E o post de hoje vai para…

Gosto muito desse vídeo. O escalador não é nenhum Edu Marin de simpatia, mas o boulder é muito legal. Taí uma das coisas que eu gostaria de fazer um dia e não fiz, boulder com uma das pessoas com quem mais aprendi sobre mim mesmo, sobre a vida e sobre climb. Bem, ultimamente eu tenho feito bastante boulder (comparado com antes) e tem sido bastante divertido. As vezes os dias de Climb são 99% perfeitos, (menos quando a gente corta o dedo e tem que tomar 6 pontos na mão e fica 15 dias sem escalar por causa disso) mas sempre fica faltando aquele 1% que eu acho que pode ser explicada por aquela frase que diz que a felicidade só é real quando compartilhada. Humm, talvez eu goste do vídeo também por causa da música, e de me identificar um pouco com a letra.

Bem, por hoje serei breve, tendo sido mais longo que havia sido em algum tempo. Desejo tudo de melhor, de verdade. Assim que estiver de pé novamente (nem lembro como é isso) acerto as contas. Espero que não demore!

 

Videos do Ano…

Tenho visto poucos videos ultimamente por causa da correria do dia a dia, muito trampo, climb, faxina em casa, etc… 😛

Mas hoje consegui assistir uma meia duzia e fiquei extremamente impressionado. Realmente motivo pra vir fazer um post rapidinho, pq são realmente diferentes e muito melhores.

Começando com esse “Raices” que é Chileno e olha…. quase soltou uma lágrima aqui viu, pq te falá! Coisa linda o que esses Chilenos tem bem pertinho de Santiago. Rocha que é a coisa mais linda, uma natureza incrivel e uma comunidade unida e proativa. Segunda capital na America Latina fora do brasil depois de Montevidéu pra morar um dia q eu pensei foi Santiago!!!!

O segundo, foi vagabundo… não, to zuando.. o segundo foi bem massa também, ainda sob as lagrimas efeito do filme anterior, por isso ainda até que foi bem demais… Mas também foi fácil! Uma rocha LA-RAN-JA MA-RA-VI-LHO-SA parecida com a do Pico do Mané em Franca. Do tipo que da vontade de entrar mesmo que seja um dôzimo grau… Tem vários moves parecidos com a Cave e com o Boulder de Itaqueri (uns regletinhos arredondadinhos, uns pé altos…) Inclusive tem uma hora q parece muito com o final da Cinematográfica e Epopéia lá no Mané em Franca. Chega a ser pornográfico de tão bonita essa rocha, gente… sério mesmo!

Aí depois ja emendei nesse do meu queridinho Edu Marin e seu papi, que escalam juntos décimos e ônzimo graus de parede. Esse último vídeo de uma série de 3 foi muito legal tbm, a série toda parece meio ficção, com algumas zueirinhas e tal, mas bem massa! E o GPS vertical mostrando que altura eles tao do chao, tbm mto bom!! AH! Se liga que tem uma hora que o Edu Marin chega numa parada depois de um crux, aí ele da uma bambeada e pega na costura antes de clipar…. pareceu q ele ia cair, desesperou e pegou na costura e soltou um gritinho de Yeah! ou Ha-ha-ha-UOUUU… e pega na costura tipo pra disfarçar que ja ia pegar na costura mesmo kkkkkk Enfim, mó viagem, mas emocionante o filme também, com as comemorações no final e talz… (Pena q não da pra ver aqui né, mas clica aí pq é massa de-más… e recomendo ver os outros tbm..)

http://www.epictv.com/media/podcast/edu-marins-race-against-time-on-chamonix-8b-king-line-voie-petite/604072

E por fim, eu ja achando que ja tinha visto superproduções demais e que o próximo vinha para cagar a sequência de cadenas de videos bons…. Eis que me muerrdoooo a la lengua e é um puta video da hora do Dani Fuertes dando uma na via Bongada, um 9a francês. O Dani é timido, ngm ouve mto falar dele e talz, mas porra, super da hora o video e a CT deve estar dando pulos de alegria dessa altura por ver um video tao bom com seu atleta. Detalhe para a modernidade dos videos né? Pudemos reparar nos outros filmes também que os equipos ja tao sendo postos em primeiro plano, um zoomzinho aqui, uma macrozinho acolá.. e eu que sou viciado e adoro equipos, vish…. vou à loucura! huahahuauh Filme pornô ñão me empolga tanto quanto videos de escalada que mostra os equipamentos de escalada, novinhos, brilhando na parede.. ô grória… haha.

 

Mano, e olha que incrível essa parede… imagina a pira do maluco que abriu essa via! Que privilegiado deve ser o cara, com uma puta visão né, a linha perfeita de agarras pelas quais passa a via, em dois tetos simplesmente formidáveis, coisa mais incrível!! (Só não é mais bonita que aquela do video de cima “Eye of the tiger”)…

Nuuuuu! Falei demais! Ia só postar os videos na sequencia mas não resisti.. tive que comentar um por um…

Valews falows? 😉

Descobertas, Reencontros, Imagens e Montanhas

normal (1)

Fotógrafos de escalada normalmente são mais badalados que celebridade. Afinal, quem é que não quer ser fotografado numa daquelas fotos de capa de revista? Não é um trampo fácil, e além de talento, é preciso muito trabalho e experiência! Tanto trabalho por trás das câmeras que normalmente os fotógrafos nunca aparecem.

Só que tem um fotógrafo Brasileiro que vem ganhando muito destaque ultimamente pois além de ser um daqueles fotógrafos cujas fotos são capa de revista, Poster de grandes marcas, faz vários vídeos de climb massa, ele vive a vida da mesma maneira que as celebridades do Climb. Numa Van, com sua mulher e os dois filhos, sempre pegando a estrada e escalando.

Estou falando de Francisco Taranto Jr., que apesar de ficar a maior parte do ano viajando, pode-se dizer que mora na França. Atualmente eles estão na estrada, mas a história começou alguns anos atrás, confira:

Um dia antes do nascimento de seu filho em 2010, Francisco comprou uma Van antiga com sua esposa Sandra. Depois de várias viagens junto de atletas profissionais, Francisco, Sandra e as crianças sonhavam em viajar pelas montanhas, com novas descobertas, conhecer pessoas e documentar tudo isso. Esse era o sonho deles, e por isso, chamaram-no de “DRIM” project (Descobertas, reencontros, imagens e montanhas).

normal

A Aventura deles começou no último outono (pra nós aqui do hemisfério Sul Primavera) na Grécia. Siga-os nesta aventura através dos seus diários de viagem:

http://experience.vaude.com/s/categories/87/stories/1359

Os episódios são curtinhos mas muito legais, vale muito ver os lugares por onde eles estão passando e as escaladas que as crianças já com essa idade tem feito e o amor que demonstram pela escalada e pela natureza. Da até uma invejinha branca hehehehe Mas eu chego lá! =D

(Já está no capítulo 5, entre no site pra ver todos os episódios!)

Sessão Nostalgia

Já que o assunto é nostalgia, ninguém melhor que ela.. Lynn Hill pra decorar o post

Já que o assunto é nostalgia, ninguém melhor que ela.. Lynn Hill pra decorar o post

Uma pessoa muito especial reclamou que faz tempo que eu não posto vídeos, então o post de hoje é só disso. Assim que receber as fotos do curso que demos no fds farei o relato, mas adianto que foi bastante proveitoso e extremamente prático!

Vou começar falando sobre a volta do “Pornô da Escalada”. Calma, não é um vídeo que vazou do Chris Sharma e da Daila Ojeda feito com o celular dele. É uma expressão antiga e de maneira nenhuma é pejorativa, apenas adjetiva a maneira como é montado um vídeo de escalada. Quando eu comecei a escalar, a gente baixava os vídeos no Escalada Brasil, que normalmente era um cara/mina, mandando uma via ou boulder, com um som reggero-alternativo (leia-se: DUB). E Só isso. 5 minutinhos, saiu do chão, escalou, chegou no final, mandou, créditos. Lindo! Mantendo essa receita, mas um pouco mais elaborado, quantas milhões de vezes nós não assistimos à conclamada série Masters of Stone, ou mais ainda, a série de 5 ou 6 filmes Dosage? O Dosage ficou clássico com o Chris Sharma mandando a via Realization (via que depois voltou ao seu nome original, Biographie) e a famosa musiquinha do Ekoman qdo ele manda a cadena: “… Do you loooooveee….. My muuuusic? Parananapara*”

Quantas vezes não cantamos essa musiquinha qdo algum amigo mandou algum projeto?! (tipo o Animalzin na caixa)..

No Masters of Stone, Dan Osman Solando com a lycra azul e fazendo entalamento de joelho a 100m de altura sem as mãos no negativo (2:24 do vídeo). Metallica com certeza nunca mais foi o mesmo, e se alguém não conhecia ou não gostava, depois desse vídeo realmente virou o símbolo de uma geração de escaladores. A gente ainda ficava se perguntando como ele conseguia fazer tudo aquilo com aquela bosta daquela Boreal que ele usava, ficavamos com dó. Ele devia ser muito foda mesmo.

Mas falando em pornô da escalada, acho que o suprassumo da pornografia escaladoristica back in those days foi o video do Iker Pou na Action Direct. Começa com eles vendo uma revista de mulher pelada chamada PAOLA… PAOLAAAAA HAHAHAHA (sic) depois o cara enfia o dedo dele grosso igual uma linguiça num “Shalow Mono” – um monodedo raso – e dá um bote num negativo quase 45º para um bidedo aparentemente menos ridículo que o mono. Se tivessemos vídeos de escalada na TV, esse seria um clássico da Sessão da tarde, tipo a Lagoa Azul. UN-BELIEVABLE (é para o escalador de verdade o que o vídeo do indiano de shortinho amarelo é para um leigo).

Bem, e de lá pra cá os vídeos evoluíram. Abençoadas câmeras que filmam em HD se tornaram comuns e os vídeos melhoraram. E aí a galera começou a criar roteiros, histórias, dramatizar, e em alguns vídeos é possível até ver alguns escaladores escalando mesmo, entre uma cena em Macro do close de uma florzinha com um laguinho ao fundo desfocado e o depoimento emocionado falando como aquela foi a via mais difícil e mais bonita que aquel@ escalador@ ja fez (que normalmente é um video que gravam só uma vez e colocam no fim de todos os videos em que aquela pessoa aparece escalando). Isso quando o depoimento emocionado não é porquê sua escalada salvou a vida de criancinhas na África.

Aí começou a ficar meio Over, e pra virar uma novela só falta beijo lésbico (por favor, alguém?!) e uma trama de intrigas e fofocas (tipo se valeu a cadena porque a via tinha agarras cavadas ou saiu de cima de um tijolinho de 20cm pq não alcançava a primeira agarra da via, ou se o First Ascent foi liberado pelo conquistador da via). E sem contar os vídeos de Drones né? Que são melhores que os vídeos de Go-Pro, que pelamor, entram no campo do errou-feio-errou-rude. Saiu na Climbing do ano passado uma matéria “Quando é Ok eu escalar com uma gopro na cabeça?” Aí tinha um fluxograma ou algo assim, mas resumidamente era: “…Você é fodão, patrocinado e precisa justificar suas atividades? Então arranje alguém pra filmar você direito. Você é amador e quer fazer um vídeo seu escalando só pelo lúdico? Pare, você nunca vai assistir e aquilo só vai fazer você parecer um idiota no meio da galere. Você está sozinho no pico? Você não vai querer lembrar do dia que não conseguiu arranjar nenhum amigo pra ir escalar com vc“. Já os Drones estão cumprindo a função de pegar uns takes muito legais de escaladores e escaladas bem bacanas, só espero que não se tornem o novo “Macro na florzinha com o laguinho desfocado no fundo”. Está no começo, mas pelo que temos visto é bem mais que isto e a expectativa é positiva para eles. E agora uns vídeos atuais para comparar a qualidade:

Esse aqui um pouco sentimental demais, mas mostra umas boas cenas de Climb. Achei impressionante pois nunca tinha ouvido falar isso: O Cara caiu tanto no crux, que teve que aposentar 2 mosquetões por desgaste!! (ao longo de 1 ano). Vaya perseverança! (sem contar os pinos no ombro, ter sido renegado pelo médico, aquela coisa que pelo menos eu tenho visto direto por aí).

Um dos vídeos que mais me alegraram e motivaram a falar sobre a volta do pornô do Climb foi esse, muito bom.. Imagino que deva ser tipo o pornô 3D, pois é cheio de efeitos, muito legal. Acho que os escritos na tela enquanto o escalador clipa a corda podiam durar um pouco mais pra dar tempo de ler. Mas realmente um marco muito bacana no pornô Climb nacional, assim como o próximo vídeo que entra no lado oposto do pornô, ou seja, dos documentários.

Esse é muito legal pois é um exemplo de como devem ser feitas as novelinhas de climb de hoje em dia. Mostra a Falésia Paraíso em Pindamonhangaba/SP, e conta a história das conquistas, com os responsáveis pelo local, fala das vias, possui imagens muito bem encaixadas. Com Drone e tudo! Está longe de ser um pornô de escalada pois quase não vemos escalada de fato, mas como documentário, é nota 10!

E pra não falar que eu não falei de Boulders, essa Italiana de 15 anos mandando V11, não vou categorizar esse vídeo porquê seria pedofilia falar em pornô num vídeo com uma mina de 15 anos hahahaha

Esse vídeo eu achei cabuloso. Mistura Drone, quase nada de história e mostra o pico deixando todo mundo com água na boca. Detalhe que fica no local onde tão querendo construir uma Usina Hidrelétrica. Se fosse no Brazil, as obras já estariam iniciadas, canteiro de obras em pé, antes mesmo da aprovação do Senado, que seria comprado por algum esquema de propina e financiamento de campanha. Ver Belo Monte.

E uma série que está campeã, estou muito ansioso para ver os outros episódios é a Roc Brasil, mostrando as escaladas na Chapada Diamantina. Sério, muito melhor que as séries machistas, tendenciosas e monocromáticas da EpicTV, graaaande elenco com personalidades verdadeiras como LP Silva, Rafael ou Gironha, grandes figuras da escalada da Chapada que contribuiram muito mais para  escalada do mundo do que dois gringozinhos que escalam ônzimo grau e vão pra outro país arrancar chapas das vias alheias. Esses sim! LP Xibungo! Rafael, e Gironha e os chegados é que merecem destaque na mídia pelo que tem feito, pelo bonito trabalho com as comunidades, pela escalada, e pela inspiração. E os criadores da série, meu muito obrigado, troféu “Enquantoissonaomuitolongedali” de melhor vídeo de todos os tempos da última semana.(esse é só o Teaser… fico ansioso pelo original!)

E pra acabar, um pornôzinho gringo na espanha com a eslovaca Alexsandra Ola Taistra falando um pouco dos climbs, do que ela gosta e não gosta. Eu diria que é exatamente o modelo perfeito do nosso ClimbingPorn moderno não exagerado.

Muita informação né? Eu sei, espero que tenha gostado, que motive, entretenha e inspire!

Sístole & Diástole

Até a ruptura na rocha propicia fendas que são tão amadas pel@s escalador@s

Até a ruptura na rocha propicia fendas que são tão amadas pel@s escalador@s

Os padrões da natureza se repetem do micro ao macrocosmo. São relações quânticas entre átomos, partículas e moléculas que tem suas interações geridas por forças que vão se propagando ao ponto de podermos observar os mesmos efeitos no nosso dia a dia. E na nossa vida. Tudo tem altos e baixos, todos tem momentos super alegres, outros mais “tranquilos”. Faz parte da vida, do aprendizado, e com a escalada nós vamos aprendendo que “um dia da rocha, outro do escalador”. Nossa vida pessoal ou profissional nem sempre será um mar de rosas (ou uma via positiva com agarrão) mas precisamos saber lidar com cada crux pessoal, ser perseverante e superar os obstáculos – ou saber a hora de desistir, mudar de via, deixar a pressão de lado e escalar um pouco por diversão e menos pela “pressão”. Seja qual for o caso, disciplina é fundamental para se ater ao que é realmente necessário e poder tomar decisões fundamentadas para saber escolher qual o próximo passo, ou seja: fazer um move a mais pra sair do regletinho e costurar do agarrão confortavelmente em vez de perder tempo e energia pra costurar daquele microrreglete no meio do crux. Tudo vai depender da energia que você dispender com suas ações, e uma ação antecipada para colocar um costurão no crux (ou não colocar um costurão) para se fazer a clipada da melhor agarra (e não cair em tentação de clipar quando se está “na merda”) pode ser o diferencial entre mandar ou não mandar uma via. Mas aí já entram conceitos como planejamento, tomada de decisões e atitudes pro-ativas. Tudo isso eu estou falando da escalada, mas quem aí não se identificou com situações do dia a dia? A vida é uma grande dança e a música que devemos seguir é a dos nossos átomos, elétrons e suas frequências interativas. Ou não parece que quando algo não vai muito bem é porque estamos dançando fora do ritmo da música?

Bem, e falando em frequência, as últimas semanas andaram meio fracas para vídeos, mas nessa já bombaram tantos vídeos em dois dias que daria pra fazer uns 2 posts.

Começando com:

Um vídeo que começa bem, até a metade um vídeo normal de escalada bem clichê até… Só que no final da uma reviravolta, ninguém consegue mandar mais porra nenhuma aí os roteiristas apelam para mostrar esse lado B da escalada que ninguém mostra, o da frustração, o dos machucados, do mau humor, do “não-conseguir”. O segredo do sucesso desse vídeo (que tinha recorde de comentários) é que mostra mais a parte “normal” da escalada, que encaramos todos os dias que é o processo de trabalho de uma via ou boulder, e menos aquela parte que dura o menor tempo, que é quando conseguimos de fato mandar nossos projetos.

E já que estamos falando em “não mandar” as coisas, temos esse vídeo de uma escaladora praticamente anônima pra nós malhando uma fenda de teto em móvel de 9c Br (8aFr). Detalhe para a Seg com a cadeirinha Cyrus da Edelrid (a melhor cadeirinha do mundo na minha opinião hehe) e para a mochila da escaladora, que parece ser da época da guerra da secessão americana (também conhecida como guerra civil, por volta de 1860).

A dupla dinâmica Alex Honnold e Cedar Wright atacam novamente com mais um filme da série “SufferFest” (festa do sofrimento). Atravessando o deserto de bike, escalando várias “agulhas” (e se fudendo pra caralho) com rocha que nem sempre dá pra chamar de “rocha” de tão podre, a dupla faz caras e bocas numas escaladas insanas. Compete com o filme “50 tons de cinza” pelo título de filme mais sadomasoquista do ano. Seria trágico se não fosse cômico. Se o trailer já é bom, imagina o filme completo, que está para download por 14 dolares. Juro que se eu ganhasse em dólar compraria, mas o jeito é esperar aparecer no torrent 😉

Ah! E tem esse filme do ano passado que não pus aqui ainda, mas que tem tudo a ver com “não mandar”. Depois da treta com a Sasha digiulian pra ver quem ia escalar a via Orbayu, Nina Caprez passa semanas malhando a via, “malemá” consegue isolar o crux, reavalia a situação e diante de todo o stress resolve dar um tempo da via (e dos relacionamentos amorosos estáveis), e vai curtir a vibe do climb nas falésias esportivas, sair com a galere, enfim, dar um relax. Eis o teaser do filme sobre suas tentativas na Orbayu.

Hazel Findlay, uma das escaladoras mais destemidas (com três bolas) da atualidade, falando sobre suas escaladas, sobre as coisas que teve que abrir mão, que se tornou “INEMPREGÀVEL” em nenhum emprego do mundo depois que se tornou escaladora. Mas a última frase do vídeo fecha com chave de ouro o post de hoje:

“…If you´re not having fun, then…. what´s the point?” ou, em português: Se você não está se divertindo, então… qual o sentido?

(Não deu pra colocar aqui, mas é só clicar no link abaixo, e vai abrir uma sequência de vídeos muito massa dela com o Alex honnold fazendo uns psicobloc em Oman)

http://video.nationalgeographic.com/video/short-film-showcase/she-climbs-like-a-girland-its-awesome

Bem, e por hoje é isso! Temos algumas novidades na Quero Escalar, (pra variar, sempre novidades, a-do-roooooo).. entrem aqui e não se reprimam!

Um vídeo de cada…

Ciça escalando uma "Barbaridade!" kkkkkk

Ciça escalando uma “Barbaridade!” kkkkkk

As duas últimas semanas, de repente, pipocaram com vídeos iradíssimos pela internet afora. Muitos já foram postados no Face da Quero Escalar, (portanto, se você ainda não curtiu, curta e veja antes). Tem pra todos os gostos (anal, bukake, swing, amadoras) Boulder, esportiva, trad, de várias cordadas, treinos, competições… enfim, vamos logo ao que interessa?

Começando com um vídeo de história. Explicando a história do REDPOINT. Não sabe o que é? Bom, sabe quando você manda uma via? Ou seja, você escalou ela inteira, guiando, sem cair, certo? (CERTO? Não existe mandar com uma queda, nem mandar de top). Pois é. Você pode mandar ela a vista (onsight) que é quando você não sabe absolutamente nada sobre a via, só o grau e olha lá. Não sabe onde é o crux, não sabe a característica da via (se é de reglete, abaolado ou negativa) NADA. Nunca viu ninguém escala-la. Se você tiver qualquer noção de que a via tem reglete, ou que o crux é no começo ou no fim, já é FLASH (e aí não tem tradução, em português é flash mesmo). Agora, se vc “malha” a via N vezes, ou seja, entra nela mais que uma vez, ensaia os movimentos para só então mandá-la, então você mandou ela no chamado “redpoint”, ou seja, quando não é nem flash nem a vista. Mas porque redpoint? Agora chegamos ao ponto que eu queria (o vermelho?). Assista o vídeo e entenda essa história:

E já que estamos em ritmo de chucruts, mais um vídeo, desta vez da Sasha Digiulian dando um treininho “de buenas” em uma das academias conceito na Alemanha, o chamado Cafe Kraft. Várias dicas boas para incorporar em nossos treinos hein magrelas?!

E um que só descobri essa semana. Muito bom, vídeo feito na Itália, de uma via de várias cordadas, tudo na casa do 10b. A via sai de dentro de uma gruta, e vai virando o negativo até ficar vertical. O nome da via? Divina Comédia, epopéia Italiana de Dante Aliguieri, que está para o Italiano assim como os Lusíadas está para o Português. O livro, que é uma espécie de Senhor dos Anéis da idade média, conta a passagem do autor pelo Inferno, purgatório e finalmente céu, e cada etapa é composta por 3 livros (alô hollywood, se 1 hobbit rendeu 3 filmes, esse livro pode render 27! kkkkkk). Enfim, com vocês, o tal vídeo:

Vídeo de Nico Favresse fazendo o FA (First Ascent, primeira ascensão em livre – ou seja, só usando a rocha para subir, tendo a corda somente para sua proteção em caso de queda – e não tendo esta sido necessária em nenhum momento) de uma via na Noruega, toda em móvel. Ficaram mil anos lutando contra o mau tempo, e em algum momento chegaram a achar que não ia rolar. Em outro momento anterior, pensaram que mais um pega sairia (tipo um amigo meu na ética kkkk). Em determinado momento ele rasga o verbo e mete o pau na galera que faz tickMarck (marquinhas de magnésio na parte boa de agarras chave para facilitar a precisão e não errar na hora “H”), usa cordas fixas e outros artificios modernos, chamando-os de preguiçosos e que estão tentando ser uma coisa que não são.  Esqueceu de dizer que cada um escala o que quiser da maneira que se diverte mais né? Basta do Tribunal de pedra por aí. (E não esquecer de apagar os tickmarcks e remover as cordas fixas depois da escalada).

E finalizando. Por increça que parível, deixei o melhor de boulder pro final. Isso mesmo! Um vídeo de Boulder do Atleta Edelrid Espanhol Iris Matamoros (Mas se não tiver ele matamontanhas, matacolinas – Badun-tsssss). Deve ser parceiro do Alberto Rocasolano 😉 . O vídeo é uma compilação de muitos boulders de sua trip para Rocklands, simples porém bastante entretivo:

E pra encerrar um treino de ombro incrível para ficar com as escápulas, manguito rotador e deltóides petrificados igual do Patxi Usobiaga:

como diria um comentário que vi no Facebook: “Matei no peito, um, dois, nem me viu já sumi na neblina” huahuahua

Isso aí personas! Todos treinando forte para o Climb de Carnaval? Qual vai ser? Carnavarcos? Bocairnaval? Carnapó? Cuscuval? São Bentav…. CHEGA.

PS – EXTRA!! EXTRA!! Notícia QUENTINHA de última hora, saiu enquanto eu escrevia o post: A Quero Escalar vai apoiar mais um evento! A Invasão Feminina no Rio que vai acontecer no dia 8 de março na Praia Vermelha! 

“Da porta pra fora – Festival de Cinema Outdoor”

Não perca! Atrações diferentes, para um público diferente, como a gente!

Não perca! Atrações diferentes, para um público diferente, como a gente!

Antigamente qualquer eventozinho de escalada era uma raridade. Todo mundo corria pra se inscrever, mas nem todos eram lá aqueeela Brastemp. Aí neguinho ficava reclamando que o país não tinha eventos, q ninguém tinha iniciativa (os mesmos que não tinham iniciativa de organizar nada). Aí vieram os anos 2000 e os anos 10 (no qual nos encontramos,by the way) e de repente temos encontros de escalada só pra abrir vias, encontros de escalada em picos com setores inteiros novos, croquis maravilhosos de locais incríveis, campeonatos de escalada organizados por uma puta associação de escalada FODA formada por gente que escala de verdade, e claro, festivais de cinema de Montanha. Mas, por increça que parível os participantes não vinham sendo tão em massa assim. Só que de repente, parece que todo mundo se ligou que é da hora pra caralho sair de rolê com os trutas/cazamiga do climb e em vez de ir no Shoppis Centis ou no buteco tomar uma, ir para o cine ver um filme de escalada. Se antes, no bar, durante o convívio com seres normais (AKA não-escaladores) os climbers já pareciam recém saídos de um manicômio, falando com um linguajar peculiar utilizando as mãos para gesticular o vocabulário desconhecido por eles (“Pega no gaston de esquerda, sobre de direita no abaolado, tranca o abdomen, junta, dropa e vai no deadpoint pro reglete invertido”), agora quem não for climber vai pelo menos poder acompanhar e sentir um pouco da emoção desse universo todo pelo qual os escaladores demonstram tanta paixão e dedicação.

Em São Paulo no dia 10 de dezembro vai rolar um festival de Cinema Outdoor chamado “Da porta pra fora”. Confira a programação e leve seus amigos climbers – e os nãoclimbers também! – pra fazer um rolêzinho diferente e muito agradável.

Nesta primeira edição serão exibidos alguns dos filmes que participaram “BritRock film tour 2014.

10 de dezembro de 2014 às 19h30 | Espaço Itaú de Cinema – Shopping Frei Caneca | R. Frei Caneca, 569 3º piso | São Paulo – SP

 Programação:

“Wainwrights Record Attempt” – O consagrado trailrunner Steve Birkinshaw tem o objetivo de quebrar o recorde que já dura 27 anos correndo todos os  214 cumes da região de Wainwright durante sete dias

De Alaistar Lee | Posing Productions | 31 minutos

“Stone Free” – Julian Lines é um dos melhores escaladores do mundo, e poucas pessoas o conhecem.Considerado o mais comprometido escalador da Inglaterra o filme é um documento vivo de um atleta que quer se tornar um dos maiores escaladores solo da história

De Alaistar Lee | Posing Productions | 27 minutos

“All My Own Sunts” – Rob Jarman é um ciclista de MTB especializado em downhill, e neste filme conta a história de seu acidente quase fatal que teve e todo o processo de recuperação. Oscilando humor e drama é considerado, por quem viu, o filme de bike do ano de 2014.

De Alaistar Lee | Posing Productions | 24 minutos

“Project Mina” – Escaladores profissionais são iguais a pessoas comuns?Neste filme extraordinário de Jen Randall acompanha toda a experiência de Mina Leslie-Wujastyk durante a temporada da copa do mundo de escalada em 2013.Além de focar a escalada, o filme também é o documento de como é a pressão em cima de atletas de alto nível e a reação de pessoas normais a ela.

De Jen Randall  | Light Shed Pictures | 22 minutos

É isso aí galera, quem puder ir, não perca que assim incentivamos a realização de eventos de escalada pra gente como a gente! Além é claro de curtir uma movie session sobre nosso universo! ;P

Tem filme sobre essa belezinha escaladora também!

Tem filme sobre essa belezinha escaladora também!