Pra videar…

Não, não é na Grécia, é na Itália!

Não, não é na Grécia, é na Itália!

Calma, não é Viadar, é videar, no sentido de ver vídeo! Todo mundo sabe que tenho muitos vídeos acumulados, então vou desovar alguns aqui:

Começando com um vídeo bem ruim. Lembrei do Animal na hora que vi esse vídeo. A palavra que me veio na cabeça quando vi esse cara escalando foi: “…grandão bobão”. O Beto, a Isa e eu vimos o Nick Duttle pela primeira vez no Petzl RocTrip e achamos que ele devia ta com o Philipe Ribiere, pq ele é muito feio, parece o Sloth (Chocoolaaaateeee) dos goonies! Só que ele escala. Não é um Adam ondra super técnico, é um grandão bobão forte que perde os pés toda hora. Mas manda 10c né manolo? É a esperança para os grandões bobões como eu que usam bonézinho pra trás, camiseta verde e uma Scarpa no pé! Momento TOC pro Shortinho da copa de 70! Se vc tem mais que 1,85, NÃO USE shorts que vai até o Joelho: A cadeirinha faz com que fique parecendo o short da Funai.

Agora um video totalmente o oposto: Graça, leveza e suavidade numa das vias mais concorridas de Rodellar, um daqueles supracotados ônzimos que tipo, em Igatu seria um 10b, e em rodellar é 11b. Mas o vídeo é bacaninha! Não é o melhor vídeo de hoje, mas tem seu charme.

E agora sim, a Nina em dois vídeozinhos pra alegrar o seu dia. O primeiro na via Peixe Bola Gato Fish Eye:

E nesse malhando um 10b com a Melissinha Le neve, ironicamente o melhor 10b (8bFr) do mundo hehehe

E pra quem não sabe, rolou no fim do mês passado o PETZL ROCTRIP 2013. (WHAT?) POis é. Acho que foi meio traumático toda a burocracia, dor de cabeça e suborno aos policiais argentinos e esse ano eles reduziram o evento de 2000 pessoas para 300 ali no quintal de casa mesmo, onde já tinham sido uns 4 ou 5 outros PRT: Millau, mais precisamente no Gorges du Tarn. Também serviu de incentivo pra reaberir o local que teve varias vias regrampeadas apos um acidente algum tempo atrás.

E já que o PRT desse ano foi tímido, praticamente pelo lúdico, Esse ano pelo jeito o que vai bombar será o The North Face Kalymnos Climbing Festival. Só Negativos de agarrão. Sombra de manhã num lado, veio o sol, muda de setor, e por aí vai. Oitavos, nonos, décimos, ônzimos de 30, 40, 50m de continuidade de patacão em patacão. Ai meu pai… Será?

Ta, e pra acabar, por enquanto, um que saiu faz um tempo: uma mina mandando uma das vias que são pros EUA o que a Heróis é pra gente: Um marco na escalada esportiva. Só que sem agarra nenhuma. Vocês lembram da Speed no post retrasado? Pois é… tipo aquilo:

Vídeos de escalada para todos os gostos

Andrea Cartas é tipo a Janine Cardoso na espanha ;)

Andrea Cartas é tipo a Janine Cardoso na espanha 😉

Bom, vou colocar rapidinho uns vídeos que eu estou acumulando aqui ha alguns dias, todo mundo gosta dos videos, das fotos, então ninguém vai sentir falta do gerador aleatório de blá-blá-blá do Genja hehehe  E preciso por estes vídeos porque ja estamos todos comentando sobre eles, e se vc não os viu, e provavelmente não os viu porque foi escalar no carnaval e não ficou no computador Twitando ou foi pq Bebeste. Anyway, se vc nao viu vai ficar boiando…

E já que viemos em ritmo de (festa, ma oee) carnaval, um vídeo bem fanfarroneado de um polonês escalando na Espanha e mandando tutooo um 8c+ em Oliana, a nova falésia da moda esportiva mundial.  LE PONN PUCHEEEEEEEE

E só porque eu sou fã dos italianos, vai esse de boulder: Christian Core, um dos escaladores boulderistas mais fortes do mundo malhando o que pode vir a ser o primeiro V17 do mundo, um 9A de boulder. Patrocinado pela melhor marca de sapatilhas da face da terra: SCARPA! A-d-o-r-o! (Né Ives?)

E falando em Scarpa, vai aí um videozinho curto de uma dessas feiras de artigos outdoor que tem realmente artigos outdoor e não bolsas Louis Vutton camufladas para o público “madame-paulistana-que-vai-ao-sítio-em-Atibaia-na-semana-santa”. Mas O Foco do vídeo é o cara da Scarpa falando sobre a a linha Instinct, que eu tanto adoro, e sobre o novo lançamento da nova Instinct de Velcro. (SHUT UP AND TAKE MY MONEY)

Bom, e se você voltou do carnaval animado pra treinar,(se não procure um psicólogo) vai aí um vídeo de treino bem legal do Sean MColl mostrando como esmirilhar seus tendões em apenas uma sessão de treino 😉

[update] Tava esquecendo do vídeo da Andrea Cartas, que mandou seu segundo 8c (11a Br) na espanha recentemente. Neste vídeo aparece ela mandando o primeiro, White Zombie, na gruta de Baltzola, no país Basco. Tem o da segunda cadena tbm por aí, mas nao ta la grandes coisas entao nem salvei.

Todo mundo sabe que eu pago maior pau pro Cedar Wright. E nem é porque ele escala tudo isso não, é mais porque ele faz as coisas muito bem feitas (música, vídeos, edições, e até mesmo algumas escaladas). É um cara bem “multifacetado” do tipo que lava, passa, cozinha, lava louça e ainda põe o lixo na rua hehehehe Vídeos dele são na maioria das vezes sinônimo de coisa nova. Destaque para o cachorro giroletando no ar em Slowmotion (acho que a melhor parte do video hehe)

E se você vai fazer um vídeo de boulder, que já é chato, que tal usar a criatividade pra fazer uma coisa grandiosa? Mano, olha que legal o que esse casal conseguiu fazer com poucos minutos de cenas de boulder (também, qualquer vídeo de boulder com mais que isso é bom pra por as crianças na cama). Destaque para o casal Instinct, ela de Sliper e ele de Laces. Please Scarpa, send me the new Instinct VS to try and say good things about it! Grazzie! Detalhe também para o momento igual daquela via de itaqueri entre a motor de lancha e a sinos do barão. (Só os fortes entenderão)

Na sequência, um excelente vídeo Brasileiro que superou minhas expectativas: NO ROPES NO BOLTS. Do Felipe Dallorto e da Flavia dos Anjos. Muito legal a produção, peca um pouco pela falta de FullHD (só esta em 460 no youtoba). Mas o vídeo é legal e prende bem a atenção, os 40 minutos passam rapidão. Fizeram um video muito legal com não tanta escalada assim, aproveitaram do lugar, da historia, das vias, dos locais, ou seja, tudo muito bem encaixado. Legal! Só a parte que eles vão para o GRIT-ISHHTONE no meio que ficou estranho, pois eu esperava que ia ser metade metade, mas quando o filme volta a mostrar Mallorca eles entretêm tanto que nem dá nada!

E no final mas não por último: este vídeo sobre uns russos que vão fazer um bigwall pela primeira vez em yosemite. É interessante de ver os perestroikas treinando com shortinho da copa de 70 em Utah e depois fazendo dedicatoria pra namorada… é outro jeito de ver nossa mesma escalada 🙂

Agora sim, pra finalizar, não podia faltar a alfinetada do dia. O vídeo que TODO BRASILEIRO DEVE VER: Muito Além do peso. Mostrando o lado GORDO da moeda dos alimentos gordurosos e cheios de açucar. Mostra a determinação das crianças em querer emagrecer – em alguns casos – ou de fazer birra e os tontos dos pais darem tudo que ela quer até ela explodir de gorda. É o que eu sempre falo, o problema não é a pessoa ser gorda, o problema é ela comer que nem uma filha da puta pra curar a ansiedade, e depois não fazer exercicio, nem um esporte, e reclamar que a vida é injusta. Um atenuante é que ninguém é obrigado a saber que essas merdas tão gostosas que a gente come fazem tão mal, faz parte da cultura de um povo a questão da cultura alimentar, e no nosso país estamos perdendo isso: Tanto por pais que dão tudo o que os filhos querem e tem preguiça de cozinhar e fazer comida de verdade, quanto da propaganda que vende essas porcarias como se fossem obrigatórias para vc ser uma pessoa normal, iludindo quem não tem senso crítico suficiente para poder discernir entre o que é bom realmente e o que é veneno que ela está ingerindo. Lamentável! Depois vai escalar não sai do chão não sabe porquê?!

É um documentário de mais de 1h, então põe aí nos favoritos e assista amanhã a noite quando você chegar em casa E come um miojo com nuggets

Bom, e chega por hoje pois apesar de eu ter sido sucinto, tem video pacarai. Bom finde, e até a semana com a segunda parte do Artigo sobre móveis! Dessa vez falando sobre cadeiras de balanço e criados mudos. kkkkkkk

Perca o medo de Cair – Parte 2

Natalija Gros em alguma competição

Maja Vidmar em alguma competição

E continuando a saga sobre quem tem medinho de cair, vou colocar agora o artigo traduzido que eu havia mencionado, que ensina a técnica do “Clip-and-Drop” para ir se acostumando com voadas. Vocês estão preparados? Então vamos lá:

Existe uma maravilhosa sensação de liberdade quando você consegue esticar pra cima da última costura, escalando no seu limite, totalmente consumido pelos movimentos.  Se você não tem medo de cair, você pode aproveitar a sua posição, chacoalhar os braços e relaxar em agarras boas, clipar a próxima costura sem tremelicar e deleitar-se com a sensação de conquista quando você chega na parada da via. Acredito que podemos concordar que todos gostaríamos de guiar próximo ou no nosso limite físico tanto vias esportivas quanto trad’s bem protegidas.

Alguns de nós conseguem fazer isso, mas muitos de nós não. A maioria das pessoas funciona bem dentro da zoninha de conforto, guardando (ou economizando) muito do nosso potencial. Podemos ser capazes de escalar próximo do limite quando a costura está pertinho e escalar pra cima dela se os movimentos são fáceis, mas uma vez que temos que dar o máximo que temos, desescalamos e voltamos como um navio afundando.  Guardar um pouco da nossa energia é uma tática essencial obviamente, especialmente se a proteção é precária e uma queda poderia acarretar em consequências desastrosas, mas normalmente os escaladores falham em vias bem protegidas por pura falta de força mental para escalar acima da proteção. Muita gente desescala, pega na costura ou pede pro seg retesar e senta na cadeirinha (ou as 3 coisas de uma vez) quando se vê tendo que encarar movimentos desafiadores ou esticões.

Muitas vezes, não é porque não conseguimos fazer os movimentos, mas porque estamos com medo de cair. Isto não se aplica a todos nós, mas é comum.

Se você está escalando tranquilamente com a costura pra baixo do pé, inclusive perto de seu limite físico, este artigo e o vídeo não são para você.

Se você tem medo de cair, medo do que vai acontecer se sua mão abrir e você cair rumo ao vazio, este artigo pode te ajudar. Talvez você esteja sempre olhando na sua cadeirinha pra ver se o nó está bem feito ou se a fivela está com a terceira passada. Você pode não confiar no seu seg para te segurar, ou você pode ter um medo irracional de que a corda vai estourar. Tudo isso pode ser superado.

Podemos treinar nossos dedos, força, flexibilidade e resistência. Nós podemos aprender como colocar as proteções na rocha, mas você consegue treinar sua cabeça? Você consegue se tornar um escalador mais ousado?

Alguns dizem que ou você tem “aquela coisa” ou não. Outros dizem que basta apenas sair para escalar, um pouco por vez e você vai ganhar confiança e ficar mais à vontade.

Sair pra rocha e escalar regularmente é muito importante para confiança mas também tem uma técnica que você pode usar pra ficar mais corajoso. É a técnica do “Clip-Drop” ou Clipa e Cai que pode ser praticada na sua academia local. Você pode não acabar como o Dave Macleod, Chris Sharma ou o Adam Ondra, mas você certamente vai conseguir desfrutar mais da sua escalada se você conseguir ficar mais à vontade com a idéia de cair quando estiver pra cima da costura.

Voando!

Voando!

A Mente, por Adrian Berry

Medo Irracional

O medo irracional número um é simplesmente o medo de cair. Nosso instinto primitivo de que cair é ruim é muito forte. O pensamento racional de que você está relativamente seguro não é pário para milhões de anos de evolução instintiva. Mas uma coisa é chave: se você quer alcançar todo seu potencial na escalada, quedas devem ser aceitas como uma parte inerente do esporte. Cair é uma coisa muito estressante porque você pode escalar a vida inteira e nunca tomar uma vaca. Essa falta de costume faz com que o medo de cair cresça e quanto mais tempo sem cair, mais dificil vai ser para superar esse medo.

Aqui estão cinco coisas que você deve fazer para se livrar do irracional medo de cair:

1. Nunca pegue nas costuras.

2. Não segure na corda quando estiver descendo de baldinho.

3. Entre numa via e faça a técnica do Clipa-e-cai

4. Tome vacas.

5. Incorpore quedas na sua escalada.

O que é a técnica do Clipa-e-Cai?

Você escala uma via numa parede de escalada e quando você chega numa altura segura você clipa sua corda na costura e simplesmente solta e cai. Aí você escala até a próxima costura clipa e cai, e vai fazendo isso até você chegar na parada da via (e claro, clipar e cair).

Há variações sobre este tema, mas essencialmente é isso.

Dicas para o Clipa-e-Cai por Kate Phillips

A técnica do Clipa-e-Cai é algo que você deve incorporar em cada treino. O objetivo é ficar confortável com as quedas com pequenos estágios sucessivos e lentamente condicionar-se para apreciar a sensação de estar caindo. Forçar-se a tomar uma grande voada – “Você só precisa pular estando pra cima de uma costura várias vezes e você acostuma com a queda” – para muitas pessoas simplesmente reforça a idéia de que cair é assustador porque você encarou uma grande quantidade de medo antes de pular e tudo o que você acaba conseguindo é provar que você tem uma grande força de vontade para perder o medo. Como isso ajuda você a não pensar em cair quando estiver guiando uma via no limite?

É preciso colocar-se ligeiramente fora da zona de conforto e experimentar um nível de “stress” baixo repetidamente até você ficar confortável com a prática e aí sim ir para o próximo nível. Isso então irá expandir sua zona de conforto. O medo de cair em paredes artificiais ou em vias esportivas bem protegidas é um medo irracional. Elimine esse medo irracional e sua cabeça estará limpa para você aproveitar sua escalada e ter um desempenho melhor. Abaixo estão algumas dicas para ajuda-lo(a) com a técnica do Clipa-e-Cai. 

Seu parceiro

Você precisa de um seg que você confie. É essencial que ele tenha boas habilidades para assegurar. Ele precisa saber dar a seg “dinâmica” mas não te deixar cair um quilômetro. Vocês devem se comunicar bem. Ajuda se ambos forem conscientes das fraquezas um do outro e apoiarem-se mutuamente.

“Durante uma sessão de treino de quedas eu gosto de testar a ligação entre o escalador e o seg.

Ambos devem sentir-se ligados pela corda e o escalador deve sentir-se encorajado e seguido pelo seg. Essa é obviamente a essência da Segurança Dinâmica – O seg literalmente segue o escalador durante a queda e o assegura.

O Seg não é simplesmente um Gri-Gri móvel passivo, mas uma parte ativa e essencial no empenho de perder o medo de cair.”

Alan Carne, Guia Certificado (Brevet d’Etat Escalade)

Que tal incorporar treino de quedas em todos os treinos?

Que tal incorporar treino de quedas em todos os treinos?

Seu Equipamento

Se você está escalando e pensando que a cadeirinha que você está usando já viu dias melhores, e pensamentos como “quando foi que eu comprei ela mesmo?” ou “Será que tá muito gasta?” vêm constantemente à sua cabeça fica difícil relaxar e seguir com sua escalada. Sua cadeirinha e corda devem estar em boas condições. Você deve ter plena confiança em todo seu equipamento (e o que está na parede – pergunte para quem dá manutenção na parede sobre como as coisas estão só pra ter certeza e você ficar mais tranquilo).

Seu freio

Seu freio deve ser aquele que o seu Seg está habituado a usar e ser apropriado para o diâmetro da sua corda. Mas se você estiver usando uma corda simples de 9,1mm num ATC um monte de corda irá correr e o escalador vai ter uma seg bem dinâmica – talvez até demais resultando numa inesperada queda até o chão dependendo do lugar! Um Gri-Gri é ótimo para o clipa-e-cai, isso se você (e seu Seg principalmente) souber usa-lo.

I BELIEVE I CAN FLY.....

I BELIEVE I CAN FLY…..

E por hoje vou parar por aqui. Mas não acabou!!! A próxima parte é sobre a segurança dinâmica, que merce um post inteiro só sobre ela (Nada de retesar corda quando seu coleguinha estiver tomando aquela voada hein pessoal! Quanto mais cair, melhor!) Ficou intrigado com essa história de deixar o parceiro cair mais? Calma, não perca o próximo episódio de: Perdendo o Medinho de cair!

O Cipó já não é mais o mesmo… É muito melhor!

Gui na famigerada "Atretas do Craimbe" no Rod

Gui na famigerada “Atretas do Craimbe” no Rod

Primeira trip do ano não poderia ter sido pra lugar melhor! Pra começar bem 2013, peregrinação até a MECA da escalada esportiva no Brasil!!! Fomos a Isa e eu de bumba no dia primeiro de manhã, chegando lá a noite e na manhã seguinte chegou a Bia. Nosso anfitrião é na verdade o Gui, que apesar de ser Beaguense (aquele que nasce em BH), se radicou aqui no São Carlos Pression Team. Primeiro dia, para ganhar tempo, fomos num sítio ainda inexplorado: o Rod! A Bia e eu não conhecíamos e nos divertimos horrores no setorzinho “boas vindas” (G2) aquecendo em clássicas como “Atretas do Craimbe” 6sup e “Tapa na Aranha”  7a. Tive a felicidade de mandar um dos 7c’s mais famosos do Brasil no segundo pega: a “Sedativa”. Uma via curta, com saída de teto e um move de boulder ligeiramente explosivo logo na sequência. Ainda tivemos a oportunidade de fazer em flash outra famosa: Gables in the lables (se pronuncia GAIBOUS IN THE LEIBOUS, mas suponho eu que a escrita seja em inglês). Ainda depois fizemos mais uma que eu não faço a menor idéia do nome, talvez um 6° ali atrás. E firmeza, primeiro dia tudo lindo, tudo azul, janta na tia Preta (#FIKADIKA!!!!!) e bora pro nosso esquema, no meio do caminho entre cipó e lagoa santa.

Segundo dia foi G3. Todo mundo animado, fomos sedentos por novas vias no setor da “Perseguida”. Simplesmente SEN-SA-CIO-NAL . Só que antes a gente deu uma aquecidinha ali no Anfiteatro: todo mundo aqueceu na Jhonny Quest (6sup) e só o belezão aqui que foi já sedento na Dr. Jack (7b)… Claro que desmandei a via! hahaha mas foi da hora relembrar os movimentos dessa via. Caí em partes onde antes nunca tinha titubeado, e passei tranquilo em trechos que antes apanhava… vai entender! Já na Perseguida, a Isa falou de uma tal de “quinto aventura” (que não tem esse nome, mas na falta dele, vai esse apelido), que deve ser um 5sup ou sextinho com crux na saída, depois uns “400 metros” de escalada de todos os tipos: Aresta, face, fenda, aderencia, sombra, sol… dá uma má impressão vc olhar para o lado, ver a chapa e NENHUUUUMA saliência…. mas a via segue pela aresta e é agarrão e surpresa boa o tempo todo, dilícia! Ao todo uns 30m de via, umas 12 costuras ou mais… Depois fizemos a “Beco diagonal” que deve dar um 7a, e na sequência… Tchan tchan tchan tchannnnnnnn….. A mais nova “melhor 7a do Cipó”: Chorrera Musical. Uns 5 posts atrás eu devo ter comentado algo sobre querer muito fazer essa via… não sei onde eu li que era um 7c… depois falaram 7b, aí no dia eu ouvi “7a parabéns” e tenho que concordar. Quem ja foi pra Rodellar deve ter ouvido falar do 6sup mais tradicional de lá: Roxy La Palmera… pois bem, esqueçam tudo… Chorrera Musical é a nova Chorrera sensação do momento. São 30m de puro prazer! Ainda no fim do dia a gente tava naquela vou-não-vou na lamúrias, aí a Júlia falou que tinha um 7c equipado ali no cangaço que eu ia adorar e que ela ia betear pra mim… Bom… a Isa não ficou muito contente que a Lamúrias não se equiparia sozinha aquele dia, mas também ja estava faltando pouco pra escurecer, e faltando umas 3 chapas pro final da “Cangaceiro” já estava de noite e eu nem tive tesão pra continuar baixei. Hmmm…. Via OK, mas não muito meu estilo, sei lá, vai ver que por estar aquela penumbra escurecendo eu não tenha curtido tanto, já que não gosto de escalar a noite.

Me esbaldando na "Chorrera Musical" Melhor 7a do Cipó!

Me esbaldando na “Chorrera Musical” Melhor 7a do Cipó!

No terceiro dia de Climb eu acordei meio zuado. Cagando mole, aquele negócio. E pra piorar fui ficando enjoado no carro, e não consegui escalar o dia inteiro. A Isa entrou na lamúrias que o Gui equipou e depois eles foram para o cangaço, onde a Isa queria tentar a “O cravo e a rosa”. Dei seg pra ela e numa voada, em vez de fazer a seg dinâmica, recolhi corda pois era a segunda costura e não queria que ela caísse muito, sei lá, vai que dá chão… mas infelizmente ela bateu a ponta do pé numa saliência e deu game over aquele dia. MY BAD! (poderia tranquilamente – e deveria – te-la deixado cair, voar tranquilamente mais uns 2m que tava sussa, mas não… enfim… na próxima ja to ligado! O Puto do gui ainda me manda a Cangaceiro em flash!!! Putaquipariu, eu ali, deitado no chao, um puta calor e eu com frio, coberto com meu anoraque, levemente febril, tive a oportunidade de ver o viado fazendo praticamente a vista a travessia do crux… que luta!!! \o/ Parabéns, “Equipe Quero Escalar” representando bem o time! hehehe

Isa na Lamúrias

Isa na Lamúrias

No quarto dia eu já estava respirando sem ajuda de aparelhos, consegui comer normalmente de manha e o que saia de mim era mais denso que água mineral, com uma frequência superior a meia hora. Senti-me um pouco mais motivado e fomos pro Foda, pois o Gui e Eu queríamos porque queríamos entrar na Tatara, 8a. A gente aqueceu na “Pra elas” 5°, e as meninas aqueceram na “Você decide” 6sup. Aí enquanto elas lutavam, se degladeavam na “Caximbo da Paz” 7a, os meninos tiravam os moves da Tatara. Eu lembro que apesar de ter chegado cedo no pico, e não ter ficado muito tempo enrolando, o segundo pega que eu dei na Tatara, e terceira escalada do dia, foi tipo umas 5:30 da tarde. Ainda tinha brincado com a Bia que ia esperar meia hora pra meu “Tomelirrolímetro” chegar a 100% (que normalmente é depois das 6, mesmo eu não gostando de escalar a noite – pergunta se eu Não gosto do horário de verão hehehe). Entrei na via bem animado, cantarolando menina veneno e tudo… e passei rapidamente pela primeira parte da via que é negativa com regletes bons e agarrões, e quando faltava 4 minutos pras 6 estava no descansão antes do último move e CRUX da via. Ali da pra deitar, rolar, sentar, fazer o que quiser.. Aproveitei e tirei a sapata, relaxei, e quando já era umas 6:03 continuei a escalar. Bem no meio do Crux, fiz um movimento diferente do que eu tinha “ensaiado”, pus um pé esquerdo na mão no último agarrão (que é num teto praticamente) quase apoiei em “Figura4“, travei de direita num reglete bom, subi a esquerda numa controna meio boa meio abaolada e, travando com o calcanhar esquerdo na aresta e o direito apoiando num biquinho mais abaixo, consegui pegar a “baguete” (nome popular da última agarra da via devido a seu formato peculiar) e costurar a base tranquilamente. Fiquei muito feliz em ter mandado essa via que eu tinha malhado na última viagem com a Martinha na Seg… Gosto muito deste estilo de escalada bem esportivo, bem protegida, com movimentos atléticos e técnicos… que alegria!! A meta da Viagem estava alcançada!! A caganeira na verdade ajudou a ficar levinho e descansar pra encadenar essa via hahahaha Meu antidoping mostraria substância ilícita: Streptococus Cipózensis hahahaha

E no último dia quem amanheceu com falência múltipla do Sfincter anal foi o Gui, que deu W.O. no climb na Lapinha e apareceu só pra pegar carona pra vir embora. O São Carlos Pression Sfincter ainda teria mais uma combalida (Béééééé) no meio da Viagem que foi a Isa, que segurou bem as pontas pra não sujar o carro do Gui. Ah é, esse dia de manha antes de partir pra SanCharles nós fomos para a Lapinha, que agora está reaberta e as escaladas lá são sensacionais. Lá o Climb rolou bem, fizemos a Gigante de Bronze ou algo assim, e depois dois 7a’s (que ME PARECE que chamam-se: O perigo que veio do Céu e Arranca couro, essa última achei mais um 6sup na verdade). A Isa já tava só na Capa da gaita de tanto escalar todos os dias e acabou nem entrando nas duas últimas, e como iamos sair as 12:30, acabou que foi só isso mesmo que deu pra fazer. A escalada na Lapinha merece ser conhecida, é um pico muito clássico, tipicamente negativo de agarrão, com vias bem protegidas, sombra, muias vias, ah, é sensacional e da vontade de ir entrando em uma atrás da outra mesmo sem saber o grau porque é muito agradável. E parabéns à toda a galera envolvida na liberação da escalada por lá, o Museu está de primeiro mundo, assim como o atendimento e o trato para conosco escaladores. Valeu!

Bia na Lapinha... só escalada de "Qualitê"!!!

Bia na Lapinha… só escalada de “Qualitê”!!!

E é isso galerinha! Escaladinha no Cipó pra começar o ano bem, muitas vias, muitas cadenas, muitas risadas, musiquinhas, piadas à la genja, diarréia coletiva (menos a bia, que tava no canadá?) e tudo o que temos direito! Algo mais? Quem vai na próxima?!

Este Blog estava de Férias… Em IGATU na Bahia!

Depois de 2 dias de viagem e dois baldes de paçoca e pé-de-moleque…

É meus camaradas e minhas camaradas. Caros leitores fervorosos e fidosos (que dão feed rsrs). O blog está assim muerto mas foi por uma ótima causa e tenho certeza que cada um de vocês acompanhantes fiéis vai curintxa! leitores teriam feito o mesmo. Com a desculpa esfarrapada de ir dar umas cusparadas para o Doutorado do Léo “Woods” (AKA: Madeira) antes e depois de escalar para medir os níveis de estresse do caboclo, fomos pra acapulco tomar banho de mar Igatu na Chapada Diamantina com casa e metade dos gastos com combustíveis pagos. A-hul! Lá se foi o São Carlos pression Team representar na Bahia.

<<CLIQUE AQUI PARA ACESSAR O CROQUI DO SETOR LABIRINTO>>

Chegando em Igatu, depois de 2 dias de viagem.

Fizemos uma escala em BH na casa do Gui, e acabamos descobrindo um caminho que nos consome 1h a menos* e quase R$40 a menos de pedágio!! Caraaaaaaaaalho maluko!  Acontece que BH é 1/3 do caminho de Igatu… e nóis achando que o Cipó era longe… agora da até pra fazer bate-e-volta um finde depois dessa! Ou seja: 1100km depois de BH, e quase 18hrs depois de ter saido de lá , chegamos meia noite. Cidade de 300 habitantes. DESERTA. Sem cobertura. O único orelhão da cidade não completava a ligação para o escritório do Chiquinho, a Personalidade da cidade de quem o Léo havia alugado a casa. Mais tarde descobrimos que esse orelhão É o escritório do chiquinho. (POKER FACE).  Os três xibungos Beto, Bruno e Geagá de Oliveira dormiram no carro, mas eu claustrofobicamente me senti sufocado dentro de um carro PARADO no qual havia ficado quase 30h com mais 3 xibungos de janelas fechadas por causa dos pernilongos. Peguei meu saco de dormir e literalmente dormi no banco da praça de Igatu. Dormi melhor e tomei menos picadas de pernilongos do que os que ficaram na sauna gay dentro do carro. Fomos acordados pelo Léo na manha seguinte e subimos para a casa onde ficariamos, e acabamos dormindo mais umas 4 horinhas antes de ir escalar de fato. E falando em escalada de fato, vamos aos fatos.

Beto combalido na São Sebastião, 7a com cara de 7b no “Labirinto”

Bruno equipando pa nóis a clássica “Musa Inspiradora” – 8a, no Verruga. (Foto by Guilherme)

Gui na Musa Inspiradora, 8a, no Verruga

Genja (eu) na “Manga do Céu”, no Verruga. 7b com cara de 8a. (Mas é um 7c)… hehehe Em breve vídeo…

Beto na Asteróide, 7b no labirinto. (Foto by Guilherme)

Eu num ex-projeto que ainda não sei o nome, no labirinto. 7b na graduação local. 7c no resto do Brasil hehehe

Beto na mesma via, no dinâmico (bote mesmo) depois do crux. (sim, o bote em si nem era o crux). Note as duas agarras na foto anterior das quais se tem que dar o bote para este agarrão…

Gêagá de Oliveira todo gatão na “Perfil de amiga” – 7b, outra clássica do pico (acho que todas são clássicas pq todas as vias são sensacionais!)

Beto na “Meu nome é Tchau”, 7b, que divide as 4 primeiras chapas com a “perfil de amiga”, mas depois emenda numa mega fenda num mega teto pra esquerda, do jeito que ele gosta..

E aí João, o atleta emprestado ao SCPT (São Carlos Pression Team) que fez altos rangos pra nóis! (na tio Gia, 7b, e Bruno na seg esperta pela 1a vez)

E por falar em Bruno, o mesmo na Meu nome é tchau, 7b, no labirinto

Beto na Clássica “CACIMBA PSICOLÓGICA” no labirinto, um 8a com um PUUUUTA esticão. Vai ficar massa quando terminarem de chapeletar a via!

E Bruno fazendo careta na Cacimba psicológica sem nem ter chegado na parte do psicologica…. Aperta memo, nego!

Guilherme todo ensanguentado depois de fazer a Potiguar, um 6sup com cara de 7a (como todos do labirinto)..

Eu naquele projetinho que não é mais projetinho, que é um 7b tao dificil quanto um 7c hehehe

Beto na Musa Inspiradora, 8a, no verruga (Foto by Guilherme)

Bruno mostra muito requinte e estilo ao escalar na Bahia. DE TOCA… E CALÇA JEANS!!!!!! JODERRRRR

Beto na “Vai quem pode” 8b outra clássica do Labirinto. Momentos antes de dar uma enrabada gostosa no Bruno… aguardem o vídeo (no youporn) kkkk

Guilherme todo combinando para entrar na Musa Inspiradora, 8a.

Beto no Rodeo Clipping, na Manga do Céu… (O morena sertaneja, o loirinha do sertão, você pode até ser gostosa, mas se não escala um 7b então eu prefiro um costurãooooo) 😛

É isso galera. Das 3500 fotos selecionei 100 e aqui hj pus umas 20. Quem sabe essa semana ainda não ponha mais. Tem muitas! O foda é que depois que uma foto minha foi parar na capa de um jornaleco de terceira “Catiguria” de Analandia sem créditos, sem autorização nem minha e nem do escalador, to colocando essa “pseudo-marca’dágua” tosca pra coibir um pouco essa ação. Podem salvar as fotos e deixar no descanso de tela, só não usem com fins lucrativos, ou se forem usar, dividam o lucro com a gente! E voltando a falar da trip, temos 30gb de filmes em HD pra editar! Aí no próximo post eu falo mais sobre as escaladas propriamente ditas lá de Igatulands… Ah! E o Croqui do Labirinto ta no forno (de verdade, nao que nem o do cusco/itaqueri que ta “queued”  hehehe)

Inté!