As melhores fendas do Interior Paulista

img_20160904_121236473

Ahhh eu adoro essas fotos de equipos em pé de via!

Não é que escalada móvel seja a minha favorita. Mas eu diria que eu gosto tanto de escalar, que não escalar em móvel seria me privar de muitas vias maravilhosas. E eu não gosto muito dessa história de ficar me privando de alguma coisa. Então a escalada em móvel se tornou algo corriqueiro. Antes uma brincadeira, agora um acessório tão trivial quanto uma costura ou uma corda, são as peças móveis. Mas tem gente que pira nessas pecinhas de proteção móveis mais que na escalada em si (e aí arranja treta pra tudo que é lado kkkkk). Mas enfim, não vou polemizar pq não agrega ao contexto, mas que tal falar sobre escalada?

Manoo! Andei escalando umas vias incríveis em móvel, que você não tem noção. Coisa de filme mesmo. Até o mais apaixonado por chapeletas vai ficar com gana de botar a mão num joguinho de camalots e subir essas vias. A maioria delas fica no Pico do Mané, mas cá entre nós, há fendas incríveis no Cuscuzeiro e na Invernada também (e até na caralha). Até alguns anos atrás, quando se falava em via móvel no interior, só se falava em Irish Jararaca no Cuscuzeiro, que digamos que é a mãe de todas as vias móveis que vou citar. Não incluí ela pois ela já foi repetida trocentas vezes, já tem sua fama, e eu queria falar de coisa nova. Vamos lá? Numa ordem não muito aleatória, cuja sequência respeita um critério subjetivamente intrínseco e desconexo.

1 – Fenda perfeita do nome Perfeito. 5Sup – Pico do Mané, Franca

img_1203

Biaoncê divando desfrutando das fendas do Pico do Mané

Uma das menores vias da lista, mas também uma das mais bonitinhas. Uma daquelas vias pra se aprender guiar móvel. Colocações a prova de bomba, num arenito bastante sólido (apesar de fraturado, não esfarela). A fenda transcorre por um diedrinho e permite a colocação de peças praticamente a qualquer momento, quantas quiser. Começa com peças menores tipo um camalot #0.4 depois aumenta, diminui, tem fenda horizontal, vertical, aceita Nuts numa boa em vários momentos, camalots, e ainda tem um lancezinho “maroto” pra chegar na parada pela direita. Incrível, daquelas pra se fazer estreando peças, sapatilha, cadeirinha, fazer no fim de tarde só pra não passar em branco. Uma via feliz, diria eu! Ela tem uns 15m e fica pra direita da “Epopéia” e pra esquerda da PugliRocks, duas clássicas do setor da chegada. A parada são duas correntes discretas pra direita da árvore, não é na árvore! Ah, e o melhor, sombra depois das 15hrs, o que é muito importante lá no Mané!

2 – Abrindo Horizontes, 7a/b – Pico do Mané, Franca.

dscn2879

hummm fendinha ishpertaaaa…

Essa é massa! (ah vá?!) Entre o setor da chegada e o setor da Tesão. É um diedro fendado com uma saída boulderística alucinante! Depois vai super de boa até o final do diedro, e toca mais uns 10-15m até o top. Tem duas chapas na segunda metade pq os blocos soltos não inspiram confiança, e da pra melhorar o ultimo lance com um camalot #2 ou #3. Tem 25m, sombra no diedro depois das 2 ou 3h dependendo da época do ano. Por representar fazer força de crux de 7b explosiva logo de cara, já é um filézinho. Ah! E foi a primeira via em móvel oficialmente que existiu no mané, daí o nome. Antes só a “Ph na cabeça” que tinha uma passagem em móvel no meio, mas é mista. Lembro que no dia da conquista “debaixo pra cima” eu levei tanta peça, tipo, 3  jogos de nuts, e 2 jogos completos de camalots, que eu pesava vários kilos a mais e achei super hard. Aí quando entrei pra cadena só com as peças que eu sabia que ia usar, tipo umas 8, nossa, foi lindo, vuei no move! kkkkk #fikdik 😉

3 – Sexo, Sangue, Suor Lágrimas e Gritaria, 7b/c – Invernada, São Carlos

dsc00707

Comecinho delicado, final negativo de agarrão. Fenda no meio! Sensacional!

Ahh, essa é meu xodozinho. E também a vovózinha da lista, com praticamente 6 anos de existência (contra praticamente todas as outras que tem tipo, 1 ano no máximo). Essa é uma das vias que eu mais repeti, e sempre que repito adoro e fico com vontade de fazer de novo. São 25m de pura escalada. Uma via mista aqui no quintal de casa. Começa com um 7b incrível técnico de 3 chapas, depois clipa mais 2 fáceis e entra na fenda. Eu protegia com 2 peças mas agora tá tão decorada que eu ponho só um TCU roxinho equivalente ao camalot #0.4 ou .5 e vou pro descanso, ponho um #0,75 e entro pro lance do crux, que é protegido por 2 chapas, e pra ir pra parada rola proteger com um camalor #3 ou #3,5 ou um camalot #0.4 um pouco mais alto, e já era. Recentemente abri uma variante pra esquerda com chapas que não passa pela fenda e toca pra esquerda, chamada “Foguete cubano”, e já fiz a variante Sexo Cubano, que faz a fenda e do descanso toca pra Foguete cubano. Incrível, técnica, negativa, com agarrões, delícia de via! Tem uma permadraw no meio da via pra vc passar sua corda quando estiver rapelando para conseguir limpar as primeiras chapas, se não fica bem dificil devido à inclinação da via.

4 – Flertando com o Teto, 6sup – Pico do Mané, Franca.

Flertando com o Teto!

Flertando com o Teto!

Ahhh, essa foi uma das vias que mais deu trabalho pra abrir. Duas caçambas de blocos soltos, de terra, e muita faxina foram necessárias para transformar um aglomerado de pedras soltas em uma via móvel perfeita, de 25m protegivel do chão até o top. Um diedro com aquelas fendas dos filmes americanos, perfeita, em que vc não precisa nem conferir a colocação, enfiou o camalot, clipou a corda e tocou embora (mas confira sempre suas colocações, ok?). Um pouco técnica, requer uma certa logística devido ao grande teto, se não, rola um arrasto na corda monstro. O ideal é ir com uma corda dupla, ou, tal qual como nós fazemos na Lamúrias de um Viciado lá no Cipó: Vai encordado com as duas pontas da corda. Quando chegar no segundo platô antes do Crux e depois da Chaminé clipa umas 2 ou 3 peças redundantes com a corda que não tinha sido clipada em nada e desencorda da corda que vinha sendo clipada nas proteções sob o teto e na chaminé. Ou então abusa dos costurões de 1,20m e aguenta o arrasto da corda. Uma via pra ser fotografada e repetida. Em breve volto lá pra abrir a continuação, é só o Sol baixar! Leve uns camalots #0.4 repetidos para o começo, o #1 repetido para o teto e o crux antes da parada, além do resto do jogo completo que vc vai usando ao longo da via. No meio vai uns nuts, tricam, usei até um X4 amarelinho pra sair do diedro e montar no platô (peça móvel pequena). Ah! Como a maioria das vias no mané, ou chegue cedo (Tipo 6:30/7h) num dia frio, ou espere pra entrar nela depois das 3h da tarde. Destaque para a Rê Leite e a Mel de São Paulo que ajudaram a fazer a funça com a maior paciência do mundo e deram muita seg, escalaram a via varias vezes comigo e limparam impecavelmente a primeira metade dela, de onde sairam várias carriolas de terra e blocos soltos.

5 – Diedro Ainda sem nome, 7a/b – Cuscuzeiro, Analândia.

img_20161015_171937472_hdr

A fenda nova no Cusco!

Essa é nova no Cusco. Tal qual na “Flertando com o teto”, o Beto também ficou meses wagnando e faxinando a fenda do diedro do qual rolaram várias caçambas de terra e blocos soltos. E abriu uma das vias mais espetaculares do cuscuzeiro. São 35m de via móvel, interrompidos unicamente por uma parada intermediária pra meiar o rapel de quem vai com corda menor que 70m. Uma escalada alucinante daquelas que você tem que desligar a chavinha do medo e tocar pra cima. Não porquê da medo, mas porque não precisa! As quedas são limpas, as colocações são bomba mas são do tipo “Só pra não morrer, não pra pagar o lance com a peça no peito”. Tem hora que é melhor não proteger mesmo e sair tocando pra cima pra chegar logo no agarrão. Sempre tem encaixes bons pra dar uma respirada, agarras boas, lances de diedro com pé chapado, muita técnica de oposição, incrível – mas o Psico pega!!

Leve um jogo de Camalots, Nuts vão muito bem. Tricams entram onde nada mais entra, e MicroFriends tipo X4 ou Aliens protegem lindamente lances cruciais – Nuts pequenos tbm. (e um rolo de papel higiênico pra por na cabeça)

6 – Vulva Alada, 6sup/7a – Pico do Mané, Franca

img-20160906-wa0005

Olhando de longe e de frente: Claramente uma Vulva Gigante!

A história dessa via é uma das que eu mais gosto e também a mais “novinha” da lista. O Wagner tinha acabado de abrir a trilha que liga o setor antigo ao setor novo no pico do Mané lá em Franca (Patrocínio Paulista na verdade). Foi no dia que abri a “Vida Loka” que passei por ali só pra conhecer a trilha do setor antigo para o setor novo. E quem escala sabe. Você não faz uma trilha num pico de escalada olhando pro chão. Eu pelo menos vou brisando: Olhaaaa, da pra abrir via ali, e ali, e ali, acessa por ali, bate um top, humm, ali tem que rolar bloco solto, humm. e vou analisando né? E assim foi com a Vulva: Amor à primeira vista. Lembro que a primeira vez que a descrevi pro Guilherme eu a descrevi como: Um diedro bem aberto com umas pranchas de surf que saiam bem do meio da fenda. Digamos que me apaixonei instantaneamente pela linha da via. Estava ficando um feriado de 4 ou 5 dias lá e como o setor tem de fato sombra até meio dia, cheguei com a Carol de Franca logo cedo (tipo as 7h) no pico, mas ao sinal da primeira chuvinha ela vazou e eu fiquei lá, com o pico inteiro só pra mim hehehe E o mais incrível: a única linha seca era a Vulva. Ahhhh, não tive dúvidas. Comecei a conquistá-la em livre em solitário até aproximadamente 2/3 dela, quando cheguei nuns blocos soltos meio medonhos. Puxei a furadeira pra cima (que estava preparada no chão só esperando pra eu puxar através de uma corda que eu levava retinida (também conhecida como “a outra ponta da mesma corda” kkkkk) e pendulei pra direita numa aresta, e continuei a conquista da “Cavaleiro Solitário” debaixo pra cima em livre. Esse dia ficou nublado o dia todo, então pude trabalhar até o fim da tarde sem tostar no sol, e, ao final, escalei na auto-seg a cavaleiro e marquei todas as proteções, e finalmente furei. No dia seguinte voltamos lá e através da Cavaleiro Solitário o Wagner fez cume, bateu vários Tops e pudemos abrir a “Na natureza Selvagem”, uma via Amaaazing em face que tem praticamente 30m em móvel com apenas uma chapa pra proteger a saída – Via do Wagner e do Eliel “jah”. E eu com o Juliano Engler pudemos abrir a Olho do Tigre e a Terra do Nunca, pra esquerda da Vulva. Ainda nesse dia abrimos (O Juliano, Wagner, Jah e eu) a Independência ou Móvel, uma via mista de 25 ou 30m incrível também.

Pois bem, voltando a falar da Vulva, uns 15 dias depois  voltei pra Franca e com uma galera massa que escala de meio de semana, pude finalmente bater o Top da Vulva e descer rolando todos os blocos medonhos que tinha no final do diedro antes do tetinho (ainda falta um, bem no final do teto, já pra cima dele: cuidado!). E finalmente, uns 2 dias depois ainda em Franca com essa galera que escala em meio de semana (Santinho, Jayme, Jah, Rê), pude finalmente mandar a Vulva Alada. Foi incrível. Abusei dos costurões, das proteções, em vários momentos você tem que trabalhar na oposição bem no meio, é sensacional, é escalada bonita, bem protegida, incrível! Detalhe para o tricam preto ❤ salvador que protege bem a passagem do Crux onde nenhuma outra peça conseguiu proteger. E aí pra acabar muitos agarrões, virada de teto com agarras, e “easy-terrain” até a parada, sempre com boas opções de proteção. Incrível! E nesse setor pra quem curte, da pra fazer a continuação da “Olho do Tigre, 6º” em móvel até a parada da Vulva, é a variante “Olho do lixão” facinho tipo 4Sup, e a continuação da “Terra do Nunca, 7a/b” em móvel até a mesma parada: Pensamentos Felizes, também sem muitas variações no grau desse finalzinho, não passando de 4sup.

img-20160906-wa0012

Depois de alcançar o Top da Cavaleiro solitário, fixei a corda, desci limpando a fenda, subi marcando as proteções da cavaleiro e desci furando. Ao fundo, a Vulva e sua fenda. Na esquerda a aresta da Terra do nunca.

Bem, pra ela você pode levar um jogo de nuts e um de camalots que ta tudo certo, mas não se esqueça de deixar os Camalots #2 e #3 para o final, e algo semelhante ao Tricam preto #0.250 pra proteger o crux bem no bloco que parece solto mas não solta. Escale em 3d e não esqueça de tomar cuidado com o bloco solto que está acima do teto!

7 – Vida Loka, Parte 1 – Pico do Mané, Franca

img-20160903-wa0013

Essa Fissura bem no meio da parede é a Vida Loka. Os cactus lá no meio deram trabalho pra desviar: Marimbondo pra esquerda, bloco solto pra direita!

Nossa, essa foi incrível também. Uma fendona de mão perfeita (leve uns 3 camalots #2), negativa, que na hora que eu vi (e o wagner tinha me alertado que quando visse ia querer fazer isso mesmo) já entrei conquistando debaixo pra cima na moralzinha. Mas tive que artificializar uma parte que eu acho que “vai dar crux”, acessei um platôzinho pra direita depois do final da fenda, desviei de Cactus, blocos soltos, estiquei horrores desde a última proteção (ok, horrores não vai, uns 3 ou 4m com direito a pêndulo desagradável), protegi numa fenda perfeita que também é agarra que me possibilitou pagar o lance em face e fugir de outros blocos bem soltos num momento que eu estava começando a ficar desesperado pois não queria subir neles (foi lindoooo aquela colocação do TCU verdinho, lembro como se fosse hj, saí do diedro sujo e cheio de cactus e entrei num lance de escalada em face mais exposto e senti o vento batendo no rosto, foi libertador rsrs). E então toquei mais uns 10 ou 15m através de um diedrinho fácil, acessei um platôzinho, subi numa geladeira que não está mais lá, e armei uma parada em móvel a prova de bomba e puxei a furadeira pra bater o Top. Então desci rolando blocos mil, que levaram consigo Cactus, terra, e aproveitei pra furar pro lado esquerdo o Top de uma clássica do pico, a “O Pianista”, que leva o nome devido ao Piano que o Wagner rolou pra baixo do meio da via.

Infelizmente não tive mais oportunidade de entrar lá e tentar mandar a Vida loka! Chama-se parte 1 porque tem claramente uma continuação fácil, em móvel lá pra cima, que vai se chamar Vida Loka parte 2 😉

Enfim! Essas são as minhas fendas favoritas aqui no Interior. Lá na falésia da Caralha também tem uma, a “Para o Beto com carinho”, um 5sup tranquilinho com cara de campo escola também todo em móvel. Mas quando eu soltar o croqui oficial do Pico com os betas de como chegar no pico e talz, aí eu falo sobre ela.

Ah, lembrando que apesar das fendas perfeitas, o Pico do Mané é um pico esportivo, com aproximadamente 70 vias contando as variações e links entre vias , das quais praticamente umas sei lá, 55 são com chapas. Ah, e pra quem quiser fazer uma via mista pra aprender ou pegar mais confiança nas colocações móveis, a Mosquitos no Cuscuzeiro é uma via esportiva com chapas mas que da pra ser feita em móvel. Assim, você pode clipar as chapas e colocar os móveis pra ir se costumando e aprendendo a escalar em móvel, ou se vc já sabe, só pelo lúdico =).

PS1 – Só pra não virem me xingar, São Bento e arredores não entrou na lista pq não considero ali como sendo “interior” do estado, uma vez que é um dos picos mais pertos da Capital, e eu entendo que ali é o mainstream de escalada no estado, tanto de boulder, quanto trad e esportiva. Logo essa lista é mais pra ser “alternativa” mesmo. Divirta-se =D

PS2 – Ainda que no Mané tenha muitas fendas, é em Mineiros do Tietê onde eu vi o maior potencial para escalada móvel da região com inúmeras fendas por setor. Acesso ao Cume fácil pra rolar os blocos, e sombra ou antes, ou depois das 13hrs dependendo do setor. Em breve voltaremos lá! Lembra quando eu postei essa foto aí embaixo, lá de Mineiros?

IMG_2282

Abrindo a primeira via do pico…

Tainha, Vinho… e muito Climb!

Yo Bitchess!! Ok, a frase que entitula o post de hoje é de um video que viralizou em 2014 [clique aqui para ver a referência] mas é mais ou menos assim que tem sido ultimamente. Rolou OuroBoulder, mais uma vez incrível, Fui pra Franca algumas vezes só pra escalar e voltei com sei lá, 5 vias novas kkkkkkkk E finalmente pude abrir a primeira via de um pico novo em Mineiros do Tietê, ali pertinho de Jaú, Bauru, Botucatu. Mas como faria Dexter… vamos por partes! (E tinha esquecido, depois adicionei, dei um curso de abertura de vias e a caralha ja ta com 9 vias na falésia, 14 no total)..

2016-07-09 13.23.50

Crash Borboleta “Quero Escalar” Brilhou muito nas vielas estreitas entre galhos nos boulders de Ouro Preto!

Bem, Tudo começou [há um tempo atrás, na ilha do sooooool…] com a trip para pra OuroPreto com a Rê Leite numa quarta de manhã. Só que de caminho fizemos um PitStop em Arcos por dois dias. Climb Incrível lá, sempre, apesar de ter pego uma infestação de micuins, a maior da minha vida, tipo, centenas, foi Horrível! (Ô dó) Pude mandar o flash da via “Essa via é de todos nós”, um 7b novo no vale das sombras maravilhosa, e depois fiz a Entre o Sol e a Extraordinária, uma variante que faz a saída da Entre o Sol e a Sombra e na quarta chapa cai pra extraordinária. Costurões de 60cm nas 3 primeiras e 120 nas duas seguintes mandatório pra controlar o arrasto!! Foi uma viagem empoderadora, pois a Rê tem se engajado em muita coisa que eu acredito mas nem sabia que tinha gente ativamente lutando pra isso. Realmente um dos pontos mais positivos da viagem foi essa influência positiva. Mas o objetivo era OP então ficamos só dois dias em Arcos e na sexta mesmo já partimos de Arcos. E na sexta feira mesmo já rolou muito Climb. O combinado era escalar com o Bonde de Arcos: Cintura, Tetê, Fabio, Igor, Felipe e Cia. ltda. Mas na sexta quem encontramos foi uma turminha da pesada que sempre apronta altas confusões: O Greg Hidatá de Pira com a Tá e o Sevê e a Ju. Climb Foi Incrível, pude mandar vários Boulders mesmo com joelho fodido e ombro doendo. Os detalhes de todos os boulders, o processo em si e tudo mais vou poupa-los pois se não ficaria longo demais. (mais longo que isso aqui genja?!) O curioso foi que sábado tava com menos dores do que tinha acordado na sexta. Vai entender. Mas no fim do dia não sei se exagerei ou o que, mas acabei q não consegui escalar praticamente nada. Uma dor absurda no braço e nem 6h da tarde e ja era climb pra mim. Ibuprofenos e cornetação. Cê lá Ví! C´est la vie!  Confira a Miucha no minuto 1:00 do vídeo correndo atrás do Drone mais que gato de rua..

Bem, domingo voltei pra casa né, fazer o quê? Braço zuado, azedo né, de não ter podido escalar tudo que gostaria, mas foda-se. Bom que no fds seguinte as dores deram uma amenizada e eu pude escalar com meu brother Wagner de Franca no Cusco, e fizemos nossa primeira via de cordada (duas), a 97 Bons motivos. Via irada no Cuscuzeiro que recomendo fortemente! Nesse mesmo finde chegou ao Brasil o Espanhol mais brasileiro da Índia, o Raul, que morou por aqui uns 5 anos antes de voltar para sua terra natal. O São Carlos Pression Team apareceu uniformizado esse dia hehehe

No finde seguinte rolou climb e abertura de vias em Franca. Pra variar, fui só pra escalar, e voltei de lá com 2 vias abertas kkkkkkkk Bastardos Inglórios e O Exorcista, duas vias de 30m sensacionais no melhor estilo de arenito, com agarras boas porém há que se usar mais a cabeça que o corpo. Mas o melhor mesmo foram as fotos da fotógrafa lacradora Fabiula de Rio Claro. Confira você mesmo:

 

Tem a seção da Biaoncê divando na Bastardos Inglórios e o Gui na “Flertando com o Teto”, entre outras:

Mas não para por aí pois no finde seguinte pude abrir a primeira via da região de Mineiros do Tietê, na região da pedra branca, com visual da represa de Barra Bonita, coisa mais linda! Ainda está bastante inexplorado, nem trilha para a rocha tem, mas a pedra é um arenito de qualidade intermediária. Melhor que a Invernada, mas também não é nenhum Pico do Mané. Diria que ta mais pra Cuscuzeiro. Tem muita fenda, mas muita via em face, com agarras, tetos, contraposições, batentes, enfim… Vai ter pra todos os gostos! Já fazia mais de ano que o Ives achou essa formação no google maps e enrolávamos esperávamos um ensejo pra ir pra lá, já que na ocasião estávamos meio órfãos de picos de Climb por aqui (o colorido tava desativado, a caralha pensávamos ser uma bosta, o mané ganhara suas primeiras vias e ainda não estávamos plenamente convencidos de seu potencial, fora outros 3 ou 4 picos que o dono não deixa entrar aqui em São Carlos, Ibaté e Descalvado). Aì o André fez o curso de escalada com a gente em janeiro, e como ele é de Jaú, ali do lado, botei pilha pra ele ir lá ver “qualéqueera” do lugar. E não é que ele foi mesmo!? Mandou umas fotinhos, e aí eu animei e marquei no calendário com 2 meses de antecedencia pra não marcar nada  por cima. E lá fui eu, 120KM de São Carlos, sozinho, pra matar essa curiosidade e animação de conhecer o pico. Só que não deu muito certo pq agora eu quero é voltar mais vezes, com mais frequência. Quem consegue mandar seus projetos se fica “só abrindo via” desse jeito?!

Nossa, esse dia eu agradeci muito estar com uma mochila Osprey. Estava com jogo completo de móveis, furadeira, quase 30 costuras, sapatilha, mag, água, café, rango, Kit de Primeiros Socorros e mais 50m de corda estática no lombo. Aí na hora de descer, acabamos ficando meio perdidos por umas 2h presos na mata extremamente fechada e densa (reitero: não há trilha ainda). Teria sido “badvibes” estar ali com tudo aquilo de peso nas costas com uma mochila que machuca e incomoda. Ô Grória! Mas no final deu tudo certo e chegamos no carro ainda tinha 2l de água daquela garrafa tudo suja e fudida de água do radiador pra matar a sede! kkkkkkk (mas a sorte é que o Nei, tio do André tinha enchido a garrafa no mesmo dia – disse ele). E domingo ainda fui pro cusco e tirei umas fotos cabulosas da Bia na “Distúrbios do Sono”.

 

BIA_SONO

Fotinho Clichê passando Mag, mas ta massa! As outras tão melhores… em breve no Instagram da QE 😉

Ah! Ja ia esquecendo! Caramba! Teve uma coisa que aconteceu no primeiro fds de Julho que foi IRADISSIMO!! Foi o Primeiro Curso de Abertura de Vias da Quero Escalar. O André lá de Jaú, e mais 3 de Campinas (O Francismar, o Soler e o Rafa) puderam aprender a teoria e botar a mão na massa, resultando em mais duas vias lá na falésia da Caralha, que agora conta com 9 vias, fora as 4 da caralha propriamente dita. (Agora falta arrumar a trilha – voluntários para o dia 15? – abrir mais 2 vias e soltar o croquizão).

Ufa!! Chega!! Fui sucinto (Ah sim, claro, super!) pq era muita informação e muita foto! Sayonará e bora que logo menos tem mais climb, mais abertura de via, mais curso, novidades… nuuu… que bom q não para!

E o post de hoje vai para…

Gosto muito desse vídeo. O escalador não é nenhum Edu Marin de simpatia, mas o boulder é muito legal. Taí uma das coisas que eu gostaria de fazer um dia e não fiz, boulder com uma das pessoas com quem mais aprendi sobre mim mesmo, sobre a vida e sobre climb. Bem, ultimamente eu tenho feito bastante boulder (comparado com antes) e tem sido bastante divertido. As vezes os dias de Climb são 99% perfeitos, (menos quando a gente corta o dedo e tem que tomar 6 pontos na mão e fica 15 dias sem escalar por causa disso) mas sempre fica faltando aquele 1% que eu acho que pode ser explicada por aquela frase que diz que a felicidade só é real quando compartilhada. Humm, talvez eu goste do vídeo também por causa da música, e de me identificar um pouco com a letra.

Bem, por hoje serei breve, tendo sido mais longo que havia sido em algum tempo. Desejo tudo de melhor, de verdade. Assim que estiver de pé novamente (nem lembro como é isso) acerto as contas. Espero que não demore!

 

O papel da escalada na Vanguarda dos movimentos sociais!

Acho que esse desenho combina mais!

Acho que esse desenho combina mais!

Recentemente rolou uma grande polêmica por conta de um post “machista” relacionado com a escalada. Algumas amigas minhas indignadas com uma “charge” que, segundo elas, menosprezava o papel da mulher a um objeto sexual a ser visto e apreciado. Fiquei muito tempo pensando se deveria me abster da polêmica por ser homem e não ter “moral” pra falar. E também por correr um risco muito grande de ter alguma palavra mal interpretada por elas ou equivocadamente ser interpretado mau. Mas decidi escrever pois as minhas amigas merecem o meu apoio e se eu por acaso cometer algum deslize será ótimo ser corrigido para melhorar como homem e como pessoa.

Ultimamente o país está numa dualidade crescente, aguda e intolerante. É coxinha versus petralha, neoliberal versus comunistinha de merda, ciclistas versus motoristas, imigrantes que chegaram um século antes Vs. Imigrantes que estão chegando só agora, evangélicos versus religiões afrodescendentes. Enfim, e tem os machistas versus as feministas.

Deixando as discussões políticas infindáveis de lado, o fato é que por muitos séculos as mulheres tem feito parte de uma minoria oprimida e ultimamente tem se unido e se levantado contra os abusos da classe masculina dominante em busca de condições de equidade e justiça. É um tanto perturbador ver uma menina de 10 anos sendo “proibida” de andar de skate, ou um garoto não poder brincar de boneca ou de “casinha”. Isso vai propagando e perpetuando estereótipos ultrapassados e que, em um mundo paralelo, já é coisa do passado.

E esse “mundo paralelo” é a escalada. Quão felizes somos nós, escalador@s, ao poder dividir nossas atividades com outras pessoas, sejam elas do gênero que forem, nasceram ou escolherem ter! Um leva as costuras, o outro a corda, sem divisão inequívoca de gênero. Ceder o casaco a alguém não pelo gênero, mas porquê a outra pessoa está com frio e eu não. E da mesma forma receber, porque não? Dar a vibe pra pessoa guiar uma via, botar um costurão no crux, não porquê é mais fácil com costurão, mas por saber que é aquela ajudinha psicológica que vai fazer aquela pessoa ter um dia maravilhoso de escalada em vez de um dia frustrante. Quantas vezes EU, homem, hetero, calcasiano (HHC) não fui julgado por estar comendo, ouvindo ou fazendo algo “de menina”? Eu fico é inconformado. Como se fosse pejorativo, depreciativo fazer algo como uma garota. As vezes é por isso mesmo que eu faço. Apesar de estar numa condição “favorável”, todo esse levante feminino em busca de seus direitos, quebrando paradigmas e desconstruindo falsos mitos acerca de sua condição na sociedade me faz sentir orgulho de ter amigas mulheres, tão fodas e mais fodas do que eu. Exemplos de perseverança, luta, trabalho, choro engolido, cabeça erguida e bola pra frente. Coisa que Eu, HHC muitas vezes não consegui ser ou alcançar – na vida e na escalada (e nem tinha porque conseguir tudo, nem de uma só vez: eu sou um ser humano normal creio eu). As vezes eu vejo a Tetê, a Bia, a Bianca, a Janine, ou até recentemente a Anne Elise escalando e penso: CARALHO, eu queria escalar que nem essa mina! E quanto mais a gente viaja, mais a gente conhece gente como a gente e gente como elas. Gente que respeita os outros. Gente que luta pelos seus direitos. Gente que interrompe comportamentos, piadinhas e atitudes misóginas. Que dá uma aula de cidadania, e que mostra que um novo modus operandi é possível e já está em prática em cada microverso que se conecta e vai aumentando.

Lynn Hill - Primeiro ser humano a escalar a

Lynn Hill – Primeiro ser humano a escalar a “THE NOSE” no El Capitain – Yosemite, em livre! E depois voltou lá e repetiu, em um dia!

E a escalada é um graaande conector desses pequenos multiversos que aos poucos vai se tornando o UNIverso dominante em que você não é desrespeitado pela sua cor, gênero, descendência, ou sotaque – e pasmem – Tampouco pelo grau que você escala! Quanto mais você viaja, mais você expande seu universo, conhece gente maravilhosa de tudo quanto é tipo, outras culturas, e de repente, em tanta diversidade, você encontra a unidade, um fio condutor que é presente em todas as culturas. Do nordeste ao Sul, do Brasil à Espanha, por mais diferenças que existam, existe um minimo multiplo comum. Seja nas casas ocupadas por comunidades inteiras de ciganos e marroquinos unidos em Madrid, seja nas pizzadas da engenharia ambiental em São Carlos, nas festas de HipHop na perifa em São Paulo ou nos encontros de escalada em Quixadá, Bocaina ou em Arcos: Mulheres são tratadas como devem ser. Como seres humanos iguaizinhos. (tem vários outros aspectos em comum em todos esses ambitos, mais pra frente eu comento outro). E é assim com cada outro ser humano nestes recintos. Respeito ta ligado? Não existe uma objetificação. E não precisa dizer que é porque sua mãe, sua irmã são também… Elas merecem respeito porque são seres humanos e para por aí! Já seria o suficiente para que ganhassem igual homens, tivessem jornadas de trabalho igual homens – mas em pleno 2015 temos mulheres ganhando menos que homens assumindo a mesma posição ou cargo. Já seria o suficiente para que fizessem o que bem entenderem com seus corpos, mas essas mulheres ainda tem que aguentar um bando de velhotes xiitas (maucomidos reprimidos arrogantes corruptos) dizendo agir em nome de um livro criado uns 800 anos atrás dizendo que tem um Deus que te proibe de fazer determinadas coisas com seu próprio corpo. Aham, ta bom, senta lá cláudia. ¬¬

Eu venho de um âmbito que num primeiro momento pode parecer machista (e deveria ter sido): um curso de Engenharia na USP. Mas felizmente na Ambiental sempre predominaram esses movimentos coletivos, culturais e ambientais ditos “alternativos”. Foi ali onde aprendi a ver com estranheza os homens dos outros cursos  (e alguns do meu próprio, minoria felizmente) objetificando e contando mulheres como quem conta dinheiro, minimizando, oprimindo e descaracterizando-as. Hoje, depois de mais de 12 anos de ingresso na universidade (e 5 de egresso), vejo que a escalada em nível mundial, assim como o movimento estudantil de outrora até hoje, leva no peito a vanguarda desses movimentos, dessas lutas. Pois o espírito da escalada é ser livre. É não oprimir, é dialogar e compartilhar. Somar e construir juntos.

Enfim, tudo isso é importante primeiro porque é natural – esse patriarcado moderno artificial e capitalista, porque não dizer? tomou lugar do que antes eram as chamadas comunidades matriarcais onde aquelas que pariam os novos rebentos é que tinham direitos e regalias por garantir e suprir a sobrevivência da espécie. Esse encontro com o natural do ser humano traz harmonia para a convivência, onde não há melhores, piores, dominantes nem dominados. E isso se torna ainda mais evidente quando eventualmente saimos do nosso universo de escalada no qual já estamos um pouquinho a frente do nosso tempo nesse sentido de equidade de gênero, mas ainda temos de ouvir que:

  • “Eu não vou escalar de fim de semana, o que o meu namorado iria pensar?”
  • “Ir pro mato com um bando de homem, vou ficar mal-falada!”
  • “Eu não consigo, é coisa de homem né?”
  • “Eu não tenho força na mão pra subir igual vocês”

Pior é ouvir a menina dizendo que quer, que acha que consegue, e a mãe ou a tia (pra não dizer da tristeza que é ouvir de pai, tio, irmão, namorado, etc..) desencorajando a pessoa a fazer algo que a faria muito feliz, e provavelmente se daria muito bem.

E aí, quando a gente vê um desenho em que uma mulher é retratada como um objeto, pejorativamente, depreciativamente, realmente, da uma queimada no nosso filme… (d@s escalador@s e dos homens). Mas tudo bem, acredito que todo mundo tem o direito de errar e se corrigir, “quem nunca” não é mesmo? Mas aí, sabe aqueles pontos em comum entre os movimentos sociais/culturais/escalacionais de madrid, de São Carlos, Quixadá, Arcos e Sampa? Pois é, outro muito importante é o Diálogo. É abrir-se para a crítica, é colocar-se no lugar do outro, é ter a humildade de admitir que errou, ou justificar pelo menos o erro – e retratar-se, porque não? E se não errou, justificar seu ponto de vista e defender sua visão. Parece que não teve isso também no caso da polêmica, uma pena. Eu acredito na redenção das pessoas, mas… elas tem que fazer por merecer também né? Três avemarias não garantem seu ingresso no céu, aqui no mundo real!

Pra finalizar, garot@s do meu coração, não se deixem abalar, o que vocês (nós? se vc´s me permitirem) estão construindo é maior, tem base sólida e não se abalará por qualquer murmúrio. Sou mais vocês e vocês me representam ❤

PS – Confiram o discurso do primeiro ministro inglês quando perguntado porquê ele tinha colocado 50% das cadeiras do parlamento de homens e 50% de mulheres:

Sessão Nostalgia

Já que o assunto é nostalgia, ninguém melhor que ela.. Lynn Hill pra decorar o post

Já que o assunto é nostalgia, ninguém melhor que ela.. Lynn Hill pra decorar o post

Uma pessoa muito especial reclamou que faz tempo que eu não posto vídeos, então o post de hoje é só disso. Assim que receber as fotos do curso que demos no fds farei o relato, mas adianto que foi bastante proveitoso e extremamente prático!

Vou começar falando sobre a volta do “Pornô da Escalada”. Calma, não é um vídeo que vazou do Chris Sharma e da Daila Ojeda feito com o celular dele. É uma expressão antiga e de maneira nenhuma é pejorativa, apenas adjetiva a maneira como é montado um vídeo de escalada. Quando eu comecei a escalar, a gente baixava os vídeos no Escalada Brasil, que normalmente era um cara/mina, mandando uma via ou boulder, com um som reggero-alternativo (leia-se: DUB). E Só isso. 5 minutinhos, saiu do chão, escalou, chegou no final, mandou, créditos. Lindo! Mantendo essa receita, mas um pouco mais elaborado, quantas milhões de vezes nós não assistimos à conclamada série Masters of Stone, ou mais ainda, a série de 5 ou 6 filmes Dosage? O Dosage ficou clássico com o Chris Sharma mandando a via Realization (via que depois voltou ao seu nome original, Biographie) e a famosa musiquinha do Ekoman qdo ele manda a cadena: “… Do you loooooveee….. My muuuusic? Parananapara*”

Quantas vezes não cantamos essa musiquinha qdo algum amigo mandou algum projeto?! (tipo o Animalzin na caixa)..

No Masters of Stone, Dan Osman Solando com a lycra azul e fazendo entalamento de joelho a 100m de altura sem as mãos no negativo (2:24 do vídeo). Metallica com certeza nunca mais foi o mesmo, e se alguém não conhecia ou não gostava, depois desse vídeo realmente virou o símbolo de uma geração de escaladores. A gente ainda ficava se perguntando como ele conseguia fazer tudo aquilo com aquela bosta daquela Boreal que ele usava, ficavamos com dó. Ele devia ser muito foda mesmo.

Mas falando em pornô da escalada, acho que o suprassumo da pornografia escaladoristica back in those days foi o video do Iker Pou na Action Direct. Começa com eles vendo uma revista de mulher pelada chamada PAOLA… PAOLAAAAA HAHAHAHA (sic) depois o cara enfia o dedo dele grosso igual uma linguiça num “Shalow Mono” – um monodedo raso – e dá um bote num negativo quase 45º para um bidedo aparentemente menos ridículo que o mono. Se tivessemos vídeos de escalada na TV, esse seria um clássico da Sessão da tarde, tipo a Lagoa Azul. UN-BELIEVABLE (é para o escalador de verdade o que o vídeo do indiano de shortinho amarelo é para um leigo).

Bem, e de lá pra cá os vídeos evoluíram. Abençoadas câmeras que filmam em HD se tornaram comuns e os vídeos melhoraram. E aí a galera começou a criar roteiros, histórias, dramatizar, e em alguns vídeos é possível até ver alguns escaladores escalando mesmo, entre uma cena em Macro do close de uma florzinha com um laguinho ao fundo desfocado e o depoimento emocionado falando como aquela foi a via mais difícil e mais bonita que aquel@ escalador@ ja fez (que normalmente é um video que gravam só uma vez e colocam no fim de todos os videos em que aquela pessoa aparece escalando). Isso quando o depoimento emocionado não é porquê sua escalada salvou a vida de criancinhas na África.

Aí começou a ficar meio Over, e pra virar uma novela só falta beijo lésbico (por favor, alguém?!) e uma trama de intrigas e fofocas (tipo se valeu a cadena porque a via tinha agarras cavadas ou saiu de cima de um tijolinho de 20cm pq não alcançava a primeira agarra da via, ou se o First Ascent foi liberado pelo conquistador da via). E sem contar os vídeos de Drones né? Que são melhores que os vídeos de Go-Pro, que pelamor, entram no campo do errou-feio-errou-rude. Saiu na Climbing do ano passado uma matéria “Quando é Ok eu escalar com uma gopro na cabeça?” Aí tinha um fluxograma ou algo assim, mas resumidamente era: “…Você é fodão, patrocinado e precisa justificar suas atividades? Então arranje alguém pra filmar você direito. Você é amador e quer fazer um vídeo seu escalando só pelo lúdico? Pare, você nunca vai assistir e aquilo só vai fazer você parecer um idiota no meio da galere. Você está sozinho no pico? Você não vai querer lembrar do dia que não conseguiu arranjar nenhum amigo pra ir escalar com vc“. Já os Drones estão cumprindo a função de pegar uns takes muito legais de escaladores e escaladas bem bacanas, só espero que não se tornem o novo “Macro na florzinha com o laguinho desfocado no fundo”. Está no começo, mas pelo que temos visto é bem mais que isto e a expectativa é positiva para eles. E agora uns vídeos atuais para comparar a qualidade:

Esse aqui um pouco sentimental demais, mas mostra umas boas cenas de Climb. Achei impressionante pois nunca tinha ouvido falar isso: O Cara caiu tanto no crux, que teve que aposentar 2 mosquetões por desgaste!! (ao longo de 1 ano). Vaya perseverança! (sem contar os pinos no ombro, ter sido renegado pelo médico, aquela coisa que pelo menos eu tenho visto direto por aí).

Um dos vídeos que mais me alegraram e motivaram a falar sobre a volta do pornô do Climb foi esse, muito bom.. Imagino que deva ser tipo o pornô 3D, pois é cheio de efeitos, muito legal. Acho que os escritos na tela enquanto o escalador clipa a corda podiam durar um pouco mais pra dar tempo de ler. Mas realmente um marco muito bacana no pornô Climb nacional, assim como o próximo vídeo que entra no lado oposto do pornô, ou seja, dos documentários.

Esse é muito legal pois é um exemplo de como devem ser feitas as novelinhas de climb de hoje em dia. Mostra a Falésia Paraíso em Pindamonhangaba/SP, e conta a história das conquistas, com os responsáveis pelo local, fala das vias, possui imagens muito bem encaixadas. Com Drone e tudo! Está longe de ser um pornô de escalada pois quase não vemos escalada de fato, mas como documentário, é nota 10!

E pra não falar que eu não falei de Boulders, essa Italiana de 15 anos mandando V11, não vou categorizar esse vídeo porquê seria pedofilia falar em pornô num vídeo com uma mina de 15 anos hahahaha

Esse vídeo eu achei cabuloso. Mistura Drone, quase nada de história e mostra o pico deixando todo mundo com água na boca. Detalhe que fica no local onde tão querendo construir uma Usina Hidrelétrica. Se fosse no Brazil, as obras já estariam iniciadas, canteiro de obras em pé, antes mesmo da aprovação do Senado, que seria comprado por algum esquema de propina e financiamento de campanha. Ver Belo Monte.

E uma série que está campeã, estou muito ansioso para ver os outros episódios é a Roc Brasil, mostrando as escaladas na Chapada Diamantina. Sério, muito melhor que as séries machistas, tendenciosas e monocromáticas da EpicTV, graaaande elenco com personalidades verdadeiras como LP Silva, Rafael ou Gironha, grandes figuras da escalada da Chapada que contribuiram muito mais para  escalada do mundo do que dois gringozinhos que escalam ônzimo grau e vão pra outro país arrancar chapas das vias alheias. Esses sim! LP Xibungo! Rafael, e Gironha e os chegados é que merecem destaque na mídia pelo que tem feito, pelo bonito trabalho com as comunidades, pela escalada, e pela inspiração. E os criadores da série, meu muito obrigado, troféu “Enquantoissonaomuitolongedali” de melhor vídeo de todos os tempos da última semana.(esse é só o Teaser… fico ansioso pelo original!)

E pra acabar, um pornôzinho gringo na espanha com a eslovaca Alexsandra Ola Taistra falando um pouco dos climbs, do que ela gosta e não gosta. Eu diria que é exatamente o modelo perfeito do nosso ClimbingPorn moderno não exagerado.

Muita informação né? Eu sei, espero que tenha gostado, que motive, entretenha e inspire!

Trabalho!

EDELRID_ALPINE_Christian_Pfanzelt_09

Semana passada não teve post. Estive ocupadíssimo atualizando a apresentação do Curso que ministramos no CUME e em seguida preparando uma nota gigante que fez eu dormir uma média de 4 horas por noite alguns dias semana passada. Mas tudo bem, trabalho é bom, ocupa a cabeça e faz a gente focar nossa atenção e energia em coisas úteis. Essa semana é pra finalmente chegar a importação da EDELRID aqui na Quero Escalar e aí sim todo mundo vai poder comprar sua corda, sua cadeirinha e muitos outros equipamentos de primeira diretamente do importador, sem intermediários, por preços justos. Essa sempre foi a idéia principal da Quero Escalar, fazer algo diferente, inovar pra crescer e é nesse caminho que queremos continuar batalhando.

Enquanto isso, não muito longe dali… (pausa porquê um sabiá muito simpático ta entrando direto aqui no escritório no quarto em casa na sede da Quero Escalar e fica cantando em cima do suporte da cortina. Outro dia dormi com a janela aberta e ele foi me acordar hehe

Enfim, semana passada e retrasada acumulei milhares de vídeos, vou desovar aqui alguns dos mais sensacionais. Hoje não vou postar as fotos da Marina na Visual nem seu relato, tampouco o texto do Cleber sobre corrida. Fica pra próxima. Esta voltando a idéia de traduzir aquele texto sobre capacetes. Enquanto isso: USE O SEU PORRA!

(Vai direto para o último vídeo se quiser um não-de-escalada mas com mensagem massa no final). E por onde começo? Ah, sim… que tal o Atleta Edelrid Killian Fischubber escalando na índia? Muuito massa o vídeo, o cara escala com uma fluidez daquelas que faz ônzimo parecer quinto grau (sem os gritinhos e chiliques adamondrianos).

E Falando em Edelrid, um comercial nada a ver, da JEEP, com um outro atleta patrocinado EDELRID com as costuras, todos os equipos verdinhos apostando pra ver quem chega primeiro no cume da montanha. Parece que ele escalou sozinho e não tinha seg nenhuma hehe mas é interessante. Se fosse por aqui a competição seria pra ver quem chega primeiro no chão, com o cara rapelando de freio 8 com uma cadeirinha da….. deixa pra lá! hehehe

Eu juro que não estou puxando a sardinha da Edelrid, masss… mais um hahaha dessa vez a N vezes campeã mundial de escalada Angela Eiter fazendo Boulder na África do sul. Provando pra vc´s o motivo de ter salvo o vídeo: O nome do Boulder é “in the middle of the Ass”. Estou perdoado?! hahaha Chek it out:

E como hoje estamos sem preconceitos com boulder, vai um muito legal de uma promessa do esporte, uma italiana de 14 anos com o pai mandando uns boulder sinistros.

Pra compensar a bouldericidade, uma via esportiva móvel no Rio, com o Flavio Daflon. Favor providenciar mais vídeos desses, grato! =)

Continuando no cenário nacional, um pequeno vídeo sobre a falésia que esvaziou o visual das águas de paulistanos, já que agora todos vão pro Paraíso! rsrs

E esse é pra vc que é um cagão que nunca cagou fora de casa e não sabe que sua merda polui, não sabe segurar esse cu e sai cagando em qualquer lugar por aí. Não faça no Pé de via de escalada pública o que você faz na privada! E trata de quando achar um lugar escondido, cavar um buraco de acordo pra encher (dependendo do caso preciso de um buraco de um metro e meio pra não transbordar) e OU enterra o papel bem enterradinho, ou leva embora. Para as meninas, não tem xororô, mijou, leva o papel junto, guarda na mochila. Não sou eu quem está dizendo, mas a associação de escaladores do Cipó. #tamojunto #bandodecagão!

E voltando ao cenário internacional, uma competição de verdade que a Adidas organizou num esquema mó dinâmico e empolgante para o público tanto leigo quanto escalador. (Alô RedBull, #FikDik)

E Aqui um dos picos mais legais da Espanha, na cidade de CUENCA. Daqueles que é mais fácil vc mandar um sétimo grau que um quinto, pq ali é tudo via dura pra caralho, OLD SCHOOL mesmo. Aliás, no Festival de escalada em Kalymnos que rolou no começo do mês, as lendas da escalada ao ser perguntadas como ainda mantém sua performance tão alta, responderam: “Because of the sof grades of the modern routes”. (Por causa dos graus moles das vias modernas – como se um 10b de hoje fosse um 10a de antigamente). Exemplo, em RED RIVER GORGE nos EUA o Adam Ondra decotou todos os 9a Francês pra 8c+ (de 11c pra 11b) que mandou a vista enquanto foi pra CUENCA e não mandou nenhum 9a a vista e capaz de ter precisado de mais de um pega pra mandar 8c+.

E pra finalizar, um video de um cara que eu não gostava mas agora eu adoro! O Edu Marin ensinando a como usar o Grigri. No curso no fds teve gente que me perguntou: “Mas sério que tem gente que não segura a mão na corda ou põe a mão na alavanca? R: É o que mais tem.. é só o que vc vai ver por aí. Show de horrores.” Vc sabe dar seg?

E pra finalizar, mais um do Edu Marin, com a Miss rosa Sasha Digiulian. Depois da treta com a Nina em Orbayu, acho que ela resolveu descer prum pico mais ensolarado e mandou um 11a (ou b?) do Dani Andrada na Sicília. Awesome!

E pra finalizar, um não de escalada! Muito massa, recomendo assistir!

E por hoje é só pessoal! Vamos ver se ainda essa semana posto alguma coisa, mas acho dificil! Tem muito trabalho aqui e muita coisa acumulando, mas ta da hora, enquanto a mente ta ocupada e não para, ta ótimo!

PS – Ah, e to fazendo um treino animal na cda, mandei um 8a que eu nunca tinha entrado, no segundo pega em itaqueri semana passada, depois de ter mandado um 7a, um 8a e um 8b equipando! =D Ahh muleke! Em breve falo mais sobre isso… ;P

E como foi o Lançamento do Guia do Cusco?

Salão da Biblioteca que não dava nem pra andar de tão lotado...

Salão da Biblioteca que não dava nem pra andar de tão lotado…

Pois é! Você que não veio perdeu! Foi uma festa e tanto, com sessão de autógrafos (grande coisa) e uma apresentação semi improvisada por alguns amigos escaladores, que eu carinhosamente apelidei de Ukulele Brothers. No fim das contas foi uma apresentação muito boa, o entrosamento apresentado foi exepcional, e o repertório ficou de tirar o chapéu! Parabéns Cleber, Beto e Tony Lakota pelo Show! Foi um espetáculo! E obrigado hehehe

Beto, Tony e Cleber tocando grandes sucessos do cancioneiro popular brasileiro como Wando, Fagner, Agnaldo Rayol, Wanusa (incluindo o Hino Nacional para abertura do evento), e Sidney Magal. #SQN

Beto, Tony e Cleber tocando grandes sucessos do cancioneiro popular brasileiro como Wando, Fagner, Agnaldo Rayol, Wanusa (incluindo o Hino Nacional para abertura do evento), e Sidney Magal. #SQN

Tivemos presenças Ilustres como o Ricardinho (Luis Correa) instrutor com quem fiz o meu primeiro curso de escalada e com quem pude realizar muitos trabalhos verticais posteriormente. O Espeleólogo Bedu também esteve aqui, teve familiares, colegas, parceiros, trutas, e tivemos presenças até de Franca e Campinas que vieram para o lançamento na esperança de estrear o guia no sábado. Mas pedrão não deixou e acabamos indo pra Invernada. Ainda teve um churrasco vegetariano com opções para os carnívoros para encerrar a noite, onde mais presenças ilustres puderam somar à festa.

Sessão de Autógrafos: "... Autografado é mais barato? Me da dois sem autografar..." kkkkk

Sessão de Autógrafos: “… Autografado é mais barato? Me da dois sem autografar…” kkkkk

E como a festa tava boa, confira alguns vídeos da excepcional Banda, que está aceitando contratos para shows kkkkk

É isso aí pessoal! Obrigado a todos que compareceram à festa, esses rituais são muito importantes para celebrar as mudanças necessárias e as conquistas! E se puder ser com pessoas como vocês, melhor ainda, valeu mesmo!!

E pra quem quiser o livro já está disponível na Quero Escalar!