Oficina do CUME

Aula teórica na sexta a noite..

Aula teórica na sexta a noite..

É já, foi.. e foi muito boa! Já faz vários anos que temos oferecido essa oficina de escalada para o pessoal que está começando a escalar. Nossa intenção não é formar logo de cara grandes montanhistas com mais conhecimento que o Rambo e um escoteiro juntos. Queremos que as pessoas que fazem essa oficina saiam daqui sabendo dar seg DIREITO, limpar vias COM TOTAL SEGURANÇA e sabendo usar e a verificar os equipamentos utilizados corriqueiramente na modalidade que mais cresce atualmente aqui na região (e provavelmente no Brasil todo) que é a escalada esportiva. Temos consciência que um final de semana pode ser pouco tempo, então trabalhamos esse pouco tempo e focamos no que realmente pode fazer a diferença. Muita gente começa a escalar e bate no peito dizendo que nunca fez curso, que aprendeu com um cara que fazia rapel na ponte em 1984. Nós respeitamos esse tipo de pessoa, mas oferecemos conhecimento e segurança para outro tipo de pessoa, aquela que começa a escalar e quer saber como fazer da maneira mais segura, e principalmente, PORQUÊ é mais seguro. Tanto as técnicas quanto os equipamentos estão em constante evolução (praticamente entrelaçados) e é importante estar sempre atualizado quanto ao uso e relação entre esses equipamentos e as técnicas verticais empregadas adequadas para cada atividade específica dentro do universo da escalada.

Eu como membro do CUME, com 10 anos de experiência em escalada, junto com outros membros do CUME com tanto conhecimento ou até mais, voluntariamente oferecemos essa oficina sem nenhum interesse lucrativo pessoal, apenas queremos que as pessoas escalem com segurança lado a lado conosco, uma vez que não tardará essas pessoas (muito antes do que se imagina) se tornam amigos e passamos a escalar juntos. O valor simbólico das inscrições é todo voltado para o CUME, o que é revertido em manutenção do espaço como na compra de agarras, chumbadores, equipamentos, estruturas para treinamento, colagem de agarras, etc… (manutenção essa que também é feita por nós mesmos).

A oficina, com 20 horas de duração sendo 4h de teórica e 16 de prática, frisa muito na repetição dos conceitos mais importantes para que as pessoas aprendam e saiam sabendo, inclusive identificar e corrigir outras pessoas que estiverem inadvertidamente cometendo algum deslize que possa vir a comprometer a segurança dela ou da pessoa que estiver escalando no pico.

Veja algumas fotos de como foi a oficina, onde 12 pessoas saíram sabendo realmente como fazer segurança pra quem está escalando, fazer o Partner Check e limpar vias com segurança:

Acima as fotos do sábado, onde eles aprenderam a fazer os nós, o Partner Check, a clipada e a dar seg guiada e de Top Rope de ATC e Grigri. Abaixo, as fotos de domingo quando puderam aprender a armar uma parada equalizada, dar seg para um segundo e limpar a via por rapel.

É isso galera! Não tenham dúvidas! Treinem, façam tudo sempre com muita segurança e não tenham medo ou vergonha de dar o toque se virem alguém dando seg errado ou com uma fivela aberta da cadeirinha, espalhem a palavra! =) E na dúvida, perguntem, estamos aqui pra isso!

Alguns ja tinham ido, mas aí estão os que restaram!

Alguns ja tinham ido, mas aí estão os que restaram!

Já que vai fazer, faça direito!

A Daila Faz direitinho!

A Daila Faz direitinho!

Não, Não é propaganda de uma faculdade de advocacia. É sobre coisas que as pessoas fazem na escalada e que algumas delas acabam fazendo de qualquer jeito. Todo mundo sabe que eu tenho um monte de TOC’s (transtorno obsessivo compulsivo) na escalada. Na verdade eu sei que o mundo não vai acabar quando alguem coloca as costuras fora de ordem na mochila, ou quando não põe no elastiquinho a sobra de fita da cadeirinha quando passa pela fivela. Mas a maioria dos meus TOC’s sao bem justificáveis e a sua não observância pode sim levar ao fim do mundo… pelo menos pra quem não se atenta a elas. São fatos que eu presenciei muito na espanha, e na época ficava assustado pois no Brasil aquilo não acontecia (muito), mas hoje está se tornando perigosamente corriqueiro. Eu estou falando de gente com a cadeirinha vestida ao contrário, costuras com o gatilho curvo pra cima, dois “strings” no sling, solteira passada somente na cintura ou na perneira da cadeirinha, rapel de chapeleta de canto vivo, barriga de corda arrastando no chão antes do escalador clipar a segunda chapa, nó faltando uma passada ou com 7 arremates pela sobra de corda, e claro, o campeão dos campeões (Não é dar curintxa na via, que isso pode!): fazer seg ERRADO.

Assim você MATA o escalador

ERRADO

Assim como o Schumacher (desculpe o paralelo antigo, desde quando ele era o N°1 que não acompanho fórmula 1) não pode andar acima do limite de velocidade na cidade, nem estacionar em local proibido, você também que manda décimo grau não pode fazer a seg ERRADO dos seus coleguinhas. Você sabia que em uma queda de 10m, você tem apenas 0.98s ou 98centésimos de segundo para que seus olhos mandem a informação para o cérebro, ele interprete a situação e mande o comando para que sua mão saia de onde estiver e segure a corda? Dessa nenhum bolt te salva, nem Usain Bolt! (tu-dun-tsss). Foi pensando nisso que os fabricantes de freios para escalada (ATC, GRIGRI, CINCH) mandam junto com o seu freio, um EXTENSO manual explicando como usá-lo e principalmente, COMO NÃO USÁ-LO. Assim como não passa de um mito (machista, diga-se de passagem) de que toda loira é burra, também existe um mito de que o GriGri trava sozinho. GriGri NÃO TRAVA SOZINHO. Mas o buraco é mais embaixo pois tem gente que solta a mão inclusive dando seg de ATC!!!!

Nunca solte a mão na corda. NUNCA.

Nunca solte a mão na corda. NUNCA.

Desculpas baratas como “Ah não, de boa, ele não vai cair agora” ou “Ele conhece muito bem essa via” não colam, principalmente quando você está escalando uma via, a 20m de altura, na parte facil dela e olha pra baixo e o seu seg de braço cruzado sem a mão na corda, te dando seg de ATC. É nessa hora que você PODE MORRER. (Afinal, pedras quebram, sapatilhas escorregam, abelhas e vespas picam, aranhas assustam – inclusive se ele estiver de Grigri). Partindo-se do pressuposto da reciprocidade, se você não quer que façam isso pra você, você também não faz isso pra ninguém. E se você se acha muito experiente porque a vida inteira sem a mão na corda e com a mão direita na alavanca seu Grigri travou sozinho (o que dá umas 500 ou 1000 vezes talvez), que tal ouvir a opinião de quem fez 1.000.000 de testes e somou a experiência de escaladores profissionais do mundo inteiro, que caem sem avisar o seg “Vou cair, retesa” e tiraram dados estatisticos que colocam que SE NÃO SEGURAR A CORDA, NÃO VAI TRAVAR. Pelo menos não um em cem? Em mil? cinco mil? Eu é que não quero deixar a VIDA do meu melhor amigo, da minha namorada, daquele cara que me deve uma grana, nas mãos do acaso. Tá aqui comigo, não abro a mão, pode voar a vontade sem avisar que to esperto na seg deve ser a sua “Frase de exibição” enquanto estiver na funça de segurar alguém escalando. E de fato fazê-lo. As vezes não é morte, é pé torcido, é uma perna quebrada, é um traumatismo, uma hemorragia interna, um hematoma… enfim. CULPA SUA. Ahhh, mas escalada é um esporte de risco, o escalador tem que saber que está suscetivel a isso… Ah tá… então o que você fez é propaganda enganosa, porque entrar numa via esportiva com chapa de metro em metro e ainda correr o risco de se matar por vacilo do seg é muita “Falta de sacanagem” do seg. Quem nunca solou um quinto grau cuja seg era dada pelo seu amigo que nunca tinha vestido uma cadeirinha na vida, que se atire da primeira pedra. Mas lá naquele oitavo vc pediu a seg do seu truta experiente né? Então, porque será? Bom, se você leu até aqui é porque você concorda que existe o jeito certo de usar seu freio (freio não né Mário Alberto, estamos falando é do GriGri né), e que ele inclui em não soltar a mão da corda nunca para qualquer tipo de freio, e de não bloquear o mecanismo de travamento (caso ele tenha um).

Movimento APENAS para a hora que o escalador precisa de corda rápido (vai costurar por ex.)

Movimento APENAS para a hora que o escalador precisa de corda rápido (vai costurar por ex.)

E falando em GriGri, tem mais uma coisa:

Além de não soltar a mão direita da corda do momento que o cara tira o primeiro pé do chão até o momento que ele coloca os dois de volta, também você deve saber que Grigri tem um lado certo pra cima e outro pra baixo. E que ele DEVE ser colocado no Loop da cadeirinha. Principalmente a galera das antigas, da época do Guaraná de rolha, cordas de sisal e que as cadeirinhas não tinham loop, ou da galera mais nova que aprendeu no boca boca com essa galera da antiga e nunca se reciclou ou sequer leu uma linha do manual daquela super cadeirinha nova e moderna de 200g que o amigo trouxe na mala da gringa. Esses ainda dão segurança com o mosquetão na perneira e cintura da cadeirinha, torcendo o GriGri erroneamente para o lado, e solicitando o mosquetão em direções as quais ele não foi designado para. (sem contar que é uma bosta, apertado e esquisito passar nos dois pontos). Bem, se você não usa o Loop pois não confia “num ponto só”, não arme top ropes com parada equalizada. Afinal, é uma fita só que une as 2 chapas né Capiroto? O que te faz pensar que o seu loop não é mais seguro pois aquela sua cadeirinha da conquista feita com estofado de sofá e cinto de segurança ja tem 10 anos, mas a cintura e a perneira dão conta de segurar uma bela voada? Seu loop é a parte mais forte da sua cadeirinha!   (precisando de uma cadeirinha nova? Clica aqui hehehe)

Então leia o manual de tudo que você comprar até a dessossar todas as informações! E Não tenha vergonha de admitir que tem dificuldade em vestir uma cadeirinha direito nas primeiras vezes. É normal, depois vc pega a manha! Mas Porfa! Veste ela direitinho, nem que lhe custe 3 ou 4 (ou quantas forem necessárias) colocadas e tiradas até que a perna esquerda esteja na esquerda, a direita na direita, e ambas orientadas na direção certa. E que a fivela esteja fechada, o loop não torcido. O mesmo vale pra quem já faz seg errado, ou ta aprendendo: Desbique, trave, puxe a corda do seu amigo que está escalando (de preferencia uma via abaixo do limite dele) enquanto você aprende a fazer seg direito, mas insista em fazer corretamente a segurança e não se deixe levar para o lado negro da Seg!!! Você vai ver que custa muito pouco! Fazer seg em duas ou tres vias do jeito certo já terá sido suficiente pra vc dominar a técnica. Tem muita gente descordenada que faz direitinho, não é possível que você não consiga! Lembre-se: A sua humildade pode salvar uma vida!

Ademais, recomendo a extensa leitura do artigo em ingreis (veja as figuras pelo menos, Anarfa) sobre o uso do GriGri que tira TODAS as suas dúvidas sobre seu uso.

Perca o medo de Cair – Parte 4 (Praticando)

E vamos continuar com a série Perdendo o medinho de cair. No capítulo de hoje vamos aprender detalhes sórdidos sobre as técnicas do Clipa e Cai e como ficar mestre na arte de cair através da prática: Menos Bla bla blá e mais Bater Asinhas. 🙂

Vamos à prática!

Vamos à prática!

A via

Para começar escolha uma via que você já tenha feito e que é vertical ou negativa. Certifique-se que não há protuberâncias como arestas, quinas ou grandes saliências contra as quais você possa se chocar caso seu Seg exagere para mais ou para menos na Seg dinâmica. É bom também que você escolha uma via que não tenha agarras protuberantes contra as quais você pode vir a bater o pé. Escolha a parte mais alta da sua academia (caixa d’água) e não comece a fazer o clipa e cai até que você esteja na terceira ou quarta chapa. Você não vai querer cair e acertar a cabeça de alguém que estiver no chão quando você cair – muito menos chegar no chão!

Se você conseguir progredir até quedas para cima da costura, seria melhor que a via fosse levemente inclinada ou até mesmo bem negativa.

Quando

É melhor fazer o Clipa e Cai num momento calmo na sua academia (caixa d’água), ou numa via sem muita gente nas vias adjacentes.

Quando você está pronto

Há um outro aspecto no “Quando” que é quando você está preparado. Para alguns, fazer o Clipa-e-Cai pode ser meio assustador, mas é normal e é de se esperar um pouco de trepidação ou hesitação antes de você conseguir. Mas ao mesmo tempo estar descansado e com um pensamento positivo sobre o Clipa e Cai torna mais provável que você tenha um aprendizado eficiente mais positivo.

Todos os treinos?

Pode ser uma boa idéia incorporar o Clipa e Cai em todas as suas sessões de treino. Depois de fazer um aquecimento, encare o clipa e cai como um aquecimento para a cabeça ficar pronta para guiar.

Apertem os cintos...

Apertem os cintos…

OK Vamos começar

A Checagem Pré-Vôo pode parecer meio entediante para alguns. Mas seu propósito é certificar o escalador que vai guiar que está tudo certo com o sistema todo antes de tirar o pé do chão. Faça sua “Avaliação do Risco” no chão e não na metade da via. Assim quando estiver no meio da via o escalador não vai precisar checar seu nó ou se preocupar se o mosquetão do Seg está fechado. Se todos os ítens da “tick list” de segurança tiverem sido verificados o escalador pode se concentrar unica e exlusivamente na via e executar o Clipa e Cai.

Alguns podem achar bom verbalizar essa checagem inicial pré-vôo para ganhar ainda mais confiança. Na verdade essa prática é ótima para seu psico antes de qualquer escalada!

Checagem Pré-Vôo

    • Certifique-se que a corda está em boas condições e passada numa posição próxima ao Seg (Pense no quanto o Seg vai se movimentar quando fizer a seg dinâmica)
    • Quem guia se encorda e o Seg passa a corda pelo freio.  Agora cada um checa o outro.
      – O Seg checa a cadeirinha do escalador, se as fivelas estão fechadas e se o nó está bem feito.
      – O escalador checa a cedeirinha do Seg, se as fivelas estão fechadas, se a corda está passada corretamente pelo freio e se o mosquetão está com o gatilho fechado.
    • Olhe para as costuras na parede e veja se todas estão colocadas corretamente e parecem em boas condições. Você perguntou para o pessoal responsável pela manutenção da parede como elas estão? (Faça isso se você tiver qualquer sombra de dúvida quando você pensar em cair nelas)

Antes de começar

    • Combine com o Seg sobre em qual costura ele deverá retesar bem a corda e o escalador sentar-se-á nela para a partir de então dar início ao treino de quedas.

Comece a escalar

  • O escalador escala clipando as duas ou três primeiras costuras normalmente.
  • Quando chegar na chapa combinada, o seg retesa a corda e o escalador se senta. Isso dá mais confiança de que o sistema está funcionando. O Escalador então avisa o Seg que ele vai começar o Clipa e Cai na próxima costura.
  • O escalador vai até a próxima costura, clipa com a costura mais ou menos na altura do ombro e cai. O Seg deve assegurar-se de que o escalador tem uma queda confortável.
  • O Seg pergunta ao escalador se estava bom de corda ou se foi muito e se a queda foi confortável. O Escalador responde e o seg reage conforme as considerações do escalador. Não deixe o escalador cair mais do que eles está esperando nos primeiros estágios do treino.
  • O Escalador continua no Clipa e Cai até a parada da via e aí desce.
  • Descanse sua corda antes de fazer outra sessão de Clipa e Cai ou troque as pontas.
Se você não está caindo, Não está se esforçando o suficiente...

Se você não está caindo, Não está se esforçando o suficiente…

O Progresso

 Se você estiver muito nervoso com essa coisa de clipar e cair, um bom aquecimento é escalar uma via bem abaixo do seu limite guiando como você faria normalmente. Certifique-se que você fez todas as checagens no seg e sente numa costura no começo da via para sentir confiança no sistema. Quando você chegar na parada da via clipe a última costura e imediatamente se jogue, abrindo as duas mãos.

Então você pode progredir para os próximos estágios, movendo-se de um estágio a outro somente quando você estiver bem à vontade com o atual. Você pode sentir certa dificuldade quando avançar de estágio mas isso é muito normal. Alguns podem ficar tentados de logo no primeiro treino de Clipa e Cai a tentar já progredir de clipada na altura do ombro para clipar estando um pouco acima do bolt e tomar umas boas quedas. Mas você corre o risco de progredir muito rápido e comprometer o treino

O Objetivo é tornar-se confortável e relaxado com a queda em cada estágio. Se você se cobrar muito e avançar muito rápido (talvez por causa da pressão da galera ou para provar algo pra alguém) e começar a tomar quedas maiores mas sentir muita tensão e medo quando estiver fazendo isso, isso quer dizer que você não está evoluindo.

A técnica do Clipa e Cai também pode ser útil como um método para auxilia-lo a guiar vias mais difíceis se você está lutando para mandar vias no seu limite mas tem falhado por medo de cair. Escolhe uma via acima do limite que você acha que pode mandar a vista então vá lá e clipe e caia! Depois você pode até malhar a via pra poder encadenar. E quem sabe até você pode pensar em mandar a vista esse grau da próxima vez, porque não?

Primeiro Passo:
Quedas de Top Rope. Suba uma via qualquer de Top rope. Tome quedas de Top apenas pelo elongamento da corda em cada bolt. Estilo da Seg: De cômoda (retesada) a dinâmica. É bom também para o seg ir se acostumando com segurança dinâmica.

Segundo Passo:
Clipa-e-Cai. Clipe na altura do ombro e se jogue. O Seg faz uma Seg confortável bem justa. Essencialmente o que “amortece” a queda é o elongamento da corda.

Terceiro Passo:
Clipa-e-Cai. Clipe na altura do ombro e se jogue. O Seg faz a segurança normalmente. As quedas são um pouco maiores que no segundo passo. As quedas são amortecidas pelo elongamento da corda mais uma leve barriga de corda que o Seg deu. O Escalador não bate contra a parede pois ainda está abaixo do bolt. Esta fase é boa para o Seg treinar e evoluir na seg dinâmica.

Quarto Passo:
Clipa-e-Voa. Clipe na altura do ombro e faça mais um movimento depois da chapa costurada ou clipe da cintura ou estando numa “posição estranha” (tipo pegando uma agarra invertida ou fazendo um Flag) e aí pule. Seg dinâmica é essencial nessa hora. Pense bem na posição dos pés e aprenda como não dar pé na corda para não virar de ponta cabeça ou não queimar a perna antes do próximo passo.

Quinto Passo:
Clipa-escala-voa. Clipe na altura da cintura e escale até a próxima costura e se jogue. Atenção que é para o Seg fazer a seg dinâmica!

Sexto passo:
Clipa-Escala-Pula-Voa? Clipe na altura da cintura e escale até a próxima costura, dê um tapa na próxima agarra e se jogue tentando fazer o próximo move. Seg Dinâmica sempre. Ah, e não tente fazer isso antes de clipar a sexta costura!

O treino mental é tão importante quanto o físico!

O treino mental é tão importante quanto o físico!

Dicas adicionais para aprender a Cair, do livro: Aprendendo a aprender… a cair (Learning How to Learn…. to Fall) por Arno Ilgner.

O que fazer quando estiver caindo.

Nós temos a mania de treinar quedas, ou qualquer coisa estressante, para acabar logo com isso. Isso não só irá atrasar o nosso aprendizado, mas também vai fazer com que aprendamos errado. Nosso corpo irá aprender a ficar tenso. Aprender a cair significa aprender a relaxar enquanto estamos caindo. Aqui está uma técnica de práticas de quedas baseada no aprendizado.

1. Pequenos incrementos: Comece no toprope
Primeiro, simplesmente segure na corda e fique se balançando.
Em segundo, tome umas quedas de TopRope.
Terceiro: Tome quedas guiando.

2. Medida do aprendizado: Conforto
Para começar, fique no mesmo estágio até você estar confortável com ele.
Segundo: Você sabe que está confortável quando…
B: Você está respirando durante a queda
E: Você está olhando pra baixo durante a queda
R: Você está relaxado durante a queda
P: Seus braços estão abertos durante a queda, não pegando na corda.

3. Segurança: Dando uma seg macia

Primeiro: Não passe para quedas guiando até que seu Seg saiba te dar uma seg dinâmica e amortecida durante quedas de Toprope.

Segundo: Uma seg amortecida é quando o seg se deixar puxar pela corda quando você cai. Ele deve terminar aproximadamente 1,5m acima do chão quando você acaba de cair.  Se ele não estiver, então ele vai ter que pular conforme a corda estica. Esse é um processo de aprendizado para o Seg, tão importante quando o processo de aprender a cair para o escalador.

Clique aqui para ler o original: Learning How to Learn…. to Fall by Arno Ilgner no UKClimbing.com.

E a quarta parte é essa! Ela detalha muito bem o método do Clipa e Cai com técnicas avançadas pra você que quer perder o medinho de voar e começar a mandar cadenas extremas por aí! Mas espere! Cadenas extremas são na rocha e até agora tudo foi baseado em paredes “Indoor”. Não se preocupe: A quinta parte é exclusivamente sobre como aplicar essas técnicas que você aprendeu até aqui, durante uma escalada de verdade (leia-se: Na rocha).  Aguardem!

Perca o medo de cair – Parte 3 (Aprendendo a dar seg Dinâmica)

Continuando a série com a outra ponta da corda importante: O Seg!

Continuando a série com a outra ponta da corda importante: O Seg!

Eu já vi gente machucando o pé porque estava tão tenso e tão assustado com a possibilidade de uma queda que caiu dura como um tijolo, toda tensionada, e isso a fez achar que quedas são “perigosas”. Já vi também gente caindo despreocupada e o seg não dinamizou a queda como deveria e a pessoa foi puxada contra a parede pelo seg, ganhando um belo roxo na perna. Em ambos os casos, não foi o fato de cair que provocou um dano na pessoa, mas sim o fato de um não saber cair, e o outro não saber assegurar. Por isso continuando a série “Perca o medo de cair” vou abordar a tão importante e esquecida “Segurança Dinâmica”. Quando estive escalando com o Birão e a Dani em Arco em 2009 eles já me alertavam sobre a importancia de fazer a Seg dinâmica. Algum tempo depois o Raul trouxe da espanha essa técnica para o Brasil e difundiu entre a gente, para que pudessemos nos tornar melhores asseguradores, e consequentemente quem estiver escalando ficar despreocupado para poder escalar “À muerte”.

A Seg dinâmica para paredes de escalada e vias esportivas

Quando você cai numa via esportiva ou parede indoor, ninguém quer uma “freada” abrupta que vai causar um impacto nos seus orgãos internos, machucar suas costas e te jogar contra a parede machucando um pé.

Para que isso aconteça não é muito dificil: basta escalar com uma corda bem usada, pelucenta (parecendo um urso de pelúcia) que nem estica mais e que acabou de tomar uma grande queda, usando um freio “autoblocante” (tipo o Grigri), ser mais leve que seu seg e que ele fique parado como uma pedra junto à parede ou se ancore à alguma coisa no chão e ainda pule pra trás retesando corda na hora da sua queda.

Isso garante que quando você cair você tenha uma parada brusca e bata contra a parede. O resultado de uma queda tão estática pode ser no mínimo desconforto e na pior das hipóteses uma lesão.

O que esperamos de um seg numa via esportiva é uma “pegada” suave ou amortecida usando um freio dinâmico. Você começa a voar e gradualmente para, como se estivesse pulando de bungie jump só que sem o “chicoteio”. O escalador em queda desacelera, em vez de tomar uma parada brusca.

Um parceiro firmeza é fundamental para sua cabeça ficar tranquila

Um parceiro firmeza é fundamental para sua cabeça ficar tranquila

John Arran fez uma analogia:

“Se você segura uma bola de sinuca, que lhe é arremessada, com a mão dura e estática, ela vai doer, pois a bola para bruscamente e toda a energia que a bola tinha vai direto para sua mão, rapidamente. Se você recebe a bola dinâmicamente com um movimento para trás de maneira que a bola pare devagarzinho, a energia vai ser absorvida mais lentamente e não haverá um impacto doloroso. “

Pegar um ovo caindo sem deixá-lo quebrar também é uma boa analogia, diz Adrian Berry.

Como dar uma Seg Dinâmica

A Seg dinâmica é dinâmica porque o seg se move. Como ela é dada depende completamente da diferença de peso entre o escalador que cai, e o seg.

Um assegurador mais leve naturalmente irá dar uma seg dinâmica porque ele automaticamente será puxado pra cima na hora da queda.

Um assegurador (ou Seg) mais pesado precisa estar mais alerta e deve adotar uma posição alguns metros para trás da base da via, dessa forma ele:

1- Conterá a queda dinamicamente, e para isso ele deve antecipar o milésimo de segundo antes da corda esticar na hora da queda e, nesse exato momento, travar o freio e mover-se rapidamente para frente até o pé da via.

2- Conforme o Seg se move, a corda vai esticar, mas toda a força da queda terá mais tempo para ser dissipada, resultando numa queda suave com menos risco de bater em alguma coisa.

A seg dinâmica irá resultar no escalador caindo mais do que numa seg “retesada”. O Importante é que a queda seja parada devagar, não que o tamanho da queda seja minimizado.

Saiba mais sobre isso neste artigo do UKclimbing: Dynamic Belaying by by Adrian Berry

Por trás de toda grande cadena tem sempre um grande Seg!

Por trás de toda grande cadena tem sempre um grande Seg!

E a seguir algumas dicas para sua escalada dinâmica:

  • Depois de uma queda muito grande ou repetidas quedas, você precisa por a corda pra descansar. Ela precisa se recuperar. Ou troque a ponta em que se estava escalando ou deixe a corda descansar por uns 20 minutos.
  • A Seg dinâmica é possível com qualquer tipo de freio.
  • O Corrimento da corda pelo freio vai aumentar o dinamismo da seg “dinâmica”.
  • O Corrimento da corda pelo freio é maior em cordas finas.
  • Certifique-se de que você está usando o freio correto de acordo com o diâmetro da sua corda.
21

E você, sabe fazer a Seg dinâmica?

Bem, eu achava que tinha acabado, mas ainda tem mais um pouco de artigo, agora, ajudando as pessoas à aplicarem a técnica pouco a pouco e a evoluirem com ela. E como sei que todo mundo odeia artigos longos, optei por colocar pouco a pouco!

E se vc quer um videozinho instrutivo, o do GriGri ensinando como usa-lo mostra os “Pros” usando ele corretamente e e fazendo a seg dinamicamente tambem..

Perca o medo de Cair – Parte I

Veja uma das melhores escaladoras do mundo voando: Alguma careta?

Veja uma das melhores escaladoras do mundo voando: Alguma careta?

À medida que eu fui evoluindo na escalada, fui tratando de melhorar cada vez mais cada aspecto da minha escalada a conforme eu ia sentindo o que faltava para fazer as vias que eu queria encadenar(e acho que nunca vai parar):

– Trabalho de pés: Fui pro granito aprender a usá-los melhor uma vez que não tem onde segurar ou apertar mesmo.

-Pressão: Treino na garagem de casa no murinho negativo com diversas pegadas desde abaolados a regletes e pincinhas.

-Resistência: Treino na Caixa d’água da Ufscar subindo várias vezes sequenciais sem desencordar, cada vez vias mais no meu limite, o qual ia aumentando. Basquete às segundas pra correr e suar, uma vez que não suporto correr.

-Técnica: Muitas viagens para escalar, por vários lugares, dando especial atenção à escalada à vista, sem betas, em vias abaixo do limite ou no limiar. Lembrando que escalada de verdade acontece na rocha, e que resina é apenas punheta treino.

-Foco: essa veio da motivação em querer muito encadenar uma via, decorar cada pedacinho dela e executar os movimentos de maneira centrada com precisão cirúrgica. Você ganha alguns pontinhos no quesito foco cada vez que encadena uma via acima do seu limite, em que você não pode errar, ou está escalando uma via no seu limite a vista. É mais facil se é numa via que você gosta, que te motiva e te da prazer.

E lembrando também que depois que você começa a guiar sextos graus, não tem mais Top Rope, que é um artifício utilizado basicamente para aquele seu amigo iniciante que está indo as primeiras vezes na rocha e não sabe guiar ou não tem ainda força suficiente para se sustentar nem nos quintos graus. Insistir no Top Rope é deixar de lado uma das coisas mais gostosas da escalada que é a “Aventura”, ou seja, aquela sensação, ainda que leve, de incerteza, de que o inesperado e o incontrolável podem acontecer tirando seu controle da situação. Update: “Escalar de Top Rope é como nunca tirar as rodinhas laterais da sua bicicleta”. Sem contar que guiando seu nível de atenção aumenta exponencialmente e seu comprometimento acaba sendo muito maior, o que aumenta seu nivel de aprendizado de maneira concreta. Uma queda na escalada, esportiva principalmente, é a coisa mais normal do mundo, e se você tem medo de se machucar, ou já se machucou, é porque você e seu parceiro de seg precisam praticar mais as quedas.

Ótima Sapatilha!

Ótima Sapatilha!

Aí chegou um dia que eu estava forte, fazendo movimentos técnicos, com a pressão em dia, com um ótimo trabalho de pés e…. desescalando e pegando na costura porque estava com medinho de ir para a próxima agarra, que, diga-se de passagem, era um agarrão. Me aterrorizava o fato de que entre soltar uma agarra de mão direita enquanto estivesse apertando um reglete bom de mão esquerda eu pudesse vir a cair. Sabia que a corda era nova, o bolt tava colado, a chapa era importada, a costura confiável, o nó bem feito e o seg firmeza. Mas nada disso me convencia. Tentei evitar. Tentei adiar. Tentei negar. Tentei fazer vista grossa. Mas não deu. Simplesmente o que estava fazendo com que eu não pudesse praticar o que eu mais gosto de fazer que é escalar, era o medinho de cair. Não era em todas as vias. Só nas que estivessem acima do meu limite, e que tivessem movimentos delicados com a costura pra baixo do joelho. E conforme eu fui mandando as que eram melhor protegidas, foi sobrando só essas. Até que um dia eu me cansei. Quebrei minha rotina de treinos que estavam sendo inúteis: Pra quê treinar no abaolado, fazer finger, perder peso, se na hora “H” eu ia falar “Retéeeeeesa” e descer? Peguei um seg firmeza que eu confio que não ia me dar uma barriga de corda sem eu ver pra eu cair mais porque ele acha que se eu tomar uma queda simplesmente eu vou perder o medo de cair e fui pra Ufscar treinar quedas. E descobri que o medo de cair não vai embora. Então não adianta você cair pra perder o medo. Conheço várias pessoas que pararam de escalar depois de sua primeira vaca. E outras que diminuiram muuuito o ritmo de escalada depois dela por terem ficado “traumatizados” por ela, por mais limpa que tenha sido. Eu descobri que para enfrentar o medo de cair e fazer movimentos com a costura pra baixo do pé, o que vc precisa é de uma predisposição cerebral, uma estratégia, um mentalgame, tipo quando a Sininho lhe joga pózinho de pirlimpimpim e você deve ter pensamentos felizes pra poder voar. Na verdade é exatamente isso. Mas você só vai aprender como funcionam os mecanismos dentro da sua cabeça pra fazer isso, fazendo. Pulando. Se jogando, fazendo um treino de quedas. O Dave Macleod dedicou um capítulo inteiro do livro dele “9 entre cada 10 escaladores cometem os mesmos erros” para falar só sobre o medo de cair. É ele quem esta segurando a evolução da maioria dos escaladores.

Medo todo mundo tem, como você lida com o seu?

Medo todo mundo tem, como você lida com o seu?

Por isso eu pesquisei na internet alguns artigos sobre o medo de cair, porque como eu sofri desse mal alguns meses (é como alcoolismo, é preciso estar atento e tomar vuadas constantes para o medo nao voltar) comecei a perceber e me incomodar que muitos amigos meus tem esse medo mas não admitem. Então percebi que muito se fala mas nada se faz nesse sentido. Cada vez mais vejo costurões de 1,5m nas vias bem protegidas, onde as pessoas escalam de “Autotop-rope” (lembro de um artigo que o Ale Silva escreveu uma vez – talvez na Headwall? – sobre isso). O medo de cair é uma realidade para todos, e a maneira de como encarar uma queda deve ser treinada constantemente. Achei um artigo muito bom na UKClimbing.com e vou postar aqui algumas destas técnicas. Como só até aqui o post já está imenso, vou dividir por partes para os coleguinhas que tem medo de ler e de cair possam agregar esse conhecimento e sair dessa Dark Zone do climb em que nos coloca o medinho de cair.

Sim, é normal!

Sim, é normal!

E você? Tem medo de cair? Já tomou uma bela voada com a costura pra baixo do pé? SABE cair? Não perca o próximo post com informações valiosíssimas sobre como negociar com o medo nosso de cada dia de decolar das vias…