Finalmente escalada!

 

Hoje a mina que decora o post é a Matriarca Mór, membra fundadora, do São Carlos Pression Team, Naná!

Hoje a mina que decora o post é a Matriarca Mór, membra fundadora, do São Carlos Pression Team, Naná!

Pois é! Esse fim de semana recebemos a presença ilustre da Naná e do Rô diretamente do Rio de Janeiro! E no sábado rolou cuscuzeiro, blocos e festa junina geriátrica com direito a bingo e Raul cortando os pulsos. Domingo foi dia de Itaqueri com cadena tripla da Porra Julinho no segundo setor por Isabeto e Bia, e no primeiro setor da Via expressa pela minha pessoa, ambas 8a.

Ives prestes a alçar vôo

Ives prestes a alçar vôo

No Sábado ainda rolou o pega do Ives na Watch Me no cusco, um 6sup encardido que lhe rendeu tantas horas de vôo que ele acumulou milhas pra ir pra Europa já! E o Viado do Greg, com a ajuda da avó aqui que colocou um costurão na parada, mandou a via em flash! E o evento curioso foi a Naná ter rolado aquele grande boulder/bloco do tamanho de um fogão que tinha no pé antes da saída da Manga Com Leite. Foi bem foda, mas ela, mestre nas artes circenses, saiu andando em cima do bloco tal qual se anda em cima de uma bola! E no fim do dia ainda entrei num projeto de via nova que estou para abrir com o Beto e o Ives e que vai ficar muito legal, comprida, cheia de agarrões, fácil, e o melhor de tudo: Bem equipada! E o croqui, que já foi pra gráfica, já ficou desatualizado! hahaha

Shortinho da copa de 70, para a agonia deste que vos fala hahaha

Shortinho da copa de 70, para a agonia deste que vos fala hahaha

Ainda tivemos primeira vez do Caio na rocha, tendo feito a Mosquitos e a Visual e exibindo seu modelito (TOC ALERT) shortinho da copa de 70, que ouriçou os TOC´s não só meus, mas de outras pessoas! hahaha No mesmo dia ainda tivemos a fortíssima cordada feminina ISABIA fazendo as duas cordadas da 97 bons motivos, um dos meus sétimos favoritos no cuscuzeiro.

Cordada feminina na 97! Isa na seg e Bia vindo de segundo!

Cordada feminina na 97! Isa na seg e Bia vindo de segundo!

E tivemos o Whiper of the week no domingo, uma pena que ninguém filmou. O Ives destemido, pulou não clipou não conseguiu clipar  a última chapa da Intrusos a vista, tentou tocar pra cima e tomou uma bela voada, tendo rolado um momento “A cuzada” em uma raíz que tem perto do começo da via. Coitado foi quase empalado mas passa bem, ainda me deu a seg da cadena na Via expressa =D. O Rô fez a rapa em várias vias no arenito pra ampliar seu repertório e a Naná mostrou que apesar dos 850g em seu prato no Mamãe Natureza, ainda ta mandando muito com um pega super forte na Por via das Dúvidas, tendo mandado de primeira o primeiro crux e conseguido isolar o resto da via até o final!

E foi isso! Final de semana de escalada finalmente! Meu dedo ainda ta ruim, mas fodido por fodido truco e fui escalar esse fds e ainda mandei um oitavinho, ta bão né? hehe

Valeu Naná e Rô pela visita, vc´s são demais!

Ah! E praqueles que tão pedindo uma mochila igual a minha faz tempo, chegou na Quero Escalar! A mochila é feita pela Flora e pelo Tommy, que moram no pé do Anhangava em Quatro Barras e inteiramente artesanais com qualidade excepcional. Confiram aqui a mochila e se quiserem mais fotos é só pedir! Aliás, está cheio de novidades por lá! Além da mochila, as novidades incluem:

– fita fininha de dyneema

– um monte de sapatilhas e cadeirinhas novas! (Se depender da gente ninguém nunca mais vai escalar com Cadeirinha e sapatilha nacional ruim de novo! =)

– Tem também a Revista Montanhas! pra quem quiser adquirir a segunda edição.

– Chegou o R-Point, também conhecido como Grigri só que com preço mais acessível que o outro.

– O novo Lançamento da 4Climb, uma das melhores marcas do mercado Brasileiro de escalada, que reinventa seu melhor Magnésio SuperChalk através do novo Chalk Case com um recipiente para melhor transportar o velho e bom Superchalk na mochila, ótimo pras trips e pra não fazer muita sujeira.

– Chegou também a linha completa de calças da Hard Adventure, confira!

Sempre tem coisa chegando e tem coisa que nem chega e já acaba rsrsrs Mas o melhor vocês já sabem que sempre coloco preços justos pra vocês poderem escalarem mais e gastarem menos com equipos! Aproveitem! =)

Bem, é isso, tem um monte de vídeos que pretendo colocar até o fim da semana! Good crimb to you all!

Vento e cascavéis

Adoro fotógrafos Tchecos!

Adoro fotógrafos Tchecos!

 

Outro dia, por acaso eu encontrei um filme sobre a escalada no Wyoming. É tipo sobre a escalada no Mato Grosso 0.O haha Fala sobre a história dos escaladores locais, a evolução dos picos, presta uma singela homenagem ao Todd Skinner, famoso escalador pela maneira como morreu: Com uma cadeirinha de 20 anos toda fudida, ralada que estourou o looping durante um rapel em yosemite. No video mesmo um amigo dele conta que uns 20 anos atrás viu a cadeirinha dele, não dava coragem de pendurar nem um sapato nela que ia estourar. Ele pediu pra ver, pegou uma tesoura e picotou a cadeirinha, dizendo: Toma aqui 50 conto, vai comprar outra nova pra vc! E termina dizendo que alguém deveria ter feito isso outra vez.  Bem, entre outras passagens interessantes, mostra porque a cidade de Lander evoluiu tanto, como foi a conexão entre escaladores e comunidade local (não escaladense).

Uma coisa que me chamou a atenção foi que durante e desenvolvimento e abertura das vias em meados dos anos 80, teve a mão feminina no meio, e elas contam que quando abriam as vias, não simplesmente punham bolts na pedra, mas escalavam antes, pra definir os melhores lugares das clipadas pras vias ficarem seguras, limpavam agarras, blocos soltos, escovavam tudo. Vias estas que são clássicas e escaladas até hoje. Hehe tudo isso só pra alfinetar dizendo que a escalada no local evoluiu horrores porque as vias foram conquistadas de maneira segura e consciente, sem aquela coisa desprezível de rapelar do topo de uma parede com uma furadeira na mão (e um beck na boca) metendo furos aleatoriamente achando que vai dar certo. É preciso escalar a via antes pra saber bem onde serão colocadas as proteções para que a via fique segura.

Outra aspecto do filme é que os escaladores locais, depois de terem mandado todos os projetos da cidade, foram em busca de novos picos, e acharam um que fica 1h de carro da cidade, mais 1h de caminhada entre espinhos, sem trilha, com muitas cascavéis no caminho. E abriram um pico alucinante. Acho que as únicas desculpas que temos aqui é rocha podre, paredes com sol o dia inteiro (e no brasil é foda escalar no sol, principalmente no verão) e donos de propriedade ignorantes. Me senti tocado pelo filme e se antes eu já almejava fazer algo nesse sentido por aqui, agora dei uma animada 🙂 Então vejam o filme, que tem por volta de 1 hora.

 

Oficina do CUME

Aula teórica na sexta a noite..

Aula teórica na sexta a noite..

É já, foi.. e foi muito boa! Já faz vários anos que temos oferecido essa oficina de escalada para o pessoal que está começando a escalar. Nossa intenção não é formar logo de cara grandes montanhistas com mais conhecimento que o Rambo e um escoteiro juntos. Queremos que as pessoas que fazem essa oficina saiam daqui sabendo dar seg DIREITO, limpar vias COM TOTAL SEGURANÇA e sabendo usar e a verificar os equipamentos utilizados corriqueiramente na modalidade que mais cresce atualmente aqui na região (e provavelmente no Brasil todo) que é a escalada esportiva. Temos consciência que um final de semana pode ser pouco tempo, então trabalhamos esse pouco tempo e focamos no que realmente pode fazer a diferença. Muita gente começa a escalar e bate no peito dizendo que nunca fez curso, que aprendeu com um cara que fazia rapel na ponte em 1984. Nós respeitamos esse tipo de pessoa, mas oferecemos conhecimento e segurança para outro tipo de pessoa, aquela que começa a escalar e quer saber como fazer da maneira mais segura, e principalmente, PORQUÊ é mais seguro. Tanto as técnicas quanto os equipamentos estão em constante evolução (praticamente entrelaçados) e é importante estar sempre atualizado quanto ao uso e relação entre esses equipamentos e as técnicas verticais empregadas adequadas para cada atividade específica dentro do universo da escalada.

Eu como membro do CUME, com 10 anos de experiência em escalada, junto com outros membros do CUME com tanto conhecimento ou até mais, voluntariamente oferecemos essa oficina sem nenhum interesse lucrativo pessoal, apenas queremos que as pessoas escalem com segurança lado a lado conosco, uma vez que não tardará essas pessoas (muito antes do que se imagina) se tornam amigos e passamos a escalar juntos. O valor simbólico das inscrições é todo voltado para o CUME, o que é revertido em manutenção do espaço como na compra de agarras, chumbadores, equipamentos, estruturas para treinamento, colagem de agarras, etc… (manutenção essa que também é feita por nós mesmos).

A oficina, com 20 horas de duração sendo 4h de teórica e 16 de prática, frisa muito na repetição dos conceitos mais importantes para que as pessoas aprendam e saiam sabendo, inclusive identificar e corrigir outras pessoas que estiverem inadvertidamente cometendo algum deslize que possa vir a comprometer a segurança dela ou da pessoa que estiver escalando no pico.

Veja algumas fotos de como foi a oficina, onde 12 pessoas saíram sabendo realmente como fazer segurança pra quem está escalando, fazer o Partner Check e limpar vias com segurança:

Acima as fotos do sábado, onde eles aprenderam a fazer os nós, o Partner Check, a clipada e a dar seg guiada e de Top Rope de ATC e Grigri. Abaixo, as fotos de domingo quando puderam aprender a armar uma parada equalizada, dar seg para um segundo e limpar a via por rapel.

É isso galera! Não tenham dúvidas! Treinem, façam tudo sempre com muita segurança e não tenham medo ou vergonha de dar o toque se virem alguém dando seg errado ou com uma fivela aberta da cadeirinha, espalhem a palavra! =) E na dúvida, perguntem, estamos aqui pra isso!

Alguns ja tinham ido, mas aí estão os que restaram!

Alguns ja tinham ido, mas aí estão os que restaram!

Novo Pico de Escalada no Interior de SP

Falésia de Tremendal - O pico novo de São Paulo é tão legal que fica em minas!

Falésia de Tremendal – O pico novo de São Paulo é tão legal que fica em minas!

A Headline é meio sensacionalista mas é verdade. Esse fds conheci um pico novo muito legal com conquistas recentes, e muito potencial para mais. Tudo começou quando eu conheci o Everton de Franca, que estava hospedado lá no espaço mandala no Cipó com a Alice no Reveion. Conversamos um pouco e ele me falou desse pico novo do lado de Franca chamado Tremendal, onde eles estavam abrindo algumas vias. Pico com cachoeira, sombra, boulders, num quartzito com muitas agarras, bem propício. Já fiquei animado, e quando ele falou que ia rolar churrasco, consegui angariar 7 pessoas pra irmos em 2 carros passar o finde por lá.

Os detalhes de porque a gente combinou de sair as 5 da manhã mas saiu só as 9 vou deixar na imaginação de vocês, mas o fato é que chegamos em Franca as 11 e pudemos conhecer a Academia de Escalada ECOLIFE. Um conceito muito legal com uma pequena parede para vertical, mas uma mega estrutura de Boulder ímpar. Logo partimos pro pico, que fica próximo à cidade de Ibiraci e é preciso enfrentar 15 intermináveis km de terra para chegar no lugar, que é uma propriedade particular. Então, claro, todo respeito é bom e o dono gosta.

Comecinho do setor floresta

Comecinho do setor floresta

Fizemos a caminhada de 10 minutos do carro até o Acampamento Base, que é uma Mega árvore com vários blocos em volta, perfeito pra montar barraca, bivacar, armar rede, enfim, sombra sob o calor de rachar que fazia. Armamos as barracas deixamos tudo pronto e partimos pra mais 2 minutos de trilha conhecer o “pico” propriamente dito. Primeiro o setor “floresta” que é mais fechado e parece ter vias mais altas, termina próximo à cachoeira. Depois voltamos um pouco e já fomos para o segundo andar, onde resolvemos ficar e fazer a rapa no maior numero possível de vias que conseguíssemos. A idéia era abrir via também, mas no primeiro dia resolvemos escalar pra curar a ressaca a escalada estava tão gostosa, o time todo entrosado que resolvemos ficar curtindo o pico e o climb. Nos divertimos horrores, a escalada é muito gostosa, as vias muito bem protegidas, então é pra você curtir a escalada e não passar medo ou passar mal, no melhor estilo esportivo com um visual muito bonito.

Estávamos o Shimoto, a Júlia, o Gregson, a Fabi, o Ives, a convidada especial Mel, que veio de Sampameo, e eu. Foi massa porque todo mundo tava na mesma pegada: Opa, pico novo com várias vias encadenáveis, escalada à vista já! No fim do dia, quase escuro já, chegou o Artur, que é de Ribeirão, mas tem um pézinho em Bauru e agora meio que mora em São Carlos. E assim foi o primeiro dia, todo mundo entrando em tudo, fomos terminar de escalar lá pras 9 da noite. E olha como tava tão calor: Todo mundo caiu pro rio pra tomar banho 10h da noite! Com excessão do Ives que deu um migué monstro, todo mundo entrou na água e tomou o banho completo. Não demorou a água já estava agradável e dava pra ficar inteiro dentro tranquilamente (é que o lugar era meio raso).

O Churrasqueiro Everton que não deixou faltar nada!

O Churrasqueiro Everton que não deixou faltar nada!

E depois do banho, churrasco! Foi mto massa, o nosso anfitrião não deixou faltar Carne nem cerveja, muito menos batatas, cebolas e tomates no papel laminado para as vegetarianas. Teve até o repeteco do show do Rafa que animou a noite no 14º encontro de Londrina ano passado. E apesar de ter dormido pouco de sexta pra sábado e de sábado pra domingo, no domingo acordei cedinho, renovado, super disposto e pronto pra mais. Fomos pra bica do lado do carro pegar água e encontramos uma caranguejeira gigante preta na trilha do tipo que deixaria o Raul com piripaque (se bem que até as pequenas já causam esse efeito nele – essa era do tamanho de uma mão). Em seguida tomamos o café da manhã coletivo. Eu logo já fui pro pico com o Ives, que já tava animado pra furar também. Tinhamos visto vários locais em potencial para abrir via, mas em um dos setores a rocha parecia muito boa, super alta e com saídinha encardida. Fomos direto pra esse setor  e  Jumareei pela corda fixa que os locais tinham deixado no setor, (infelizmente não vou lembrar do nome de todos que conheci!) e no cume joguei a corda na linha que eu tinha flagrado enquanto subia.

Café

Tomando café da manhã, com a falésia ao fundo

Comecei a descer e rapidamente estava no lugar que havia vislumbrado bater uma parada, mas era meio duvidoso. Na verdade eu senti que não conhecia muito a rocha, pois no arenito só de olhar eu já sei se é podre ou um vidro. Mas ali é rocha nova e fui descendo até encontrar rocha suficientemente sólida pra eu bater uma parada. Decidi sacrificar alguns metros de uma escalada com muitos agarrões em prol da segurança, e foi melhor, porque no final das contas a via ficou com quase 30m!!

Parada batida, puxei outra corda e deixei o top armado com uma parada equalizada, backupeado na corda que vinha do cume. Desci e na metade inferior tive que escovar tudo pois tinha muuuito limo e musgo seco nas agarras. E tudo com uma escovinha de dentes kkkkkkk Foi puta trampo, ia magnando os regletes que da parede lisa iam pipocando e tornando a escalada possível. Cheguei no chão depois de quase 1:30h pendurado e dei uma relaxada rápida, bebi muita água e comi alguma coisa. Mesmo tendo ficado quase 1:30 no sol, as vezes vinha uma brisa da cachoeira o que não tornou a tarefa tão árdua. Na sequência entrei escalando de toprope pra definir os melhores lugares pra furar e por as chapas. Saídinha forte e logo um passeio até o final que já estava na sombra quando eu saí da altura da copa das árvores. A Jú entrou na sequência pra ver se a “altura” das chapas estava ok para os anões equiparem a via. A parada ficou poucos metros à direita do final vertical de uma fenda perfeita de uns 30m em z. Só que essa fenda tem vários blocos pra rolar, então já que tinha bastantes agarras pela direita deixei a via mais afastada dela (e pra não causar polêmica com chapa perto de fenda). Quando estava chegando na parada ela puxou um video-cassete que eu já tinha visto e desconfiado que tava solto. Gritou tão alto “PEEEEDRAAAAAA” que ela ficou rouca até chegar em São Carlos. O Everton deu um matrix se escondendo embaixo de um bloco, e a pedra caiu certinho onde ele estava!!

Via1

Tirando os moves pra ver onde é melhor colocar as proteções

Passado o susto concluímos que já estava meio tarde, então já subi pra furar. Foram 12 furos, 2 brocas e tive o cuidado de colocar uma chapa melhorzinha no crux pra economizar o mosquetão da galera. E o mais legal: quando estava na metade da via olhei pra cima e observei que faltavam 6 furos e eu tinha só mais duas baterias, então resolvi deixar um furo intermediário numa das partes mais fáceis da via para o final. Consegui felizmente furar os 5 furos que faltavam, e quando, já descendo, fui aproveitar pra fazer o furo que tinha deixado por último, a bateria acabou bem no comecinho! Fica a pimentinha na via pros amigos, quem já fez um 7c lá embaixo acho que não vai reclamar do esticãozinho de 4m na parte de 4º grau 🙂

Nem sei muito o que os outros tavam fazendo, mas sei que o Ives ficou ali no auxílio mandando as coisas pra mim enquanto furava, a júlia ajudou a definir a altura das chapas e a grampeação, e o shimoto deu aquela seg esperta no top e na cadena da Ju. O Greg subiu com o Ives lá no topo da falésia depois pra desarmar as cordas fixas e demoraram mil anos pra voltar. Ficou mal contada essa história mas tudo bem, eles estão no direito deles. E a Fabi tinha tomado uma picada na testa no dia anterior, acabou ficando mais na dela. A Mel escalou uma via com o Shimoto mais cedo mas depois também não resistiu aos encantos da rede e fez uma ciesta.

Furando a segunda chapa

Furando a segunda chapa

Duas horas depois de ter saído do chão pra começar a furar, estava de volta, exausto, acabado. Fiquei pensando nas escolhas que a gente faz na vida da gente. Estava ali porque eu queria, cansado, todo dolorido, não tinha obrigação nenhuma, mas eu queria tanto estar ali, estava me divertindo tanto, estava muito feliz. A cabeça a mil, o corpo nem tava aguentando tanto “malho” que vinha recebendo nos últimos dias. Tava tão cansado que deixei a via pro Shimoto equipar, depois deixei a Ju entrar pro FA enquanto eu tirava um cochilo, ali, em cima da corda do Shimoto mesmo. E quando ela chegou no chão, o corpo ainda esgotado respondeu quando eu mandei ele levantar e ir lá, que eu queria escalar aquela via tão bonita! Lembro que a hora que levantei a Mel já me olhou e passou a garafa de café, que eu tomei rapidão e já fui pra via. A Ju me proibiu de passar mag no crux, mas achei um entalamento de joelho tão bom que até pude me permitir. Fiz o lance, costurei da melhor posição (e não da agarra ruim que tem próxima à costura) e aí foi só dar uma respirada e tocar mais 25m de curtição. Subi re-limpando e re-assoprando muitas agarras pois não havia sido suficiente da primeira vez e lá no final da via ainda vinha um ar fresco da cachoeira, que maravilha! Acabei mandando a primeira repetição, e foi muito recompensador mandar uma via que acabara de abrir. O Grau sugerido ficou entre 7b duro ou um 7c suave, tem 30m praticamente e o nome é “Intercâmbio Cultural”, devido à essa troca de experiências tão gostosa que foi esse final de semana com o pessoal de Franca, em especial na figura do Everton da Ecolife. Obrigado pelo presente de me permitir fazer uma das coisas que eu mais gosto que é abrir vias, num pico tão incrível, bonito, num ambiente bucólico e escalar com pessoas que tem sido como uma família pra mim. Não vemos a hora de voltar! Tem muita linha pra abrir ainda, espero que ainda sobre alguma quando voltarmos! 🙂 Detalhe que ao sairmos do pico pra ir embora, não vimos um lixinho, nada, o pico ficou do jeito que estava como chegamos e como tem que ser!

E claro, obrigado aos amigos que me acompanharam ao pico novo, mesmo sem saber muito o que esperar, vocês são demais! Shimoto, Ives, Ju, Fabi, Greg e Mel:

Gratidão!

Capacete cheio de Poeira: Missão Cumprida!

Capacete cheio de Poeira: Missão Cumprida!

Retomando as atividades

O Link para as outras no final...

O Link para as outras no final…

Ninguém gosta de ficar parado né? Tipo, ninguém que escala e tem essa atividade proativa de sempre estar peenchendo seu tempo com atividades sejam elas físicas ou intelectuais que de alguma maneira agreguem algum conteúdo na vida e no desenvolvimento da pessoa não é mesmo? Bem, menos aquele seu primo que não escala e que compra a camisa original do Parmera, só toma cerveja, assiste big brother e vai em micareta não é? Ontem vi um vídeo do Cauê Moura no Desce a Letra que define muito bem algumas sensações que eu tenho cotidianamente. Ele diz que a Ignorância é uma benção. Porque outro motivo tem tanta gente alienada ouvindo musica ruim, estragando sua saúde gratuitamente, assistindo programas sensacionalistas com conteúdo violento fascista e achando tudo aquilo ótimo? Aquela História de que quem gosta de osso é cachorro, é pq nunca deu uma picanha (nem precisa tanto, uma pelinha de frango já funciona) pra ele. Mas enfim… Ficar sem escalar é um martírio, e é até cedo pra usar a palavra “voltando”, mas essa semana comecei um treinamento na Academia onde Isabeto já vem treinando há mais de 6 meses com garantia de sucesso e de cadenas insuperáveis. Nesse tempo o beto mandou a Tomara que seje, 10a, Caixa de Pandora 9b, a Pequena Grande Obsessão 8c e no último fds ele mandou a Xeque-Mate 8c. A Isa também vem mostrando ótima evolução com cadenas de sétimos gordos e no último fds ela mandou a Cactus Now, 7c no cuscuzeiro, via que eu tenho pânico de entrar hehehe

Enfim, comecei a fazer os treinamentos na Academia VIDA aqui em São Carlos de terça e quinta, e na Quarta Pilates na Equilíbrio Corporal  da minha amiga Simoni, que também está começando a escalar e apresentando progresso animador. E pra mim chega de moleza e de mimimi que agora quero voltar a escalar sem medo de ser feliz. Nem é preciso ir tão longe, escalar sem medo aqui no cusco pra mim ja tava de bom tamanho! Chega de ter medo de lesões. Ficar parado é foda pq aí qdo vai voltar, e depois de ter se re-lesionado várias vezes, fica mó cagão achando que um espirro vai inflamar seu tendão de novo. Aí vc fica cada vez mais parado, e atrofia todo o resto e qdo vai escalar tem que compensar, faz mais força no tendão, está mais pesado, enfim.. um circulo vicioso do qual essas duas atividades irão me ajudar a sair

Mas enfim, feriado chegando, muita gente indo escalar… Tive um insight tardio sobre o Croqui de Arcos, comecei Voltei a edita-lo mas não a tempo do pessoal que vai pra Arcos poder leva-lo… mas com certeza a tempo de utiliza-lo no fim do ano 🙂 Eu estava precisando mesmo dar uma desconectada do Croqui do Cusco pq tava meio saturado de só fazer isso a semana inteira, chega uma hora que acaba não rendendo mais!!

Enfim, dei uma adiantada no guia, quem sabe semana que vem não ta pronto? hahaha Não prometo nada, preciso pedir pro Alexsandro de Divinópolis que me passou bastante material, atualizações que to ligado que pipocaram várias vias novas por lá desde agosto.

E deixa eu colocar um vídeo aqui antes que aquele outro Blog Socialista de Esquerda venha furar meu zóio! Este que é um dos destaques da semana: Dani Andrada, sim ele! O Máquina, abridor de vias, inspiração para nomes de via como “Eu não sou Dani Andrada mas quero tentar” (não, ainda nao batizamos uma com esse nome). Tinha rolado um teaser desse curta umas semanas atrás e agora saiu na íntegra! Massa demais, daqui a pouco sai a avaliação no melhor estilo “VEJA O REVIEW DA PROPAGANDA DE CHICLETES QUE O ALEX HONNOLD FEZ PARA UMA EMPRESA DA COSTA RICA INSULAR”  hahahaha “me parto” 😀 Confesso que eu ainda não vi… “Mas a minha mulher viu falou que é muito bom, ma oeeeee

E já que o mote do post de hj é a retomada de atividades, que tal retomar as charadas? SIM!!!

Como assim mano?

Como assim mano?

E sob a temática do feriado, quem não for escalar meu pêsames, desejo um bom almoço com a sogra, os sogros e aquele tiozão cheio de contar história (o meu pelo menos é mto foda, meu herói! hahaha). Mas calma, que nem tudo são flores no reino da dinamarca, então, entre a plantação de uma mudinha de abobrinha na sua hortinha orgânica e o regar de sua plantação de hortelã e agrião para consumo próprio, que tal dar um uso decente praquela sua corda de escalada que está encostada? Hein!? É… assim segunda feira vc nao poderá dizer que seus equipamentos de escalada são seu “Kit-Mentira”  e poderá dizer que usou sua corda no feriado. Olha que legal que você pode fazer com ela!

Bom, essa semana foi fraca de vídeos (ou eu que trabalhei demais e não os vi) então fico por aqui. Quem sabe a partir de agora eu não volto a postar fotos de escalada de verdade? (que tá foda ultimamente!)

Deixo com vc´s algumas fotos que bombaram mais que videos essa semana e umas 5 pessoas lembraram de mim (GRATO, por esse motivo lembrem sempre! B-) ) que são algumas fotos do Dean Fidelman, responsável pelo seu calendário Stone Nudes. Sem mais para o momento… Enjoy.

http://www.supertopo.com/climbing/thread.php?topic_id=2267256

PS – O Gera (de Pira) pediu pra avisar que ficou com ele sem querer um mosquetão da parada de uma via em itaqueri…(nao vou dizer qual). Semana que vem ele jura que devolve!

Campeonato Caipira 2013 – Etapa Campinas

A torcida vibra a cada pé na mão!

A torcida vibra a cada pé na mão!

E continuando a série de posts sobre atitude positiva: O que foi esse campeonato caipira etapa campinas?! Quem não foi perdeu uma grande festa que começou sábado de manhã e só foi acabar no domingo a tarde. A escalada no Brasil pode estar no começo, ter suas falhas (Como poucos picos de escalada para – agora sim já ta até dando pra dizer – muita gente, ou gente que começa a escalar e bate no peito com orgulho dizendo que nunca fez um curso de escalada), mas sem dúvida nenhuma podemos dizer a escalada Brasileira tem PERSONALIDADE. E foi isso que a gente viu, o grande reflexo da comunidade escaladora brasileira no sábado em Campinas, lá no muro do GEEU. Todo mundo trocando idéia de boa. É como se você chegasse num lugar, não conhecesse ninguém, mas só porque todo mundo escala, já viram BFF melhores amigos! Muita animação, risada e escalada rolou sob o pano de fundo de uma competição que movimentou a comunidade escaladora interiorana, no que hoje é O MAIOR CAMPEONATO DE ESCALADA do estado de São Paulo (O que não é muito difícil quando se é o único, diga-se). Não vi os números oficiais, aliás, GEEUenses, aguardo número para divulgar aqui, de inscritos e colocações! Nas minhas contas tinha quase 40 participantes, tipo a Etapa em Sanca em novembro passado!

O São Carlos Pression Team foi bem representado pelas categorias de base e pelos fanfarrões do Master, que foram só pelo rolê e pra fazer social. Ta, ok, eu fui pra fazer social e dar rolê, pois o Beto e o Gui Quase que ganham a parada, não fossem as estrelas nacionais competindo de igual pra igual! As meninas também não fizeram feio, e eis que a caravana era composta por:

Thierry – O menino lobo que só come frutas e está conquistando o coração de todo mundo com seu bom humor e carisma, e acabou ficando em primeiro no iniciante, com 2 meses de escalada (sim, ele escalou pela primeira vez em 6 de abril deste mesmo ano).

Breno – Outro que vem se esforçando bastante e não decepcionou o time (ao contrário deste que vos fala) em sua categoria!

Mari – A menina criada com a avó no Apartamento mandou muito bem, matou a gente de orgulho e mostrou que a classe dos Nerds também tem vez na escalada (na verdade Mari, nós somos a maioria! 😉 ), tendo garantido um lugar no pódio com o terceiro lugar! E agora Mari? Próxima etapa vai ter que ir guiando hein? ;P

Bia – A Bia decidiu de última hora dar um balão na aula de sábado e partir com o time representar no campeonato!

Bia na Segunda via...

Bia na Segunda via…

Isa – A atual primeira dama do CUME também competiu na categoria feminino Não-iniciante (é que só tinha duas, iniciante e intermediário, mas eu chamaria de Master!)

Guilherme – O Mr. Escalada a vista fez bonito com sua escalada técnica cheio de graça e tirou vários aplausos da torcida (principalmente das meninas Cheerleaders do SCPT da Bia)

Beto – Betão saiu mostrando técnica e força misturadas numa fórmula que por pouco não garantiu lugar no pódio do Master! Foi mais uma vítima da agarra “Duna”, grande vilã que derrubou praticamente todos os finalistas já na saída da via da final… :/

Genjão – Até seria um fiasco se houvesse a remota possibilidade de um desempenho. A real é que teria sido mais feio não competir do que cair na primeira agarra da primeira via! O importante é estar dando risada com a galera dos próprios erros e tomar tudo como aprendizado! Mesmo voltando da lesão número 28, eu que nem ia competir, acabei de última hora contagiado por toda aquela vibe empolgante da galera.  Deixei as minhas expectativas nulas de lado e resolvi sentir o friozinho na barriga de escalar com a platéia, e, apesar de nem ter saído do chão por causa de uma bobagem qualquer – que garantiu comentários de quem assistia se eu não estaria equivocado competindo na categoria errada)- acabei escalando um pouco mais na segunda via do master, e, com um gritinho no melhor estilo Chris Sharma vergonha-alheia isso sim, encerrei minha participação nesta etapa do campeonato.

E também destaque para as Cheerleaders Marta e Marina(ã0)que foram só para assistir, torcer e jogar cascas de banana e tomates nos concorrentes, e passar maionese nas agarras aquela vibe esperta. Certeza que foram para tietar as sub-celebridades do Climb Brasileiro isso sim!

De noite ainda rolou baladinha, tava muito massa mas estavamos muito cansados e logo nos evadimos do local, ainda que a contragosto, pois já não estavamos aguentando ficar acordados: nos despertamos aquele dia as 6 da manhã, ficamos no sol, competimos e fizemos social o dia inteiro. Ficamos na casa do Lukinha, que mostrou uma puta hospitalidade ímpar, típica do Brasileiro, valeu mano! Mi casa su casa! Aliás, essa coisa de união de toda a galera é um pouco raro la fora (mas parece que eles estão aprendendo com a gente), parece que é mais coisa de brasileiro e é por isso que os gringos gostam tanto de vir pro Brasil escalar! O melhor de subir as preda tudo aqui no Brasil, é a galera embaixo!? Será exagero? Bem, não seria a primeira vez, mas também não é lá muito inverdade. Na verdade acho que é a soma dos dois fatores! Tipo quando a Bianca fala no Blog dela que muitas de suas cadenas se devem em parte por conta da vibe d@s amig@s, acho que tem muito disso na escalada! E no domingo ainda rolou um Climb na pedreira, foi bem massa, tava toda a galera que sempre encontramos no cuscuzeiro e Itaqueri, pessoal de Rio Claro, Hortolândia, Piracicaba e claro, Campinas. Deu pra socializar, nos passaram os betas das vias, foi apoteótico!

A Equipe Quero Escalar na concentração do Campeonato Caipira!

A Equipe Quero Escalar na concentração do Campeonato Caipira!

O que importa é a Vibe positiva que rola sempre nesses encontros, que a galera da escalada emana e que é muito legal, praticamente uma seleção natural: Quem não tem a vibe nem começa a escalar pq não ta na sintonia…. Portanto se vc tem a vibe boa, vem pro Climb vc também! 🙂

E é isso aí galera, daqui a pouco o vídeo que eu fiz com as celebridades durante o evento!

DIA D – Cuscuzeiro!

O Dia D no Cuscuzeiro - Você vai ficar de fora?

O Dia D no Cuscuzeiro – Você vai ficar de fora?

Todo o Brasil está se reunindo e combinando para fazer uma verdadeira invasão nos picos de escalada espalhados por todo o Território. Aqui no Interior não é diferente, mas ao contrário de outros lugares como Minas Gerais, que pode ser considerada a verdadeira Espanha brasileira no que se refere a escaladas e mulheres bonitas,  nós aqui em São Paulo somos um pouco carentes de picos de escalada, e os poucos que temos as vezes sofrem com o famoso “crowd”, que é o excesso de gente num final de semana. Há alguns anos não era assim, mas com o aumento vertiginoso do número de praticantes (leia-se aumento da média de QI da população) que a escalada recebeu nos últimos anos, torna-se mister que mais áreas sejam desenvolvidas para desafogar as atuais! Enquanto isso não acontece, alguns picos vem recebendo impactos que outrora foram mínimos, mas que devido a esse crescimento, está se tornando mais evidente pelo aporte de pessoas no pico. Mas é um mal necessário e uma situação passageira e que logo a própria comunidade se moverá para solucioná-la.

Mas voltando a falar do DIA D, ele é um movimento que tem acontecido nos ultimos anos pelo Brasil afora e visa ser um evento de proporções nacionais acontecendo simultaneamente em todas as cidades/picos de escalada do Brasil. É um dia para levar quem nunca escalou pra rocha ou motivar aquel@ seu/sua amig@ que escalou uma época e depois parou. É um momento em que todo o Brasil para pra escalar juntos em prol da escalada, que para os praticantes, é muito mais que um esporte, é uma filosofia de vida.

DSCN8767

Traga muita disposição!

Aqui no Interior a Ana e o Rafa do Escaladaint tiveram a excelente iniciativa de promover o DIA “D” em Itaqueri. Como sabemos que ali é um lugar que normalmente já lota bastante, e tendo em vista o grande número de escaladores da região, nós do CUME promoveremos então uma invasão no Cuscuzeiro para dividir os escaladores entre os dois picos, não dar Crowd (ou amenizar) em ambos e fazer a invasão ainda mais presente.

Mas não para por aí. Temos planos maquiavélicos de aproveitar a mão de obra especializada que se avizinha ao morro e organizar um mutirão para realizar uma manutenção das trilhas do cuscuzeiro (que não é feita pelas agências que exploram comercialmente o morro) na parte da manhã, e na parte da tarde a Escalada vai rolar solta! Então quem quiser vir ajudar, será de muito bom grado! Quanto mais gente, mais rápido terminamos! Há muitos degraus para ser arrumados em muitos trechos da trilha, muitos atalhos para serem corrigidos, muitos calços para ser colocados e até mesmo um pouco de sinalização ali ta precisando em certos lugares. Então quarta feira será o DIA D! Vamos fazer a nossa parte pelo morro que tanto tem feito pela gente, e dar o exemplo! Venha, traga uma pazinha, uma pazona, uma marreta, uma serra circular, serra sabre, uma motosserra, uma retroescavadeira (Não, isso não!) e vamos dar aquele talento nas trilhas tanto norte quanto sul e os acessos! Não esqueçam de chapéu, protetor solar, água, e claro… os Equipos pq depois tem pedra para ser apertada! 🙂

Será dia 1° de Maio, o dia Todo!! Cheguem cedo!

DSCF5049

Aí uma foto do Beto na última manutenção feita na trilha.. época que ele era Cabeludo… forte.. parecia um touro!

E aí, quem vai?

 

PS – O Foda é que vai ter gente que vai pra Itaqueri só pra não ajudar né seus putos! hahaha Aí já to vendo o cusco vazio e Itaqueri lotado, ao contrário do que devia ser!! Vai da consciência de cada um!