Férias no Cipó (Ou: “o post mais aguardado do ano até o momento”)

Começando o Post com o Por do Sol do Mirante

Começando o Post com o Por do Sol do Mirante

Falar o quê de uma das melhores trips de climb EVER? Simpesmente todos os praticamente 30 leitores deste blog estavam lá, então foi praticamente uma reunião nacional da galera mais firmeza do climb do Brasil! Graças à Ju que conseguiu reunir uma galeeera de todos os cantos do Brasil num único espaço, num único pico, que brilhou muito. Muita vibe boa, muita risada e uma galera integrada, confraternizando junto, comemorando juntos essa festa chamada escalada.

(pra você que vai ler tudo, dá o play nessa música que eu escrevi o post ouvindo ela e algumas do gênero)

Não tem muito como descrever, quem esteve lá sentiu que faz parte MESMO dessa tribo do bem que é a galerinha do Climb. O Espaço Mandalla acolheu a todos muito bem. Na outra vez tinhamos ficado no Magrão (Abrigo G3), e outrora no Abrigo Cipó dos amigos Barão e da Rafa, tudo 5 estrelas, e dessa vez pudemos conhecer o Mandalla. Mesmo quem não tava ficando lá “passava de lá” no fim do dia de Climb pra dar um salve pros irmão,(filar) tomar uma cervecita e botar o papo em dia. Através da figura do Ale Imbelloni que tava tomando conta na ausência da Fran, foi tudo muito bem organizado e não pudemos perceber sequer um mínimo de desconforto, muito pelo contrário.

Para o Cipó fomos de São Carlos a Fabi, o Greg (doravante denominados Fagreg) e eu. Fizemos um caminho que economizou praticamente 2h, indo por capitólio e Divinópolis. No começo estava chovendo todo dia as 2 e as 5 da tarde, então ficamos mais concentrados ali na sala de justiça e arredores. Conheci outra blogueira muito famosa, a Alessanda, do Minhas Certezas Incertas. Conheci a Wenia, com quem havia feito negócios via face e que me marcou pela espontaneidade (e é personalidade ali na região de São João del Rey, Arcos…). Esses são os que eu já conhecia de internet. Mas conheci muito mais gente. Conheci a Mel, o Lex, a Joana de SP, o Igor e o Gui do RJ, a Vanessa, a Cláudia e a Carol do Sul (sul de verdade, de POA e “alrededores” né gurias?), a Rê e a Emília com sua turminha de SP, o Everton de Franca, o Ulisses com a namorada Chilena, enfim: muitos desses com uma galeeeera junto (ou pelo menos @ respectiv@). Foi muito massa. Foi tipo o primeiro ano de faculdade quando todo mundo é super amigo! Conheci a família Imbelloni, a Luciana de Franco (que acaba de se tornar a primeira brasileira a mandar um 10b e que é a humildade e a simpatia em forma de gente). Conheci o Maneira de Araxá. A Vevê eu já conhecia, o Raul e o Cleber chegaram depois. Até o féla do Felipe colou na goma com sua familia do barulho aprontando altas confusões (E Não levou nem a sapatilha – imperdoável). Apareceram também o casal Guibia da Quero Escalar/ Sanca Pression Team! Incrivelmente chegou também diretamente da China o Daniel Hirata, (mandei mensagem pra ele qdo eu ainda tava em São Tomé pelo celular) e pudemos reconectar a boa vibe novamente, eita minino bão sô, diretamente de minas pro mundo trazendo na mala bastante saudade e duas toneladas de chá! E também uma Eslovena, a Ursa (se lê Ursha), a qual tinha conhecido em Cuenca na Espanha 1 ano e meio atrás. A galera ia chegando, ia vazando, e a gente foi perseverando. Quando vimos nem sabíamos quanto tempo fazia que estávamos ali, e a contar pelos dias de climb – descanso – climb – descanso – climb tinhamos ficado 3 dias a mais que o plano inicial. Mas também, não fosse isso não teria mandado meu projetinho da viagem!

Greg na Melzinho

Greg na Melzinho

Na verdade o projeto era desconectar do mundo, passar um reveion  diferente fazendo o que eu mais gosto na vida que é (interagindo com gente que pensa como eu) escalar e aproveitar para apresentar o pico pro Cleber e Fagreg que estão começando no mundo da escalada. O Greg(són) mandou a FlashBlack a vista! A Fabi mandou a Popopó equipando à vista também! E o nosso rádio Cléber dormiu na cachoeira e teve uma insolação – Burrrooooo! kkkkkk mandou a Diversão garantida no segundo pega: Ahhhh muleke! Escalaram muito mais que isso claro, mas foi bom ver eles entrando no espírito da coisa. Legal ver a Vevê entrando guiando nas vias. A Rê mandando seu primeiro 7a com a Rei do Torresmo. A Vanessa mandando um 7a/b na lapinha no segundo pega! A Mel dando duplo mortal de cuestas la no pedrão hahaha Pra quem tava parada ta muito bem no climb também! E até o Lex entrou num 8b de top achando que era 7b e foi até a quinta costura! O Raul foi pra dar uma escaladinha de leve e conseguiu… conseguiu matar 2 garrafas de cachaça e dar trabalho – pra variar –  e deixar a todos espantados com seus papos de sexo e cagadas… principalmente quando era ao mesmo tempo hahahaha A Jú conseguiu reunir todo mundo, igual a galinha mãe que abraça todos os pintinhos embaixo da asa. Equipando as vias e “spraying beta” pelos 4 cantos do Cipó. “Serviço de Beta Gratuito 0800-JuliaMara. Seg da cadena firmeza. Escovamos as agarras de seu projeto e damos a vibe-mor!” E eu? Bem, eu fui lá descompromissado, sem ter escalado quase nada em 2013 inteiro, mandando nem 7a praticamente. Fui com a intenção de poder presenciar tudo isso que narrei. De interagir com essa galera massa que ta nessa pegada da hora de curtir o climb. Essa galera sem nóia de grau, mas que também quer evoluir e mandar seus projetos. E acabei voltando pra casa com duas cadenas inesperadíssimas, mas que me custaram alguns intentos.

Mel na Mister X

Melzinha na Mister X olhando a Fabi na Melzinho (puts Mel, não tinha como não fazer esse trocadilho!)

Dois métodos de treino. Lembrava da Academia Vida e dos treinos funcionais do Juliano quando fazia os movimentos das vias e me sentia leve. Lembrava da Equilíbrio Corporal e dos treinos de Pilates com a Sí quando blocava no core nos moves nos negativos pra dar aquela chamada com o corpo colado na rocha e pés longe ou botar pé na mão. 2 meses de treino, ta bão né? Comecei a entrar na Ética por causa da Chuva. Estávamos ali, chovia muito no fim do ano, então tínhamos que acordar cedo tipo 6 da manhã pro Cagão do Greg poder fazer o seu ritual matinal de 1h cagando – em 10 dias foram lidos 2 enciclopédias Barsa, O Senhor dos Anéis (os 3 volumes), o Hobbit, o sumarilion, e o catálogo da revista hermes. Tudo isso somente enquanto ele fazia seu “muñequito” de barro matinal. Chegando na rocha umas 10 da manhã, dava pra escalar uma coisinha ou outra e logo tinhamos que correr pra sala pq chovia as 2 e as 5. Benzadeus que a Júlia escovou as agarras da ética, pq tava foda! E aí foi só tirar a senha ao longo de vários dias. No terceiro pega eu errei um monte de coisa, gastei pra caramba e ainda assim caí indo pra última agarra. E aí no próximo dia (2 dias depois pq fomos pra Lapinha e teve um de descanso) saiu de primeira. A Mônica, namorada do Doc tinha acabado de descer da via e perguntou: Vai mandar? E eu, na maior naturalidade: Vou sim. (pensando, vou… vou mandar uma fiasqueira que vou ter que sair da sala de justiça pela porta dos fundos hehehe) Mas aí rolou! um 7c no meio da viagem eu nem esperava! Só que aí eu me apaixonei perdidamente…

Fabi na Popopó

Fabi na Popopó

Lembro da primeira vez que a vi. Ali. Despretensiosa. Dando mole. Olhando pra mim. Toda de branco. Alguém estava tentando levar ela pra casa. Mas naquele momento eu senti que eu poderia ter sorte nesse jogo. Era do jeito que eu gosto, “Totally my style”. O nome dela é Cheetara. Vi a via equipada ali no setor da escamoso com uns costurões de 80cm nas 4 primeiras. Um negativão que parecia ter agarras. Ah.. ja tinha mandado muito mais que o que eu poderia esperar da viagem, porquê não entrar “For fun”? E aí fodeu. Me apaixonei pela via. Não conseguia pensar em outra coisa. Fui pra casa pensando nos movimentos e nos dias seguintes dei mais pegas despretensiosos e cada vez via a remota possibilidade se aproximar. Eu nem imaginava que poderia conseguir. Mas sabia que tudo é treino, e que o “jogo da conquista” muitas vezes é mais legal que a conquista em si. Quando eu consegui mandar com apenas uma queda, e ainda por cima num sol de lascar, percebi que algo poderia sair daquela brincadeira. Mas precisaria descansar um dia, o que implicaria em estender a trip. Implicaria descansar no teoricamente último dia, e entrar nela na segunda feira. Mexemos uns pauzinhos e fiz acontecer de ficarmos mais 3 dias. No domingo fiquei de Chico-GriGri só dando seg, desci a trilha do G3 pro mandalla correndo. Comemos pizza e a Vanessa pagou a cerveja que ela tava devendo pelas cadenas na Lapinha e no G3. Na segunda feira foram embora a Vanessa, a Ju e o Cléber e ficamos Fagreg, Raul e Daniel (a Ursa tirou dia de descanso). Aqueci na Via nova do Antonio Paulo Faria, a BR-040 que fica do lado esquerdo (Ou EM CIMA, mais precisamente) da Diversão garantida, talvez seja um sextinho interessante. E não esperei muito pois apesar de chegarmos cedo no setor, o sol em menos de 1h estaria FRITAAAANDO na via. Pedi pro Raul alongar estrategicamente 2 costuras pra mim quando ele fez a Popopó. Entrei enquanto havia sombra. Descansei nos descansos. Usei o Beta da Ursa, da Júlia e do Daniel (que eu não tinha usado nos outros tentos). Executei a sequência com maestria sem errar. A sequência está na cabeça até agora. Uma via linda! Gostosa, benevolente, bem equipada, longa, negativa, com apenas um reglete opcional. Nossa, nem acreditei que saiu! Foda foi controlar a cabeça no descanso depois de mandar o crux. “Será que vou mandar mesmo?” Será que vou cair no próximo movimento?” “Se eu cair costurando a base, terá sido Cadena técnica?” Mas aí você entra num estado de concentração meditativo tão intenso que sua cabeça se limpa dos pensamentos e só o movimento que você está fazendo naquele momento passa a existir no universo. É um momento mágico que poderia durar pra sempre. Que é o que buscamos quando estamos escalando. É a meditação em movimento.

Depois disso ainda dei dois pegas na Especialidade da casa mas aí já não tinha braço pra nada. E no último dia entrei a vista na virgulino, no setor cangaço, mas tomei um espanco daquele cruxzinho lazarento, até que eu descobri como faz. O Efetivo estava cada vez menor, e o Raul também tinha vazado, tendo ficado apenas Fagreg, Ursa e Daniel. Eles ficaram malhando a O Cravo e a Rosa e a Virgulino enquanto eu fui dar uma seg pra Ursa (se lê URSHA) na Ética, também porque tínhamos que desequipar pois estava com as costuras da Ju. Voltamos no cangaço e mandei (já no doping na base do ibuprofeno) a Virgulino. O betinha do crux faz ela virar praticamente um 7a pra quem é alto! E no fim do dia apresentei o grupo Foda pra turminha e fizemos a Pra elas, Voce decide (o sextinho do lado esquerdo da pra elas né?) e mandei equipando a qual é a nota, que pra mim é a Ninhos versão 7b. Ah! Detalhe para o ataque das aranhas gigantes que a fabi sofreu na segunda! Uma caranguejeira daquelas bundudonas do tamanho da minha mão pulou de uma agarra da Diversão Garantida na Fabi!!!!!! A fabi gritou Pro Raul que tava na Seg: “Ahhhh Raul, uma aranha! Desce!” O raul ficou tipo o Chaves quando tem um piripaque e não desceu a menina. (Detalhe, eu vendo tudo de camarote ao lado). Aí a Aranha PU-LOU na Fabi ARACNOFOBIA STYLE!! Se fosse o Raul no lugar dela tinha tido no mínimo uma Síncope, mas mais provável um ataque cardíaco fulminante seguido de evacuação completa e imediata dos intestinos grosso e delgado. Mas a Fabi em seu lugar só deu um Matrix na Aranha, que caiu direto no chão. Vc bota uma fé? Depois descobrimos que a aranha fugia de uma vespa do tamanho de um pardal que põe seus ovos na aranha ainda viva, tipo Alien, o 8º passageiro. Esse dia ainda vimos lacraias, besouros, sapos gigantes e escorpiões. Segundo o Raul, tinha um Nazgul por perto, certeza.

Aranhas "RIGANTES" né Raul?

Aranhas “RIGANTES” né Raul?

No meio desses relatos todos teve um reveion, muita comida, “biritis”, confraternização no Mandalla, música, piadas, gargalhadas e mais gargalhadas. Mas também prefiro nem detalhar muito, prefiro lembrar do que eu senti, não do que eu escrevi. Vocês idem.

Que mais eu podia pedir? Que 2014 continue assim? Ta bom né?

Valeu demais galera, só tenho a agradecer a vibe, o final de ano maraviwonderful, incredilivable, alucinante! Estão todos no meu coração! Qual a próxima trip?

Bjos e até a próxima!