Práticas e Ética na Escalada Esportiva (Pode isso Arnaldo?)

Esse é o tipo de movimento dinâmico sem pés que a corda não pode interferir

Esse é o tipo de movimento dinâmico sem pés que a corda não pode interferir

Uma vez eu fui num médico por causa de minhas lesões nos dedos devido à escalada. Quando eu expliquei a ele o que eu fazia, ele me perguntou porque eu não subia pela escada. WTF???!?!!??Pra quem está de fora, nosso universo da escalada é um mundo a parte, e até mesmo quem já está a algum tempo nessa ainda não entende algumas “regrinhas” subliminares (nóias) que temos, e muitas vezes surge alguma cadena polêmica, que fulano diz que mandou a via a vista, o outro diz que não foi a vista, e um terceiro diz que nem cadena foi. Para orientar os escaladores, o site 8a.nu criou uma tabela de “regrinhas” que todo mundo sabe, segue, mas não está escrita em lugar nenhum. É basicamente o bom senso passado pro “papel”. Esse site 8a.nu pra quem não conhece, oferece um perfil para você cadastrar suas cadenas, e pra cada uma ele te da uma pontuação, dependendo do grau, se foi a vista, flash, etc… e com isso vc entra no ranking nacional ou mundial pra saber seu nível. A maioria das pessoas que eu conheço não liga pra isso, mas eu gosto porque fica um registro histórico das vias que eu escalei, os comentários sobre o que eu senti na época e um gráfico da evolução. Da uma olhada no meu por exemplo. Aí como tem um ranking, os playboy termina as vias pegando na costura da parada, sai com a quinta clipada, segura o pêndulo  do bote no meio da via pelo esticar da corda, tem a via inteirinha “beteada”, enfim, aí vai lá e coloca que mandou a vista no 8a.nu pra ganhar mais pontos e ficar na frente dos amiguinhos. Ou como diria o Bruno Marcondes, neguinho já entrou na via n vezes, mas aí vai lá e coloca que foi a vista. E aí os outros playboy fica putinho e eles ficam tretando pela internet dizendo que mandou ou não mandou (acho que até aqui vc não sabe se eu gosto ou não desse site né? kkk) e o bagulho fica engraçado.

Pra você que está começando e não está entendendo nada, a brincadeira é a seguinte: Toda essa galera que você conhece que já escala e faz essa tal de escalada esportiva joga um jogo cujas regras são as seguintes mais ou menos: escalar guiando as vias inteiras sem cair, sem se apoiar em pontos artificiais como as chapeletas, galhos de árvore nem sentar na corda pra descansar nenhuma vez. Só quando isso acontece podemos dizer que “MANDAMOS” uma via. Pra conseguir algumas pessoas escalam a via primeiro de TopRope, mas a maioria entra guiando mesmo e caindo nos pontos mais duros das vias que estão acima de seus limites, ensaia os movimentos até tê-los decorados e então entra pra “Mandar”.  Então, se eu entro guiando numa via, caio 1x no crux mas chego até o final, eu não mandei, a menos que eu entre novamente desde o chão, guiando, e faça sem nenhuma queda, logrando assim a famigerada cadena da via! Encadenei a via, mandei a cadena são sinônimos. Mas como ensaiar uma via ou “Fleshar” – entrar sabendo todos os betas – é mais facil que mandar uma via de primeira sem saber nada sobre ela, a tal da escalada à vista é tida como o estilo mais puro e que mais traduz seu nível atual na escalada, pois mostra realmente qual grau você está mandando por si só. Aí conforme você pode ter lido no post passado, nós alternamos entre mandar vias abaixo do nosso limite para aquecer, nos divertir, aprender um pouco de técnica, os movimentos, e mandar vias no limite e acima dele para nos desafiar e melhorar, ficar mais forte/técnico e consequentemente ter mais vias pra gente escalar abaixo do nosso limite depois que nosso limite é elevado.

Aí, pra não ter dúvida sobre como são essas regrinhas, não do site mas da maioria das pessoas de bom senso sobre o que você “pode” ou “não pode” fazer pra falar que mandou sua via, traduzi e adaptei uns 10% pra realidade brasileira novamente a tabela do 8a.nu sobre as regras de ética na escalada.

 

Eis aí algumas regrinhas que seguimos inconscientemente!

Eis aí algumas regrinhas que seguimos inconscientemente!

Tem algumas tipo desescalar que eu nunca tinha ouvido falar… também pudera né, acho que temos mais bom senso que os gringos hehe nunca vi ninguém guiando até a quinta chapa de uma via, depois desescalando até o chão pra depois entrar pra cadena e falar que valeu. Mas enfim, cada um cada um! E claro, tava incompleto o tópico sobre não chapeletar fendas, então adicionei um pouco do que tenho visto pelo Brasil afora, principalmente Minas e SP nesse quesito.

Tem um ponto que eu adicionei que não tem mto lá fora, (tem também, mas menos) sobre “VALE AQUELA AGARRA” ou não vale. Reza a lenda que quando o Chris Sharma mandou a via La Rambla, 9a+Fr (12aBR), o cara que tinha mandado pela primeira vez, o espanhol Ramonet, falou que o Chris Sharma usou uma agarra que não vale kkkkk Aparentemente não mudou o grau do crux (mas o ramonet falou que fica mais fácil com ela), era uma agarra aparentemente 30cm pra direita, e depois todo mundo que mandou usou também.

E aí, alguma polêmica? Acha que tem que mudar alguma coisa? Agora alguma cadena sua passou para a categoria “Curintcha”? (ou seja, vc colocou que mandou à vista mas tinha tentado a saída 5x e depois que saiu do chão não caiu mais?)

E por falar em Curintcha, vou colocar aqui um vídeo que me deixou meio indignado. O cara malhando um sei lá, nono ou décimo grau em móvel numa fendiquinha lazarenta (se pá até já pus esse vídeo aqui). Aì de repente faltando uns 5m pra fenda acabar ele da um puta dum curintxa e cai pra fenda da esquerda mais fácil que esteve lá o tempo todo e termina por ela, deixando a fendiquinha lazarenta pra direita. Ladrãaaaaaaaooooooooo! Pode isso Arnaldo?

 

E só pra dar uma decorada no post, vejam esse vídeo e entendam porquê morando em São Carlos eu não faço Boulder. Admito, eu gosto de boulder também… Adoraria fazer boulder num pico tipo esse, incrível! Ahhh, a grama do vizinho é sempre mais verde né? kkkkkkkk

Cada um cada um né? Mas esse próximo vídeo me faz lembrar que eu prefiro as vias hehehe

 

Encontrei um Equipo abandonado numa via… E agora?

Tinha que ter posto uma foto do stone nudes já que o assunto é polêmica né? ;)

Tinha que ter posto uma foto do stone nudes já que o assunto é polêmica né? 😉

Recentemente rolou uma treta entre um escalador polêmico que era daqui de São Carlos, e outro, que é de ficar mais na dele. O Polêmico pela segunda vez não conseguiu tirar um friend de uma fenda, que em teoria seria a conquista de uma nova via, que acabou não se concretizando e o friend ficou lá. Todo mundo passava por lá e via aquele frendão “xuxado” na fenda mais ou menos a 2,5m de altura, ao alcance de qualquer um que conseguisse removê-lo. Eis que mais de um ano depois, chega o rei Arthur e consegue tirar a excalibur, que de tantas tentativas fracassadas de remoção, estava um farrapo, com os cabos de aço destruídos e as molinhas empenadas.

Algumas semanas depois o polêmico solta pelas listas de discussão que estava emputecido porque tinham “roubado” seu friend – também conhecido como peça móvel, daquelas que se coloca e tira da rocha, não gerando poluição visual. Bom, passada a treta, caso encerrado, ambas as partes chegando num acordo. E eis que na revista NorteAmericana Climbing de Maio sai uma pequena matéria sobre como proceder em casos como este.

Revista Climbing - Maio 2013

Revista Climbing – Maio 2013

E a matéria é curtinha, mas vai mais ou menos assim:

O Tesouro dos Escaladores

Um Brilho no meio de uma via chama sua atenção. Seu coração bate mais forte. Suas mãos começam a suar. Será que é? O Santo graal de todo “Escalador Micróbio” e entusiastas? Sim, é isso mesmo! Uma prêmio!! E agora, o que eu faço com isso?

Metade da graça em encontrar esses “prêmios” – Equipamentos abandonados – é que eles são de graça. A outra metade é que você conseguiu tirar um equipamento entalado que ninguém mais conseguiu. Mas o que você deve fazer com ele? Fica pra você ou tenta devolver pro EX-dono? E mais importante: Você deveria tê-lo tirado de lá, pra começar? Aqui estão algumas regrinhas de etiqueta desses tesouros brilhantes que vão ajudar-lhe a tomar decisões responsáveis sobre qual equipamento você pode chamar de seu.

  • Mosquetão sozinho numa chapa no meio de uma via.
    • Provavelmente um mosquetão de abandono. Pegue-o e use-o quando tiver que abandonar uma via.
  • Uma costura perdida no meio da via.
    • Depende se a costura foi deixada como abandono ou num lugar de difícil remoção (tipo no começo de um teto). Na dúvida, deixe-a. *Nota do tradutor: Costura presa na chapa com malha rápida é parte da via, deixada pelos conquistadores ou pela comunidade local normalmente no crux. Se a fita (sling) está muito acabada e você tem uma sobressalente, não hesite em trocar, a galera agradece!
  • Uma via inteira equipada com costuras:
    • É o projeto de alguém e ele ou ela deixou as costuras na parede porque está trabalhando os movimentos da via e vai voltar pra mandá-la (ainda que no dia seguinte). Alguns picos esportivos possuem “perma-draws” (algo na tradução literal como perma-costuras – ou costuras permanentes) em vias muito negativas (onde limpar a via é muito difícil e trabalhoso) ou nas que têm muito “tráfico” (pra agilizar o processo).
  • Uma peça móvel numa via trad: Se ela estiver bem entalada lá, praticamente cimentada, é provável que seja uma proteção fixa, o que significa que todo mundo a usa (mas que você deveria usar com backup!). Veja se na descrição da via no croqui não fala nada a respeito pra ter certeza. Se alguém simplesmente não conseguiu tirar e você conseguiu, é seu. Contudo, se você viu ficar presa, ou se tem gente escalando as enfiadas acima de você, devolva.
  • Devolva equipo encontrado:
    • O esforço para devolver um equipo normalmente é proporcional ao valor. Quanto mais caro, mais vc tenta. Se é um pedaço de sucata, nevermind. Deixe pendurado pra fora da mochila as peças pra todo mundo ver; Deixe uma nota no abrigo ou com a galera, ou coloque na lista da hangon, femerj, cume, femesp, etc.. Depois disso colha a recompensa Kármica de devolver o tesouro encontrado! (e não vale devolver só com 8 o jogo de 10 costuras que vc achou dentro da sua mochila, que isso lá no Cipó tem outro nome!)

(Acaba aqui a tradução)

Sempre que nós achamos equipos abandonados no cuscuzeiro colocamos nas bases das vias: Algumas já tem mosquetão com rosca, principalmente em locais sem acesso a rapeleiros, então vc termina seu 8a, coloca uma COSTURA SUA e desce. Se ninguém mais for entrar na via AÍ SIM você pode usar o mosquetão pra limpar a via de baldinho. Não fazemos isso em itaqueri pois um FÉLA roubou todos os mosquetões das paradas das vias e já estava começando a roubar as primeiras chapas das vias (PRA QUÊÊÊÊ???).

Bem, então é isso, se encontrar um brinquedinho novo e ele estiver em condições tente devolver, se não parabéns, no jogo de sorte ou revés hoje você tirou Sorte! O dia que tiver que abandonar uma via na metade, terá sido revés (incompetência mesmo! kkkk) Mas lembre-se que mosquetão em base de via é pra LIMPAR a via (NÃO pra armar top rope) e que malha rápida no crux é pra galera que não manda o lance poder abandonar (porque aqui no brasil é foda abandonar uma costura no crux! Na verdade o mais comum é abandonar um cordim né, pq uma malha rápida em certos lugares ta mais caro que um mosquetão, ta loco! (Não na Quero Escalar 😉 )

É isso, e não percam o próximo post-homenagem com uma notícia bombástica… (velha, mas que ninguem ficou sabendo).. Aguardem..