Sístole & Diástole

Até a ruptura na rocha propicia fendas que são tão amadas pel@s escalador@s

Até a ruptura na rocha propicia fendas que são tão amadas pel@s escalador@s

Os padrões da natureza se repetem do micro ao macrocosmo. São relações quânticas entre átomos, partículas e moléculas que tem suas interações geridas por forças que vão se propagando ao ponto de podermos observar os mesmos efeitos no nosso dia a dia. E na nossa vida. Tudo tem altos e baixos, todos tem momentos super alegres, outros mais “tranquilos”. Faz parte da vida, do aprendizado, e com a escalada nós vamos aprendendo que “um dia da rocha, outro do escalador”. Nossa vida pessoal ou profissional nem sempre será um mar de rosas (ou uma via positiva com agarrão) mas precisamos saber lidar com cada crux pessoal, ser perseverante e superar os obstáculos – ou saber a hora de desistir, mudar de via, deixar a pressão de lado e escalar um pouco por diversão e menos pela “pressão”. Seja qual for o caso, disciplina é fundamental para se ater ao que é realmente necessário e poder tomar decisões fundamentadas para saber escolher qual o próximo passo, ou seja: fazer um move a mais pra sair do regletinho e costurar do agarrão confortavelmente em vez de perder tempo e energia pra costurar daquele microrreglete no meio do crux. Tudo vai depender da energia que você dispender com suas ações, e uma ação antecipada para colocar um costurão no crux (ou não colocar um costurão) para se fazer a clipada da melhor agarra (e não cair em tentação de clipar quando se está “na merda”) pode ser o diferencial entre mandar ou não mandar uma via. Mas aí já entram conceitos como planejamento, tomada de decisões e atitudes pro-ativas. Tudo isso eu estou falando da escalada, mas quem aí não se identificou com situações do dia a dia? A vida é uma grande dança e a música que devemos seguir é a dos nossos átomos, elétrons e suas frequências interativas. Ou não parece que quando algo não vai muito bem é porque estamos dançando fora do ritmo da música?

Bem, e falando em frequência, as últimas semanas andaram meio fracas para vídeos, mas nessa já bombaram tantos vídeos em dois dias que daria pra fazer uns 2 posts.

Começando com:

Um vídeo que começa bem, até a metade um vídeo normal de escalada bem clichê até… Só que no final da uma reviravolta, ninguém consegue mandar mais porra nenhuma aí os roteiristas apelam para mostrar esse lado B da escalada que ninguém mostra, o da frustração, o dos machucados, do mau humor, do “não-conseguir”. O segredo do sucesso desse vídeo (que tinha recorde de comentários) é que mostra mais a parte “normal” da escalada, que encaramos todos os dias que é o processo de trabalho de uma via ou boulder, e menos aquela parte que dura o menor tempo, que é quando conseguimos de fato mandar nossos projetos.

E já que estamos falando em “não mandar” as coisas, temos esse vídeo de uma escaladora praticamente anônima pra nós malhando uma fenda de teto em móvel de 9c Br (8aFr). Detalhe para a Seg com a cadeirinha Cyrus da Edelrid (a melhor cadeirinha do mundo na minha opinião hehe) e para a mochila da escaladora, que parece ser da época da guerra da secessão americana (também conhecida como guerra civil, por volta de 1860).

A dupla dinâmica Alex Honnold e Cedar Wright atacam novamente com mais um filme da série “SufferFest” (festa do sofrimento). Atravessando o deserto de bike, escalando várias “agulhas” (e se fudendo pra caralho) com rocha que nem sempre dá pra chamar de “rocha” de tão podre, a dupla faz caras e bocas numas escaladas insanas. Compete com o filme “50 tons de cinza” pelo título de filme mais sadomasoquista do ano. Seria trágico se não fosse cômico. Se o trailer já é bom, imagina o filme completo, que está para download por 14 dolares. Juro que se eu ganhasse em dólar compraria, mas o jeito é esperar aparecer no torrent ;)

Ah! E tem esse filme do ano passado que não pus aqui ainda, mas que tem tudo a ver com “não mandar”. Depois da treta com a Sasha digiulian pra ver quem ia escalar a via Orbayu, Nina Caprez passa semanas malhando a via, “malemá” consegue isolar o crux, reavalia a situação e diante de todo o stress resolve dar um tempo da via (e dos relacionamentos amorosos estáveis), e vai curtir a vibe do climb nas falésias esportivas, sair com a galere, enfim, dar um relax. Eis o teaser do filme sobre suas tentativas na Orbayu.

Hazel Findlay, uma das escaladoras mais destemidas (com três bolas) da atualidade, falando sobre suas escaladas, sobre as coisas que teve que abrir mão, que se tornou “INEMPREGÀVEL” em nenhum emprego do mundo depois que se tornou escaladora. Mas a última frase do vídeo fecha com chave de ouro o post de hoje:

“…If you´re not having fun, then…. what´s the point?” ou, em português: Se você não está se divertindo, então… qual o sentido?

(Não deu pra colocar aqui, mas é só clicar no link abaixo, e vai abrir uma sequência de vídeos muito massa dela com o Alex honnold fazendo uns psicobloc em Oman)

http://video.nationalgeographic.com/video/short-film-showcase/she-climbs-like-a-girland-its-awesome

Bem, e por hoje é isso! Temos algumas novidades na Quero Escalar, (pra variar, sempre novidades, a-do-roooooo).. entrem aqui e não se reprimam!

A casa caiu pro Maestri – Provado que a primeira ascensão do Cerro Torre em 59 foi uma falácia!

Polêmicaaaa!!!

Pois é, um dos escaladores mais ativos da Patagônia, Rolo Garibotti publicou em seu blog/site um “compêndio” com provas de que as fotos que Maestri tirou alegando ser na suposta primeira “ascensão” do Torre são na verdade em outro local! Confira o blog e veja as fotos e evidências, que fazem parte de um livro a ser publicado pelo Rolo. Clique aqui e veja a postagem original e as fotos comparativas de 59 e as fotos atuais provando que o lugar é outro.

Maestri sempre muito polêmico, tanto na eventual primeira ascensão, quanto na eventual segunda ascensão (ao que parece nenhuma das duas tentativas chegou ao cume).

Maestri sempre muito polêmico, tanto na eventual primeira ascensão, quanto na eventual segunda ascensão (ao que parece nenhuma das duas tentativas chegou ao cume).

Um vídeo de cada…

Ciça escalando uma "Barbaridade!" kkkkkk

Ciça escalando uma “Barbaridade!” kkkkkk

As duas últimas semanas, de repente, pipocaram com vídeos iradíssimos pela internet afora. Muitos já foram postados no Face da Quero Escalar, (portanto, se você ainda não curtiu, curta e veja antes). Tem pra todos os gostos (anal, bukake, swing, amadoras) Boulder, esportiva, trad, de várias cordadas, treinos, competições… enfim, vamos logo ao que interessa?

Começando com um vídeo de história. Explicando a história do REDPOINT. Não sabe o que é? Bom, sabe quando você manda uma via? Ou seja, você escalou ela inteira, guiando, sem cair, certo? (CERTO? Não existe mandar com uma queda, nem mandar de top). Pois é. Você pode mandar ela a vista (onsight) que é quando você não sabe absolutamente nada sobre a via, só o grau e olha lá. Não sabe onde é o crux, não sabe a característica da via (se é de reglete, abaolado ou negativa) NADA. Nunca viu ninguém escala-la. Se você tiver qualquer noção de que a via tem reglete, ou que o crux é no começo ou no fim, já é FLASH (e aí não tem tradução, em português é flash mesmo). Agora, se vc “malha” a via N vezes, ou seja, entra nela mais que uma vez, ensaia os movimentos para só então mandá-la, então você mandou ela no chamado “redpoint”, ou seja, quando não é nem flash nem a vista. Mas porque redpoint? Agora chegamos ao ponto que eu queria (o vermelho?). Assista o vídeo e entenda essa história:

E já que estamos em ritmo de chucruts, mais um vídeo, desta vez da Sasha Digiulian dando um treininho “de buenas” em uma das academias conceito na Alemanha, o chamado Cafe Kraft. Várias dicas boas para incorporar em nossos treinos hein magrelas?!

E um que só descobri essa semana. Muito bom, vídeo feito na Itália, de uma via de várias cordadas, tudo na casa do 10b. A via sai de dentro de uma gruta, e vai virando o negativo até ficar vertical. O nome da via? Divina Comédia, epopéia Italiana de Dante Aliguieri, que está para o Italiano assim como os Lusíadas está para o Português. O livro, que é uma espécie de Senhor dos Anéis da idade média, conta a passagem do autor pelo Inferno, purgatório e finalmente céu, e cada etapa é composta por 3 livros (alô hollywood, se 1 hobbit rendeu 3 filmes, esse livro pode render 27! kkkkkk). Enfim, com vocês, o tal vídeo:

Vídeo de Nico Favresse fazendo o FA (First Ascent, primeira ascensão em livre – ou seja, só usando a rocha para subir, tendo a corda somente para sua proteção em caso de queda – e não tendo esta sido necessária em nenhum momento) de uma via na Noruega, toda em móvel. Ficaram mil anos lutando contra o mau tempo, e em algum momento chegaram a achar que não ia rolar. Em outro momento anterior, pensaram que mais um pega sairia (tipo um amigo meu na ética kkkk). Em determinado momento ele rasga o verbo e mete o pau na galera que faz tickMarck (marquinhas de magnésio na parte boa de agarras chave para facilitar a precisão e não errar na hora “H”), usa cordas fixas e outros artificios modernos, chamando-os de preguiçosos e que estão tentando ser uma coisa que não são.  Esqueceu de dizer que cada um escala o que quiser da maneira que se diverte mais né? Basta do Tribunal de pedra por aí. (E não esquecer de apagar os tickmarcks e remover as cordas fixas depois da escalada).

E finalizando. Por increça que parível, deixei o melhor de boulder pro final. Isso mesmo! Um vídeo de Boulder do Atleta Edelrid Espanhol Iris Matamoros (Mas se não tiver ele matamontanhas, matacolinas – Badun-tsssss). Deve ser parceiro do Alberto Rocasolano ;) . O vídeo é uma compilação de muitos boulders de sua trip para Rocklands, simples porém bastante entretivo:

E pra encerrar um treino de ombro incrível para ficar com as escápulas, manguito rotador e deltóides petrificados igual do Patxi Usobiaga:

como diria um comentário que vi no Facebook: “Matei no peito, um, dois, nem me viu já sumi na neblina” huahuahua

Isso aí personas! Todos treinando forte para o Climb de Carnaval? Qual vai ser? Carnavarcos? Bocairnaval? Carnapó? Cuscuval? São Bentav…. CHEGA.

PS – EXTRA!! EXTRA!! Notícia QUENTINHA de última hora, saiu enquanto eu escrevia o post: A Quero Escalar vai apoiar mais um evento! A Invasão Feminina no Rio que vai acontecer no dia 8 de março na Praia Vermelha! 

Cipó de Reveion (muitas fotos)

Bia e os contrastes das rochas do Cipó

Bia e os contrastes das rochas do Cipó

Fomos para o Cipó, ficamos 15 dias. Escalamos horrores e tive a oportunidade de escalar muitas vias a vista em setores novos e repetir algumas clássicas. Cheguei a mandar um 7c/8a no segundo pega (Por entre as pernas da perseguida) mas infelizmente não pude mandar todos os projetos que tinha. Tivemos a oportunidade de conhecer todos os setores novos e linkar por dentro o G3 ao G2 ao G1, coisa linda. O PCC é o canal pra dia de muito calor. O Blair pra qualquer dia, e o papagaio é irado! E o setor Janela então?! Puts, pirei!

Eu não pude entrar em tudo que eu gostaria pois no comecinho de dezembro senti um incômodo no ombro, que na segunda metade da trip voltou a incomodar. Eu nunca tinha sentido nada no ombro, mas agora como o elo mais fraco que eram os dedos foram fortalecidos, deve ter aparecido outro elo fraco :/ Foi num move besta e fácil no final da Especialidade da casa indo de um agarrão para outro agarrão q senti o Crec no ombro. <<Burroooooo>>. Aí que que o infeliz aqui faz? Mesmo com o alerta no ombro, depois de 2 dias, entra na Heróis equipando. Very clever! Quando cheguei no chão tiveram que tirar o nó pra mim e fui medicado com 1 dorflex e 2 cataflans pq não aguentava de dor no ombro/braço esquerdo. Ó dó…. Aí até o fim da trip tive que abaixar o nível e fiquei escalando só sétimos a vista com o Ives pra não forçar. Foi bão também! Fiz várias vias novas legais na perseguida, no Blair, no PCC, no Coliseu, no Serra Pelada. Escalada à vista é muito massa, não sei pq não vejo a galera fazendo esse tipo de escalada por lá.

O Greg foi o nosso menino de Ouro, mandou a ética e a na Calada da noite, e como diria a Bia, o resto não fez mais que a obrigação. Fiz um sexto grau lindo de morrer, “delício” na perseguida, novo, duas vias pra direta da por entre as pernas, sensacional. Repeti a Gigante pela propria natureza, flashblack, entrei na sheetara de novo, conheci a 11 proteções e 1 segredo, finalmente conheci a Dilúvios na Sancho Pena e a Via de Blair (que vias incríveis!). Incríveis também as duas vias da esquerda do PCC, um 6sup e um 7a, e fiquei morrendo de vontade de entrar na Pablo Escobar e na Zé pequeno, mas fui pela prudência que me faltou antes e me contive entrando em vias mais tranquilas. Ah! E pude mandar finalmente um 7b que tava devendo desde 2010, a “Minha amada imortal” no G1. A primeira vez do Ives no Cipó foi muito bem, fez até um ou outro 7a em flash e pode conhecer a maioria das clássicas.

Confira as fotos que acho que elas falam mais que palavras :)

Nossa, e nessa trip aconteceu a situação mais bizarra da minha vida com rapeleiros. Estavamos no setor da Melzinho, o Greg tinha acabado de mandar a Sem compromisso 7a e tinha um brother de Sampa malhando a Jungle Boy. De repente… Senta q lá vem a história:

Quando vejo alguém fazendo presepada no pico de escalada...

Quando vejo rapeleiro chegando no pico de escalada…

Num puta calor de 35º, todos derretendo, chega a gangue do rapel com macacão de piloto da força aérea, de bombeiro, de lixeiro, entre outros. Cheio de brasões, bordados e claro, coturno até o joelho. Garotos de 15, senhoritas de 30, homens nessa faixa também. E o líder de shortinho da copa de 70 e camisetinha (igual do gif acima). Vinham com corda no pescoço, cadeirinha em mãos, nenhuma mochila. Comentando entre si: “…Olha lá, eles já estão descendo aqui, vamos ver como eles tão fazendo…”  Eu cheguei até a pensar que fosse alguma coisa da brigada de resgate local, onde algum escalador foda estivesse ensinando alguma coisa para alguma turma sobre procedimentos de segurança em escalada. Ledo engano. Eles chegaram a perguntar se todos que ali estávamos na base da via (no chão) já tinhamos todos descido. Tive que explicar que nenhum de nós que ali estava havia descido, só subido e que apenas o último fica pra limpar a via e descer (nem me dei ao trabalho de explicar que depois de subir, haviamos descido de baldinho, preferi ser mais incisivo). Aí o Rapeleiro Alfa chega pra mim e pergunta: “É nossa primeira vez por aqui, onde vc recomenda que a gente faça rapel?”

via a vista 8anu

Ao que eu prontamente meio que sem pensar respondi: NÃO RECOMENDO. <<grilos – Cricri-cricri-cricri>>

coice-o

É, não foi um coice assim, mas alguns falaram que soou meio assim hehehe. Alguns segundos de silêncio depois que sucederam a resposta: “Mas não tem um lugar onde as pessoas fazem rapel aqui?” Não. não tem. O pessoal aqui vem pra escalar mesmo. Conheço os escaladores locais e pelo q eu sei essa atividade não é bem vista por aqui. Aì eles agradeceram, viraram as costas e foram “meio que caçar” um lugar pra exercer a deplorável atividade. Sem sucesso pois meia hora depois estavamos mudando de setor e cruzamos com eles passando por nós de novo na trilha, indo embora. Ai ai, até quando né gente? Não vou nem comentar pq se formos analisar as raízes disso passaríamos por parâmetros socio-econômicos, a falta de investimento e de interesse do governo em educação, a alta carga tributária, a safadeza descarada exercida pelo governo todos os dias, o monopólio do futebol em todas as mídias, que anda de mãos dadas com o machismo inerente à nossa sociedade, o desinteresse das pessoas por politica, ou seja: a falta de consciencia das pessoas sobre qualquer assunto e a superficialidade das discussões.

 

Agora fiquem com uma galeria de fotos do reveion…

E voltando ao tema principal do Blog que é fofocas escalada, mais fotos, pois na segunda metade da Trip, eu zuado me pus a tirar mais fotos afinal, era o que me restava fazer.

 

Bem, e essa foi mais uma trip pro Cipó! Agora é focar na recuperação e planejar a próxima! Que venha a rehab né, pq por enquanto é o que ta dando pra almejar! =D

Como eu me sinto quando… Edição Especial de Natal!

Se você for a dona dessa foto, favor enviar créditos da foto para eu publicar aqui! (junto com seu telefone e estado civil, grato!)

Se você for a dona dessa foto, favor enviar créditos da foto para eu publicar aqui! (junto com seu telefone e estado civil, grato!)

Pois é, todo mundo a-do-rou os posts do “Como eu me sinto Quando” versão escalada. Por isso, agora no Natal preparei mais um post para tirar pelo menos um sorrisinho de canto de boca de vocês!

Chegando com a galera pra escalar no primeiro dia da Trip em Arcos ou no Cipó

Chegando com a galera pra escalar no primeiro dia da Trip em Arcos ou no Cipó

Quando eu chego no pico 9 horas da manhã e tem alguém super animado pra começar a escalar naquele instante

Quando eu chego no pico 9 horas da manhã e tem alguém super animado pra começar a escalar naquele instante

Tomo um café pra dar aquele UP antes de entrar numa via...

Tomo um café pra dar aquele UP antes de entrar numa via…

Quando eu to almoçando a única maçã q eu levei pra escalar e alguém abre uma paçoquinha/gordice qualquer do meu lado.

Quando eu to almoçando a única maçã q eu levei pra escalar e alguém abre uma paçoquinha/gordice qualquer do meu lado.

As outras pessoas quando o Cleber Harrison faz uma Piada à la Genja

As outras pessoas quando o Cleber Harrison faz uma Piada à la Genja

Eu quando o Cleber Harrison faz uma Piada à la Genja

Eu quando o Cleber Harrison faz uma Piada à la Genja

Quando eu começo a correr pra treinar pro Cipó

Quando eu começo a correr pra treinar pro Cipó

E continuo correndo...

E continuo correndo…

Quando um grupo de mulheres que manda oitavo grau pergunta se pode escalar com a gente

Quando um grupo de mulheres que manda oitavo grau pergunta se pode escalar com a gente

Quando eu resolvo fazer treino de finger na volta do supermercado...

Quando eu resolvo fazer treino de finger na volta do supermercado…

Quando alguém diz: Mandei a via! com duas quedas mas mandei!

Quando alguém diz: Mandei a via! com duas quedas mas mandei!

Quando não consigo tirar o nó 8 da corda depois de ficar tomando mil vacas no meu projeto

Quando não consigo tirar o nó 8 da corda depois de ficar tomando mil vacas no meu projeto

Quando eu vou vejo os preços de equipos de escalada fora da Quero Escalar...

Quando eu vou vejo os preços de equipos de escalada fora da Quero Escalar…

Quando não tem parceria pra ir escalar no domingo.

Quando não tem parceria pra ir escalar no domingo.

Quando tem um cara escalando com meia velha (sem elástico) preta e de Miura.

Quando tem um cara escalando de Miura com meia esgarçada (sem elástico) preta.

Quando um brother me oferece pra equipar uma via com as costuras e corda dele novinhas...

Quando alguém me oferece as suas costuras e corda novinhas pra equipar uma via pra el@…

Quando vejo alguém escalando uma via esportiva de 10m de top rope e no rack da cadeirinha tem: 15m de cordim, garrafa de água, bota, anorak, freio, mosquetões, parada, friends, maquina fotográfica, kit de primeiro socorros.....

Quando escalo uma via e percebo que está mau protegida porque foi aberta de cima pra baixo no rapel sem ter sido escalada antes.

Quando vejo alguém fazendo presepada no pico de escalada...

Quando vejo alguém fazendo presepada* no pico de escalada… (dando seg errada, escalando com a fivela da cadeirinha aberta, escrevendo na rocha, etc..)

Quando alguém quebra a agarra do Crux da via que eu to malhando...

Quando alguém quebra a agarra do Crux da via que eu to malhando…

Informo a pessoa que ela vai guiar a via...

Informo a pessoa que ela vai guiar a via…

Quando alguém fala que aquele projeto de 8b da sua vida não passa de um 7c duro

Quando alguém fala que aquele projeto de 8b da sua vida não passa de um 7c duro

Quando alguém da minha altura pergunta se eu posso dar beta de uma via, que por acaso eu acabei de mandar

Quando alguém da minha altura pergunta se eu posso dar beta de uma via, que por acaso eu acabei de mandar

Alguém fala que rapel é mais legal que escalada... depois vem querer tentar me agradar...

Alguém fala que rapel é mais legal que escalada… depois vem querer tentar me agradar…

Alguém começa a fazer piada machista ou homofóbica perto de mim..

Alguém começa a fazer piada machista ou homofóbica perto de mim..

Último dia de escalada da viagem...

Último dia de escalada da viagem…

Como eu imagino que vai ser a vaca..

Como eu imagino que vai ser a vaca..

Como eu devo encarar a vaca...

Como eu devo encarar a vaca…

Como acaba sendo a vaca...

Como acaba sendo a vaca…

Faço um post no Blog e vou dormir ou tenho que sair na sequência...

Faço um post no Blog e vou dormir ou tenho que sair na sequência…

Se você gostou pode relembrar os primeiros dois posts sobre isso clicando Aqui e Aqui.

Bem, por hoje é isso pessoal! Quem curtiu comenta, quem sabe não faço outro post desse naipe em breve? Feliz clichês de fim de ano pra todo mundo! Tudo aquilo pra vc´s!

Conheça melhor a EDELRID

Edelrid_2013

Muita gente tem me perguntado sobre a Edelrid. Para alguns, é uma marca nova, para outros, é “A marca”. As pessoas tem curiosidade de saber mais sobre essa marca com a qual tenho trabalhado nos últimos meses, e é fascinante ver o interesse que as pessoas tem pelo novo, tipo criança com uma nova história. Acho que a escalada tem esse poder sobre as pessoas: de fazer a gente se sentir criança de novo em alguns momentos.

Pra quem não sabe, a Edelrid é uma fabricante Alemã de equipamentos de escalada e montanhismo. Atualmente com um pouco mais de 150 anos de história, como eles mesmos dizem, são 150 anos de paixão pela escalada e pelo montanhismo, 150 anos de criatividade e inovação. Eles foram demolidos e reconstruídos duas vezes, e a empresa foi vendida outras tantas.

EDELRID_ALPINE_Christian_Pfanzelt_09

Quero muito uma dessa. (Costura)

Nesse meio tempo eles simplesmente foram responsáveis por uma revolução no que conhecemos como escalada hoje em dia. Em 1954 a Edelrid inventou um conceito e lançou a primeira corda com Capa e Alma, característica que até hoje é o padrão para a produção das cordas de escalada de qualquer marca. Menos de 10 anos depois eles inventaram e produziram a primeira corda dinâmica do mercado. E teve mais, pois no ano seguinte lançaram a primeira cadeirinha de escalada, e dela desenvolveram a cadeirinha de quadril nos moldes das que utilizamos atualmente.

EDELRID_History_3

Mas não parou por aí, pois na década de 70 o então dono da Edelrid, Claus Benk, que era escalador, lançou a primeira fita de costura “costurada”, que por acaso é o que praticamente todos os fabricantes produzem até hoje! A corda dupla também é invenção deles, de 1977! E seguindo as tendências, em 1994 lançaram a primeira corda de Canyonismo que bóia na água. Aí a empresa passou por um período em que aquele dono escalador não estava mais na empresa, ela foi comprada, foi vendida e ficou um tempo sem muita inovação. Até que em 2006 foram comprados pelo gigante grupo VAUDE, e aí voltaram a se estabelecer como empresa líder no ramo da escalada e as inovações voltaram a aparecer.

Primeira Costura do mundo: EDELRID

Primeira Costura do mundo: EDELRID

Praticamente 90% de seu leque de produtos atual foi desenvolvido ou melhorado nos últimos 5 anos, o que demonstra o tanto de inovação que eles tem criado. Cordas com tecnologias que aumentam sua durabilidade, certificações ambientais, cadeirinhas que não machucam, leves, que transpiram (tudo isso numa só), freios automáticos revolucionários, a primeira corda com dois diâmetros, o primeiro mosquetão com menos de 20g do mundo e o primeiro capacete dobrável também. É muita inovação pra uma empresa só! (Tanto que os cabos que sustentam a “capota” do Audi A8 conversível são da Edelrid).

Em outubro de 2013 tive a oportunidade de conhecer a fábrica em Isny, na Alemanha. Foi mais divertido que qualquer vez que eu tenha ido ao Playcenter ou Hopi Hari. Vocês nem imaginam como é a sensação de caminhar entre as máquinas que trançam cada fiozinho de nylon pra fazer uma corda! Ou entrar numa sala cheia de bancadas com pedaços de cadeirinha, fivelas, espumas, fitas e saber que é ali que eles literalmente INVENTAM as coisas que a gente é tão fascinado!

Certificação Ambiental Internacional de consumo consciente de recursos em toda a linha de produção dos materiais têxteis da Edelrid

Certificação Ambiental Internacional de consumo consciente de recursos em toda a linha de produção dos materiais têxteis da Edelrid

Em uma conversa de corredor com um dos desenvolvedores, fiquei sabendo que as cadeirinhas tem várias características meio que secretas que não são divulgadas, e que aumentam a segurança do usuário (tipo proteções antibobo). Que todas as cordas tem pelo menos um tratamento pra aumentar a durabilidade (algumas tem 3). As fibras são tratadas quando ainda estão no carretel, linha por linha, depois são trançadas, tratadas de novo, e só depois é que viram os elementos finais que vão dar origem ao trançado da corda, e ainda recebem o thermoshield. Isso para as cordas comuns, “sem tratamento”. Sem falar nas Dry. Vi também que todas as fitas são testadas individualmente e que TODAS as cordas passam 100% pelas mãos de profissionais que estão ali só pra verificar se há algum defeitinho, metro por metro, de milhares de cordas que são fabricadas semanalmente ali!

ropes

O mais incrível de tudo foi conhecer o “Business Manager” da empresa, e descobrir que tinha sido o cara que abriu as primeiras vias aqui no Cuscuzeiro em Analândia em 1997!! Não por acaso ele tem uma casa em Chaltén e passa suas férias todo ano na Patagônia Argentina. E é assim com todos os funcionários, especialmente os que desenvolvem os produtos novos: Escaladores reais que enfrentam as necessidades em campo, ao contrário de outras empresas com seus engravatados divagando sobre como achar pelo em ovo (ou ganhar mais dinheiro).

E o mais impressionante, é que lá fora a melhor cadeirinha da Edelrid custa quase o dobro de uma Petzl, mas aqui no Brasil modelos teoricamente equivalentes chegam a custar menos da metade! Isso porque na Quero Escalar importamos e revendemos direto para os escaladores, sem intermediários, e sem custo Brasil, podendo assim praticar a livre concorrência sem fazer parte de cartéis que estipulam preços tabelados.

Propaganda_cadeirinhaPortanto, se você queria saber um pouco mais sobre a Edelrid, agora já sabe que ela é uma das maiores e mais antigas empresas de equipamentos de escalada do mundo e uma das que mais investe em tecnologia e inovação. E você pode adquirir seus produtos Edelrid na Quero Escalar sem custo Brasil, com entrega para todo o Brasil, com garantia, parcelamentos, enfim, só vantagem! Mais alguma dúvida?

Carsten e eu durante visita na Fábrica da Edelrid na Alemanha.

Carsten e eu durante visita na Fábrica da Edelrid na Alemanha.

Evolução dos logos da Edelrid

Evolução dos logos da Edelrid

Equipe QE fazendo bom uso dos materiais Edelrid! Transpiráveis e confortáveis perfeitos pro nosso clima úmido!

Equipe QE fazendo bom uso dos materiais Edelrid! Transpiráveis, confortáveis e perfeitos pro nosso clima úmido!

Corrida e Escalada: Uma parceria que dá muito certo!

Ao longo dos meus 10 anos de escalador eu pude notar que não adianta querer evoluir na escalada sem comprometimento. Lembrando que eu não preciso explicar porquê a gente aperta tanto a tecla do “evoluir” na escalada, uma vez que é natural que todos buscamos executar da melhor forma possível tudo o que fazemos. Então, já que você também acha que pode melhorar na escalada, a evolução vem através do comprometimento com a escalada de diversas formas. São basicamente 4 maneiras de evoluir significativamente na escalada: Treinar, Escalar mais na rocha, correr e aprender a se alimentar corretamente. Em 10 anos, com certeza correr é uma das atividades em prol da escalada que mais benefícios oferece sob o menor custo, e maior rapidez. Ela ajuda a balancear as substâncias no cérebro responsáveis pela felicidade, depressão, controla niveis de colesterol, pressão…enfim, e é um esporte barato e acessível. Por isso, pedi para um grande amigo meu que começou a correr a um ano, é grande entusiasta da corrida e está me motivando a correr com mais frequência e dedicação, que escrevesse umas linhas para este humilde blog. Confira comigo, no replay…

A Corrida na Escalada, by Cleber Harrison

A escaladora Sasha DiGiulian corre cerca de 4 dias por semana para manter a resistência.

A escaladora Sasha DiGiulian corre cerca de 4 dias por semana para manter a resistência.

Convidado pelo querido amigo (da quinta série do antigo ginásio) Rodrigo Chinaglia a escrever uns quatro parágrafos para o seu blog com o tema “a corrida na escalada”, tenho que admitir que foi muito divertido contribuir com esse pequeno texto formatado ao estilo Genja para um blog que eu curto tanto e que me ensina muito sobre o que é interessante e importante em escalada. Gostaria de mencionar que considero a corrida o meu primeiro esporte, não por ser o meu preferido, amigos escaladores, apenas por ter começado a praticá-lo primeiro. Já fiz provas de 15km como a Corrida de São Silvestre e já corri até 30km em um treino para maratona (cuja distância é 42km), porém sou um entusiasta da corrida e não um expert no assunto e a intenção dessas linhas é apresentar um pouco do esporte mais praticado no mundo e que pode ser um ótimo complemento de treino para qualquer outro esporte que você pratique. A corrida é um esporte completo por si só e o objetivo aqui foi pensa-la um tanto em função da escalada. Assim, tive a idéia de citar alguns benefícios que, não coincidentemente, todo escalador também busca.

 1 – Fortalecer a mente

E é dada a largada! Nos primeiros 100 metros já deu vontade de parar e andar rs. Absolutamente normal! No começo, o seu corpo vai querer parar a cada passo e lutar contra isso faz com que você tenha que vencer mil pensamentos negativos para continuar correndo. Chega um ponto onde você simplesmente aceita que a dor é parte natural desse exercício e que parar não é uma opção. Mesmo depois de aquecido, essa dor pode migrar de um lugar para outro tipo fazer um tour pela canela, panturrilha, joelho, coxa, rim, clavícula, mas vai diminuindo e você aprende a conhecê-la e a dominá-la. Há uns meses atrás ouvi o amigo Beto (Bruno Alberto Severian) dizer que a escalada era “a meditação em movimento”, pensei na hora que a mesma definição se aplicava para a corrida. Correr é um exercício de meditação onde o movimento do corpo, a respiração e o pensamento tornam-se uma coisa só.

Ueli Steck talvez seja o maior exemplo de corredor/escalador. Ele subiu o Eiger (3.970m) em menos de 3 horas e seus treinos envolvem correr longas distâncias, correr em aclive e muita corrida de trilha.

cleber4

Cleber escalando naquele que já se tornou um de seus favoritos picos de escalada: Rastro de São Pedro, em Arcos/MG.

 2 – Controle de peso ou grosseiramente falando, perder barriga

Talvez a melhor forma de convencer aquele seu amigo barrigudo a correr com você né Genja. Além de ser super eficiente para equilibrar (ou mesmo perder) peso, correr trabalha muito a parte abdominal, o que também é ótimo para escalada. Quando você corre, não é só o joelho ou os pés que absorvem impacto, o abdômen também funciona meio como uma mola rígida e é fundamental para impedir o efeito chicote no corpo. Vale lembrar que nada disso é garantia para que você escale melhor, para isso precisamos mesmo é escalar ah sério, não me diga. A questão se correr pode te fazer escalar melhor é sim um tanto subjetiva. O Chris Sharma diz que seu único treino é escalar, no entanto a Lynn Hill é uma corredora devota. Sem dúvida, correr faz com que seu sistema cardiovascular (coração e vasos) se fortaleça e isso vai afetar positivamente a maneira com a qual o seu corpo trabalha. Concluindo, correr pode te ajudar a entrar em forma, perdendo peso, mas ficando forte. Afinal, os escaladores que mais se destacam são atletas relativamente magros.

Eu correndo 8.8km no treino aberto do Maurício Ninomiya no Damha em São Carlos-SP.

Eu correndo 8.8km no treino aberto do Maurício Ninomiya no Damha em São Carlos-SP.

3 – Ser Feliz

Correr é o maior anti-depressivo que existe! Parece meio insano, mas por quê praticar algo que te tira o fôlego, te causa várias dores e te faz querer parar a cada passo? Já ouviu falar da lenda do pote de ouro no fim do arcoíris? Pois é, no final de todo 10km existe uma generosa dose de endorfina e isso não é lenda de duendes. Segundo um estudo realizado na Universidade de Bonn (Alemanha), a liberação de endorfina (ou hormônio da felicidade) ocorre não somente no sangue, mas também em certas partes do cérebro. Muitas evidências mostram que atividades esportivas de longa duração induzem a uma redução de estresse, da depressão e melhora da ansiedade e humor. A corrida é um canal incrível para descobrirmos tal efeito e esse estado de euforia é comumente referido em inglês como “runner’s high”. Já ouvi dizer que o chocolate também faz com que o corpo produza endorfina, mas a vantagem com a corrida é que não engorda! Sem preconceito, galera …é, acho que ficou um pouco tendencioso agora rs

Turma do Chaves na Corrida de São Silvestre (2013) em São Paulo. Vale mencionar que o Batman, o Super-homem e até o Flash participaram, mas todos eles perderam para o Quenyano.

Turma do Chaves na Corrida de São Silvestre (2013) em São Paulo. Vale mencionar que o Batman, o Super- homem e até o Flash participaram, mas todos eles perderam para o Quenyano.

Enfim pessoal, espero ter transmitido um pouco sobre o mundo da corrida para vocês. Ter escrito esses parágrafos me fez pensar qual seria a principal razão de eu correr e isso é bem simples: corro pelo prazer e saúde, pelo estilo de vida que isso envolve, e pelo sentimento intenso de estar vivo. Foram essas mesmas características que me fizeram me apaixonar pela escalada. As vezes vejo algum velhinho correndo e isso me enche de admiração, me faz ter certeza que estou em um caminho legal e que essa riqueza é algo que todos deveriam conhecer. Bora correr, galera!

O lendário Dan Osman fazendo uma via em Speed Climbing – quase que uma escalada “correndo”.

Uma semana típica de treinos de Sasha DiGiulian

“Escalo cerca de 5 dias por semana durante 2-3 horas, variando o treino cerca de 4 dias por semana com uma hora de cardio (corrida). Na cidade, andar de bicicleta é o meu principal meio de transporte quando o clima está bom  – dessa maneira eu posso fazer um treino muito variado! Eu também faço treino de abdominal, cerca de 4-5 dias por semana, e um treinamento complexo com meu treinador, Alexi Thomakos, que envolve exercícios de resistência/peso corporal e pesos leves (incluindo flexões, campus board e atividades com bola).”

Fontes:

http://www2.uol.com.br/vyaestelar/cerebroecorpo_endorfinas.htm

http://www.rockandice.com/lates-news/striking-the-balance

http://www.reddit.com/r/climbing/comments/25yhtz/im_sasha_digiulian_ask_me_anything/

http://cruxcrush.com/2013/05/17/climbing-running/

Cleber Harrison é escalador, corredor e nas horas vagas interpreta John Lennon na mundialmente famosa banda "The Beetles One" (melhor que o original, diga-se de passagem)

Cleber Harrison é escalador, corredor e nas horas vagas interpreta John Lennon na mundialmente famosa banda “The Beetles One” (melhor que o original, diga-se de passagem)