Bom feriado a todos!

Boas escaladas no feriado pra nós!!

Boas escaladas no feriado pra nós!!

Pois é, esse ano tem poucos feriados, e os poucos que tem cai no domingo!! Por sorte teremos este na terça então os paulishtashxxx invadirão terras mineiras para a anual peregrinação até a meca da escalada, o cipó. Outros por sua vez irão para o Rio dar um relax, passar nervoso na grande urbe (principalmente pra quem vem de uma cidade de 200mil habitantes e que vai de bicicleta pra todo lado) e nos esticões das aderências sem agarras da babilônia e da urca. Quem sabe algo mais desafiador? Hmm.. veremos 🙂

Pra quem é casado ou namora e obviamente não vai viajar no feriado, deixo aqui um comentário meu que fez o maior sucesso essa semana no face:

“…Sou super a favor do casamento gay. Eu sou é contra o casamento hetero, isso sim! Quantos amigos da escalada eu perdi por conta disso! Enquanto isso os viados dos meus amigos continuam todos escalando!…”

E vamos de vídeos pq eu tenho mais de 100 aqui acumulando!

Esse é pra quem tiver passando calor aí suar a mão… e quem tiver sofrendo no inverno saber que não está só! A via Speed, na Áustria, ou Suíça, um daqueles 11c’s que são tipo 30m de palitos de fósforos….

Pra vc que tem medinho de viver Guiar e de se aventurar sempre um pouco mais… fica a lição da Steph Davis sobre MEDO

Já que o assunto é vídeo-aula de autoajuda escalada, segue o ex mino da mina sobre o FOCO na escalada:

E se vc acha que isso é bobeira, veja o que logrou a escaladora com seu ímpeto e audácia…

E chega de lições e vamos ver um pouco de climb… Vídeo do Petzl ROctrip só que da North Face. É mais em formato de festival, todo mundo escala, tem pontuação, legal!!

E pra alguns que estão cansados dos mesmos picos… que tal variar um pouco? Diz que o pico agora tem setores na sombra e os escaladores locais não cobram mais pra vc escalar as vias deles! Como vc’s, Bocaina!

Paramos um pouco de postar vídeos de escalada pq agora eu vou postar um de boulder!! Na Pedriza, em Madrid… AProveitem pois estão regulamentando tudo por lá, e tão desequipando muitas vias, parece que tá uma zona de guerra o pico! Mas pros boulderistas tanto faz né, eles não clipam nada mesmo! hahaha

E agora um vídeo que fez meu mundo desabar. O grande mestre das escaladas em solo das grandes paredes… fazendo uma via de uma enfiada…. e SE FUDENDOOO PRA CLIPAR A PRIMEIRA COM CLIPSTICK!!!? Como assim José?! Até Tú HONNOLD Golias? Mas é um fanfarrão mesmo!

E falando em fanfarrão, e já que já foi um de boulder… vai outro: esse cara tentou fazer um vídeo diferente em Fountainebleau… terá ele conseguido ou terá sido mais um momento “Errou feio, errou rude”?

Tá, e pra acabar, como agora a moda é levar a meninona e a pitoca pra escalar, fica a dica!

Capacete sempre!

Capacete sempre!

Isso aí Galera, bom feriado a todos e Bora pra pedra escalar!!

AH! E pra quem Não for escalar e for pra Ubatuba só fazer Boulder, boas apertadas também!

Perca o medo de Cair – Parte I

Veja uma das melhores escaladoras do mundo voando: Alguma careta?

Veja uma das melhores escaladoras do mundo voando: Alguma careta?

À medida que eu fui evoluindo na escalada, fui tratando de melhorar cada vez mais cada aspecto da minha escalada a conforme eu ia sentindo o que faltava para fazer as vias que eu queria encadenar(e acho que nunca vai parar):

– Trabalho de pés: Fui pro granito aprender a usá-los melhor uma vez que não tem onde segurar ou apertar mesmo.

-Pressão: Treino na garagem de casa no murinho negativo com diversas pegadas desde abaolados a regletes e pincinhas.

-Resistência: Treino na Caixa d’água da Ufscar subindo várias vezes sequenciais sem desencordar, cada vez vias mais no meu limite, o qual ia aumentando. Basquete às segundas pra correr e suar, uma vez que não suporto correr.

-Técnica: Muitas viagens para escalar, por vários lugares, dando especial atenção à escalada à vista, sem betas, em vias abaixo do limite ou no limiar. Lembrando que escalada de verdade acontece na rocha, e que resina é apenas punheta treino.

-Foco: essa veio da motivação em querer muito encadenar uma via, decorar cada pedacinho dela e executar os movimentos de maneira centrada com precisão cirúrgica. Você ganha alguns pontinhos no quesito foco cada vez que encadena uma via acima do seu limite, em que você não pode errar, ou está escalando uma via no seu limite a vista. É mais facil se é numa via que você gosta, que te motiva e te da prazer.

E lembrando também que depois que você começa a guiar sextos graus, não tem mais Top Rope, que é um artifício utilizado basicamente para aquele seu amigo iniciante que está indo as primeiras vezes na rocha e não sabe guiar ou não tem ainda força suficiente para se sustentar nem nos quintos graus. Insistir no Top Rope é deixar de lado uma das coisas mais gostosas da escalada que é a “Aventura”, ou seja, aquela sensação, ainda que leve, de incerteza, de que o inesperado e o incontrolável podem acontecer tirando seu controle da situação. Update: “Escalar de Top Rope é como nunca tirar as rodinhas laterais da sua bicicleta”. Sem contar que guiando seu nível de atenção aumenta exponencialmente e seu comprometimento acaba sendo muito maior, o que aumenta seu nivel de aprendizado de maneira concreta. Uma queda na escalada, esportiva principalmente, é a coisa mais normal do mundo, e se você tem medo de se machucar, ou já se machucou, é porque você e seu parceiro de seg precisam praticar mais as quedas.

Ótima Sapatilha!

Ótima Sapatilha!

Aí chegou um dia que eu estava forte, fazendo movimentos técnicos, com a pressão em dia, com um ótimo trabalho de pés e…. desescalando e pegando na costura porque estava com medinho de ir para a próxima agarra, que, diga-se de passagem, era um agarrão. Me aterrorizava o fato de que entre soltar uma agarra de mão direita enquanto estivesse apertando um reglete bom de mão esquerda eu pudesse vir a cair. Sabia que a corda era nova, o bolt tava colado, a chapa era importada, a costura confiável, o nó bem feito e o seg firmeza. Mas nada disso me convencia. Tentei evitar. Tentei adiar. Tentei negar. Tentei fazer vista grossa. Mas não deu. Simplesmente o que estava fazendo com que eu não pudesse praticar o que eu mais gosto de fazer que é escalar, era o medinho de cair. Não era em todas as vias. Só nas que estivessem acima do meu limite, e que tivessem movimentos delicados com a costura pra baixo do joelho. E conforme eu fui mandando as que eram melhor protegidas, foi sobrando só essas. Até que um dia eu me cansei. Quebrei minha rotina de treinos que estavam sendo inúteis: Pra quê treinar no abaolado, fazer finger, perder peso, se na hora “H” eu ia falar “Retéeeeeesa” e descer? Peguei um seg firmeza que eu confio que não ia me dar uma barriga de corda sem eu ver pra eu cair mais porque ele acha que se eu tomar uma queda simplesmente eu vou perder o medo de cair e fui pra Ufscar treinar quedas. E descobri que o medo de cair não vai embora. Então não adianta você cair pra perder o medo. Conheço várias pessoas que pararam de escalar depois de sua primeira vaca. E outras que diminuiram muuuito o ritmo de escalada depois dela por terem ficado “traumatizados” por ela, por mais limpa que tenha sido. Eu descobri que para enfrentar o medo de cair e fazer movimentos com a costura pra baixo do pé, o que vc precisa é de uma predisposição cerebral, uma estratégia, um mentalgame, tipo quando a Sininho lhe joga pózinho de pirlimpimpim e você deve ter pensamentos felizes pra poder voar. Na verdade é exatamente isso. Mas você só vai aprender como funcionam os mecanismos dentro da sua cabeça pra fazer isso, fazendo. Pulando. Se jogando, fazendo um treino de quedas. O Dave Macleod dedicou um capítulo inteiro do livro dele “9 entre cada 10 escaladores cometem os mesmos erros” para falar só sobre o medo de cair. É ele quem esta segurando a evolução da maioria dos escaladores.

Medo todo mundo tem, como você lida com o seu?

Medo todo mundo tem, como você lida com o seu?

Por isso eu pesquisei na internet alguns artigos sobre o medo de cair, porque como eu sofri desse mal alguns meses (é como alcoolismo, é preciso estar atento e tomar vuadas constantes para o medo nao voltar) comecei a perceber e me incomodar que muitos amigos meus tem esse medo mas não admitem. Então percebi que muito se fala mas nada se faz nesse sentido. Cada vez mais vejo costurões de 1,5m nas vias bem protegidas, onde as pessoas escalam de “Autotop-rope” (lembro de um artigo que o Ale Silva escreveu uma vez – talvez na Headwall? – sobre isso). O medo de cair é uma realidade para todos, e a maneira de como encarar uma queda deve ser treinada constantemente. Achei um artigo muito bom na UKClimbing.com e vou postar aqui algumas destas técnicas. Como só até aqui o post já está imenso, vou dividir por partes para os coleguinhas que tem medo de ler e de cair possam agregar esse conhecimento e sair dessa Dark Zone do climb em que nos coloca o medinho de cair.

Sim, é normal!

Sim, é normal!

E você? Tem medo de cair? Já tomou uma bela voada com a costura pra baixo do pé? SABE cair? Não perca o próximo post com informações valiosíssimas sobre como negociar com o medo nosso de cada dia de decolar das vias…

Escalada de ano novo

Primeiro post, primeira foto do ano!

Primeiro post, primeira foto do ano!

Escalada de ano novo esse ano é no Cipó! O Genja está lá, mas ele deixou o Gerador de posts automaticos do WordPress trabalhar por ele… Esse post seria digamos, um psicopost ou um alter-ego…. Enfim… tudo preparado, e claro, ele deixou um presente de reis magos pra galera! São alguns vídeos que estavam aqui na meia e agora aproveito e compartilho com todos, aproveitando esse espírito “compartilhamental” de fim de ano.

O primeiro é da Sterling. Curto, belas imagens e belos vôos. Os mais chegados tão ligados que eu estou na empreita de aprender a voar e se desapegar do contato físico com a rocha e aprender a fazer melodia com o som do vento a medida que eu tomo grandes voadas numa via. Esse vídeo motiva e empolga! Você tem medo de tomar umas voadas? Let it go…

Ano passado no Roctrip encontramos, pedimos autógrafo, tietamos a Mayan Smith-Gobath. Ela é uma escaladora foda, do time Petzl, e se até então vc não a conhecia, ela foi a primeira mulher a mandar, ano passado, a primeira repetição feminina da via Punks in the Gym, na Austrália. Essa via foi o primeiro 10c do mundo aberto e escalado pelo Wolfgang Gullich em 85!! Tinha que ver a cara dela quando o Beto a cumprimentou pela cadena da via: Uma mistura de vergonha, humildade e orgulho… legal! 🙂

A monique forestier é uma das melhores escaladoras e destemidas do mundo, e acho que deve ter um pacto com o Simon Carter, melhor fotógrafo do mundo e também australiano. As fotos e vídeos dele são coisa de outro planeta, e somando ele com a Monique que é foda pra caralho, num dos picos mais fodas e belos do mundo, Verdon, na França, é receita de sucesso, boca aberta e mão suada.

Já esse é da Ashima, a prima mais nova da Fabi. Desta vez ela está de volta mandando boulders que um número de mulheres que da pra contar nos dedos da mão mandaram, só que ela está fazendo isso com menos de 10 anos de idade. Impressionante!

E para finalizar, eu pretendia fazer um post-homenagem ao Grande ídolo, junto com o Gullich, Patrick Edlinger, que morreu ano passado por problemas relacionados ao alcool. Praticamente o idealizador das competições de escalada modernas, foi o pioneiro e principal responsável pela realização dos primeiros ARCO ROCKMASTER na cidade italiana de Arco. Foi ele quem sugeriu que não se fizesse mais competições ao ar livre mas numa estrutura montada. Todo mundo riu da cara dele, e hoje as competições são o que são. Ele também que equipou falésias mundialmente famosas como CEÜSE na frança. Destaque para seu depoimento sobre a distância entre as chapeletas nas vias dele:

“…As vias tem poucas chapeletas, não porque somos tradicionais, somos contra as chapeletas, nem somos praticantes do mínimo impacto ou minimalistas. Naquela época nós moravamos no carro e não tinhamos dinheiro pra comprar chapeletas. Então com o que a gente conseguia a gente tentava equilibrar pra poder abrir o maior número de vias possível. Se tivessemos mais chapas, com certeza colocaríamos mais chapeletas nas vias…” O que é um tapa na cara de algumas pessoas que ficam defendendo vias mal protegidas (veja, eu Não disse esticada, disse mal-protegida, é diferente) alegando que na frança é assim porque eles são isso ou aquilo.

E por hoje é só pessoal! Espero que estejam aproveitando os primeiros dias do ano… Que o Genja ta lá no cipó escalando horrores e dando risadas mil! rsrs

Feliz  Janeiro Sasha!

Feliz Janeiro Sasha!