisário e Wagninho lançaram o Guia de Escalada da Serra do Cipó. (Já disponível na Quero Escalar) 😉 Não poderia deixar de prestigiar este que para mim foi um acontecimento mais importante que qualquer abertura de temporada, campeonato ou festival. Um guia de escalada tão completo da melhor área de escalada do Brasil realmente não poderia passar em branco, ainda mais com o campeonato que marca a abertura de temporada no Cipó?! Vish, fui memo, ta ligado?

Esse Guia é o Bicho! E sabe onde tem? Isso mesmo, na Quero Escalar!

Esse Guia é o Bicho! E sabe onde tem? Isso mesmo, na Quero Escalar!

Combinei com o Fabio de Porto Ferreira, que ao contrário de mim que estava a trabalho, está num período sabático. Ninguém de São Carlos animou ir mas mesmo assim eu me joguei pois sabia (e estava era mesmo precisando) que ir para um lugar incrível e reencontrar os amigos de longe e conhecer um monte de gente boa não me soava nada mal. Saímos de Porto Ferreira numa quinta, chegamos no magrão a noite, armamos barraca e lá ficamos até domingo. Na sexta feira pudemos escalar, já começamos a reencontrar a galera pelo pico e conhecer outros tantos. A noite era o principal motivo de nossa viagem, colamos no Espaço Mandalla para o lançamento do Guia. Nossa, só personalidade… tietei horrores, tive o privilégio de apertar a mão e conhecer o Antonio Paulo Faria, graaaande figura da escalada brasileira que pelas histórias hilárias provou porquê é um figura tão carismático e respeitado por onde passa. Conheci o Sapo, da Sapo Agarras, Reencontrei a Flora e o Tommy da 4 ventos (marca de roupas e mochilas do Paraná). Do Paraná Também estava o Chiquinho da Alto Estilo e o Ed da Conquista, com quem pude conversar pessoalmente pela primeira vez sobre a polêmica entre a Quero Escalar e sua marca. Pessoa humilde, que conversou numa boa sobre o ocorrido. Pude então finalmente conhecer outra figura bastante carismática e conhecida que é a escaladora Nereida, entre outros tantos não tão anônimos quanto este que vos fala. Pela primeira vez pude trocar algumas idéias com o Belisário pessoalmente, gente finíssima também. O lançamento foi uma festa mesmo, a galera toda super alto astral, a viagem estava só começando mas começou muito bem. A qualidade do guia realmente cumpriu o que prometeu e não deixou nada a desejar a nenhum guia gringo.

No segundo dia iria ter o festival, eu com meu mimimi ombro zuado fui só rapidinho pra prestigiar e pegar a camiseta do evento. Tocamos pra pedra escalar mas no fim do dia voltamos para ver as finais do Master. Aí foi um show a parte. Um show da parte da organização, um show por parte d@s atletas que deram um espetáculo ali ao ar livre. Pude ver grandes personalidades como Jean Ouriques, Rafael Passos, Haddad e o máquina Felipe Camargo (entre outros não menos fortes/importantes) flutuarem pelos boulders, este último com brutal vantagem física e técnica sobre os outros. No feminino foi de encher os olhos ver a flora demonstrar uma técnica apuradíssima que só quem escala muito na rocha consegue ter, ou ver a pressão incrível da Maíra Vilas Boas destruir alguns boulders. Tietei mais ainda. Tirei foto com um cara que eu admiro muito e já tinha trocado idéia que é o Fei (tipo o Dani Andrada Brasileiro, um dos caras que mais abre via no Brasil), fiquei admirado com a simpatia e a humildade do Felipe Camargo, que ficou trocando uma idéia de boa um tempão e contou dos planos e de seu rolê pela Europa (por acaso essa semana ele mandou um 9a Francês la em margalef).

No domingo foi Mara pois pude escalar com o Graaaaande Maurinho de Divinópolis na sala da Justiça. Conheci finalmente personalidades do Climb Mineiro como a Renatinha e a própria Maira Vilas Boas que tava no Magrão com a gente. Conheci gente muito animada com o climb, gente normal sabe? Gente que tem vida não-climb além do Climb – Tipo de gente que as vezes falta no meio da escalada pra trazer uma perspectiva diferente pra gente que fica só bitolado no climb. Pessoas tipo a Silvia de Sampa que eu já conhecia, ou a Alaine de BH. O Lucas que fez janta com a gente no magrão, e no outro dia entrou a vista na Inquilinos (9a) do meu lado na sala da Justiça e mandou de segundo pega. A humildade do maluco é maior que a força na escalada, e a simpatia supera tudo! Finalmente conheci o Garrinha, vi ele escalando só um 6 grau, mas ali eu já flagrei que o bicho manja dos paranauê de subir pedra. Menos quando tem queda com pêndulo né Garrinha? rsrs Galerinha de Montes Claros aaaltamente alto astral, nuuu… que foi isso!? Tiago, Fernandinha, Cris, (e o quarto elemento todo quietão que eu esqueci o apelidooo) nuuu… Se a galera de MOC é que nem essa turma, vou pra lá em breve!!  Enfim, foram 3 dias de um intensivão de gente Alto Astral, a Vibe lá na lua, foi coisa fina mesmo, tipo uma lobotomia de boas vibrações. Tipo aquilo que o Chico Xavier usa pra pagar o ônibus… um passe!! 

Ahhhh, o Cipóoo. Mas o domingo chegou e o Fábio e eu vazamos. Fomos para a segunda etapa do nosso rolê, que estava só Começando: Arcos. Mas essa Trip foi tão da hora que não da pra contar tudo num post só, mas se liga que o próximo post eu conto do Setor novo no qual a gente abriu as primeiras vias e do abrigo classe A pra escaladores lá de Arcos. No te lo pierdas!

Na estrada!! (parte 1/3)

Arcos, segunda casa!!

Arcos, segunda casa!!

E depois que eu assumi de vez (ui) esse estilo de vida de escalador, as coisas tem ficado muito mais corridas aqui na Quero Escalar. Muitos pedidos, reposição de estoque, negociações, importações, uma lou-cu-ra. Adoro hehehe Mas aí aos finais de semana, vish… mais correria ainda. Muitas viagens, aberturas de vias, festivais, nossa. Fazia tempo que eu não postava justamente pq primeiro tenho tentado ocupar o tempo o máximo possível com coisas não computadorianas, segundo não tenho tido tempo por causa das atribuições da Quero Escalar (da loja) e terceiro que tenho viajado pra caralho pra prestigiar eventos, campeonatos, abrir vias, enfim, muito trabalho, sabe como é. 😉

Já nem lembro mais mas acho que foi 1 mês e meio atrás que fui pra Arcos com Ives e Cleberina num feriadinho tipo 1º de maio ou algo assim. Foi risada a dar com pau, mas sinceramente nem lembro mais dos detalhes do nosso itinerário kkkkk Aqui vão algumas fotenhas:

E Arcos sabe como é né, não tem como ir pra lá, não levar a furadeira e não abrir uma viazinha! Num dos dias fui com o Ives no setor novo que o Peixe, Maurinho, Carlão, Cintura e Cia. Ltda tinham descoberto atrás da cafeína e piramos. Eu alucinei no setor. Mas a logística ali ia ser mais pesada, preciso de uma trip só pra isso pois o setor ali cabe o triplo de vias que atualmente já estão abertas no pico inteiro. (!!) Sendo assim abrimos uma linha que há muito namorávamos do lado esquerdo da Minha Criança/Mar de Espinhos. Linha Incrível, e adivinha? Não passa de mais um sexto grau (LINDO). O Nome ficou uma homenagem ao graaaande Cleber Harrison, e nossa piada interna favorita: “CURTE O PLANETA QUE VOCÊ VIVE, 6º”

Ives na conquista da "Curte o Planeta que você vive" no segundo Andar

Ives na conquista da “Curte o Planeta que você vive” no segundo Andar

Mas aí o terceiro andar era muito alucinante… tive que voltar pra Arcos só pra explorar ali aquele setor, mas eu chego lá no próximo post. Enquanto isso pudemos curtir uma trip leve, engraçada e suave, como tem que ser. Apesar da comida apimentadíssima do Ives, não houveram muitos percalços durante nossa estadia. Ah, e nossa ida pra lá ocasionou uma coisa muito legal! Tava muito lotado o camping da Celinha, e logo ali os brothers Cintura e Tetê alugavam uma casa onde a gente brincava que só a Diretoria costumava ficar e ficamos lisonjeadissimos em poder ficar ali também. Aí motivados pela nossa ida,  Teco e a Dalva resolveram transformar a casa em abrigo de escaladores em parceria com o Cintura e a Tetê!!! Uhuuullll!! Fiquei muito feliz e na próxima Trip ja pudemos voltar e literalmente estrear o novo Abrigo Base. AH! E uma parte da diária do abrigo vão pra comprar chapa pro pico, irado, não?! É a transformação começando a aconteceeer….

No próximo post tem mais coisa incrível acontecendo… aguardeee….

Nota mental: Não deixar para entrar nas tretas no último dia de viagem, a menos que seja o projeto de todos os dias da viagem.... kkkkk

Nota mental: Não deixar para entrar nas tretas no último dia de viagem, a menos que seja o projeto de todos os dias da viagem…. kkkkk

 

Feriado em São Bento – Chuva e cadenas a vista!

Aquela Seg "ishperta"

Aquela Seg “ishperta”

Pois é, no feriado de tiradentes fomos pra São Bento depois de 1 ano. Enquanto a galerinha do bem ficou na casa da “Ju, CV, Russo e Greg”, o Ives, a ML e eu ficamos na casa das amigas de SampaMeoo Silvia e San. Fomos muito bem recebidos, e a vibe é alto astral total! Ainda no domingo conhecemos também a Laís e até a Jan e o máquina Felipe Ho apareceram por lá pra dar um salve (pra San né, hahaha).

Aí no primeiro dia fomos com elas pra Divisa, onde pude testar mais um pouco as sapatas novas que estou avaliando, tanto da Spyffer quanto as Tchecas Triop. A Látex da Spyffer tenho usado ha um mes e tem o calcanhar melhor que o da five ten (o que não é muito dificil cá entre nós), e a borracha até agora tem cumprido o que promete. Sugeri algumas alterações como o fecho mais justo e os modelos disponíveis na Quero Escalar já estão com as modificações. Ela é bem agressiva, não é uma sapatilha DURA como a miura, é mais parecida com a cobra, inclusive o couro, mas veste bem no pé e tem boa adesão nos regletinhos. Eu brinco e digo até que parece o sistema no edge porque é bastante sensível e onde você bate o pé ela gruda. Enfim, mandei a Gripe Espanhola no setor tetos na divisa, um 7a que todo mundo que mandou 7a/b a vista como a It´s only rock and roll e a chão de giz aquele dia, não mandou, e achou que poderia ser um 7b hard ou 7c.

IMG_0103

Marina e Cleverson fazendo combo “Double Pose” com a mãozinha hehe

 

E por falar em 7c mandei meu primeiro 7c a vista! Fui pro setor comunista e mandei a “Quem mandou não estudar”. A via é muito legal, estava equipada e fiz uma leitura muito boa (o que pra quem conhece a via sabe que não é lá mto dificil). Aí as suspensões no tecido e no trapézio nas aulas de circo com a Trupe Uaaah! e a estabilização dos antagonistas e core na Equilíbrio corporal fizeram a sua parte – pois não tenho feito treinos específicos pra escalada nos ultimos meses por conta da dor no ombro.

Segundo dia, paredinha...

Segundo dia, paredinha…

No segundo dia rolou um disse que disse que não me disse. A galera do bem ficou de passar na nossa casa logo cedo pois lá nao pega celular, estávamos no pé do Baú e iríamos fazer parede. As 8:30 estávamos prontos e nada. 9:30 e nada. 10:15 saímos e a caminho descobrimos que eles já estavam lá nos esperando. 40 mins depois, quando finalmente chegamos ao pé das vias no Bauzinho depois de pagar a taxa de acesso/estacionamento, Ives e eu descobrimos que Isabeto convenientemente resolveram fazer a via que nós dois vinhamos comentando que queriamos fazer há dias. E toca esperar a primeira dupla. Nós na Homem pássaro, a dupla Honnold-Caldwell Cleverson e Greg na Galba, que a fizeram em sei lá, meia hora. Aí o Trio parada dura: Bia, Marilands e Marina, com pouca experiência acabaram sendo auxiliadas por um pessoal de SP, e o Hugo acabou dividindo a cordada com a ML. Eu e o Ives fomos revezando as cordadas, dividindo parada com Isabeto na HP, mas na quarta enfiada desabou a maior chuva, e tivemos que abandonar. E uma vez no cume do Baúzinho esperamos as meninas terminarem a via prussikando em cordas fixas sob a orientação do Hugo. Eu fiquei com a impressão de que a intenção nas mudanças da situação do Baú até que foram boas, mas o que se recebe não é o que se espera. Você paga pra entrar e estacionar o carro, e de cara encontra alguma infraestrutura. Para chegar no cume do do Baúzinho (onde antes se parava o carro) agora é preciso fazer uma caminhadinha. Até aí tudo bem. Mas o estacionamento atual causa muito mais impactos ambientais do que ir de carro até o local antigo pois a estradinha de nem 300m de acesso a esse estacionamento está em péssimas condições, parece um rio de lama quando chove e a parte baixa do estacionamento já está acumulando uma grande camada de lama sobre a grama provocada pela erosão acelerada da estrada. Foi por muita sorte e destreza dos motoristas ter conseguido sair dali pois depois da chuva a estrada se tornou um lamaçal. E se tivesse tido qualquer problema, acidente ou incidente antes havia uma casinha próxima ao cume do Baúzinho onde poderia ser guardada uma prancha rígida ou um kit de PS. Mas no final deu tudo certo, apesar de termos tomado a maior chuva. Ah, fiquei puto também pois meu Anorak/capa de Chuva Colúmbia com tecnologias Omni-Tech e Omni-weak-Evap se comportou como um moleton molhado. Mesmo fechado, molhou inteiro por dentro, enxarcou meu saco de magnésio, não fez diferença alguma na escalada e na proteção contra chuva. Aquelas capas de chuva amarelas do “PicaPau desce as cataratas” são mais impermeáveis com certeza.

Como tinhamos acordado a toa cedinho no domingo, na segunda acordamos tranquilamente e fomos para o frade sem muita pressa. Tínhamos a localização GPS do pico, do estacionamento, da entrada na rodovia, então chegamos por lá uma da tarde. Foi Bater na pedra, caiu uma chuvinha de verão de uns 15 mins, suficiente para nos espantar para o setor da direita, com algumas vias bem negativas com agarras boas. Delicia! Adorei a via Freddie Mercury, mas com agarra quebrada acho que a via deve ter subido de 7a para 7c/8a. E depois dela, fomos conhecer as vias no outro lado do pico, mas ficamos um pouco decepcionados com as trilhas e o pé das vias que carecem de manutenção. Então, mesmo com muita gente no platô, insisti em dar uma chegada ali no setor barcelona. Pude então entrar na via sem noção, um 7c que após longa batalha na segunda chapa, acabei mandando a vista também. Esta eu mandei com uma das minhas sapatilhas tchecas, a Triop modelo phet maak, que é mais durinha e tem um calcanhar bastante confiável. Fiquei muito feliz, não entendi muito bem o ocorrido. O final foi uma luta contra o tijolamento, tive que usar e abusar do posicionamento para fazer as costuradas gastando o mínimo de energia, e focar nos movimentos pois indo pra base realmente até pensei que pudesse cair mas aí utilizei aquela concentração da meditação, de focar no que é importante, esvaziar os pensamentos e Vualá. O Ives coitado, que acabou não escalando muito pois foi equipar umas vias fáceis pra ML e ela fez a desfeita de nem entrar. :/ E na hora de ir embora aquele pasto parecia uma rave, várias headlamps perdidas indo pra lá e pra ca sem achar o caminho certo do estacionamento. Aos poucos quase 20 escaladores foram chegando depois de terem ficado altamente perdidos e se orientado pelas headlamps dos que chegavam ao estacionamento e as deixavam ligadas no modo estrobo para ajudar os coleguinhas.

Na freddie Mercury, no Frade

Na freddie Mercury, no Frade com a Triop que brilhou muito

Ives na Freddie Mercury

Ives na Freddie Mercury

Pedra do Romão - Bases de vias tão boas que se seu carro passar no crux da estrada é até Kids-friendly!

Pedra do Romão – Bases de vias tão boas que se seu carro passar no crux da estrada é até Kids-friendly!

No último dia, combinei com um amigo de Facetoba, o Samuel de Cachoeira de Minas para conhecermos uma falésia nova – a Pedra do Romão. A Quero Escalar até tinha doado umas chapas pra ele abrir umas vias lá. O Carrinho nem subiu até o final pois já estava carregado com as malas pra ir embora na sequência, mas a caminhadinha é beem de boa. O Pico suuuuuuper bem organizado. Trilhas bem marcadas, degrauzinhos, croqui das vias em garrafinhas no pico, nossa, pico gringo mesmo, achei demais. Entrei em umas 3 vias mas nossa, realmente fiquei muito feliz em ter podido contribuir com o desenvolvimento desse pico. Parabéns Samuel e aos locais pelo trampo, valeu a pena, com certeza vocês verão mais visitantes em breve, recomendo a todos que tiverem cansados do eixo “Divisa-olhos” e quiserem conhecer um pico esportivo novo ali na região de São Bento, vale muito a pena!

Puberdade, 7a - Pedra do Romão

Puberdade, 7a – Pedra do Romão

E aí, já mais perto de Sanca (pois agora descobrimos um caminho pra SBS que paga R$9,0 de pedagio contra os 50 de campinas e que demora a mesma coisa só que sem congestionamentos em vésperas e retornos de feriados) voltamos pra sanca pra encarar a realidade. E no fds seguinte, já fui pra Franca com o Wagner abrir via num pico novo (e desta vez não é primeiro de Abril – mas o pico ainda não está liberado: há muito trabalho a ser feito – tanto de trilhas, quanto de vias). Mas esse assunto fica para um próximo post!

Em breve, aguardem...

Em breve, aguardem…