Feriado em São Bento – Chuva e cadenas a vista!

Aquela Seg "ishperta"

Aquela Seg “ishperta”

Pois é, no feriado de tiradentes fomos pra São Bento depois de 1 ano. Enquanto a galerinha do bem ficou na casa da “Ju, CV, Russo e Greg”, o Ives, a ML e eu ficamos na casa das amigas de SampaMeoo Silvia e San. Fomos muito bem recebidos, e a vibe é alto astral total! Ainda no domingo conhecemos também a Laís e até a Jan e o máquina Felipe Ho apareceram por lá pra dar um salve (pra San né, hahaha).

Aí no primeiro dia fomos com elas pra Divisa, onde pude testar mais um pouco as sapatas novas que estou avaliando, tanto da Spyffer quanto as Tchecas Triop. A Látex da Spyffer tenho usado ha um mes e tem o calcanhar melhor que o da five ten (o que não é muito dificil cá entre nós), e a borracha até agora tem cumprido o que promete. Sugeri algumas alterações como o fecho mais justo e os modelos disponíveis na Quero Escalar já estão com as modificações. Ela é bem agressiva, não é uma sapatilha DURA como a miura, é mais parecida com a cobra, inclusive o couro, mas veste bem no pé e tem boa adesão nos regletinhos. Eu brinco e digo até que parece o sistema no edge porque é bastante sensível e onde você bate o pé ela gruda. Enfim, mandei a Gripe Espanhola no setor tetos na divisa, um 7a que todo mundo que mandou 7a/b a vista como a It´s only rock and roll e a chão de giz aquele dia, não mandou, e achou que poderia ser um 7b hard ou 7c.

IMG_0103

Marina e Cleverson fazendo combo “Double Pose” com a mãozinha hehe

 

E por falar em 7c mandei meu primeiro 7c a vista! Fui pro setor comunista e mandei a “Quem mandou não estudar”. A via é muito legal, estava equipada e fiz uma leitura muito boa (o que pra quem conhece a via sabe que não é lá mto dificil). Aí as suspensões no tecido e no trapézio nas aulas de circo com a Trupe Uaaah! e a estabilização dos antagonistas e core na Equilíbrio corporal fizeram a sua parte – pois não tenho feito treinos específicos pra escalada nos ultimos meses por conta da dor no ombro.

Segundo dia, paredinha...

Segundo dia, paredinha…

No segundo dia rolou um disse que disse que não me disse. A galera do bem ficou de passar na nossa casa logo cedo pois lá nao pega celular, estávamos no pé do Baú e iríamos fazer parede. As 8:30 estávamos prontos e nada. 9:30 e nada. 10:15 saímos e a caminho descobrimos que eles já estavam lá nos esperando. 40 mins depois, quando finalmente chegamos ao pé das vias no Bauzinho depois de pagar a taxa de acesso/estacionamento, Ives e eu descobrimos que Isabeto convenientemente resolveram fazer a via que nós dois vinhamos comentando que queriamos fazer há dias. E toca esperar a primeira dupla. Nós na Homem pássaro, a dupla Honnold-Caldwell Cleverson e Greg na Galba, que a fizeram em sei lá, meia hora. Aí o Trio parada dura: Bia, Marilands e Marina, com pouca experiência acabaram sendo auxiliadas por um pessoal de SP, e o Hugo acabou dividindo a cordada com a ML. Eu e o Ives fomos revezando as cordadas, dividindo parada com Isabeto na HP, mas na quarta enfiada desabou a maior chuva, e tivemos que abandonar. E uma vez no cume do Baúzinho esperamos as meninas terminarem a via prussikando em cordas fixas sob a orientação do Hugo. Eu fiquei com a impressão de que a intenção nas mudanças da situação do Baú até que foram boas, mas o que se recebe não é o que se espera. Você paga pra entrar e estacionar o carro, e de cara encontra alguma infraestrutura. Para chegar no cume do do Baúzinho (onde antes se parava o carro) agora é preciso fazer uma caminhadinha. Até aí tudo bem. Mas o estacionamento atual causa muito mais impactos ambientais do que ir de carro até o local antigo pois a estradinha de nem 300m de acesso a esse estacionamento está em péssimas condições, parece um rio de lama quando chove e a parte baixa do estacionamento já está acumulando uma grande camada de lama sobre a grama provocada pela erosão acelerada da estrada. Foi por muita sorte e destreza dos motoristas ter conseguido sair dali pois depois da chuva a estrada se tornou um lamaçal. E se tivesse tido qualquer problema, acidente ou incidente antes havia uma casinha próxima ao cume do Baúzinho onde poderia ser guardada uma prancha rígida ou um kit de PS. Mas no final deu tudo certo, apesar de termos tomado a maior chuva. Ah, fiquei puto também pois meu Anorak/capa de Chuva Colúmbia com tecnologias Omni-Tech e Omni-weak-Evap se comportou como um moleton molhado. Mesmo fechado, molhou inteiro por dentro, enxarcou meu saco de magnésio, não fez diferença alguma na escalada e na proteção contra chuva. Aquelas capas de chuva amarelas do “PicaPau desce as cataratas” são mais impermeáveis com certeza.

Como tinhamos acordado a toa cedinho no domingo, na segunda acordamos tranquilamente e fomos para o frade sem muita pressa. Tínhamos a localização GPS do pico, do estacionamento, da entrada na rodovia, então chegamos por lá uma da tarde. Foi Bater na pedra, caiu uma chuvinha de verão de uns 15 mins, suficiente para nos espantar para o setor da direita, com algumas vias bem negativas com agarras boas. Delicia! Adorei a via Freddie Mercury, mas com agarra quebrada acho que a via deve ter subido de 7a para 7c/8a. E depois dela, fomos conhecer as vias no outro lado do pico, mas ficamos um pouco decepcionados com as trilhas e o pé das vias que carecem de manutenção. Então, mesmo com muita gente no platô, insisti em dar uma chegada ali no setor barcelona. Pude então entrar na via sem noção, um 7c que após longa batalha na segunda chapa, acabei mandando a vista também. Esta eu mandei com uma das minhas sapatilhas tchecas, a Triop modelo phet maak, que é mais durinha e tem um calcanhar bastante confiável. Fiquei muito feliz, não entendi muito bem o ocorrido. O final foi uma luta contra o tijolamento, tive que usar e abusar do posicionamento para fazer as costuradas gastando o mínimo de energia, e focar nos movimentos pois indo pra base realmente até pensei que pudesse cair mas aí utilizei aquela concentração da meditação, de focar no que é importante, esvaziar os pensamentos e Vualá. O Ives coitado, que acabou não escalando muito pois foi equipar umas vias fáceis pra ML e ela fez a desfeita de nem entrar. :/ E na hora de ir embora aquele pasto parecia uma rave, várias headlamps perdidas indo pra lá e pra ca sem achar o caminho certo do estacionamento. Aos poucos quase 20 escaladores foram chegando depois de terem ficado altamente perdidos e se orientado pelas headlamps dos que chegavam ao estacionamento e as deixavam ligadas no modo estrobo para ajudar os coleguinhas.

Na freddie Mercury, no Frade

Na freddie Mercury, no Frade com a Triop que brilhou muito

Ives na Freddie Mercury

Ives na Freddie Mercury

Pedra do Romão - Bases de vias tão boas que se seu carro passar no crux da estrada é até Kids-friendly!

Pedra do Romão – Bases de vias tão boas que se seu carro passar no crux da estrada é até Kids-friendly!

No último dia, combinei com um amigo de Facetoba, o Samuel de Cachoeira de Minas para conhecermos uma falésia nova – a Pedra do Romão. A Quero Escalar até tinha doado umas chapas pra ele abrir umas vias lá. O Carrinho nem subiu até o final pois já estava carregado com as malas pra ir embora na sequência, mas a caminhadinha é beem de boa. O Pico suuuuuuper bem organizado. Trilhas bem marcadas, degrauzinhos, croqui das vias em garrafinhas no pico, nossa, pico gringo mesmo, achei demais. Entrei em umas 3 vias mas nossa, realmente fiquei muito feliz em ter podido contribuir com o desenvolvimento desse pico. Parabéns Samuel e aos locais pelo trampo, valeu a pena, com certeza vocês verão mais visitantes em breve, recomendo a todos que tiverem cansados do eixo “Divisa-olhos” e quiserem conhecer um pico esportivo novo ali na região de São Bento, vale muito a pena!

Puberdade, 7a - Pedra do Romão

Puberdade, 7a – Pedra do Romão

E aí, já mais perto de Sanca (pois agora descobrimos um caminho pra SBS que paga R$9,0 de pedagio contra os 50 de campinas e que demora a mesma coisa só que sem congestionamentos em vésperas e retornos de feriados) voltamos pra sanca pra encarar a realidade. E no fds seguinte, já fui pra Franca com o Wagner abrir via num pico novo (e desta vez não é primeiro de Abril – mas o pico ainda não está liberado: há muito trabalho a ser feito – tanto de trilhas, quanto de vias). Mas esse assunto fica para um próximo post!

Em breve, aguardem...

Em breve, aguardem…

Anúncios