Cipó de Reveion (muitas fotos)

Bia e os contrastes das rochas do Cipó

Bia e os contrastes das rochas do Cipó

Fomos para o Cipó, ficamos 15 dias. Escalamos horrores e tive a oportunidade de escalar muitas vias a vista em setores novos e repetir algumas clássicas. Cheguei a mandar um 7c/8a no segundo pega (Por entre as pernas da perseguida) mas infelizmente não pude mandar todos os projetos que tinha. Tivemos a oportunidade de conhecer todos os setores novos e linkar por dentro o G3 ao G2 ao G1, coisa linda. O PCC é o canal pra dia de muito calor. O Blair pra qualquer dia, e o papagaio é irado! E o setor Janela então?! Puts, pirei!

Eu não pude entrar em tudo que eu gostaria pois no comecinho de dezembro senti um incômodo no ombro, que na segunda metade da trip voltou a incomodar. Eu nunca tinha sentido nada no ombro, mas agora como o elo mais fraco que eram os dedos foram fortalecidos, deve ter aparecido outro elo fraco :/ Foi num move besta e fácil no final da Especialidade da casa indo de um agarrão para outro agarrão q senti o Crec no ombro. <<Burroooooo>>. Aí que que o infeliz aqui faz? Mesmo com o alerta no ombro, depois de 2 dias, entra na Heróis equipando. Very clever! Quando cheguei no chão tiveram que tirar o nó pra mim e fui medicado com 1 dorflex e 2 cataflans pq não aguentava de dor no ombro/braço esquerdo. Ó dó…. Aí até o fim da trip tive que abaixar o nível e fiquei escalando só sétimos a vista com o Ives pra não forçar. Foi bão também! Fiz várias vias novas legais na perseguida, no Blair, no PCC, no Coliseu, no Serra Pelada. Escalada à vista é muito massa, não sei pq não vejo a galera fazendo esse tipo de escalada por lá.

O Greg foi o nosso menino de Ouro, mandou a ética e a na Calada da noite, e como diria a Bia, o resto não fez mais que a obrigação. Fiz um sexto grau lindo de morrer, “delício” na perseguida, novo, duas vias pra direta da por entre as pernas, sensacional. Repeti a Gigante pela propria natureza, flashblack, entrei na sheetara de novo, conheci a 11 proteções e 1 segredo, finalmente conheci a Dilúvios na Sancho Pena e a Via de Blair (que vias incríveis!). Incríveis também as duas vias da esquerda do PCC, um 6sup e um 7a, e fiquei morrendo de vontade de entrar na Pablo Escobar e na Zé pequeno, mas fui pela prudência que me faltou antes e me contive entrando em vias mais tranquilas. Ah! E pude mandar finalmente um 7b que tava devendo desde 2010, a “Minha amada imortal” no G1. A primeira vez do Ives no Cipó foi muito bem, fez até um ou outro 7a em flash e pode conhecer a maioria das clássicas.

Confira as fotos que acho que elas falam mais que palavras 🙂

Nossa, e nessa trip aconteceu a situação mais bizarra da minha vida com rapeleiros. Estavamos no setor da Melzinho, o Greg tinha acabado de mandar a Sem compromisso 7a e tinha um brother de Sampa malhando a Jungle Boy. De repente… Senta q lá vem a história:

Quando vejo alguém fazendo presepada no pico de escalada...

Quando vejo rapeleiro chegando no pico de escalada…

Num puta calor de 35º, todos derretendo, chega a gangue do rapel com macacão de piloto da força aérea, de bombeiro, de lixeiro, entre outros. Cheio de brasões, bordados e claro, coturno até o joelho. Garotos de 15, senhoritas de 30, homens nessa faixa também. E o líder de shortinho da copa de 70 e camisetinha (igual do gif acima). Vinham com corda no pescoço, cadeirinha em mãos, nenhuma mochila. Comentando entre si: “…Olha lá, eles já estão descendo aqui, vamos ver como eles tão fazendo…”  Eu cheguei até a pensar que fosse alguma coisa da brigada de resgate local, onde algum escalador foda estivesse ensinando alguma coisa para alguma turma sobre procedimentos de segurança em escalada. Ledo engano. Eles chegaram a perguntar se todos que ali estávamos na base da via (no chão) já tinhamos todos descido. Tive que explicar que nenhum de nós que ali estava havia descido, só subido e que apenas o último fica pra limpar a via e descer (nem me dei ao trabalho de explicar que depois de subir, haviamos descido de baldinho, preferi ser mais incisivo). Aí o Rapeleiro Alfa chega pra mim e pergunta: “É nossa primeira vez por aqui, onde vc recomenda que a gente faça rapel?”

via a vista 8anu

Ao que eu prontamente meio que sem pensar respondi: NÃO RECOMENDO. <<grilos – Cricri-cricri-cricri>>

coice-o

É, não foi um coice assim, mas alguns falaram que soou meio assim hehehe. Alguns segundos de silêncio depois que sucederam a resposta: “Mas não tem um lugar onde as pessoas fazem rapel aqui?” Não. não tem. O pessoal aqui vem pra escalar mesmo. Conheço os escaladores locais e pelo q eu sei essa atividade não é bem vista por aqui. Aì eles agradeceram, viraram as costas e foram “meio que caçar” um lugar pra exercer a deplorável atividade. Sem sucesso pois meia hora depois estavamos mudando de setor e cruzamos com eles passando por nós de novo na trilha, indo embora. Ai ai, até quando né gente? Não vou nem comentar pq se formos analisar as raízes disso passaríamos por parâmetros socio-econômicos, a falta de investimento e de interesse do governo em educação, a alta carga tributária, a safadeza descarada exercida pelo governo todos os dias, o monopólio do futebol em todas as mídias, que anda de mãos dadas com o machismo inerente à nossa sociedade, o desinteresse das pessoas por politica, ou seja: a falta de consciencia das pessoas sobre qualquer assunto e a superficialidade das discussões.

 

Agora fiquem com uma galeria de fotos do reveion…

E voltando ao tema principal do Blog que é fofocas escalada, mais fotos, pois na segunda metade da Trip, eu zuado me pus a tirar mais fotos afinal, era o que me restava fazer.

 

Bem, e essa foi mais uma trip pro Cipó! Agora é focar na recuperação e planejar a próxima! Que venha a rehab né, pq por enquanto é o que ta dando pra almejar! =D

Como eu me sinto quando… Edição Especial de Natal!

Se você for a dona dessa foto, favor enviar créditos da foto para eu publicar aqui! (junto com seu telefone e estado civil, grato!)

Se você for a dona dessa foto, favor enviar créditos da foto para eu publicar aqui! (junto com seu telefone e estado civil, grato!)

Pois é, todo mundo a-do-rou os posts do “Como eu me sinto Quando” versão escalada. Por isso, agora no Natal preparei mais um post para tirar pelo menos um sorrisinho de canto de boca de vocês!

Chegando com a galera pra escalar no primeiro dia da Trip em Arcos ou no Cipó

Chegando com a galera pra escalar no primeiro dia da Trip em Arcos ou no Cipó

Quando eu chego no pico 9 horas da manhã e tem alguém super animado pra começar a escalar naquele instante

Quando eu chego no pico 9 horas da manhã e tem alguém super animado pra começar a escalar naquele instante

Tomo um café pra dar aquele UP antes de entrar numa via...

Tomo um café pra dar aquele UP antes de entrar numa via…

Quando eu to almoçando a única maçã q eu levei pra escalar e alguém abre uma paçoquinha/gordice qualquer do meu lado.

Quando eu to almoçando a única maçã q eu levei pra escalar e alguém abre uma paçoquinha/gordice qualquer do meu lado.

As outras pessoas quando o Cleber Harrison faz uma Piada à la Genja

As outras pessoas quando o Cleber Harrison faz uma Piada à la Genja

Eu quando o Cleber Harrison faz uma Piada à la Genja

Eu quando o Cleber Harrison faz uma Piada à la Genja

Quando eu começo a correr pra treinar pro Cipó

Quando eu começo a correr pra treinar pro Cipó

E continuo correndo...

E continuo correndo…

Quando um grupo de mulheres que manda oitavo grau pergunta se pode escalar com a gente

Quando um grupo de mulheres que manda oitavo grau pergunta se pode escalar com a gente

Quando eu resolvo fazer treino de finger na volta do supermercado...

Quando eu resolvo fazer treino de finger na volta do supermercado…

Quando alguém diz: Mandei a via! com duas quedas mas mandei!

Quando alguém diz: Mandei a via! com duas quedas mas mandei!

Quando não consigo tirar o nó 8 da corda depois de ficar tomando mil vacas no meu projeto

Quando não consigo tirar o nó 8 da corda depois de ficar tomando mil vacas no meu projeto

Quando eu vou vejo os preços de equipos de escalada fora da Quero Escalar...

Quando eu vou vejo os preços de equipos de escalada fora da Quero Escalar…

Quando não tem parceria pra ir escalar no domingo.

Quando não tem parceria pra ir escalar no domingo.

Quando tem um cara escalando com meia velha (sem elástico) preta e de Miura.

Quando tem um cara escalando de Miura com meia esgarçada (sem elástico) preta.

Quando um brother me oferece pra equipar uma via com as costuras e corda dele novinhas...

Quando alguém me oferece as suas costuras e corda novinhas pra equipar uma via pra el@…

Quando vejo alguém escalando uma via esportiva de 10m de top rope e no rack da cadeirinha tem: 15m de cordim, garrafa de água, bota, anorak, freio, mosquetões, parada, friends, maquina fotográfica, kit de primeiro socorros.....

Quando escalo uma via e percebo que está mau protegida porque foi aberta de cima pra baixo no rapel sem ter sido escalada antes.

Quando vejo alguém fazendo presepada no pico de escalada...

Quando vejo alguém fazendo presepada* no pico de escalada… (dando seg errada, escalando com a fivela da cadeirinha aberta, escrevendo na rocha, etc..)

Quando alguém quebra a agarra do Crux da via que eu to malhando...

Quando alguém quebra a agarra do Crux da via que eu to malhando…

Informo a pessoa que ela vai guiar a via...

Informo a pessoa que ela vai guiar a via…

Quando alguém fala que aquele projeto de 8b da sua vida não passa de um 7c duro

Quando alguém fala que aquele projeto de 8b da sua vida não passa de um 7c duro

Quando alguém da minha altura pergunta se eu posso dar beta de uma via, que por acaso eu acabei de mandar

Quando alguém da minha altura pergunta se eu posso dar beta de uma via, que por acaso eu acabei de mandar

Alguém fala que rapel é mais legal que escalada... depois vem querer tentar me agradar...

Alguém fala que rapel é mais legal que escalada… depois vem querer tentar me agradar…

Alguém começa a fazer piada machista ou homofóbica perto de mim..

Alguém começa a fazer piada machista ou homofóbica perto de mim..

Último dia de escalada da viagem...

Último dia de escalada da viagem…

Como eu imagino que vai ser a vaca..

Como eu imagino que vai ser a vaca..

Como eu devo encarar a vaca...

Como eu devo encarar a vaca…

Como acaba sendo a vaca...

Como acaba sendo a vaca…

Faço um post no Blog e vou dormir ou tenho que sair na sequência...

Faço um post no Blog e vou dormir ou tenho que sair na sequência…

Se você gostou pode relembrar os primeiros dois posts sobre isso clicando Aqui e Aqui.

Bem, por hoje é isso pessoal! Quem curtiu comenta, quem sabe não faço outro post desse naipe em breve? Feliz clichês de fim de ano pra todo mundo! Tudo aquilo pra vc´s!

Escalando na Serra da Canastra

Cachoeira na Fazenda Santa Bárbara

Lugar aprazível de se escalar!

É bem na bordinha, mas é canastra. Com os campos rupestres inconfundíveis na chegada do pico, e histórias sobre a nascente do São Francisco, a 80km de Franca, esse lugar que pudemos conhecer no último fds oferece um estilo diferente para os escaladores e conquistadores de plantão. Com uma super infraestrutura de recepção turística já estabelecida com área para camping, chalés e restaurante rural, o grande diferencial do pico é uma grande cachoeira muito bonita com poção e grande volume d´água. E a vontade do dono que escaladores venham aos milhares para escalar as paredes adjacentes à cachoeira, em sua propriedade particular.

O Potencial não é para mil vias, mas a beleza do lugar é encantadora e encontramos potencial para abertura de umas 30 vias, fora o que ouvimos dizer sobre os canyons próximos. Umas 20 vias de uns 20-30m que precisarão de alguma jardinagem e que ficam ao sol, com base boa e na sombra para o seg,  e mais umas 10 mais curtinhas de uns 10 ou 15m na sombra – ah, e com aparente possibilidade para escalada em móvel para uma linha ou outra. E ao lado da cachoeira aparentemente o filé. Com apenas um acesso seco a um platô que dá acesso à única via já conquistada, vai dar pra abrir mais umas 4 ou 5 vias a partir desse platô, mas não vai ser esquema Itaqueri confortável, na base do pico o dia inteiro. Enquanto oferece conforto e comodidade nos 15 mins de trilha em linha reta, no poção da cachoeira e pedras ao redor para deitar preguiçosamente, na hora do climb talvez precise de um poquinho de empenho, mas nada de outro planeta (como ficar em pé num platô ancorado enquando dá seg). Vários diedros negativos prometem escaladas fortes e altamente estéticas a menos de 20m da cachoeira, que forma arco íris praticamente todo o dia e os Urubu-Reis sempre vem dar uma olhada no que está acontecendo.

Acessando o platô de onde sairiam as outras vias

Escovando Acessando o platô de onde sairiam as outras vias

Convidados pelo Wagner de Franca que abriu a primeira e única via do pico (por enquanto), Ives e eu fomos conferir todo o potencial. No início ficamos um pouco decepcionados pelo acesso ao platô e muita parede molhada pelo spray que vem da cachoeira. Mas logo que começamos a escalar já animamos muito pois a rocha é dura pra caramba, com muitas agarras invertidas e muita técnica.

O Wagner pediu pra eu equipar a via, chamada Gritadores (que vocês imaginam porquê ao lado da cachoeira). Fui subindo, mas a via estava bem suja ainda, então dei uma de diarista e limpei todas as agarras. Agarrçoes cheios de terra e pézinhos chave com camadas de areia.  Tirei os moves, testei todos os blocos encaixados que nem respiram nem dão sinal de vida (mas impressionam) e desci. O Ives entrou e mandou seu primeiro FA, provavelmente a via ficou um sexto grau bem técnico. Você escala e o tempo todo ao lado da cachoeira e do poção, é só virar a cabeça que é tudo o que você vê, muito massa!

Escalada bem ao lado da cachoeira. No platô não venta como no começo da escalada, ainda bem!

Escalada bem ao lado da cachoeira. No platô não venta como no começo da escalada, ainda bem!

Depois ainda voltei ao top da via, bati uma chapa pra esquerda e alcancei um platô onde furei uma parada com a intenção de abrir outra via do lado, mas ficamos de saco cheio ficou escuro e tivemos que abandonar a missão. Fiquei com muita vontade de conquistar os diedros e arestas negativos pra esquerda da cachoeira. Mas principalmente de desenvolver os setores menores pra esquerda que aparentemente vai ter vias entre 10 e 20m na sombra com rocha boa. O setor mais alto fica no sol, mas até compensaria pois em alguns lugares até 1/3 da via ficaria na sombra, incluindo o seg. É longe pra caramba, (ok, só 80km) de Franca, uns 280 de São Carlos,  mas é tão bonito que compensaria ir de vez em quando, até com amigos que não escalam pra que eles façam as trilhas do lugar, acampem, deem um rolê no mato enquanto a gente escala =)

Nom fim do dia um selfie com a cara toda suja de poeira (uma camada uniforme) a mão regaçada, com os brinquedos e a metranca a TiraColo

No fim do dia um selfie com a cara toda suja de poeira (uma camada uniforme), a mão regaçada, com os brinquedos e a metranca a TiraColo

E a noite pudemos provar o maravilindo JK, prato típico Franquense que eu nem consegui mandar a cadena, tive que abandonar no meio apesar de ser deliciosissimo. No dia seguinte não tem fotos, mas voltamos pro Tremendal e tivemos a triste noticia que o dono da propriedade tinha pedido que gentilmente os escaladores tirassem as chapas das vias pois não estava morando mais ali por motivos de saúde e os escaladores vinham sendo confundidos com ladrões de gado e de café. É o cu da cobra, de cair o cu da bunda, mas mais um pico muito legal com nem 50% do seu potencial desenvolvido fechado porque está em “propriedade particular”. Escalamos a via que haviamos aberto em fevereiro quando estivemos lá pois era a primeira a entrar na sombra, e tiramos as chapas com a sensação de quem sacrifica um cavalo de que gosta muito. 😦 Escalamos pela última vez no pico e o Ives pode mandar seu primeiro 7b a vista, ah muleque!

Espero que os locais tenham a sagacidade e o poder de negociação com os proprietários para reverter a situação.  Ainda não recebi as fotos do domingo, então, finalizo com uma foto das paredes mais altas à direita da Cachoeira de sábado, que tem grande potencial. Valeu Wagner pela hospitalidade e por nos apresentar a este pico tão bacana! Em breve estaremos aí novamente!

Potencial do lado direito da cachoeira. Com a jardinagem certa vai ficar lindo!

Potencial do lado direito da cachoeira. Com a jardinagem certa vai ficar lindo!

Costura encontrada no Cusco! (& vídeos)

Escaladora anônima que decora o post de hoje

Escaladora anônima que decora o post de hoje

Faz um mês mais ou menos, o pessoal de Botucatu encontrou na Nega Maluca uma costura e deixou comigo pra eu divulgar e procurar o dono. Se alguém for o dono, entre em contato enviando o modelo, cor, número da conta bancária, senha, etc.. para podermos retornar a dita cuja ao papai (ou mamãe) desnaturado! Se não aparecer o dono, vamos colocar os mosquetões nas paradas das vias novas que conquistarmos! (A propósito perdi um canivete da PETZL azul com detalhe em laranja em Itaqueri, provavelmente no segundo setor, se alguém achou, ficaria muito feliz de ter meu bebê de volta!)

E já que estamos, vou deixar uns videozinhos lúdicos que vi faz umas duas semanas (que ultimamente não ta dando tempo nem pra almoçar!).

Esse aqui com uma cena raríssima do Adam Ondra escalando com móveis nos rodapés Gritstones ingleses. Curtinho (por isso que eu vi) e interessantinho vê-lo costurar um camalot.

E aqui meu sonho de consumo. Não, não é a Alex Puccio nem um jogo de Tri-Cams novo. Também não é a nova Scarpa Instinct VS. Nem a nova cadeirinha Cyrus da Edelrid. É a Van do Alex Honnold. Imagina ir pros picos e não ter que pagar (muitas vezes) R$25 de camping?! Porquê será que Camping é tão caro aqui no Brasil né? Em teoria vc paga por um espaço na grama pra estender uma barraca, dorme no chão, usa uma pia pra encher sua garrafinha de água e o chuveiro (não necessariamente). E muitas vezes pelo mesmo valor ou próximo vc acha pousadinhas onde vc pode ficar numa cama de verdade, com café da manhã incluído, enfim. Acho que até o ato de acampar é meio visto como comportamento elitizado por aqui. Afinal, agrega! Enfim, lá fora vc compra uma van dessas usada (com uns 3 a 5 anos) por valores entre 10.000 reais e 150.000 reais (nova) toda equipada. Aqui a usada com 15 anos de uso e sem nada (ou seja, vc vai ter que montar cama, cozinha, tudo do zero) vc paga em torno de R$20.000. Bom, quem quiser me dar uma de presente, eu dou os trampos! hahaha Ia ficar invernado no Cipó meses! Pensando bem, será que isso sobe a trilha da Divisa? Será que da pra deixar estacionado no pé do Anhangava na moral? Ali em frente à carumbé no G3? É… tudo tem seus prós e contras! Enfim, video:

Apesar da Polêmica com o Enzo “destruidor de vias alheias” Oddo e sua passagem pelo ParNa Itatiaia, o Fotógrafo Brasileiro Taranto Jr. Acompanhou os dois escaladores em sua passagem pelo Brasil e está programando de lançar um vídeo muito legal com os meninos. Não vejo a hora de ver a filmagem da remoção das chapas da via do Eliseu! hahaha

E falando em Francisco Taranto Jr, o próprio esteve por algumas semanas nas Filipinas em companhia de outro Brasileiro, o Pablo Scorza, que entre uma autorização e outra pra poder morar na Espanha esteve acompanhando o casal Edelrid-Wild Country James Pearson e Caroline Ciavaldini. Ô Vida dura desse Francisco!

E voltando à terras tupiniquins, video de outro Atleta (talvez um dos poucos) patrocinado Brasileiro, o Nishimura, mandando a via África no setor Corujas. Nota: Se vc escala mais que 7c não aqueça nessa via no setor Corujas. Melhor aquecer em algum oitavo de agarrão qualquer no setor que apertar esses regleticos!! Nishimura de parabéns!

E pra acabar, Beto mandando a Caixa de Pandora! Um dos vídeos mais esperados dos últimos meses aqui no Blog! BOOOA MOOONSTROOO!!! (sic) hahaha

E por hoje é só pe-pe-pessoal!

PS – Sábado tem Ritual Xamânico aqui em São Carlos, quem quiser participar, me peça que encaminho o convite e as orientações!

Fica a primeira parte (de 4 partes) de um vídeo incrível, vejamos se ele irá cativar-lhes! A segunda parte é mto legal!

 

 

Yin – Yang

O Equilíbrio das coisas

O Equilíbrio das coisas

Muitas vezes eu fico na dúvida se existe isso mesmo de Yin-Yang. É tanta coisa boa que acontece que parece que o balanço geralmente acaba sendo positivo. Mas de vez em quando acontecem umas e outras que nos fazem lembrar do equilíbrio das coisas. O Feriado em São Bento foi atípico. Muitas cadenas, muitas risadas, projetos concluídos e metas alcançadas, outras nem tanto. Mas qual o preço a se pagar por uma cadena? Uma lesão? Será que vale a pena?

Meus projetos para essa viagem eram a Psicose, 8a na pedra da Divisa, e Rock and Roll na Catedral, na Falésia dos Olhos. Nem curto muito os olhos (muita regletera), mas como fomos pra SBS só pra Ju entrar no seu projeto de longa data, arranjei um projeto lá também. No primeiro dia tava sol, fomos pro Tetos. O Ives caiu de “jão” no primeiro pega na Hellraiser e na It´s only rock and roll but I like it. Uma saiu de segundo pega mas a outra precisou de mais empenho (ou seria descanso?). Eu entrei me batendo todo na Psicose logo depois de aquecer na Tufão. Fritei a Bia mil anos na seg e depois de um tempo resolvi inventar um jeito inovador pra minha altura no crux, pelo qual através de alguns entalamentos, já alcanço a agarra que todo mundo da um bote e evito ter que apertar um regletinho ignorante. Daí pra cima é só gritaria porque é negativo de agarrão mas vc já vem torado do Crux e cada agarra e cada pé movimentado é uma luta. No segundo pega não estava muito confiante mas depois que fiz com maestria a primeira parte que havia me batido no primeiro pega, senti uma torrente de glória. Executei com precisão o crux, peguei a estrelinha do Mário Bros. e saí apertando rápido como se não houvesse amanha. Ô Grória! Primeiro dia, primeiro projeto caído! Enquanto isso ouvia rumores de que no Pilar central a Taís do Greg mandara a Kaliya, seu primeiro 7c, o qual, momentos antes, a Bia havia mandado à Vista! A menina estava com tudo e o feriado prometia.

No segundo dia todos mais ansiosos que a própria Jú, já fomos direto pros Olhos sem nem olhar a previsão do tempo, que mandou um sol lascado de trincar a parede. Aì o Yin Yang da Bia Aflorou. Chegando no pico, um cavalo aparece estribuchando perto da cerca já próxima da torre de alta tensão, provavelmente mordido por uma cobra. Aí a Bia prontamente se voluntariou a voltar pra casa do dono e avisar (detalhe, o cavalo estava do lado de lá da cerca). Chegando lá, ninguém. Só um cachorro. Que saiu correndo, babando, espumando, vindo em sua direção.

Agora imagina a cena em câmera lenta...

Agora imagina com um pitbull raivoso…

Ela aterrorizada pela figura errante vindo em sua direção, sai correndo como num filme de terror em que a mocinha corre do tarado estuprador vilão. Mas, em suas próprias palavras, se ficar o bicho pega se correr o bicho come. Após alguns metros, uma mordida na bota que a derrubou de joelho no chão, mão direita direto na terra. Ao se ver rodeada por uma fera de dimensões colossais, sentindo o sangue escorrendo pelas pernas e imaginando-se sendo devorada pelo raivoso animal como a um Zumbi de walking dead que devora a um humano degustando órgão por órgão, tripa após rim, coração após fígado, ela rapidamente levanta e, tal qual numa cena de perseguição hollywoodyana, se joga desfiladeiro abaixo rumo ao lago, buscando subterfúgios para que pudesse salvaguardar sua vida daquela fera de proporções e intenções subjulgadas. Só que eis que no lago havia patos extremamente territorialistas (ou seriam gansos?). Mas esses compadeceram-se com a cena de dona Maria Gabriela e atacaram em bando o cachorro, que foi devorado em poucos segundos pelos agora raivosos patos vingadores, os superpatos!

Ta, a história entra para a ficção a hora que os patos devoram o cachorro, mas até aí é tudo verdade! Bia ainda teve as moral de subir a trilha toda em sopa de volta até as vias rastejando e pedir resgate. O Joelho aparentemente precisaria de pontos e a mão de gesso. Sorte que não precisou de nada disso, mas o climb do feriado pra ela estava over.

Todos ficamos muito abalados com a história e a Ju entrou na Bulls pra equipar sob um sol de meio dia com a rocha fritando um ovo de tão quente. Eu ainda esperei até umas 3 da tarde pra equipar a Rock and roll na catedral, mas demorei horrores pra tirar todos os moves, também me sentia levemente abalado, não sei se pelo cansaço do dia anterior. O Ives equipou a Sonho de ìcaro. E eu, vendo que a noite se aproximava e que não queria entrar “de noite”, não esperei mais que uns 40mins e já entrei de novo, se não pra mandar, pelo menos pra equipar. E parece que tinha tirado muito bem os movimentos. Executei com maestria a maioria dos movimentos menos o da terceira chapa, que é um dinâmico meio de lado com um calcanhar direito segurando pra não abrir a porteira. (calcanhar o qual não to podendo usar por causa de uma contratura na panturrilha desde Arcos, na via Estréia). Mas fiquei impressionado com a leveza com que pude fazer a travessia pra direita que havia me custado tanto no primeiro pega. Rolou até mantel pra ficar em pé! Aí sim eu comecei a sentir uma torrente de glória (ô grória), e a acreditar que talvez pudesse mandar. E fiz isolando um regletão de esquerda que respira ofegantemente pra chegar nos buracos ao lado da ultima chapa. Dali pra cima foi respirar fundo, e escolher com que mão clipar a base. E aí veio o meu yang. Após duas cadenas sensacioníveis, uma dor num dedo da mão direita que eu não sentia ha mais de 2 anos. 😦 E os dedos da mão esquerda que tão sempre reclamando estavam bem! Ah, detalhe para o Raul que mandou a Dark Nectar, 8c no segundo pega! Voltando à forma que as cachaças e comidas brasileiras tanto tem lhe custado!

Fomos conhecer o setor Corujas no dia seguinte. Estava me sentindo bem cansado, e entrei na África apertando aqueles regletes como se fossem os últimos. Béee.. dedo reclamou. Depois entrei na C4, fui pagar o cruxzinho com uma puxada de perna direita e Bééé… panturrilha doeu horrores. Entrei na efeito moral, uma delícia, mas aí o corpo já tava pedindo pra parar, pegava nas agarras (enormes por sinal) e o braço respondia bem, poderia costurar à montê, mas o resto do corpo tava mole. Parecia que eu poderia dormir a qualquer momento no meio da via. Aí pedi pra descer, quando para de ser divertido eu paro. Só me restava a motivação de equipar uma via pro parça mandar, e fui correndo com o Ives lá no Tetos, equipei em tipo 10 minutos a It´s Only Rock and Roll às 17:20 pra ele poder entrar e mandar ainda com luz. E não é que o viado mandou?! A-hul! Depois de dois dias de muito aprendizado e yangs, finalmente um Yin pra ele! hehehe O Beto ainda mandou a Vôo da Coruja à vista! Not bad hein?

O último dia foi dia de Belay Bitch pra mim, enquanto o pessoal fazia volume no Quilombinho, eu só na seg e no joguinho do São Carlos Pression Team que eu tinha deixado em cache no meu celular. Consegui chegar no final e descobrir que era o último personagem da equipe!

E acabou-se mais uma trip. Muitas cadenas alucinantes no começo, e no final um ritmo um pouco mais lento. É, quando a cabeça não quer, não tem corpo que acompanha!  Ainda acabamos comendo um X-tragédia no centro de SBS pra fazer hora e pegar estrada depois das 8 e evitar congestionamentos, o que se mostrou de certa forma muito proveitoso. 🙂

Agradeço a todos que estavam no pico e tiraram tantas fotos minhas que nem soube quais escolher pra por no post! Menos à Bia que tava no Canadá hehehe

Próximo feriado, 1º de Maio, Arcos?

CarnavArcos!

Carnaval em ritmo de festa!

Carnaval em ritmo de festa!

O sábio erótico Clóvis Basílio certa vez disse que …”O carnaval da Vivi Fernandes é um dos melhor carnaval”… (sic). Eu vou ter que discordar. Certamente Kid Bengala não conheceu a galerinha do bem que esteve no último carnaval escalando em Arcos, no Rastro de São Pedro. Foram 6 dias de muito climb, festa e  claro, como não pode faltar em todo bom carnaval: furação.

Com a proposta de fazer um Carna diferente, gente de todos os cantos lotaram o pico, que agora conta com 102 vias esportivas praticamente. Mesmo com tanta gente, não houve fila nas vias, pelo contrário, o que rolou foi o comentário de pessoas diferentes em setores diferentes, que aquilo ali tava parecendo um ginásio de escalada: Muitas vias equipadas e muita gente dando A VIBE. E já que era ocasião, teve gente até escalando de fantasia de carnaval. Galerinha do São Carlos Pression Team pode passar o rodo em vários 7a´s e tivemos vários “primeiros 7a´s redpoint, flash e a vista”. Eu mandei meu primeiro 7c em flash (Cafeína) e se eu tivesse visto que a parada da via era pra direita e não pra cima como eu achava, teria mandado outro 7c a vista (A estréia)! Foi loco ver o Ives despertando seu escalador interior que estava dormente, mandando vários 7a´s, e até o Cleber que escala a menos de 8 meses mandou a “entre a sol e a sombra”. Beto pra variar passeando em todas as vias abaixo de nono e o Daniel com a Li curtindo uns quintinhos. Até o Sérgio apareceu com a Rose!! O Gera pôde consolidar sua escalada com vários sétimos também e aprender como NÂO se deixa a corda durante uma escalada dura tipo a cafeína<momento acuzada!>.

Pudemos conhecer os setores novos, muita via nova e todo mundo sem ficar perdido graças a um croqui bem feitinho que pode orientar a todos onde estavam as vias. Sem contar as plaquinhas estratégicas com os nomes das principais vias dos setores. Por muitos anos eu falava que tinha isso na Europa e que era muito massa, que me ajudou muito nas minhas viagens por lá, mas os vovôzinhos do Climb ficaram de putaria falando que isso tiraria o espírito da aventura. Mas aí vc vai no pico, com mais de 100 pessoas, e pergunta se essas pessoas estão reclamando? Ou se estão tendo ótimos momentos escalando com a galera e dando risada? Enfim. Parabéns ao GT Arcos pela proposta, iniciativas como essa só agregam ao esporte, que vem crescendo desenfreadamente, mesmo com tanta gente fazendo tanto pra sugar ao máximo em vez de contribuir de maneira construtiva. Sempre vai ter uma chapa que podia estar mais pra lá ou mais pra cá, é natural. Nem tudo é perfeito e a escalada é feita por seres humanos. Então em vez de reclamar, que tal aprender com os erros alheios (e próprios, claro) pra não acontecer de novo e  mandar um “Muito obrigado” pra essa galera de Arcos que vem botando a mão na massa? Valeu galera. É o Peixe, é o Cintura,  Carlão, Alexsandro, Ricardo Animal, Maurinho e uma galera que eu nem conheço mas sei que dão um trampo pro fico estar filé desse jeito.

Quando escalamos pela primeira vez a “Tufantástica” 6º, ficamos de namorico com a paredes que tem pra direita dela. E no “dia de descanso” fui com o Ives pra esse setor. Escalei uma canaleta pra direita do setor laçando árvore, vários bicos de pedra e fiz “cume”. Puxei a furadeira e desde o cume bati na virada o primeiro furo da parada da primeira via que conquistaríamos no feriado. Escalamos um escalador alto e um baixo e marcamos onde seriam as proteções. Fiz quase todos os furos mas no final tive o privilégio de “ensinar” o Ives a fazer o seu primeiro furo. Ele que vem sendo meu fiel escudeiro em várias conquistas, agora está se emancipando e botando mais a mão na massa. No final subi a via fazendo o FA (de um quinto grau, vale isso Arnaldo?), paguei uma travessia pra esquerda com a ultima costura vários metros pra baixo do pé e, completamente torto e ejetando da parede, comecei a fazer o primeiro furo da via da esquerda. Mas a bateria acabou no meio e eu tive que voltar, desescalar e deixar pra outro dia. No último dia escalei o quinto grau de novo, paguei a travessia desajeitada pra esquerda, lacei mais alguns bicos pra proteger a grande queda/pendulo e consegui terminar de bater a parada dessa outra via. Calculei certinho onde a corda iria passar pra não pegar em nenhum bico e como diriam no jargão local, “implantei”. Escalamos, marcamos e furamos. Enquanto isso a Dupla de Betos furava o final de uma via que o Betão de Divinópolis ja vinha namorando a tempos, pra esquerda da macaco não tem culpa. O Betinho subiu a mãe gaia, atravessou pra esquerda e bateu parada e vários furos no final da via. Mas a logística ficou bem comprometida pelas baterias estarem fazendo por volta de 3 furos cada uma, então era o tempo de ir na casinha deixar pra carregar e voltar pra pegar outra. Acabou que a via dos Betos não foi terminada pelo sol intenso e as bateras, mas não tardará muito voltaremos pra terminar o projeto! A outra via terminamos, deixei o Ives começar, e com umas 4 idas e voltas à casinha pra pegar baterias, o Ives furou a via toda. Está graduado na arte de furar. Agora só falta pagar acessos duvidosos com proteções precárias pra bater as paradas rsrsrs

Além de muito climb e furação, rolou muita cachaça festa a noite. Os donos do Camping tão mais pra melhores amigos que outra coisa. Nos sentimos muito a vontade, e ficamos muito gratos por poder vir ficar na casa de amigos quando vamos escalar em Arcos, isso não tem preço! E claro, numa certa altura das festas noturnas diárias rolou o momento Bigodagem: Todos os homens barbudos cortaram a barba deixando só o Bigode à lá Freddie Mercury / Seu madruga e costeletas.  Mas tipo, rolou adesão praticamente completa de todo mundo! Até as meninas fizeram bigode de Carvão. Isa, Ju, Mel, Ives, Cleber, todos que não tem barba aderiram ao movimento. Por isso a via da esquerda que conquistamos ficou em homenagem à essa galera que cortou barbas centenárias: Bigodagem, 6º. A via da direita ficou muito gostosa de escalar e por isso ficou com o nome de: “Delicinha”, 5º.

Apesar das festas noturnas no camping , todos os dias na rocha era dia de festa. Gente escalando de peruca, cartola, fantasia de pirata, máscaras de carnaval, calças com reforço de cordura kkkkkkk Maior vibe MESMO, galera se conhecendo, escalando junto, foi muito massa! Pude conhecer várias celebridades que só conhecia por facebook, se tivesse caneta pediria até autógrafo hehehe

E foi isso galera! Tem muita historia pra contar mas dessa vez resolvi ser mais sucinto no relato e encher de fotos que agradam mais né? Qualquer dia desses eu upo no xvideos os videos que eu fiz com o celular das festas noturnicas!

Valeu demais a todos que conheci no Camping, vocês são demais e espero poder escalar com vocês de novo em breve! Aos parceiros que acompanham sempre _/\_ Gratidão 😉

Se você não faz parte da solução…

Para bom entendedor...

Faz parte do precipitado!

Semana passada eu fiquei muito feliz pois teve gente famosa falando de mim. Depois falando de um amigo meu. Dezenas de amigos mandaram mensagens de solidariedade, me dando a maior força, antes mesmo de eu saber de tudo isso. Eu estava num momento tão zen naquele dia, que realmente aquilo não havia me afetado, e com tanta gente me defendendo, foi impossível alterar meu estado de espírito naquele momento. Por isso o post de hoje é em homenagem aos meus amigos que ao longo dos últimos meses/anos têm dado um super apoio e muita força – não só na semana passada, mas em todos os momentos da minha vida – quando estamos dividindo uma caneca de café no pico de escalada, uma seg, dando a vibe pr@s brothers/sisters mandarem aquela cadena de seus mega projetos (independente se é um quinto grau ou nono), numa conversa, durante uma cerveja pós-climb. A vocês, meus caros amigos, meu muito obrigado. Saibam que estamos juntos nessa e podem contar comigo, nós acreditamos num mundo melhor e lutamos por um ideal. E chega desse assunto que deu, né? Mais um pouco vou tirar meu MBA via comentários deste blog 🙂

Ah, e pra reiterar que tamo junto e agradecer a companhia de vocês nesses quase um ano e meio de atividades da Quero Escalar, fica aqui uma retrospectiva com algumas fotinhos, começando com as camisetas dos eventos (MINHAS, por sinal) que a Quero Escalar apoiou com seus pouco mais de 1 ano de fundada e receita de quase 2 salários mínimos por mês em média.

Sem contar as oficinas de escalada do CUME onde não ganhamos nada!

Sem contar as oficinas de escalada do CUME onde não ganhamos nada!

Mas é claro, 2 eventos é pouco. Pra 2014 estamos planejando com o Severino de Piracicaba um festivalzinho na ECS (Escolinha de Climb do Sevê), o João Ricardo me procurou e já acenei positivamente quanto a apoiar/patrocinar os 3 eventos de boulder de Campinas, Indaiatuba e Valinhos. E com a reforma completa que fizemos na Caixa d´água da Ufscar, estamos empolgados em fazer mais uma etapa do Campeonato Caipira esse ano aqui.  Estamos negociando com o Águia (Richard) da empresa Pedra Viva em Analândia um encontro de escalada no Cuscuzeiro para lançamento do Guia, que está em sua fase final. Ano passado e retrasado também houveram 2 oficinas de escalada esportiva do CUME por ano, onde também atuamos de maneira voluntária:

Oficina de Escalada Esportiva do CUME, formando novos escaladores e reciclando os antigos

Oficina de Escalada Esportiva do CUME, formando novos escaladores e reciclando os antigos

E como achamos que a escalada é um esporte livre, tal qual é feito na europa, que tal guias de escalada para que não seja necessário contratar nenhum guia?

Produção do Guia do Cuscuzeiro e Colaboração no guia de Arcos (detalhe)

Produção do Guia do Cuscuzeiro (ao fundo), Colaboração no guia de Arcos (detalhe) e patrocínio do Guia do Morro do Canal

E só uma curiosidade. Você sabia que as sapatilhas da 5.10 vendidas no site são de procedência do fornecedor nacional, com nota fiscal e tudo mais? Assim é com os equipamentos da Beal, da USClimb, 4climb, Base Brasil, Hard Adventure, Hipnose e a extinta Conquista, entre outros. O Setor de usados anda meio parado ultimamente, mas é porque temos dado ênfase a trabalhar mais com produtos novos DESDE QUE estejam de acordo com a política da empresa de oferecer preços JUSTOS.

Ocultei os preços pra não ficar chato pras lojas que colocam 240% de lucro em cima dos produtos.

Ocultei os preços pra não ficar chato pras lojas que colocam 240% de lucro em cima dos produtos.

Eu ia por também meu registro no SISCOMEX, mas ah, mudando de assunto: Atletas Quero Escalar!

Atletas que mandam décimo grau na vida, não na escalada.

Atletas que mandam décimo grau na vida, não na escalada.

Os atletas Quero Escalar são escolhidos pelo grau que mandam na vida, não só na escalada. São exemplos para os outros. São pessoas que chegam no pico de escalada e colocam um sorriso no rosto de quem está presente. São pessoas que tornam melhor a vida de quem se aproxima deles. São simpáticos acima de tudo. São eles que fazem mais pela Quero Escalar, do que a QE pode fazer por eles!

– Bruno Alberto “Beto” Severian

– Guilherme Oliveira

– Bia Gabriela Pedroso – Não tem “profile” na QE ainda, mas ela e o Gui são responsáveis pela abertura de um setor inteiro novo nas três pedras em Botucatu. O local antes contava com 3 vias, agora já está com 10. ( E contando…)

Bia na Primeira Viagem

Bia na Primeira Viagem

– Júlia Mara Martins – A Júlia é a maior biblioteca de Betas de vias do Brasil. Ela sabe todos os betas de todas as vias, inclusive as que ela nunca entrou. Com um bom humor inigualável, não tem tempo ruim com ela! É a mãezona do grupo, apesar da pouca idade. Mas experimente ofender o pico de escalada pra você ver o que pode acontecer. Em breve “Profile” na QE também, pois é a última a entrar “pro time”.

Julia estreando seu saquinho da Hipnose novo

Julia também é dona do Abrigo informal de escaladores “só para os chegados”, em São Carlos

– Este que vos fala

Bem, e tem a abertura de vias, mas isso é tipo um grande prazer pra nós, e fazemos com tanta alegria e entusiasmo que nem precisa colocar como atribuições da QE. Só acho que poderiamos estar furando mais, mas nossa região é cheia de picos com placas de Proibido a entrada, acesso complicado (sem trilha, estradas, plantação de urtiga, etc.) ou arenito de baixa qualidade, o que acaba dificultando o trabalho de busca por novos setores.

Conquistas em Botucatu, Arcos, Franca, Arcos, Cuscuzeiro,  Itaqueri da Serra e Invernada.

Conquistas em Botucatu, Arcos, Franca, Cuscuzeiro, Itaqueri da Serra e Invernada.

E muito bem! Chega por hoje. Mais uma vez meu obrigado pelo apoio. Para finalizar eu queria colocar aqui um vídeo que eu vi outro dia, que não é de escalada mas achei engraçado e lembrei dele, não sei porque, mas que fala em nome de uma ELITE que não me representa.