“Da porta pra fora – Festival de Cinema Outdoor”

Não perca! Atrações diferentes, para um público diferente, como a gente!

Não perca! Atrações diferentes, para um público diferente, como a gente!

Antigamente qualquer eventozinho de escalada era uma raridade. Todo mundo corria pra se inscrever, mas nem todos eram lá aqueeela Brastemp. Aí neguinho ficava reclamando que o país não tinha eventos, q ninguém tinha iniciativa (os mesmos que não tinham iniciativa de organizar nada). Aí vieram os anos 2000 e os anos 10 (no qual nos encontramos,by the way) e de repente temos encontros de escalada só pra abrir vias, encontros de escalada em picos com setores inteiros novos, croquis maravilhosos de locais incríveis, campeonatos de escalada organizados por uma puta associação de escalada FODA formada por gente que escala de verdade, e claro, festivais de cinema de Montanha. Mas, por increça que parível os participantes não vinham sendo tão em massa assim. Só que de repente, parece que todo mundo se ligou que é da hora pra caralho sair de rolê com os trutas/cazamiga do climb e em vez de ir no Shoppis Centis ou no buteco tomar uma, ir para o cine ver um filme de escalada. Se antes, no bar, durante o convívio com seres normais (AKA não-escaladores) os climbers já pareciam recém saídos de um manicômio, falando com um linguajar peculiar utilizando as mãos para gesticular o vocabulário desconhecido por eles (“Pega no gaston de esquerda, sobre de direita no abaolado, tranca o abdomen, junta, dropa e vai no deadpoint pro reglete invertido”), agora quem não for climber vai pelo menos poder acompanhar e sentir um pouco da emoção desse universo todo pelo qual os escaladores demonstram tanta paixão e dedicação.

Em São Paulo no dia 10 de dezembro vai rolar um festival de Cinema Outdoor chamado “Da porta pra fora”. Confira a programação e leve seus amigos climbers – e os nãoclimbers também! – pra fazer um rolêzinho diferente e muito agradável.

Nesta primeira edição serão exibidos alguns dos filmes que participaram “BritRock film tour 2014.

10 de dezembro de 2014 às 19h30 | Espaço Itaú de Cinema – Shopping Frei Caneca | R. Frei Caneca, 569 3º piso | São Paulo – SP

 Programação:

“Wainwrights Record Attempt” – O consagrado trailrunner Steve Birkinshaw tem o objetivo de quebrar o recorde que já dura 27 anos correndo todos os  214 cumes da região de Wainwright durante sete dias

De Alaistar Lee | Posing Productions | 31 minutos

“Stone Free” – Julian Lines é um dos melhores escaladores do mundo, e poucas pessoas o conhecem.Considerado o mais comprometido escalador da Inglaterra o filme é um documento vivo de um atleta que quer se tornar um dos maiores escaladores solo da história

De Alaistar Lee | Posing Productions | 27 minutos

“All My Own Sunts” – Rob Jarman é um ciclista de MTB especializado em downhill, e neste filme conta a história de seu acidente quase fatal que teve e todo o processo de recuperação. Oscilando humor e drama é considerado, por quem viu, o filme de bike do ano de 2014.

De Alaistar Lee | Posing Productions | 24 minutos

“Project Mina” – Escaladores profissionais são iguais a pessoas comuns?Neste filme extraordinário de Jen Randall acompanha toda a experiência de Mina Leslie-Wujastyk durante a temporada da copa do mundo de escalada em 2013.Além de focar a escalada, o filme também é o documento de como é a pressão em cima de atletas de alto nível e a reação de pessoas normais a ela.

De Jen Randall  | Light Shed Pictures | 22 minutos

É isso aí galera, quem puder ir, não perca que assim incentivamos a realização de eventos de escalada pra gente como a gente! Além é claro de curtir uma movie session sobre nosso universo! ;P

Tem filme sobre essa belezinha escaladora também!

Tem filme sobre essa belezinha escaladora também!

LANÇAMENTO: “GUIA COMPLETO DE ESCALADA DO CUSCUZEIRO”

Essa é a cara do novo Guia!

Essa é a cara do novo Guia!

Senhoras e senhores, venho através deste post orgulhosamente convidá-los para a festa de lançamento do “Guia Completo de Escalada do Cuscuzeiro”. Sim! Está pronto, está impresso, está lindo de morrer. Como pai coruja, devo confessar que ficou melhor do que eu esperava. Cheio de fotos, com papel chique, colorido e com informações sobre praticamente TODAS as 61 vias do Cuscuzeiro, é um guia pra ninguém ficar perdido procurando via ou entrando em via errada. Até mesmo quem nunca veio pra cá de outros estados não terá dificuldade de, sozinho, encontrar o local, as vias e se divertir e aproveitar todo o potencial que o lugar tem para oferecer. Os detalhes do Guia você pode conferir aqui na QUERO ESCALAR =)

Detalhes de como utilizar o Guia

Detalhes de como utilizar o Guia

Mas eu quero mesmo é convidar a todos para a “FESTA DE LANÇAMENTO” que ocorrerá no dia 26, (sim, daqui uma semana) aqui na Biblioteca Comunitária da Ufscar, atrás da Caixa d´água de escalada do CUME. O Evento está marcado para começar as 19hrs, com sessão de autógrafos e para os mais incrédulos, show imperdível com os Ukulele Brothers, Cleber Harrison da aclamada Banda The Beetles One e Bruno Alberto (Vulgo Beto, que ilustra inúmeras vezes as páginas do guia). Só não vai rolar comes e bebes pois será no saguão principal da Biblioteca, mas isso a gente pode providenciar na sequência, o que acham? =)

Seção enxuta com informações das vias mas sem dar spoilers pra quem preza pela escalada à vista

Seção enxuta com informações das vias mas sem dar spoilers pra quem preza pela escalada à vista

O Guia será vendido a R$30 a partir do Lançamento, então aproveitem para prestigiar, adquirir um dos melhores guias de escalada do mundo Brasil e curtir um som com a dupla quem vem ensaiando e tocando junto há mais de 2horas! Depois quem anima um churras vegetariano com opções para os carnívoros?

Todas as vias detalhadas numa seção separada, tin tin por tin tin. Né milú?

Todas as vias detalhadas numa seção separada, tin tin por tin tin. Né milú?

Nos vemos lá?!

Adquira o seu! Vendas a partir do dia 26...

Adquira o seu! Vendas a partir do dia 26…

Ah, e não esqueçam de solicitar a tabela de pré venda de produtos da Edelrid com preços especiais até dia 30/09!

Capa nova ED

Escalando no Rio de Janeiro

Casal de marmotas escalando pelo Rio

Casal de marmotas escalando pelo Rio

Se vocês estavam ansiosos pra saber como foi a viagem deste coleguinha de vocês aqui durante o feriado, imagina o coleguinha aqui para saber como foram as escaladas de todos vocês! Mas, como nem todos tem blog, depois a gente se atualiza. Vou fazer a minha parte e narrar os acontecimentos no feriado! (Antes uma musiquinha temática para o post hahaha)

Embarcamos pro Rio na quinta a noite, e, após uma longa noite de viagem, chegamos sexta cedo na casa da Naná, que estava trabalhando, mas fomos recebidos pelo Rô, que nos foi super hospitaleiro. Enrolação básica de sempre, e já saímos pra aproveitar o dia. A Marta nem sabia o que a aguardava. Fomos caminhando de Botafogo direto pra Urca, e para o primeiro dia resolvemos fazer a clássica Coringa, que é um 3° grau (3° sim, III só se for na Itália). Terceiro Grau carioca né? Na segunda enfiada passei um veneninho naquele cruxzinho de aderencia pra subir o pé esquerdo, com o pino 1m pra baixo do pé e o próximo 1m pra cima… fui.. voltei…fui… voltei… aí quando eu já tava quase pedindo arrego achei um jeito e acabaram-se os meus problemas. Também estava usando pela segunda vez uma sapatilha nova, uma Anasazi Verde, com solado Onyx, que brilhou muito. Pouco a pouco eu fui abusando cada vez mais e ela foi correspondendo. Fui subindo, ia testando, e a Marta vinha como se estivesse andando na rua. Mas de segundo… ahh como eu queria! Na terceira enfiada, que não tem parada pra nego não fazer rapel (em breve tem parada no cusco que vai estar assim também) eu coloquei os tricams que eu levei mais um Friend do Rô justamente para chamar a segunda, e já era. Aí foi tocar pro cume pelo costão, ser visto como um macaco de circo pelos turistas que nunca tinham visto um mosquetão na vida, e descer de bondinho até a Urca. A Caminhada pra casa foi tensa, estávamos bem cansados pois não tinhamos almoçado, o café da manha tinha sido um salgado e um suco, e durante o dia tinhamos mandado ver uns amendoins e talvez uma banana. Mas ainda tivemos forças pra ir jantar com o Rô e logo depois encontrar a Naná na Pedra do Sal, a pedido da Marta que queria não só escalar mas fazer um turismo geriátrico cultural pelo Rio.

Martinha terminando a terceira enfiada da Coringa no Pão de Açúcar

Martinha terminando a terceira enfiada da Coringa no Pão de Açúcar

Sei que no segundo dia acordamos vagarosamente tarde, fomos almoçar num vegetariano com um casal de amigos muito gente boa do Rô que vieram de Sampa Meoo e logo depois fomos pra Babilônia fazer uma viazinha de algumas enfiadas pra aclimatar ainda mais nas aderências e nos esticões insanos cariocas. Cada vez eu fui ficando mais a vontade com a sapatilha nova que é muito confortável (mas não a ponto de dar seg com ela) e com as aderências. A noite fizemos umas tapiocas caseiras e formos dormir cedo, porque o dia seguinte ia ser cheio.

No terceiro dia nos levantamos as 7, e as 8:05 estavamos prontos e saindo pra ir pra Pedra da Gávea. Eita caminhadinha!! 1:30 de subida no melhor estilo “Falta muito?” e “Não quero mais brincar disso…” Mas eis que as 10:30 estavamos encordados e prontos pra escalar. O Rô com o Amarelo, e a Naná, a Marta e eu numa cordada de 3. Como a via é super horizontal, a marta vai de segundo com duas cordas, duas segs. A naná guiou tudo menos a primeira, e logo estávamos no olho direito da figura do imperador. Ah é, muito mistério ronda essa formação. Na internet tem muita coisa do tipo: “… DIZEM QUE…” mas nada concreto ou com fontes seguras que não sejam boatos. Ainda que pareçam ser copiadas da mesma fonte, a maioria das informações (aqui, e aqui) remete à inscrições na “orelha direita” do imperador, que seriam fenícias e indicariam que ali é a “Esfinge” e tumba de um grande rei fenício. Depois de assistir dezenas de vezes ao filme “Os Trapalhões na Terra dos Monstros” (cujos dublês eram ninguém menos que Alexandre Portela e Sérgio Tartari, e mais dois que eu não lembro nem conhecia), estava curiosíssimo para passar pelos olhos da figura e ver a entrada da gruta para o mundo dos Barks, dos Grunks e quem sabe até trocar uma idéia com o Sr. Geleca…

A Escalada procedeu bem, sofremos apenas um momento com o bolo que duas cordas simples de 9,8 e 10mm provocam quando emboladas, mas nada que nos fizesse perder mais que 5 ou 10 minutos. A Marta ficou um pouco impressionada com a altura da Passagem dos Olhos, mas era tudo tão bonito que ela nem teve como achar ruim.

Naná numa das mais famosas fotos do Rio

Naná numa das mais famosas fotos do Rio

E ao final da escalada passamos pelo mirante que parece a “bunda” do imperador, e logo descemos. Já era tarde e pretendíamos passar pela carrasqueira (que para quem quer subir a Pedra da Gávea via Trilha e não escalando, é o trecho de uns 25m de trepa pedras de 2° grau obrigatório) ainda com luz do sol. Nossa água havia acabado quando a escalada acabou, mas para as 2h de trilha a gente deu uma xupinzada na água da Naná pois estávamos com muita sede –  nada que nos impedisse de chegar no carro. Como eu estava com o Charuto no beiço desde o meio da escalada, achei prudente não comer meu lanche e apenas comer uma maçã pra não atiçar um intestino que já não estava muito quieto. Mas no meio da descida não teve jeito e a desova foi inevitável. Pazinha da Quero Escalar salvou!! Quando faltavam uns 10 minutos de trilha para chegar no carro, encontramos umas 8 pessoas descendo devagar e sem lanterna. Já fazia aproximadamente meia/uma hora que estávamos só na Headlamp quando os encontramos e uma das meninas nem estava conseguindo andar direito de tão cansada. Fomos com eles, ajudando e iluminando a todos e os 10 minutos viraram 40. Depois descobrimos que um dos caras que ajudava a menina que mal podia caminhar, e estava com uma lanterninha do Sucrilhos, era GUIA, ou melhor, se autoentitulava guia do grupo todo. Guia que não tinha lanterna e não tinha calculado ou observado os sinais de que seus “Clientes” visivelmente não teriam muita condição pra terminar a escalada. Mas tudo bem. Felizmente ficou o aprendizado para o pseudo-guia e mais um do que a Revista Climbing americana adora chamar de “Epic”. Nem citei nessa descida nada sobre os outros 4 que comigo estavam pq realmente foi tudo tranquilo e nada demais aconteceu durante a descida a não ser o grupo alheio sem lanterna. Chegamos no carro, tomamos todas as aguas que o Amarelo tinha ali guardadas, e fomos pra casa. Pus um chinelo que não aguentava mais ficar de tenis (ainda mais EU, que fico de tenis o dia todo ate mesmo em casa e não gosto de ficar descalço). Fomos prum Rodízio de pizza, onde eu tomei 1 suco, 1 coca (a primeira que eu tomo esse ano, a vontade veio no meio da descida, não teve como resistir), 1 cerveja e depois 1 gatorade inteiro. Ah é, e até comi alguma coisa tipo as pizzas e as panquecas que iam vindo.

Martinha e eu no JB

Martinha e eu no JB

Chegando em casa (mais água) a Naná, que já tinha tomado banho, foi dormir cedo porque iria começar no emprego novo segunda e nós não demoramos muito também fomos. Aí na segunda foi dia de turismo geriátrico cultural. Moídos que estávamos, nem pude corresponder ao Rô que estava disponível para uma escalada (mas também provavelmente não estava muito em condições, como nós). Passeamos pelo Jardim Botânico, almoçamos, e fomos dar um rolê em Copacabana tomar um açaí antes de voltar pra casa, pegar as malas e ir pra rodô. Só que o lazarento do ônibus 173 não passou nos quase 40 minutos que estivemos esperando, e as 6:15 mais ou menos tivemos que ir de taxi pra rodoviária pra não perder o onibus pra Sanca.

E foi esse o rolê. Simples porém épico hehehe fazia mto tempo que não ficava tão cansado com uma escalada tão completa: A aproximação, a escalada em si, a logística, o retorno, tudo preparado. Cansei de andar viu?! Saudades dos negativos de agarrão! Eu não sentia vontade de por um chinelo no pé desde mooito tempo, mas nessa viagem meus pés não tiveram trégua da caminhada e das escaladas em aderência! Bom para os dedinhos da mão, injuriados de tanto apertar e escrever. Fica o salve pra Naná e pro Rô, que nos receberam tão bem, e que ficaram sem seu philadelphia porque realmente esse não é o tipo de coisa que costumamos negar!! Vocês ja sabem: mi casa, su casa!

Não, Não é o que aconteceu descendo a trilha... É o ente milenar que mora dentro da Rocha!

Não, Não é o que aconteceu descendo a trilha… É o ente milenar que mora dentro da Rocha!

São Carlos Pression Team no PETZL RocTrip!

Todo mundo curioso, aguardando o Post sobre o Sanca Pression Team no Petzl RocTrip, verdade? Ainda não tinha publicado pois estou tendo problemas com a integração do meu site com pagseguro muito trabalho essa semana depois de voltar da viagem , mas com o tempo tudo vai se ajeitando, dormir pra quê não é mesmo?

Eu e Beto no Petzl Roctrip... Isa de Fotógrafa zuando que a gente nunca é sério!

Eu e Beto no Petzl Roctrip… Isa de Fotógrafa

Bom, pra começar devemos citar a novela Aerolíneas que fez Ema-Ema pra gente. Chegamos terça feira de manhã em Buenos Aires pra pegar a conexão até Esquel (se pronuncia Esquél e não Ésquel) mas como tava tendo greve geral eles falaram que só poderiam nos “encaixar” num vôo sábado. SÁ-BA-DO (O Evento acabava domingo). Ficamos desolados, sem vontade de cantar uma bela canção, e já achando que o povo argentino é tudo aquilo que a rivalidade futebolística prega. Sendo assim fomos ver de alugar um carro pra chegar lá: U$3.000,00 (TRÊS MIL DÓLARES). Dexa queto… Então a Patrícia, do Guichê de atendimento ao turista do Aeroporto de B.A. nos foi muito solícita, ligou pra Ana Laura, responsável pela organização do Evento da Petzl, e juntas, fizeram milagres, arranjaram 3 vôos, 4 conexões  e dois dias de viagem pra gente, coisa que a aerolineas nem tinha se importado. Mesmo assim chegariamos 2 dias atrasados ao evento. Tomamos a decisão de apostar alto: Sacamos dinheiro (não tinhamos pesos e nao podia mais trocar) e compramos uma passagem de Busão mesmo. 26 horas até Esquel, e mais 2 até a Piedra Parada com o Onibus da Petzl, que ia custar 50 pesos mas custou 85 :/

26horas no busão e uns 5 filmes depois...

26horas no busão e uns 5 filmes depois…

Problema resolvido, comida comprada, chegamos no evento e já fomos fazer as inscrições…. ai que emoção!

Enquanto isso, na fila de inscrições...

Enquanto isso, na fila de inscrições…

Pegamos nossos brindes, camisetas e fomos armar barraca e comer! Dia seguinte lá estávamos para as filmagens do vídeo do PRT e logo depois fomos escalar.

Uma galera descendo correndo uma piramba... ce ta loco!?

Uma galera descendo correndo uma piramba… ce ta loco!?

Na sequencia fomos escalar, e já de cara tivemos a impressão de que não escalaríamos muito. Muita fila nas vias. Mas muita mesmo. Mais que o Cipó no carnaval. Mais que a Ética na Semana Santa. Eram 1400 pessoas para escalar e mais 600 curiosos que estavam ali só pra ver (??!). Realmente tava treta. Mas felizmente achamos um lugarzinho ao sol hehehe

Entrada do Canyon La Buitrera

Entrada do Canyon La Buitrera

E começamos a escalar, e muito bloco solto, e algumas vias com chapas muito longe umas das outras, mas aquele negócio: Morrer vc não vai, mas se ta com o psico abalado, vai dar medinho! kkkk E eu que estava com psico abalado perdi cadenas bestas de 7a’s com proteção escassa e mandei 7b’s (inclusive um a vista praticamente) muito bem equipados. O negócio é não se cobrar muito se o psico não ajuda e aproveitar que tem muita via um pouco abaixo do seu limite e escala-las! Reparei tambem que de manhã eu tinha mais medo do que a tarde… mas que se o move era foda e a chapa tava pra baixo do pé, não importava se era de manhà ou de tarde, era fiasqueira mór…

Eu escalando um sextinho equipado pela Nina Caprez. Muita pedra solta!

Eu escalando um sextinho equipado pela Nina Caprez. Muita pedra solta!

Esse 7b derrubou UMA GALEEEERA a tarde toda enqto estavamos no setor, mas o Beto mandou a vista! Só que são tipo 6 chapas + parada em 30m de via :/

Esse 7b derrubou UMA GALEEEERA a tarde toda enqto estavamos no setor, mas o Beto mandou a vista! Só que são tipo 6 chapas + parada em 30m de via :/

Isa no mesmo sextinho das pedras soltas...

Isa no mesmo sextinho das pedras soltas…

Tava caindo MUUUUITA pedra, e esse setor, o Jardin del Eden, tava bem foda de ficar. Escalamos duas vias e já deu. NA verdade a gente começou escalando no Ortigas, mas tava mto frio e tivemos que sair pro sol…

Porque ela falou que fazer essas poses é coisa de criança! Mas bem que ela deu risada né?! ;)

Porque ela falou que fazer essas poses é coisa de criança! Mas bem que ela deu risada né?! 😉

No dia seguinte ja fomos prum setor muito bem recomendado chamado Huelitas ou holitas.. mó da hora! Negativaço de agarrão com um monte de buracos! Só que: Mimimi Era de manha, e era tipo 30m de via com 7 chapas. Não tem psico abalado que aguente pra aquecer hehehehe Mas puta via da hora, eu é que não estava rendendo. Ainda.

30m de via e umas 6 ou 7 chapas. Morrer não ia, mas... PRA QUÊÊÊÊÊ???

30m de via e umas 6 ou 7 chapas. Morrer não ia, mas… PRA QUÊÊÊÊÊ???

Beto no 6c (7aBr) do Setor Holitas. Tudo a vista fi!

Beto no 6c (7aBr) do Setor Holitas. Tudo a vista fi!

Só sei que fiquei bem chateado. Sentia-me como um ator pornô com disfunção erétil. Impossibilitado de fazer o que mais gosta!! Mas graças à umas brasileiras muito gente boa, meu problema se amenizou. A Gláucia do Rio deixou um 6c+ (7b Br) equipado e eu dei um pega na via. Fui espanetando (ou seja, escalando rápido, inteligentemente porque era fácil e sem maiores percalços) até o crux, mó da hora, e lá, perdi uns 10 minutos (e a cadena), era um movezinho tenso de regletes e equilibrio.. tirei o move, entrei de novo e mandei! Ahu!! O Beto Aproveitou e equipou outro 6c+ ao lado e entrei no flash (só é flash pq sabia onde era o crux) e mandei! Uma leitura bem complicada, dei uma roubada na altura hehehe mas aí ja fiquei mais motivado!

Banho no Rio... leva a pá pra quebrar a camada de gelo em cima do rio!

Coragem pra guiar via com esticão ele tem… mas pra entrar na água de uma vez… vish… pior que eu pra guiar via com esticão! kkkkkk

A noite foi dia de banho afinal, já tava fazendo uns dias, mas enfim… água gelada, o negócio é não pensar muito e já sair caminhando sobre a água até ela chegar no saco. Daí em diante é só alegria. 3 minutos depois o banho está terminado. 🙂

Todo dia a noite rolava fogueiras espalhadas pelo camping, E claro, as baladinhas da PETZL. Acabamos não indo em nenhuma pois iamos sempre dormir cedo pra acordar cedo pra nao pegar fila nas vias, o que nem sempre se concretizava, mas enfim…

Fogueiras por todo canto..

Fogueiras por todo canto..

Uma das vias mais clássicas do pico...

Uma das vias mais clássicas do pico…

No sábado acordamos cedo e fomos pro climb. IN-CRÍ-VEL! Nenhuma fila na via mais badalada do pico,  a Mickey Mouse! Um Sexto grau negativo de agarrão que parecia de ferro fundido! Amazing!!

Piedra Parada ao fundo... Setor El Aero..

Piedra Parada ao fundo… Setor El Aero..

Essa era a ultima via antes das vias interditadas e desequipadas por conta das escavações arqueológicas…

Pensa num agarrão...

Isa descansando numa agarrinha da via….

E a tarde paramos tudo e fomos ver os RockStars escalarem… e Aí a Tietagem rolou solta!

Alizee Dufraisse na Seg do Dave Graham...

Alizee Dufraisse na Seg do Dave Graham…

Beto e Eu Tietando a Melissa Le Neve, super simpática!

Beto e Eu Tietando a Melissa Le Neve, super simpática!

E Beto e eu Tietando o Máquina, Dani Andrada!

E Beto e eu Tietando o Máquina, Dani Andrada!

Dani Andrada meio adverso ao uso de casco...

Dani Andrada meio adverso ao uso de casco…

E esse dia ficamos pageando os nossos fãs, foi mó da hora! Conseguimos coletar autógrafos de:

– Gerome Povreau

– Steve Maclure

– Mayan Smith Gobath

– Alizée Dufraisse

– Melissa Le Neve

– Florence Pinet

– Martina Cufar

– Philippe Ribiere

– Dave Graham

– Said Belhaj

– Dani Andrada

Só faltou da Charlote Durif, que não compareceu nesse dia, e quando cruzamos com ela, ela tava com o Biro-Biro e ficamos com vergonha de pedir o dela e o dele não.. kkkkkk

Bom, de noite como sempre jantinha, o casal Isabeto para a Barraca antes das galinhas por causa do climb do dia seguinte e eu, bem… socialzinho antes né? Fiz amizade com a Delegação Chilena da Petzl (de importadores, não de atletas) e todo dia a gente se reunia em volta da fogueira. Até conheci o importador da Petzl no Brasil, o Walker!

Um sextinho legal, comprido, ao sol, mó visu, divertido!

Um sextinho legal, comprido, ao sol, mó visu, divertido!

E no dia seguinte, mais climb. Fomos pro Setor El Circo, onde pude escalar um 6b com a Isa enquanto o Beto escalava de verdade. Depois tinha uns Brazucas na via do lado, trocamos com eles assim todos escalam 🙂

Mais uma vez a Gláucia deu uns betas bons e mandei no Flash um 6c (7aBr) muito legal com direito a mega entalamento de joelho! \o/  O Beto tava malhando um 7c que acabou mandando no terceiro pega, mas eu arreguei porque apesar de bem fazível, o crux tinha costura pra baixo do pé, e aí sabe como é… Popóoooooo (Ahhhh GENJA! TOME VERGONHA NESSA SUA CARAAA! – lembra da apologia com o ator pornô né?)

Beto bem no crux do 7c (7a Fr)

Beto bem no crux do 7c (7a Fr)

E essa foi a noite do grande churras! Rolou o tal do Chulipan (Pão com “linguiça” à moda argentina e a tal carne de cordeiro). Todos se serviram a vontade, comemos tranquilamente (apesar da fila pra pegar o cordeiro) mas sabe como é… igual no Bandejão: Cozinhar pra 2.000 pessoas não fica lá aquelas coisas… mas deu pra entender o espírito da coisa (do churrasco, não do cordeiro).

Isa no Canyon la Calavera

Isa mandando um sextinho negativo de agarrão no setor Calavera…

E Segunda fomos pro Setor Calavera, onde estavam as vias mais badaladas e disputadas. Nos outros dias tava bem foda de escalar ali (leia-se: impossível) mas segunda UMA GALEEERA ja tinha vazado entao rolou sussa. Fizemos uns sextinhos pra animar, muito legais, um deles negativo de agarrão, depois mais dois de 30m, um deles um pouco mais adiante, que é a a última via do Canyon(setor galinheiro), um sexto com várias barrigas, viradas de tetos e um cruxzinho lazarento totalmente díspar com o restante da via. Mas legalzinho.

Setor la Calavera visto desde o Final do Canyon...

Setor la Calavera visto desde o Final do Canyon…

E na terça de manhãzinha Isabeto vazaram e eu fiquei mais um dia, arranjei um parça alemão que não tava com medinho de cair. Bixo ligado no 220, daqueles que qdo ta frio vai escalar no gelo, esquiar, quando ta calor vai pra pedra, quando ta tempo bom vai fazer escalada alpina… Também, o Matterhorn no quintal da casa dele, o Montblanc a algumas horas… enfim. Fiquei com os móveis e entramos numa grande chaminé de 3 enfiadas de quinto grau. Ouvimos dizer que alguns Brasileiros tinham entrado dias antes. E eu fico me perguntando: COMO????! COMO?!?! COMO eles entraram na via e mesmo assim quando eu entrei eu tirei TONELADAS de pedra da via… Era questão de pegar a agarra que menos mexia, olhar pro lado e, ao encostar o cotovelo na rocha, caia maços e maços de laquinhas de pedra pra baixo. Um terror. Colocava o pé na agarra que menos respirava, e ao olhar pra cima o joelho toca a rocha e um chumaço de pedra ia pra baixo. Fui colocar um friend uma hora, e os outros friends do mesmo mosquetao ao encostar na rocha, fizeram desprender um playstation da parede que caiu no meu joelho… PQP!! Castelo de cartas é brincadeira, é sólido… ta mais pra… sei lá… Castelo de palitos de dente.. a via devia chamar osteoporose ou algo assim. Ah! E o final era um esticão de uns 10m até a base com entalamento de asa de galinha numa fenda de meio corpo. A-hul! Quando o Chris (aquele alemão pilhado) chegou em mim falou: Fiii, desencana dessa parada! Se comigo ha 10m pra direita da canaleta/chaminé tava tomando pedradas, imagina se eu guio a segunda enfiada e vc ta aqui na parada e não consegue desviar?! Deixa isso pra lá!!

Escalamos essa Chaminé na esquerda bem óbvia... descemos em 1/3...

Escalamos essa Chaminé na esquerda bem óbvia… descemos em 1/3… (sim, tem um maluco fazendo HighLine)

Pois bem, descemos e eu lembro que o Rapel foi mais aterrorizante que a escalada em si. Credo. Acho que tava considerando a hipotese de encarar as pedradas no peito da segunda enfiada só pra não ter que fazer rapel. Mas enfim. Descemos. Comemos, eu não estava muito animado e ele entrou numa via justo ao lado da chaminé que pareceu bem massa… entrei também e me animei, acho que era um sextinho. E depois no mesmo setor ele entrou num 8b Br e eu num 6sup, mó da hora negativo com uns buracos muito bons e uma virada, logo no começo. E aí ele tava com os pés todos fodidos de usar sapata apertada 5 dias seguidos e tinha parado. Mas eu queria fazer uma última antes de ir embora, afinal, era o último dia. Íamos fazer um sexto grau de duas enfiadas em uma só, no setor Mordor, totalizando uns 60m de via. No caminho vimos o mestre malhando um 10a (8a+ Fr) no Setor Ojos de Buda, e ficamos olhando e pensamos: Não tem nada pra gente escalar ali? Eu olhei o guia e vi que tinha um 7a br. Ah.. cheguei ali perto, analisei, a via tava na sombra, tava um calorzao, a via que eu ia fazer antes tava no sol e era sextinho… Gostei da rocha, das proteções… OK, fico com esta! Entrei sacando, e a vista. Foi mó da hora pois estava pilhado (já estava antes se não não teria optado por ir fazer a outra via) e meu nível de concentração e foco foram a milhão. Cada movimento era friamente calculado 10 movimentos antes. Fui subindo, com inteligência, fazendo a leitura da via conforme ia equipando, e quando cheguei no Crux… Era um movimento de monodedo, pé na mão e costura no pé… ui ui… Meu estado de concentração era tão grande que não hesitei. Também, o mestre estava ali do lado mandando a vibe (pro amigo dele na via do lado da minha) e eu não ia fazer fiasqueira de pegar na costura na frente do Dani Andrada né? hahaha entrei pro move do crux, montei na perna direita com o monodedo de esquerda, fiquei em pé, peguei num reglete, costurei e toquei pra base. Ahul! Um 7a a vista! Ok, ok, não é o primeiro e minha obrigação era ja ta mandando 8a a vista… mas a gente fica feliz com uma cadeninha assim no ultimo dia depois da fiasqueira dos últimos dias! 🙂

Imagem lúdica do Vale...

Imagem lúdica do Vale…

Voltamos pro Camping satisfeitos e começamos a arrumar tudo pois no dia seguinte era dia de vazar. O busão foi Lotado, e fui em pé mais da metade do caminho até Esquel. Lá ficamos num Hostel chamado El Caminante, onde foram super atenciosos e deixaram a gente ficar até depois do horário no dia seguinte, curti mesmo! Enquanto estivemos ali pudemos confraternizar com uma galera que nem escalava mas que estava de turismo por ali. Tomamos cerveja a tarde inteira com Noruegueses, (que estava no Roctrip), Argentinos, Russas, Francesas, Canadenses, Alemães, ingleses, enfim, foi mó da hora e no dia seguinte peguei o voo de volta pra casa. Mais uma noite dormida no Aeroporto, dois aviões e dois ônibus depois estava em casa! A-hul!

Esse é o Cris! Mas ninguém odeia ele, que eu saiba... (tu-dun-tssss)

Esse é o Cris! Mas ninguém odeia ele, que eu saiba… (tu-dun-tssss)

Resumo da ópera:

Realizei o sonho de participar de um Roctrip. Escalei abaixo do meu limite por uma besteira que já devia ter resolvido antes que é o medinho de cair (e de fato estava melhorando), mas deu pra escalar bastante. Não se cobrar muito nessas ocasioes e aproveitar e escalar o máximo que der é uma boa pedida quando a cabeça não deixa escalar mais grau. Já que tamo ali né? Ou escala um pouco menos forte ou não escala? Sem dúvida deu pra curtir. E ver tembém gente fazendo presepada na seg né? PUTAQUIPARIU! Tanto Brasileiro quanto gringos, meldels….. Gente, usem o Grigri direitinho conforme vem no manual ta? Não tem problema que vc vai demorar pra aprender. não é nenhum oitavo grau. Mesmo pq tem gente que manda só quarto grau e sabe dar seg direito, pq vc não tenta? Tivemos um acidente do nosso lado por conta de Seg vacilão que deixou barriga de corda e segurou o Grigri de maneira incorreta. O escalador veio pro chão de 10m de altura que nem um Saco de Batata. E olha que coisa: ele sempre tinha feito seg daquele jeito e nunca tinha dado nada! Pra vc ver como são as coisas! Estranho né? O jeito certo de dar seg é o que vc sabe, e que um dia VAI falhar, ou o jeito que é à prova de tonto?

Bom, além disso, também foi tempo para aproveitar o ambiente, conhecer algumas pessoas (com certeza deveria ter socializado mais), estar num abiente agradável, e o mais importante, quebrar com velhos hábitos daqui de casa que já estavam me incomodando. Também com os vieses da viagem a gente testa nossa paciência ali, depois de 50 horas de viagem e se defronta com perguntas como se vale a pena todo o sacrifício por algo assim. Mas são sonhos. Se a gente não se sacrifica para realizá-los, qual o sentido de tudo? Valeu a pena poxa. Ví de perto meus ídolos, conversei com eles (um marmanjo de 28 anos não pode ter ídolos e pedir autógrafo? Pedi memo!), escalei vias míticas da Patagônia, fiz uns rangos muito da hora, tomei banho de rio (3 pra ser mais preciso) e treinei meu espanhol e minha diplomacia. Ta bom né? Além do mais…. É o Petzl Roctrip maluco! Ano que vem a gente se vê na Januária! (brincadeira, não sabem ainda onde vai ser)…

Imagina a corda como não ficou?

Imagina a corda como não ficou?

Essa é uma agulha muito proeminente no meio do Canyon. tudo oitavo e nono até a ultima cordada de A0... Loucura!

Essa é uma agulha muito proeminente no meio do Canyon. tudo oitavo e nono até a ultima cordada de A0… Loucura!

Vista da minha barraca ao anoitecer todos os dias..

Vista da minha barraca ao anoitecer todos os dias..

Olha quem estava junto!

Olha quem estava junto!

 

 

Como foi o Arco Rock Legends 2012

O Rock Legends é tipo um Oscar que acontece todo ano durante o mais tradicional evento de escalada esportiva, que já tem mais de 25 anos de tradição e é considerada a mãe de todas as competições. No próximo post falarei sobre o campeonato em si, agora, fique o imagens do evento que premia os competidores com o La sportiva Awards e o Salewa Awards. Este ano teve um prêmio extra para o escalador Stephan Glowacz, dono da marca de sapatilhas Red Chilli e que aparece naquele filme de ficção “Scream of stone”, de 1992 com Donald Shutterland (pai do Jack Bauer) em uma fictícia acirrada disputa pelo First Ascent do Cerro Torre. Também é o cara que conquistou a via Place of Happiness na Pedra Riscada, em minas gerais, junto com o Edmilson Padilha, dono da conquista, e do Val, seu fiel escudeiro. Agora fique com as imagens:

http://www.facebook.com/media/set/?set=a.521981621149613.138452.100000133405351&type=1

E os vídeos do evento:

Stefan Glowacz – Arco Rock Legends Climbing Ambassador by Aquafil 2012

La Sportiva Competition Award

Salewa Rock Award

No brasil quando será que teremos o 4climb rock awards ou o Snake Competition award? Ou prêmio Conquista de destaque de escalada… ja pensou? Demorou na verdade né?

Enfim: por enquanto é isso… inté!