O papel da escalada na Vanguarda dos movimentos sociais!

Acho que esse desenho combina mais!

Acho que esse desenho combina mais!

Recentemente rolou uma grande polêmica por conta de um post “machista” relacionado com a escalada. Algumas amigas minhas indignadas com uma “charge” que, segundo elas, menosprezava o papel da mulher a um objeto sexual a ser visto e apreciado. Fiquei muito tempo pensando se deveria me abster da polêmica por ser homem e não ter “moral” pra falar. E também por correr um risco muito grande de ter alguma palavra mal interpretada por elas ou equivocadamente ser interpretado mau. Mas decidi escrever pois as minhas amigas merecem o meu apoio e se eu por acaso cometer algum deslize será ótimo ser corrigido para melhorar como homem e como pessoa.

Ultimamente o país está numa dualidade crescente, aguda e intolerante. É coxinha versus petralha, neoliberal versus comunistinha de merda, ciclistas versus motoristas, imigrantes que chegaram um século antes Vs. Imigrantes que estão chegando só agora, evangélicos versus religiões afrodescendentes. Enfim, e tem os machistas versus as feministas.

Deixando as discussões políticas infindáveis de lado, o fato é que por muitos séculos as mulheres tem feito parte de uma minoria oprimida e ultimamente tem se unido e se levantado contra os abusos da classe masculina dominante em busca de condições de equidade e justiça. É um tanto perturbador ver uma menina de 10 anos sendo “proibida” de andar de skate, ou um garoto não poder brincar de boneca ou de “casinha”. Isso vai propagando e perpetuando estereótipos ultrapassados e que, em um mundo paralelo, já é coisa do passado.

E esse “mundo paralelo” é a escalada. Quão felizes somos nós, escalador@s, ao poder dividir nossas atividades com outras pessoas, sejam elas do gênero que forem, nasceram ou escolherem ter! Um leva as costuras, o outro a corda, sem divisão inequívoca de gênero. Ceder o casaco a alguém não pelo gênero, mas porquê a outra pessoa está com frio e eu não. E da mesma forma receber, porque não? Dar a vibe pra pessoa guiar uma via, botar um costurão no crux, não porquê é mais fácil com costurão, mas por saber que é aquela ajudinha psicológica que vai fazer aquela pessoa ter um dia maravilhoso de escalada em vez de um dia frustrante. Quantas vezes EU, homem, hetero, calcasiano (HHC) não fui julgado por estar comendo, ouvindo ou fazendo algo “de menina”? Eu fico é inconformado. Como se fosse pejorativo, depreciativo fazer algo como uma garota. As vezes é por isso mesmo que eu faço. Apesar de estar numa condição “favorável”, todo esse levante feminino em busca de seus direitos, quebrando paradigmas e desconstruindo falsos mitos acerca de sua condição na sociedade me faz sentir orgulho de ter amigas mulheres, tão fodas e mais fodas do que eu. Exemplos de perseverança, luta, trabalho, choro engolido, cabeça erguida e bola pra frente. Coisa que Eu, HHC muitas vezes não consegui ser ou alcançar – na vida e na escalada (e nem tinha porque conseguir tudo, nem de uma só vez: eu sou um ser humano normal creio eu). As vezes eu vejo a Tetê, a Bia, a Bianca, a Janine, ou até recentemente a Anne Elise escalando e penso: CARALHO, eu queria escalar que nem essa mina! E quanto mais a gente viaja, mais a gente conhece gente como a gente e gente como elas. Gente que respeita os outros. Gente que luta pelos seus direitos. Gente que interrompe comportamentos, piadinhas e atitudes misóginas. Que dá uma aula de cidadania, e que mostra que um novo modus operandi é possível e já está em prática em cada microverso que se conecta e vai aumentando.

Lynn Hill - Primeiro ser humano a escalar a

Lynn Hill – Primeiro ser humano a escalar a “THE NOSE” no El Capitain – Yosemite, em livre! E depois voltou lá e repetiu, em um dia!

E a escalada é um graaande conector desses pequenos multiversos que aos poucos vai se tornando o UNIverso dominante em que você não é desrespeitado pela sua cor, gênero, descendência, ou sotaque – e pasmem – Tampouco pelo grau que você escala! Quanto mais você viaja, mais você expande seu universo, conhece gente maravilhosa de tudo quanto é tipo, outras culturas, e de repente, em tanta diversidade, você encontra a unidade, um fio condutor que é presente em todas as culturas. Do nordeste ao Sul, do Brasil à Espanha, por mais diferenças que existam, existe um minimo multiplo comum. Seja nas casas ocupadas por comunidades inteiras de ciganos e marroquinos unidos em Madrid, seja nas pizzadas da engenharia ambiental em São Carlos, nas festas de HipHop na perifa em São Paulo ou nos encontros de escalada em Quixadá, Bocaina ou em Arcos: Mulheres são tratadas como devem ser. Como seres humanos iguaizinhos. (tem vários outros aspectos em comum em todos esses ambitos, mais pra frente eu comento outro). E é assim com cada outro ser humano nestes recintos. Respeito ta ligado? Não existe uma objetificação. E não precisa dizer que é porque sua mãe, sua irmã são também… Elas merecem respeito porque são seres humanos e para por aí! Já seria o suficiente para que ganhassem igual homens, tivessem jornadas de trabalho igual homens – mas em pleno 2015 temos mulheres ganhando menos que homens assumindo a mesma posição ou cargo. Já seria o suficiente para que fizessem o que bem entenderem com seus corpos, mas essas mulheres ainda tem que aguentar um bando de velhotes xiitas (maucomidos reprimidos arrogantes corruptos) dizendo agir em nome de um livro criado uns 800 anos atrás dizendo que tem um Deus que te proibe de fazer determinadas coisas com seu próprio corpo. Aham, ta bom, senta lá cláudia. ¬¬

Eu venho de um âmbito que num primeiro momento pode parecer machista (e deveria ter sido): um curso de Engenharia na USP. Mas felizmente na Ambiental sempre predominaram esses movimentos coletivos, culturais e ambientais ditos “alternativos”. Foi ali onde aprendi a ver com estranheza os homens dos outros cursos  (e alguns do meu próprio, minoria felizmente) objetificando e contando mulheres como quem conta dinheiro, minimizando, oprimindo e descaracterizando-as. Hoje, depois de mais de 12 anos de ingresso na universidade (e 5 de egresso), vejo que a escalada em nível mundial, assim como o movimento estudantil de outrora até hoje, leva no peito a vanguarda desses movimentos, dessas lutas. Pois o espírito da escalada é ser livre. É não oprimir, é dialogar e compartilhar. Somar e construir juntos.

Enfim, tudo isso é importante primeiro porque é natural – esse patriarcado moderno artificial e capitalista, porque não dizer? tomou lugar do que antes eram as chamadas comunidades matriarcais onde aquelas que pariam os novos rebentos é que tinham direitos e regalias por garantir e suprir a sobrevivência da espécie. Esse encontro com o natural do ser humano traz harmonia para a convivência, onde não há melhores, piores, dominantes nem dominados. E isso se torna ainda mais evidente quando eventualmente saimos do nosso universo de escalada no qual já estamos um pouquinho a frente do nosso tempo nesse sentido de equidade de gênero, mas ainda temos de ouvir que:

  • “Eu não vou escalar de fim de semana, o que o meu namorado iria pensar?”
  • “Ir pro mato com um bando de homem, vou ficar mal-falada!”
  • “Eu não consigo, é coisa de homem né?”
  • “Eu não tenho força na mão pra subir igual vocês”

Pior é ouvir a menina dizendo que quer, que acha que consegue, e a mãe ou a tia (pra não dizer da tristeza que é ouvir de pai, tio, irmão, namorado, etc..) desencorajando a pessoa a fazer algo que a faria muito feliz, e provavelmente se daria muito bem.

E aí, quando a gente vê um desenho em que uma mulher é retratada como um objeto, pejorativamente, depreciativamente, realmente, da uma queimada no nosso filme… (d@s escalador@s e dos homens). Mas tudo bem, acredito que todo mundo tem o direito de errar e se corrigir, “quem nunca” não é mesmo? Mas aí, sabe aqueles pontos em comum entre os movimentos sociais/culturais/escalacionais de madrid, de São Carlos, Quixadá, Arcos e Sampa? Pois é, outro muito importante é o Diálogo. É abrir-se para a crítica, é colocar-se no lugar do outro, é ter a humildade de admitir que errou, ou justificar pelo menos o erro – e retratar-se, porque não? E se não errou, justificar seu ponto de vista e defender sua visão. Parece que não teve isso também no caso da polêmica, uma pena. Eu acredito na redenção das pessoas, mas… elas tem que fazer por merecer também né? Três avemarias não garantem seu ingresso no céu, aqui no mundo real!

Pra finalizar, garot@s do meu coração, não se deixem abalar, o que vocês (nós? se vc´s me permitirem) estão construindo é maior, tem base sólida e não se abalará por qualquer murmúrio. Sou mais vocês e vocês me representam ❤

PS – Confiram o discurso do primeiro ministro inglês quando perguntado porquê ele tinha colocado 50% das cadeiras do parlamento de homens e 50% de mulheres:

Criançada Escalando na Cda!

Corram para as colinas! Criançada chegando pra escalar

Corram para as colinas! Criançada chegando pra escalar

Sexta passada a tarde rolou uma atividade muito massa lá na Caixa D’água! Mas vamos do começo: O Rafael Provinciatti, que é de Descalvado, começou a escalar comigo em 2010. Recentemente ele começou a dar aulas para crianças de 7 a 14 anos no Colégio Salesianos, que em São Carlos é popularmente conhecido por “Educandário”. Sugeri a ele então porquê não fazermos uma atividade de escalada com seus alunos na Caixa d’água? É só marcar! E não é que ele marcou e foi? Foram mais de 20 crianças de 10 anos todas com termo de responsabilidade assinado pelos pais para conhecer a atividade de “escalada”.

O tio Rafa indo primeiro para mostrar como é que se faz!

O tio Rafa indo primeiro para mostrar como é que se faz!

Pra ganhar a galerinha já comecei falando da parte que eu mais gosto: dos equipamentos. Os olhos deles brilhavam (igual eu) ao ver pela primeira vez um mosquetão de verdade. E eu fui explicando que aquele “gancho” (E que chama mosquetão) aguenta um fusca, e eles iam ficando impressionados… falei da cadeirinha… cordas, freios.. que escalada não é rapel, segurança em si.. e.. Bem, aí o Beto chegou com os equipamentos e pudemos dar início às festividades. A galerinha ja tava alucinada querendo subir, lógico. Bem, nem tão lógico pq quantas vezes eu Não vi gente chegar na caixa d’água e não querer subir, dizer que não consegue sem nem ter tentado, ou ter vergonha, ou medo, ou tudo isso, enfim, adultos, tsc, tsc, tsc…

O Tio Rafa subiu primeiro para fazer a demonstração e o Beto e eu ficamos na seg. Logo a mulecada já começou a se degladear pra ver quem seria o primeiro, foi muito legal! Os nomes iam sendo chamados e um a um foram tentando subir como podiam. No final da tarde DUAS meninas (isso mesmo) tinham conseguido subir a caixa d’água até o topo!!!

O Toquinho da Cadena - Ensinado desde cedo nas categorias de base do SCPT

O Toquinho da Cadena – Ensinado desde cedo nas categorias de base do SCPT

Até a diretora do Colégio apareceu para nos cumprimentar e nos agradecer, mas no fim quem acabou agradecendo fomos nós pela oportunidade de poder “espalhar a palavra”.

Criançada na Cda... se divertindo igual nóis!

A diretora do Colégio vindo pessoalmente conferir a atividade e nos cumprimentar

Foi um prazer inenarrável ter podido dividir um pouquinho da nossa escalada por uma tarde com essa turminha. Tira-los um pouco de suas rotinas e traze-los mais para perto do nosso mundo. Será que isso fará diferença um dia? Bom, mal não terá feito! A semente está lançada, vamos ver se em breve teremos alguns escaladores saindo dessa turminha 🙂 O primeiro que sair da Matrix, ganha! hehehe

Toda a turma do Colégio Salesianos de São Carlos Reunida com os membros do CUME Genja e Beto, junto com o Professor (de vermelho) Rafael Provinciatti

A turma do Colégio Salesianos de São Carlos (educandário) Reunida com os membros do CUME Genja e Beto, junto com o Professor (de vermelho) Rafael Provinciatti