Sessão Nostalgia

Já que o assunto é nostalgia, ninguém melhor que ela.. Lynn Hill pra decorar o post

Já que o assunto é nostalgia, ninguém melhor que ela.. Lynn Hill pra decorar o post

Uma pessoa muito especial reclamou que faz tempo que eu não posto vídeos, então o post de hoje é só disso. Assim que receber as fotos do curso que demos no fds farei o relato, mas adianto que foi bastante proveitoso e extremamente prático!

Vou começar falando sobre a volta do “Pornô da Escalada”. Calma, não é um vídeo que vazou do Chris Sharma e da Daila Ojeda feito com o celular dele. É uma expressão antiga e de maneira nenhuma é pejorativa, apenas adjetiva a maneira como é montado um vídeo de escalada. Quando eu comecei a escalar, a gente baixava os vídeos no Escalada Brasil, que normalmente era um cara/mina, mandando uma via ou boulder, com um som reggero-alternativo (leia-se: DUB). E Só isso. 5 minutinhos, saiu do chão, escalou, chegou no final, mandou, créditos. Lindo! Mantendo essa receita, mas um pouco mais elaborado, quantas milhões de vezes nós não assistimos à conclamada série Masters of Stone, ou mais ainda, a série de 5 ou 6 filmes Dosage? O Dosage ficou clássico com o Chris Sharma mandando a via Realization (via que depois voltou ao seu nome original, Biographie) e a famosa musiquinha do Ekoman qdo ele manda a cadena: “… Do you loooooveee….. My muuuusic? Parananapara*”

Quantas vezes não cantamos essa musiquinha qdo algum amigo mandou algum projeto?! (tipo o Animalzin na caixa)..

No Masters of Stone, Dan Osman Solando com a lycra azul e fazendo entalamento de joelho a 100m de altura sem as mãos no negativo (2:24 do vídeo). Metallica com certeza nunca mais foi o mesmo, e se alguém não conhecia ou não gostava, depois desse vídeo realmente virou o símbolo de uma geração de escaladores. A gente ainda ficava se perguntando como ele conseguia fazer tudo aquilo com aquela bosta daquela Boreal que ele usava, ficavamos com dó. Ele devia ser muito foda mesmo.

Mas falando em pornô da escalada, acho que o suprassumo da pornografia escaladoristica back in those days foi o video do Iker Pou na Action Direct. Começa com eles vendo uma revista de mulher pelada chamada PAOLA… PAOLAAAAA HAHAHAHA (sic) depois o cara enfia o dedo dele grosso igual uma linguiça num “Shalow Mono” – um monodedo raso – e dá um bote num negativo quase 45º para um bidedo aparentemente menos ridículo que o mono. Se tivessemos vídeos de escalada na TV, esse seria um clássico da Sessão da tarde, tipo a Lagoa Azul. UN-BELIEVABLE (é para o escalador de verdade o que o vídeo do indiano de shortinho amarelo é para um leigo).

Bem, e de lá pra cá os vídeos evoluíram. Abençoadas câmeras que filmam em HD se tornaram comuns e os vídeos melhoraram. E aí a galera começou a criar roteiros, histórias, dramatizar, e em alguns vídeos é possível até ver alguns escaladores escalando mesmo, entre uma cena em Macro do close de uma florzinha com um laguinho ao fundo desfocado e o depoimento emocionado falando como aquela foi a via mais difícil e mais bonita que aquel@ escalador@ ja fez (que normalmente é um video que gravam só uma vez e colocam no fim de todos os videos em que aquela pessoa aparece escalando). Isso quando o depoimento emocionado não é porquê sua escalada salvou a vida de criancinhas na África.

Aí começou a ficar meio Over, e pra virar uma novela só falta beijo lésbico (por favor, alguém?!) e uma trama de intrigas e fofocas (tipo se valeu a cadena porque a via tinha agarras cavadas ou saiu de cima de um tijolinho de 20cm pq não alcançava a primeira agarra da via, ou se o First Ascent foi liberado pelo conquistador da via). E sem contar os vídeos de Drones né? Que são melhores que os vídeos de Go-Pro, que pelamor, entram no campo do errou-feio-errou-rude. Saiu na Climbing do ano passado uma matéria “Quando é Ok eu escalar com uma gopro na cabeça?” Aí tinha um fluxograma ou algo assim, mas resumidamente era: “…Você é fodão, patrocinado e precisa justificar suas atividades? Então arranje alguém pra filmar você direito. Você é amador e quer fazer um vídeo seu escalando só pelo lúdico? Pare, você nunca vai assistir e aquilo só vai fazer você parecer um idiota no meio da galere. Você está sozinho no pico? Você não vai querer lembrar do dia que não conseguiu arranjar nenhum amigo pra ir escalar com vc“. Já os Drones estão cumprindo a função de pegar uns takes muito legais de escaladores e escaladas bem bacanas, só espero que não se tornem o novo “Macro na florzinha com o laguinho desfocado no fundo”. Está no começo, mas pelo que temos visto é bem mais que isto e a expectativa é positiva para eles. E agora uns vídeos atuais para comparar a qualidade:

Esse aqui um pouco sentimental demais, mas mostra umas boas cenas de Climb. Achei impressionante pois nunca tinha ouvido falar isso: O Cara caiu tanto no crux, que teve que aposentar 2 mosquetões por desgaste!! (ao longo de 1 ano). Vaya perseverança! (sem contar os pinos no ombro, ter sido renegado pelo médico, aquela coisa que pelo menos eu tenho visto direto por aí).

Um dos vídeos que mais me alegraram e motivaram a falar sobre a volta do pornô do Climb foi esse, muito bom.. Imagino que deva ser tipo o pornô 3D, pois é cheio de efeitos, muito legal. Acho que os escritos na tela enquanto o escalador clipa a corda podiam durar um pouco mais pra dar tempo de ler. Mas realmente um marco muito bacana no pornô Climb nacional, assim como o próximo vídeo que entra no lado oposto do pornô, ou seja, dos documentários.

Esse é muito legal pois é um exemplo de como devem ser feitas as novelinhas de climb de hoje em dia. Mostra a Falésia Paraíso em Pindamonhangaba/SP, e conta a história das conquistas, com os responsáveis pelo local, fala das vias, possui imagens muito bem encaixadas. Com Drone e tudo! Está longe de ser um pornô de escalada pois quase não vemos escalada de fato, mas como documentário, é nota 10!

E pra não falar que eu não falei de Boulders, essa Italiana de 15 anos mandando V11, não vou categorizar esse vídeo porquê seria pedofilia falar em pornô num vídeo com uma mina de 15 anos hahahaha

Esse vídeo eu achei cabuloso. Mistura Drone, quase nada de história e mostra o pico deixando todo mundo com água na boca. Detalhe que fica no local onde tão querendo construir uma Usina Hidrelétrica. Se fosse no Brazil, as obras já estariam iniciadas, canteiro de obras em pé, antes mesmo da aprovação do Senado, que seria comprado por algum esquema de propina e financiamento de campanha. Ver Belo Monte.

E uma série que está campeã, estou muito ansioso para ver os outros episódios é a Roc Brasil, mostrando as escaladas na Chapada Diamantina. Sério, muito melhor que as séries machistas, tendenciosas e monocromáticas da EpicTV, graaaande elenco com personalidades verdadeiras como LP Silva, Rafael ou Gironha, grandes figuras da escalada da Chapada que contribuiram muito mais para  escalada do mundo do que dois gringozinhos que escalam ônzimo grau e vão pra outro país arrancar chapas das vias alheias. Esses sim! LP Xibungo! Rafael, e Gironha e os chegados é que merecem destaque na mídia pelo que tem feito, pelo bonito trabalho com as comunidades, pela escalada, e pela inspiração. E os criadores da série, meu muito obrigado, troféu “Enquantoissonaomuitolongedali” de melhor vídeo de todos os tempos da última semana.(esse é só o Teaser… fico ansioso pelo original!)

E pra acabar, um pornôzinho gringo na espanha com a eslovaca Alexsandra Ola Taistra falando um pouco dos climbs, do que ela gosta e não gosta. Eu diria que é exatamente o modelo perfeito do nosso ClimbingPorn moderno não exagerado.

Muita informação né? Eu sei, espero que tenha gostado, que motive, entretenha e inspire!

Curso de Escalada, pra quê?

Pra você não morrer antes da hora, simples assim. Existe uma premissa básica que eu acho muito válida que é: Quanto mais ignorante a pessoa é sobre um determinado assunto, mais expert ela se considera. Por isso é extremamente importante que as pessoas invistam em sua capacitação pessoal e segurança naquele que provavelmente é o esporte mais importante de suas vidas: A escalada. Existem muitas nuances sutis para se aprender neste universo vertical, e nem tudo são flores no maravilhoso mundo da escalada. Existem peculiaridades sobre fitas, mosquetões, freios, cadeirinhas, cordas e até mesmo sobre as técnicas e nós que muita gente nem sonha que exista. Muitas coisas são divisores de águas entre ter um trabalho danado para realizar procedimentos de segurança simples ou realizá-los com maestria e rapidez (rapidez essa que pode ser crucial para sua segurança em determinadas situações). As vezes o que garante que você volte com vida para o chão depois de uma escalada é saber que uma fita não pode atritar com corda pois o ponto de fusão dos dois quando atritados submetidos a uma carga é facilmente alcançado. Saber que existem mosquetões e mosquetões. Que aquele mosquetão que você comprou mais barato na verdade vai ficar encostado pois para sua necessidade ele não é adequado. E aquela cadeirinha de rapel que você comprou achando que era a maior pechincha do século para só então descobrir que não serve pra escalada guiada (e que além de tudo é desconfortável pra cacete?!)? Um acidente não acontece, é construído. E é para evitar a sucessão de pequenos erros que podem levar a uma fatalidade que serve a capacitação. Para identificar riscos, saber as limitações dos equipamentos e as técnias para as quais eles foram desenvolvidos  – e tão importante quanto: para as quais eles NÃO foram desenvolvidos.

O Curso de Escalada da Quero Escalar aborda todos esses detalhes técnicos de equipamentos e vai além, passando aos participantes de maneira didática, prática e dinâmica todos os procedimentos para se assegurar um escalador, para preparar os procedimentos para montar uma parada equalizada e limpa-la depois. Quem faz este curso sai sabendo conferir os equipamentos próprios e os demais, e se torna um ponto de referência entre seu grupo pois saberá avaliar a maior parte das situações de risco a que estão submetidos os escaladores esportivos típicos.

Enfim, faça um curso, se especialize, escale com segurança e ganhe confiança para se aventurar cada vez mais alto nesse tão fascinante universo vertical.

O próximo curso será neste fim de semana! Clique aqui e faça já sua inscrição, Em caso de chuva já temos um local preparado para as práticas acontecerem normalmente.

Não perca tempo, inscreva-se já! Pagamentos facilitados =)

Não perca tempo, inscreva-se já! Pagamentos facilitados =)

Manutenção de vias no Cuscuzeiro, via nova na Invernada

???????????????????????????????

Estreando a nova metranca com trabalhos de manutenção de vias.

É muito comum que vias abertas por pessoas acabem órfãs. Os conquistadores acabam (casando) parando de escalar, se mudam pra outro estado, e aí a comunidade local é que tem que adotar a filha. Com muito gosto!

No Cuscuzeiro existem vias abertas por muita gente, apesar de muitas serem do Tonto. Um exemplo são as vias do Carsten, o alemão que hoje é Business Manager na Edelrid, e que em 1997 veio para o Brasil e abril 7 vias em duas semanas e nunca mais voltou. (A história você confere no Guia Completo de Escalada do Cuscuzeiro). Algumas vias mudaram sua característica (de ser apenas uma via para se tornar acesso ao cume por exemplo, ou de ser uma via muito mais frequentada), os escaladores mudaram também. Antigamente se fazia muito mais top rope. Antigamente se acessava o cume pela carteirinha. Hoje em dia os escaladores escalam muito mais guiando, entram muito mais em sétimos, enfim, a comunidade evolui, e com isso, na hora de fazer a manutenção nas vias, é importantíssimo que se aproveite para atualizar também as proteçõese e a maneira como as paradas são colocadas. Muito se evoluiu, aprendemos muito com os gringos e hoje em dia está cada vez mais comum mosquetão na parada das vias esportivas. Ou então argola pra se descer de baldinho. O rapel está ficando uma coisa exclusiva de vias de parede (leia-se: de várias cordadas). Que fique bem claro que nenhuma chapeleta foi removida ou adicionada à nenhuma via por mim, apenas feita a manutenção.

Com a chegada de uma metranca nova, aproveitei o ímpeto e fui com o Beto na quarta-feira para o Cuscuzeiro fazer a manutenção devida. E no sábado voltei para terminar o que não deu tempo ou faltou a broca certa.

  • Nós atualizamos a parada da Sunday Bloody Sunday, pois tem sido uma das vias mais escalada do cuscuzeiro, e, aproveitando um bolt da Sabath Bloody Sabath, criamos uma alternativa ideal para limpar a via sem que a corda danifique a rocha (nem seja danificada por ela) ficando muito mais fácil e seguro para todos limpar a referida via. Na mesma via tiramos a cantoneira que era utilizada como segunda chapa, e pusemos uma chapeleta de verdade.
Nova parada na Sunday para descer de baldinho. Mais rápido e não danifica a rocha (tampouco sua corda)

Nova parada na Sunday para descer de baldinho. Mais rápido e não danifica a rocha (tampouco sua corda)

  • Adicionamos uma Bonnier na parada da via Tarzan, que termina no platô do Bundão, para o caso de alguém precisar descer do platô dali mesmo (em caso de chuva por ex.). Antes o rapel era feito num pino P apenas, e agora conta com o P e uma bonnier.
Chapeleta com Spit e um pino P eram o que tinha nessa parada. Agora, a bonnier veio para garantir mais segurança pra quem precisar descer dali.

Chapeleta com Spit e um pino P eram o que tinha nessa parada. Agora, a bonnier veio para garantir mais segurança pra quem precisar descer dali.

  • Trocamos as chapas do platô da pervas pois as que lá estavam eram de espeleo e os mosquetões na hora de armar uma parada ficavam raspando na rocha.
  • Trocamos a parada da via “Jungle Man” que antes contava apenas com 2 chapas sem seção arredondada (cujos parabolts estavam dando medo) e ainda deixava o mosquetão sobre uma quina. Agora a nova parada está coisa de 15cm mais baixa, e ficou mais confortável para dar seg para o segundo. E se tornou mais uma alternativa para se rapelar até o chão.
O bolt da direita enferrujado e em cima de uma quina, que rala fitas e mosquetões.

O bolt da direita enferrujado e em cima de uma quina, que rala fitas e mosquetões.

O bolt da esquerda enferrujado e torto. Agora deram lugar a uma nova parada com pinos P com um inovador sistema de expansão.

O bolt da esquerda enferrujado e torto. Agora deram lugar a uma nova parada com pinos P com um inovador sistema de expansão.

  • Ficou assim: Dependendo do tamanho da corda é possível fracionar o rapel do Cume até a parada da Insaciavel e dali para o chão (corda de 60 ou menos), ou da parada da sedosa/bucaktus no platô mesmo (próximo ítem) direto pro chão com corda de 70.
  • Adicionamos uma proteção à parada da Sedosa/Bucacktus, trocamos a chapa de espéleo por uma cantoneira de argola e a nova proteção conta com vários elos de corrente para ficar da mesma altura e o rapel ser mais suave na sua corda.
Nova parada da Bucaktus: Agora uma parada normal de 60~80cm faz uma parada equalizada legal, e é possível rapelar daí mesmo até a parada da Insaciável.

Nova parada da Bucaktus: Agora uma parada normal de 60~80cm faz uma parada equalizada legal, e é possível rapelar daí mesmo até a parada da Insaciável.

  • E pra finalizar, na Parada da Cactus Now colocamos mais uma chapeleta pra corda não ficar raspando na rocha e mais orientada com relação ao restante da via. Um Mosquetão torna possível o baldinho dessa via (o que só é possível pela chapa nova, que evita que a corda não rale numa virada mais abaixo).
O mosquetão é doação do CUME - Centro Universitário de Montanhismo e Excursionismo de São Carlos

O mosquetão é doação do CUME – Centro Universitário de Montanhismo e Excursionismo de São Carlos

Bem, foi essa basicamente a manutenção que fizemos no Cuscuzeiro semana passada. Lembrando que com exceção do mosquetão da Cactus, que foi doado pelo CUME, todo o restante dessa ação foi financiada pelas pessoas que compram seus equipamentos e fazem seus cursos de escalada com a gente da QUERO ESCALAR pois é da Quero Escalar que vivemos, tiramos nosso sustento e compramos chapas, bolts, correntes e mosquetões de aço para por nas paradas das vias (e pagamos nosso rango, a gasolina e o pedágio pra ir até lá fazer isso).

E por falar em via, abrimos mais uma via na Invernada domingo. Com alguns chumbadores “Alfa” em mãos (daqueles que dão expansão em rocha digamos assim, não muito sólida) fui com a Marina pra Invernada (E mais ninguém nessa cidade animou) e, sob condições adversas começamos uma via do lado da Peru Express. Faltou a parada porque tomei duas picadas de abelha europa/africana/seilá e tive que abandonar correndo, mas por enquanto tem 5 chapas muito bem batidas e expandidas. Um tronco de árvore podre atrás da via foi providencial para a conquista debaixo pra cima pois dava apoio e equilíbrio para vários momentos. Como sou grande, faço de tudo para furar o mais alto possível, perto de onde tem agarra pra costurar ao mesmo tempo num lugar em que a rocha seja suficientemente sólida, e por isso as vezes é preciso ficar em posições malucas pra poder fazer o furo, o que garante menos furos por via. É um sofrimento mas é uma das melhores coisas da escalada!

Posições esdrúxulas para furar a próxima chapa. Cliffs nessa rocha nem pensar!

Posições esdrúxulas para furar a próxima chapa. Cliffs nessa rocha nem pensar!

Técnicas avançadas de abertura de via em rocha digamos assim - que quase não da pra chamar por esse nome!

Técnicas avançadas de abertura de via em rocha digamos assim – que quase não da pra chamar por esse nome!

Como tivemos que bater em retirada por causa das abelhas, não deu tempo de limpar a via, nem de roçar o mato, tampouco escala-la pra saber o grau (estimo em torno de 6sup) mas na nossa próxima visita ao pico tentaremos termina-la. Aliás, oferece-se recompensa para quem tirar os 3 GIGANTES cachos de abelha europa/africanizada do Pico. Paga-se bem, e em dinheiro.

Ah, e antes que ela tenha achado que eu esqueci, agradeço à minha amiga Rê Leite de Sampameoo que nos doou 10 chapas e bolts no reveion. Não esqueci não, essa via é conquista sua também, obrigado!

Sístole & Diástole

Até a ruptura na rocha propicia fendas que são tão amadas pel@s escalador@s

Até a ruptura na rocha propicia fendas que são tão amadas pel@s escalador@s

Os padrões da natureza se repetem do micro ao macrocosmo. São relações quânticas entre átomos, partículas e moléculas que tem suas interações geridas por forças que vão se propagando ao ponto de podermos observar os mesmos efeitos no nosso dia a dia. E na nossa vida. Tudo tem altos e baixos, todos tem momentos super alegres, outros mais “tranquilos”. Faz parte da vida, do aprendizado, e com a escalada nós vamos aprendendo que “um dia da rocha, outro do escalador”. Nossa vida pessoal ou profissional nem sempre será um mar de rosas (ou uma via positiva com agarrão) mas precisamos saber lidar com cada crux pessoal, ser perseverante e superar os obstáculos – ou saber a hora de desistir, mudar de via, deixar a pressão de lado e escalar um pouco por diversão e menos pela “pressão”. Seja qual for o caso, disciplina é fundamental para se ater ao que é realmente necessário e poder tomar decisões fundamentadas para saber escolher qual o próximo passo, ou seja: fazer um move a mais pra sair do regletinho e costurar do agarrão confortavelmente em vez de perder tempo e energia pra costurar daquele microrreglete no meio do crux. Tudo vai depender da energia que você dispender com suas ações, e uma ação antecipada para colocar um costurão no crux (ou não colocar um costurão) para se fazer a clipada da melhor agarra (e não cair em tentação de clipar quando se está “na merda”) pode ser o diferencial entre mandar ou não mandar uma via. Mas aí já entram conceitos como planejamento, tomada de decisões e atitudes pro-ativas. Tudo isso eu estou falando da escalada, mas quem aí não se identificou com situações do dia a dia? A vida é uma grande dança e a música que devemos seguir é a dos nossos átomos, elétrons e suas frequências interativas. Ou não parece que quando algo não vai muito bem é porque estamos dançando fora do ritmo da música?

Bem, e falando em frequência, as últimas semanas andaram meio fracas para vídeos, mas nessa já bombaram tantos vídeos em dois dias que daria pra fazer uns 2 posts.

Começando com:

Um vídeo que começa bem, até a metade um vídeo normal de escalada bem clichê até… Só que no final da uma reviravolta, ninguém consegue mandar mais porra nenhuma aí os roteiristas apelam para mostrar esse lado B da escalada que ninguém mostra, o da frustração, o dos machucados, do mau humor, do “não-conseguir”. O segredo do sucesso desse vídeo (que tinha recorde de comentários) é que mostra mais a parte “normal” da escalada, que encaramos todos os dias que é o processo de trabalho de uma via ou boulder, e menos aquela parte que dura o menor tempo, que é quando conseguimos de fato mandar nossos projetos.

E já que estamos falando em “não mandar” as coisas, temos esse vídeo de uma escaladora praticamente anônima pra nós malhando uma fenda de teto em móvel de 9c Br (8aFr). Detalhe para a Seg com a cadeirinha Cyrus da Edelrid (a melhor cadeirinha do mundo na minha opinião hehe) e para a mochila da escaladora, que parece ser da época da guerra da secessão americana (também conhecida como guerra civil, por volta de 1860).

A dupla dinâmica Alex Honnold e Cedar Wright atacam novamente com mais um filme da série “SufferFest” (festa do sofrimento). Atravessando o deserto de bike, escalando várias “agulhas” (e se fudendo pra caralho) com rocha que nem sempre dá pra chamar de “rocha” de tão podre, a dupla faz caras e bocas numas escaladas insanas. Compete com o filme “50 tons de cinza” pelo título de filme mais sadomasoquista do ano. Seria trágico se não fosse cômico. Se o trailer já é bom, imagina o filme completo, que está para download por 14 dolares. Juro que se eu ganhasse em dólar compraria, mas o jeito é esperar aparecer no torrent ;)

Ah! E tem esse filme do ano passado que não pus aqui ainda, mas que tem tudo a ver com “não mandar”. Depois da treta com a Sasha digiulian pra ver quem ia escalar a via Orbayu, Nina Caprez passa semanas malhando a via, “malemá” consegue isolar o crux, reavalia a situação e diante de todo o stress resolve dar um tempo da via (e dos relacionamentos amorosos estáveis), e vai curtir a vibe do climb nas falésias esportivas, sair com a galere, enfim, dar um relax. Eis o teaser do filme sobre suas tentativas na Orbayu.

Hazel Findlay, uma das escaladoras mais destemidas (com três bolas) da atualidade, falando sobre suas escaladas, sobre as coisas que teve que abrir mão, que se tornou “INEMPREGÀVEL” em nenhum emprego do mundo depois que se tornou escaladora. Mas a última frase do vídeo fecha com chave de ouro o post de hoje:

“…If you´re not having fun, then…. what´s the point?” ou, em português: Se você não está se divertindo, então… qual o sentido?

(Não deu pra colocar aqui, mas é só clicar no link abaixo, e vai abrir uma sequência de vídeos muito massa dela com o Alex honnold fazendo uns psicobloc em Oman)

http://video.nationalgeographic.com/video/short-film-showcase/she-climbs-like-a-girland-its-awesome

Bem, e por hoje é isso! Temos algumas novidades na Quero Escalar, (pra variar, sempre novidades, a-do-roooooo).. entrem aqui e não se reprimam!

A casa caiu pro Maestri – Provado que a primeira ascensão do Cerro Torre em 59 foi uma falácia!

Polêmicaaaa!!!

Pois é, um dos escaladores mais ativos da Patagônia, Rolo Garibotti publicou em seu blog/site um “compêndio” com provas de que as fotos que Maestri tirou alegando ser na suposta primeira “ascensão” do Torre são na verdade em outro local! Confira o blog e veja as fotos e evidências, que fazem parte de um livro a ser publicado pelo Rolo. Clique aqui e veja a postagem original e as fotos comparativas de 59 e as fotos atuais provando que o lugar é outro.

Maestri sempre muito polêmico, tanto na eventual primeira ascensão, quanto na eventual segunda ascensão (ao que parece nenhuma das duas tentativas chegou ao cume).

Maestri sempre muito polêmico, tanto na eventual primeira ascensão, quanto na eventual segunda ascensão (ao que parece nenhuma das duas tentativas chegou ao cume).

Um vídeo de cada…

Ciça escalando uma "Barbaridade!" kkkkkk

Ciça escalando uma “Barbaridade!” kkkkkk

As duas últimas semanas, de repente, pipocaram com vídeos iradíssimos pela internet afora. Muitos já foram postados no Face da Quero Escalar, (portanto, se você ainda não curtiu, curta e veja antes). Tem pra todos os gostos (anal, bukake, swing, amadoras) Boulder, esportiva, trad, de várias cordadas, treinos, competições… enfim, vamos logo ao que interessa?

Começando com um vídeo de história. Explicando a história do REDPOINT. Não sabe o que é? Bom, sabe quando você manda uma via? Ou seja, você escalou ela inteira, guiando, sem cair, certo? (CERTO? Não existe mandar com uma queda, nem mandar de top). Pois é. Você pode mandar ela a vista (onsight) que é quando você não sabe absolutamente nada sobre a via, só o grau e olha lá. Não sabe onde é o crux, não sabe a característica da via (se é de reglete, abaolado ou negativa) NADA. Nunca viu ninguém escala-la. Se você tiver qualquer noção de que a via tem reglete, ou que o crux é no começo ou no fim, já é FLASH (e aí não tem tradução, em português é flash mesmo). Agora, se vc “malha” a via N vezes, ou seja, entra nela mais que uma vez, ensaia os movimentos para só então mandá-la, então você mandou ela no chamado “redpoint”, ou seja, quando não é nem flash nem a vista. Mas porque redpoint? Agora chegamos ao ponto que eu queria (o vermelho?). Assista o vídeo e entenda essa história:

E já que estamos em ritmo de chucruts, mais um vídeo, desta vez da Sasha Digiulian dando um treininho “de buenas” em uma das academias conceito na Alemanha, o chamado Cafe Kraft. Várias dicas boas para incorporar em nossos treinos hein magrelas?!

E um que só descobri essa semana. Muito bom, vídeo feito na Itália, de uma via de várias cordadas, tudo na casa do 10b. A via sai de dentro de uma gruta, e vai virando o negativo até ficar vertical. O nome da via? Divina Comédia, epopéia Italiana de Dante Aliguieri, que está para o Italiano assim como os Lusíadas está para o Português. O livro, que é uma espécie de Senhor dos Anéis da idade média, conta a passagem do autor pelo Inferno, purgatório e finalmente céu, e cada etapa é composta por 3 livros (alô hollywood, se 1 hobbit rendeu 3 filmes, esse livro pode render 27! kkkkkk). Enfim, com vocês, o tal vídeo:

Vídeo de Nico Favresse fazendo o FA (First Ascent, primeira ascensão em livre – ou seja, só usando a rocha para subir, tendo a corda somente para sua proteção em caso de queda – e não tendo esta sido necessária em nenhum momento) de uma via na Noruega, toda em móvel. Ficaram mil anos lutando contra o mau tempo, e em algum momento chegaram a achar que não ia rolar. Em outro momento anterior, pensaram que mais um pega sairia (tipo um amigo meu na ética kkkk). Em determinado momento ele rasga o verbo e mete o pau na galera que faz tickMarck (marquinhas de magnésio na parte boa de agarras chave para facilitar a precisão e não errar na hora “H”), usa cordas fixas e outros artificios modernos, chamando-os de preguiçosos e que estão tentando ser uma coisa que não são.  Esqueceu de dizer que cada um escala o que quiser da maneira que se diverte mais né? Basta do Tribunal de pedra por aí. (E não esquecer de apagar os tickmarcks e remover as cordas fixas depois da escalada).

E finalizando. Por increça que parível, deixei o melhor de boulder pro final. Isso mesmo! Um vídeo de Boulder do Atleta Edelrid Espanhol Iris Matamoros (Mas se não tiver ele matamontanhas, matacolinas – Badun-tsssss). Deve ser parceiro do Alberto Rocasolano ;) . O vídeo é uma compilação de muitos boulders de sua trip para Rocklands, simples porém bastante entretivo:

E pra encerrar um treino de ombro incrível para ficar com as escápulas, manguito rotador e deltóides petrificados igual do Patxi Usobiaga:

como diria um comentário que vi no Facebook: “Matei no peito, um, dois, nem me viu já sumi na neblina” huahuahua

Isso aí personas! Todos treinando forte para o Climb de Carnaval? Qual vai ser? Carnavarcos? Bocairnaval? Carnapó? Cuscuval? São Bentav…. CHEGA.

PS – EXTRA!! EXTRA!! Notícia QUENTINHA de última hora, saiu enquanto eu escrevia o post: A Quero Escalar vai apoiar mais um evento! A Invasão Feminina no Rio que vai acontecer no dia 8 de março na Praia Vermelha! 

Cipó de Reveion (muitas fotos)

Bia e os contrastes das rochas do Cipó

Bia e os contrastes das rochas do Cipó

Fomos para o Cipó, ficamos 15 dias. Escalamos horrores e tive a oportunidade de escalar muitas vias a vista em setores novos e repetir algumas clássicas. Cheguei a mandar um 7c/8a no segundo pega (Por entre as pernas da perseguida) mas infelizmente não pude mandar todos os projetos que tinha. Tivemos a oportunidade de conhecer todos os setores novos e linkar por dentro o G3 ao G2 ao G1, coisa linda. O PCC é o canal pra dia de muito calor. O Blair pra qualquer dia, e o papagaio é irado! E o setor Janela então?! Puts, pirei!

Eu não pude entrar em tudo que eu gostaria pois no comecinho de dezembro senti um incômodo no ombro, que na segunda metade da trip voltou a incomodar. Eu nunca tinha sentido nada no ombro, mas agora como o elo mais fraco que eram os dedos foram fortalecidos, deve ter aparecido outro elo fraco :/ Foi num move besta e fácil no final da Especialidade da casa indo de um agarrão para outro agarrão q senti o Crec no ombro. <<Burroooooo>>. Aí que que o infeliz aqui faz? Mesmo com o alerta no ombro, depois de 2 dias, entra na Heróis equipando. Very clever! Quando cheguei no chão tiveram que tirar o nó pra mim e fui medicado com 1 dorflex e 2 cataflans pq não aguentava de dor no ombro/braço esquerdo. Ó dó…. Aí até o fim da trip tive que abaixar o nível e fiquei escalando só sétimos a vista com o Ives pra não forçar. Foi bão também! Fiz várias vias novas legais na perseguida, no Blair, no PCC, no Coliseu, no Serra Pelada. Escalada à vista é muito massa, não sei pq não vejo a galera fazendo esse tipo de escalada por lá.

O Greg foi o nosso menino de Ouro, mandou a ética e a na Calada da noite, e como diria a Bia, o resto não fez mais que a obrigação. Fiz um sexto grau lindo de morrer, “delício” na perseguida, novo, duas vias pra direta da por entre as pernas, sensacional. Repeti a Gigante pela propria natureza, flashblack, entrei na sheetara de novo, conheci a 11 proteções e 1 segredo, finalmente conheci a Dilúvios na Sancho Pena e a Via de Blair (que vias incríveis!). Incríveis também as duas vias da esquerda do PCC, um 6sup e um 7a, e fiquei morrendo de vontade de entrar na Pablo Escobar e na Zé pequeno, mas fui pela prudência que me faltou antes e me contive entrando em vias mais tranquilas. Ah! E pude mandar finalmente um 7b que tava devendo desde 2010, a “Minha amada imortal” no G1. A primeira vez do Ives no Cipó foi muito bem, fez até um ou outro 7a em flash e pode conhecer a maioria das clássicas.

Confira as fotos que acho que elas falam mais que palavras :)

Nossa, e nessa trip aconteceu a situação mais bizarra da minha vida com rapeleiros. Estavamos no setor da Melzinho, o Greg tinha acabado de mandar a Sem compromisso 7a e tinha um brother de Sampa malhando a Jungle Boy. De repente… Senta q lá vem a história:

Quando vejo alguém fazendo presepada no pico de escalada...

Quando vejo rapeleiro chegando no pico de escalada…

Num puta calor de 35º, todos derretendo, chega a gangue do rapel com macacão de piloto da força aérea, de bombeiro, de lixeiro, entre outros. Cheio de brasões, bordados e claro, coturno até o joelho. Garotos de 15, senhoritas de 30, homens nessa faixa também. E o líder de shortinho da copa de 70 e camisetinha (igual do gif acima). Vinham com corda no pescoço, cadeirinha em mãos, nenhuma mochila. Comentando entre si: “…Olha lá, eles já estão descendo aqui, vamos ver como eles tão fazendo…”  Eu cheguei até a pensar que fosse alguma coisa da brigada de resgate local, onde algum escalador foda estivesse ensinando alguma coisa para alguma turma sobre procedimentos de segurança em escalada. Ledo engano. Eles chegaram a perguntar se todos que ali estávamos na base da via (no chão) já tinhamos todos descido. Tive que explicar que nenhum de nós que ali estava havia descido, só subido e que apenas o último fica pra limpar a via e descer (nem me dei ao trabalho de explicar que depois de subir, haviamos descido de baldinho, preferi ser mais incisivo). Aí o Rapeleiro Alfa chega pra mim e pergunta: “É nossa primeira vez por aqui, onde vc recomenda que a gente faça rapel?”

via a vista 8anu

Ao que eu prontamente meio que sem pensar respondi: NÃO RECOMENDO. <<grilos – Cricri-cricri-cricri>>

coice-o

É, não foi um coice assim, mas alguns falaram que soou meio assim hehehe. Alguns segundos de silêncio depois que sucederam a resposta: “Mas não tem um lugar onde as pessoas fazem rapel aqui?” Não. não tem. O pessoal aqui vem pra escalar mesmo. Conheço os escaladores locais e pelo q eu sei essa atividade não é bem vista por aqui. Aì eles agradeceram, viraram as costas e foram “meio que caçar” um lugar pra exercer a deplorável atividade. Sem sucesso pois meia hora depois estavamos mudando de setor e cruzamos com eles passando por nós de novo na trilha, indo embora. Ai ai, até quando né gente? Não vou nem comentar pq se formos analisar as raízes disso passaríamos por parâmetros socio-econômicos, a falta de investimento e de interesse do governo em educação, a alta carga tributária, a safadeza descarada exercida pelo governo todos os dias, o monopólio do futebol em todas as mídias, que anda de mãos dadas com o machismo inerente à nossa sociedade, o desinteresse das pessoas por politica, ou seja: a falta de consciencia das pessoas sobre qualquer assunto e a superficialidade das discussões.

 

Agora fiquem com uma galeria de fotos do reveion…

E voltando ao tema principal do Blog que é fofocas escalada, mais fotos, pois na segunda metade da Trip, eu zuado me pus a tirar mais fotos afinal, era o que me restava fazer.

 

Bem, e essa foi mais uma trip pro Cipó! Agora é focar na recuperação e planejar a próxima! Que venha a rehab né, pq por enquanto é o que ta dando pra almejar! =D