Novo Pico de Escalada em São Carlos

Antes de você pegar o ponto do pico no GPS, favor ler o post até o final…

O Pico novo tem 40m, 25 de negativo e 15 de vertical final.

O Pico novo tem 40m, 25 de negativo e 15 de vertical final.

Pois nos últimos meses o motivo de estarmos tão sumidos é apenas um. As conquistas incessantes na nova falésia que descobrimos aqui em São Carlos. O Pico fica próximo da Caverninha, mas do lado contrário da Cuesta, mais para o lado da Invernada, só que com um arenito quase quartzito vítreo. Ano passado o Ives, Guilherme e eu demos várias pernadas em busca de picos novos e meio que sem querer, na volta de mais uma investida frustrada, reparamos que o carro estava esquentando. Por sorte tinha sobrado uma nalgene cheia de água esse dia. Quando paramos pra encher o reservatório de água do carro, eis que o Gui da uma pescoçada entre as árvores e observa uma ponta de rocha quase imperceptível. Como já estavamos ali mesmo, e tinhamos aproximadamente uma hora de sol ainda (abençoado horário de verão) tentamos alcançar a pedra, que parecia próxima. O primeiro acesso demorou: Muito mato, espinhos, arranha gatos e quase 45m depois chegamos à rocha que haviamos julgado que demoraria nem 10mins. Ficamos boquiabertos com o que haviamos descoberto. A Boca de uma E-NOR-ME gruta de arenito/quarzito com aproximadamente 40/50m de altura. Bem na curvinha do morro, virada pra dentro, não visível da estrada, a não ser pela pontinha da direita, por onde se chega.

Gui no ultimo furo da Pulo do Gato, primeira chapa da via.

Gui no meio da conquista da “Aqui é Lebron James”

Claro que alucinamos no pico e desde outubro as conquistas estão fervorosas e rolando em segredo, uma vez que tivemos problemas de acesso em outros 2 picos por causa da minha boca grande e escaladores inconsequentes (e já cheguei a ouvir de gente que nunca tinha aberto via dizendo: “…to indo amanha com fulano lá abrir via, se quiser ir blz, se não que se foda…”). Há hoje 3 picos de escalada com vias abertas com acesso proibido aqui na região de São Carlos. Não queríamos que esse se tornasse mais um, pois é muito clássico. Tão Clássico que começamos a chamá-lo de Eldorado. O suprassumo do que sempre estivemos buscando: Rocha boa, alta, não podre, com agarras, sem abelhas, sem problemas com proprietário e acesso rápido (o acesso, uma vez que a trilha ja está aberta, é em torno de 15 minutos).

Metranca nova e muita chapa..

Metranca nova e muita chapa..

Bem, por essa e por outras razões tocamos o projeto em segredo, só sabendo e tendo ajudado nas conquistas os mais chegados mesmo, como Beto, Ives, Guilherme e nem as respectivas estavam por dentro do que estava se passando. Pra vocês terem noção já tivemos que comprar outra furadeira, e a remessa de 500 chapas Gariglio que o Gui trouxe de BH pra Quero Escalar ano passado já estão acabando!!! O pedido de bolts que eu fiz na âncora ano passado também já está no final.  Ah! E – pasmem – nem sikadur tem sido necessário nas conquistas de tão boa que é a rocha! (com exceção de um furico ou outro numa faixa menos boa no comecinho da parede mas que ficou resolvido com os tais Bolts tipo “Alpha”.

Beto terminando uma das conquistas noturnas

Beto terminando uma das conquistas noturnicamente

Para nooooooossa alegria, (e para dificultar as conquistas) não tem uma fendinha no pico inteiro, então não teve linha desperdiçada com polêmicas sobre ser mista, móvel, solo ou com chapa. Todas as vias estão com corrente e mosquetão na parada, e em algumas inclusive deixamos Perma-draw nos crux que também ajuda pra limpar a via devido à negatividade da parede. Das 17 vias que abrimos desde outubro até agora, 9 terminaram com aproximadamente 28 ou 30m, 6 estão com 40m e possuem uma parada intermediária nos 30m para descer com corda de 30m, e apenas uma está com 18m que é um quintinho bem na direita onde a parede começa. Até agora ficou assim então, da Esquerda pra direita:

1deabril

A trilha de chegada é pela direita. Na rodovia São Carlos – Descalvado, entrar a direita no Km 12, andar 3km na terra e parar 100m depois do portão azul. A trilha vai estar logo a direita do lado de um Eucalipto perdido no meio da vegetação de cerrado.

1 – Tem dia que de noite é assim 7c

2 – A tara de shitara – 8c (7c até a primeira parada)

3 – Nunca mais vamos beber – projeto (deve ser um 9a, mas como só temos ido lá pra conquistar não mandamos ainda).

4 – Inferno astral – Projeto (até a primeira parada talvez 9a, depois, décimo quem sabe)

5 – Inferno de Dante – Variante da  Inferno astral, depois da 4º chapa vai pra direita, provavelmente 8a.

6 – Os gritos do surdo-mudo – 7b

7 – Até uva Passa – 6sup

8 – Quem poderá nos ajudar? 7a

9 – Só não te dou outra porquê… 7c

10 – Paixão Obsessiva Compulsiva – 8b (até primeira parada, depois talvez 8c)

11 – Que Medinho que me dão – 7a

12 – Lição de Casa 7b (Variante da 11, na segunda chapa vai pra direita)

13 – Aqui é Lebron James 8c (Até primeira parada, crux de bote na saídinha, mais 4 chapas até o final, 9b)

14 – Ouro 18 Pilates 8b (até primeira parada, 8b/c até o final)

15 – Errou feio, errou rude, 7b

16 – Singularidade espaço-tempo – 7b

17 – Vem com papai, vem.. 5sup

Conquistadores: Beto e Genja: 1, 2, 3, 7, 8, 9, 14, 16

Genja e Ives: 4, 5, 6, 10, 11, 12, 17

Guilherme e Genja: 13, 15

Conquista debaixo: Furadeira a tiracolo, jogo de camalots, de nuts, de Tricams, martelo, chapas, bolts, chave de boca... Acha! Ta levinho!!

Conquista debaixo: Furadeira a tiracolo, jogo de camalots, de nuts, de Tricams, martelo, chapas, bolts, chave de boca… Acha! Ta levinho!!

Bem, é isso galera, as conquistas não param! Lembrando que para QUALQUER via (menos a 17), corda de 30m obrigatório! Levem repelente pq os mosquitos pegam forte, loninha pra corda pq a poeira é grande, e PELO AMOR, se for CAGAR, enterrem TUDO, inclusive o PAPEL, bem escondidinho como se ninguém pudesse saber que você foi ali! Agradecemos aos chegados que doaram grana para chapas ou chapas propriamente ditas. A Quero Escalar tem apoiado bastante também doando mosquetões e correntes para as paradas as vias, então clipou desceu!

Foi mal galera, primeiro de Abril!

Foi mal galera, primeiro de Abril!

Galera, para não perder o costume, o post de primeiro de Abril deste ano foi hilária. Estava inspirado, por isso uma história tão consistente. NO ENTANTO, esse post poderia ser verdade se mais gente se envolvesse na busca por novas falésias que tenham potencial para se tornarem novos picos de escalada, nas politicagens e negociações com proprietários intransigentes de picos que já tem vias mas estão fechados (nunca chegaram a ser abertos – ou nos novos em potencial) ou ajudando na vibe pra tirar abelhas. Foi mau aí quem se animou com um pico novo, não seria da hora se tivéssemos um pico novo em vez de ficar emendando linhas entre vias nos picos já tradicionais existentes? Nada contra, aliás, adoro… mas ahhh como eu queria encontrar o meu Eldorado… sigo na busca!

Novo Pico de Escalada no Interior de SP

Falésia de Tremendal - O pico novo de São Paulo é tão legal que fica em minas!

Falésia de Tremendal – O pico novo de São Paulo é tão legal que fica em minas!

A Headline é meio sensacionalista mas é verdade. Esse fds conheci um pico novo muito legal com conquistas recentes, e muito potencial para mais. Tudo começou quando eu conheci o Everton de Franca, que estava hospedado lá no espaço mandala no Cipó com a Alice no Reveion. Conversamos um pouco e ele me falou desse pico novo do lado de Franca chamado Tremendal, onde eles estavam abrindo algumas vias. Pico com cachoeira, sombra, boulders, num quartzito com muitas agarras, bem propício. Já fiquei animado, e quando ele falou que ia rolar churrasco, consegui angariar 7 pessoas pra irmos em 2 carros passar o finde por lá.

Os detalhes de porque a gente combinou de sair as 5 da manhã mas saiu só as 9 vou deixar na imaginação de vocês, mas o fato é que chegamos em Franca as 11 e pudemos conhecer a Academia de Escalada ECOLIFE. Um conceito muito legal com uma pequena parede para vertical, mas uma mega estrutura de Boulder ímpar. Logo partimos pro pico, que fica próximo à cidade de Ibiraci e é preciso enfrentar 15 intermináveis km de terra para chegar no lugar, que é uma propriedade particular. Então, claro, todo respeito é bom e o dono gosta.

Comecinho do setor floresta

Comecinho do setor floresta

Fizemos a caminhada de 10 minutos do carro até o Acampamento Base, que é uma Mega árvore com vários blocos em volta, perfeito pra montar barraca, bivacar, armar rede, enfim, sombra sob o calor de rachar que fazia. Armamos as barracas deixamos tudo pronto e partimos pra mais 2 minutos de trilha conhecer o “pico” propriamente dito. Primeiro o setor “floresta” que é mais fechado e parece ter vias mais altas, termina próximo à cachoeira. Depois voltamos um pouco e já fomos para o segundo andar, onde resolvemos ficar e fazer a rapa no maior numero possível de vias que conseguíssemos. A idéia era abrir via também, mas no primeiro dia resolvemos escalar pra curar a ressaca a escalada estava tão gostosa, o time todo entrosado que resolvemos ficar curtindo o pico e o climb. Nos divertimos horrores, a escalada é muito gostosa, as vias muito bem protegidas, então é pra você curtir a escalada e não passar medo ou passar mal, no melhor estilo esportivo com um visual muito bonito.

Estávamos o Shimoto, a Júlia, o Gregson, a Fabi, o Ives, a convidada especial Mel, que veio de Sampameo, e eu. Foi massa porque todo mundo tava na mesma pegada: Opa, pico novo com várias vias encadenáveis, escalada à vista já! No fim do dia, quase escuro já, chegou o Artur, que é de Ribeirão, mas tem um pézinho em Bauru e agora meio que mora em São Carlos. E assim foi o primeiro dia, todo mundo entrando em tudo, fomos terminar de escalar lá pras 9 da noite. E olha como tava tão calor: Todo mundo caiu pro rio pra tomar banho 10h da noite! Com excessão do Ives que deu um migué monstro, todo mundo entrou na água e tomou o banho completo. Não demorou a água já estava agradável e dava pra ficar inteiro dentro tranquilamente (é que o lugar era meio raso).

O Churrasqueiro Everton que não deixou faltar nada!

O Churrasqueiro Everton que não deixou faltar nada!

E depois do banho, churrasco! Foi mto massa, o nosso anfitrião não deixou faltar Carne nem cerveja, muito menos batatas, cebolas e tomates no papel laminado para as vegetarianas. Teve até o repeteco do show do Rafa que animou a noite no 14º encontro de Londrina ano passado. E apesar de ter dormido pouco de sexta pra sábado e de sábado pra domingo, no domingo acordei cedinho, renovado, super disposto e pronto pra mais. Fomos pra bica do lado do carro pegar água e encontramos uma caranguejeira gigante preta na trilha do tipo que deixaria o Raul com piripaque (se bem que até as pequenas já causam esse efeito nele – essa era do tamanho de uma mão). Em seguida tomamos o café da manhã coletivo. Eu logo já fui pro pico com o Ives, que já tava animado pra furar também. Tinhamos visto vários locais em potencial para abrir via, mas em um dos setores a rocha parecia muito boa, super alta e com saídinha encardida. Fomos direto pra esse setor  e  Jumareei pela corda fixa que os locais tinham deixado no setor, (infelizmente não vou lembrar do nome de todos que conheci!) e no cume joguei a corda na linha que eu tinha flagrado enquanto subia.

Café

Tomando café da manhã, com a falésia ao fundo

Comecei a descer e rapidamente estava no lugar que havia vislumbrado bater uma parada, mas era meio duvidoso. Na verdade eu senti que não conhecia muito a rocha, pois no arenito só de olhar eu já sei se é podre ou um vidro. Mas ali é rocha nova e fui descendo até encontrar rocha suficientemente sólida pra eu bater uma parada. Decidi sacrificar alguns metros de uma escalada com muitos agarrões em prol da segurança, e foi melhor, porque no final das contas a via ficou com quase 30m!!

Parada batida, puxei outra corda e deixei o top armado com uma parada equalizada, backupeado na corda que vinha do cume. Desci e na metade inferior tive que escovar tudo pois tinha muuuito limo e musgo seco nas agarras. E tudo com uma escovinha de dentes kkkkkkk Foi puta trampo, ia magnando os regletes que da parede lisa iam pipocando e tornando a escalada possível. Cheguei no chão depois de quase 1:30h pendurado e dei uma relaxada rápida, bebi muita água e comi alguma coisa. Mesmo tendo ficado quase 1:30 no sol, as vezes vinha uma brisa da cachoeira o que não tornou a tarefa tão árdua. Na sequência entrei escalando de toprope pra definir os melhores lugares pra furar e por as chapas. Saídinha forte e logo um passeio até o final que já estava na sombra quando eu saí da altura da copa das árvores. A Jú entrou na sequência pra ver se a “altura” das chapas estava ok para os anões equiparem a via. A parada ficou poucos metros à direita do final vertical de uma fenda perfeita de uns 30m em z. Só que essa fenda tem vários blocos pra rolar, então já que tinha bastantes agarras pela direita deixei a via mais afastada dela (e pra não causar polêmica com chapa perto de fenda). Quando estava chegando na parada ela puxou um video-cassete que eu já tinha visto e desconfiado que tava solto. Gritou tão alto “PEEEEDRAAAAAA” que ela ficou rouca até chegar em São Carlos. O Everton deu um matrix se escondendo embaixo de um bloco, e a pedra caiu certinho onde ele estava!!

Via1

Tirando os moves pra ver onde é melhor colocar as proteções

Passado o susto concluímos que já estava meio tarde, então já subi pra furar. Foram 12 furos, 2 brocas e tive o cuidado de colocar uma chapa melhorzinha no crux pra economizar o mosquetão da galera. E o mais legal: quando estava na metade da via olhei pra cima e observei que faltavam 6 furos e eu tinha só mais duas baterias, então resolvi deixar um furo intermediário numa das partes mais fáceis da via para o final. Consegui felizmente furar os 5 furos que faltavam, e quando, já descendo, fui aproveitar pra fazer o furo que tinha deixado por último, a bateria acabou bem no comecinho! Fica a pimentinha na via pros amigos, quem já fez um 7c lá embaixo acho que não vai reclamar do esticãozinho de 4m na parte de 4º grau 🙂

Nem sei muito o que os outros tavam fazendo, mas sei que o Ives ficou ali no auxílio mandando as coisas pra mim enquanto furava, a júlia ajudou a definir a altura das chapas e a grampeação, e o shimoto deu aquela seg esperta no top e na cadena da Ju. O Greg subiu com o Ives lá no topo da falésia depois pra desarmar as cordas fixas e demoraram mil anos pra voltar. Ficou mal contada essa história mas tudo bem, eles estão no direito deles. E a Fabi tinha tomado uma picada na testa no dia anterior, acabou ficando mais na dela. A Mel escalou uma via com o Shimoto mais cedo mas depois também não resistiu aos encantos da rede e fez uma ciesta.

Furando a segunda chapa

Furando a segunda chapa

Duas horas depois de ter saído do chão pra começar a furar, estava de volta, exausto, acabado. Fiquei pensando nas escolhas que a gente faz na vida da gente. Estava ali porque eu queria, cansado, todo dolorido, não tinha obrigação nenhuma, mas eu queria tanto estar ali, estava me divertindo tanto, estava muito feliz. A cabeça a mil, o corpo nem tava aguentando tanto “malho” que vinha recebendo nos últimos dias. Tava tão cansado que deixei a via pro Shimoto equipar, depois deixei a Ju entrar pro FA enquanto eu tirava um cochilo, ali, em cima da corda do Shimoto mesmo. E quando ela chegou no chão, o corpo ainda esgotado respondeu quando eu mandei ele levantar e ir lá, que eu queria escalar aquela via tão bonita! Lembro que a hora que levantei a Mel já me olhou e passou a garafa de café, que eu tomei rapidão e já fui pra via. A Ju me proibiu de passar mag no crux, mas achei um entalamento de joelho tão bom que até pude me permitir. Fiz o lance, costurei da melhor posição (e não da agarra ruim que tem próxima à costura) e aí foi só dar uma respirada e tocar mais 25m de curtição. Subi re-limpando e re-assoprando muitas agarras pois não havia sido suficiente da primeira vez e lá no final da via ainda vinha um ar fresco da cachoeira, que maravilha! Acabei mandando a primeira repetição, e foi muito recompensador mandar uma via que acabara de abrir. O Grau sugerido ficou entre 7b duro ou um 7c suave, tem 30m praticamente e o nome é “Intercâmbio Cultural”, devido à essa troca de experiências tão gostosa que foi esse final de semana com o pessoal de Franca, em especial na figura do Everton da Ecolife. Obrigado pelo presente de me permitir fazer uma das coisas que eu mais gosto que é abrir vias, num pico tão incrível, bonito, num ambiente bucólico e escalar com pessoas que tem sido como uma família pra mim. Não vemos a hora de voltar! Tem muita linha pra abrir ainda, espero que ainda sobre alguma quando voltarmos! 🙂 Detalhe que ao sairmos do pico pra ir embora, não vimos um lixinho, nada, o pico ficou do jeito que estava como chegamos e como tem que ser!

E claro, obrigado aos amigos que me acompanharam ao pico novo, mesmo sem saber muito o que esperar, vocês são demais! Shimoto, Ives, Ju, Fabi, Greg e Mel:

Gratidão!

Capacete cheio de Poeira: Missão Cumprida!

Capacete cheio de Poeira: Missão Cumprida!

O Retorno do Rei e a Lenda

Adivinha onde eu tô, quem ta de volta na praça? Chris sharma, ex-quadrilha da fumaça!

Adivinha onde eu tô, quem ta de volta na praça? Chris sharma, ex-quadrilha da fumaça!

Ele está de volta. Quem gostava do Chris Sharma já estava enjoado dos mesmo videozinhos ctrl+c ctrl+v de sempre mostrando a vidinha perfeita dele lá na espanha, com a mulher perfeita, casinha perfeita, com um cachorro perfeito, escalando pefeito. BO-RIIIIING. Entediante. Não aguentava mais e já estava rolando um momento “vergonha alheia” cada vez que saía um video novo “mais do mesmo” do chris sharma. Parece que quando ele queria fazer uma coisa diferente só faltava ir no Parque Ecológico fazer picnic (please kill me now). Fofoquinhas a parte, Chris parece que está numa nova fase de sua vida, muito mais positiva e agitada, e botou o pé na estrada. Primeiro foi pra Austrália, depois foi pra Yosemite tentar livrar a Dawn Wall junto com o Tommy Caldwell que tenta pelo sexto ano consecutivo. Aí o parque fechou e foram pra outros picos. Eis que depois de 5 anos sai um filme realmente cativante do nosso herói pop das falésias esportivas escalando e fazendo boulder no “The Grampians” que é tipo o Cipó Australiano. Nesse tempo que ele ficou hibernando brincando de American way of life (só faltou a cerquinha branca), quem ganhou atenção (muito merecida diga-se de passagem) foi o Tcheco Adam Ondra. Depois de mandar vários dôzimos, o tcheco voltou pra escola e, apesar de mandar um dôzimo ou outro de vez em quando, parece que é só isso que ele faz e não faz mais que a obrigação. Enfim, tudo isso pra apresentar esse vídeo novo que a Prana fez sobre o Chris em sua visita pela Austrália. O mais incrível é que o vídeo é do Simon Carter, o Naoki Arima versão internacional da fotografia, que agora também está fazendo vídeos. Destaque para as vuadas, oferecimento: shimoto airlines.

E agora vamos polemizar. Todo mundo ficou sabendo da treta do Gringo que veio arrancar chapa das chaminés cariocas em itatiaia, e abrir via onde não pode. Aí depois de ter sido queimado vivo em praça (fórum) pública, ele solta um texto que se encaixa na categoria “Errou feio errou rude” ao tentar justificar suas atitudes com argumentos completamente fantasiosos e bem de “forçação de barra”. Do tipo “é… é… Arranquei memo, é… é… se foda.. Ninguém garante que a via era sua! pode ter subido um dinossauro ali antigamente e por isso vc não foi o primeiro, nao tem como saber“. Fala com a minha mão mano. Detalhe que ele trata como fenda uma chaminé de meio corpo (daquelas que você tem que colocar o cotovelo dobrado pra caber o antebraço dentro – Asa de galinha! – mais meio corpo pra conseguir fazer o entalamento). Sua declaração de “mea culpa” cheia de frases de efeito vazias criadas pelo gerador de blablabla foi mais um momento vergonha alheia, e uma excelente oportunidade perdida de ter ficado calado. Enfim.

http://desnivel.com/escalada-roca/enzo-oddo-hay-que-prohibir-los-spits-en-las-fisuras-de-granito

E falando em cagada e apedrejamento em praça pública, o Joe Kinder sofreu o mesmo essa semana, pois abriu uma via num pico, e arrancou uma “arvrinha” na saída da mesma que estava bem na reta de queda do crux, o que evitou possíveis empalamentos por parte dos escaladores. Acontece que a árvore era protegida, meio sagrada entre os locais, centenária. Aí a casa caiu pro Joe Kinder (ovo). Em vez de falar: “Se foda, agora a árvore não volta mais e eu faço o que eu quiser” ele soltou um super pedido de desculpas admitindo o erro e contando a história de como ele pensou pra chegar à conclusão de remoção da árvore e se dizendo super chateado com o ocorrido pois ele não tinha noção de que a árvrinha era tão importante assim. Enfim. Era isso que esperavamos do Muleque que fez cagadas, mas muleque é muleque né. Esperamos que o caso Joe Kinder sirva de exemplo pra galera não sair fazendo merda por aí, e se fizer, como se deve fazer um pedido de desculpas. (Apologies accepted).

http://www.joekindkid.com/2013/10/my-actions-my-responsibility-and-my-mistake/

E para entrete-los, alguns vídeos preparados. Um vídeo muito legal, (mais um) da Prana, com a Heather Robinson, uma veterinária mandando os graus foda em sua falésia quintal de casa. Dica para as meninas que querem ser escaladoras e aproveitar o máximo que a escalada tem a oferecer: Vejam como ela toma voadas tranquilamente nas vias. Que tal começar a perder esse medinho? 😉  (Destaque para a trilha sonora e a fotografia)

E falamos do Chris Sharma, mas por onde anda o mundialmente famoso “Máquina”? Dani Andrada pelo jeito gostou de abrir as vias longas em tetos de cavernas e está se empenhando numa nova via. A espanha que tem todo tipo de Rocha boa, tem também essas grandes “cuevas” altas com arcos em cima, então o lazarento nem tem que viajar muito longe pra poder escalar o que lhe “de na gana”.

E um dos melhores eventos de escalada do Brasil ocorreu no mês passado, o Cocalcinhas. Homens vestidos de mulher foram autorizados a participar também, mas em principio foi um encontro feminino de boulder na rocha.

E esse mês também saiu um vídeo muito legal mostrando as primeiras impressões de uma escaladora recente. Sabe quando a gente fala que não importa quanto você escale, enquanto vc não vai pro Cipó não da pra saber se o “bichinho” da escalada te mordeu ou não? Pois aí a menina aparece sendo devorada por ele. Motivante, inspirador. Bonus para o Barão na Juan Salame 11b. Máquina!

Ah! E pra finalizar, todo mundo sabe que estou terminando os ultimos ajustes no GUIA COMPLETO DE ESCALADAS DO CUSCUZEIRO. Pois pedi apoio a algumas empresas pra fazer propagando no livro (que será colorido, em formato A5, com  muitas fotos com aproximadamente 70 páginas) pra ajudar na impressão, e até então tenho ouvido muita desculpa de que as vendas cairam esse ano e por isso Não podem ajudar. Ah, claro, aí sua marca tem uma queda nas vendas: em vez de vc investir em divulgação e publicidade para que as pessoas voltem a comprar, você guarda o dinheiro embaixo do colchão. Sobre esse assunto preparei um artigo daqueles de 5 folhas de word explicando o porque da crise, mesmo nunca tendo se comprado tanto equipo de escalada no Brasil, talvez solte aqui no blog nos próximos posts. Bom, tudo isso pra dizer que por coincidência numa visita técnica na Alemanha pela Quero Escalar (aguardem, em breve novidades) me aconteceu algo inusitadíssimo, confira comigo no Replay:

Estou eu na Alemanha conhecendo os funcionários da empresa durante uma visita técnica na Fábrica/Escritório da Edelrid quando entra na sala um senhor Alemão muito simpático e pergunta se eu conheço o Cuscuzeiro. Aí eu digo todo surpreso: Claro! Estou fazendo o guia de lá! Aí ele: E vc sabe como é a historia de como começou a escalada lá? Aí eu: Sim, foi um alemão, que abriu as primeiras vias e aí não pararam mais…o nome dele era Karst… aí ele responde todo fanfarrão: Muito prazer, Karst!

Fiquei muito feliz de ter podido conhecer uma lenda viva! O cara que abriu as primeiras vias no cuscuzeiro como Manga com Leite, Watch me, Let’sgo, mosquitos go Home e Denorex por exemplo, lógico que pedi pra tirar uma foto com ele!

Carsten (o cara que junto com o Tonto abriu as primeiras vias no Cuscuzeiro!) e eu, na fábrica da Edelrid.

Carsten (o cara que junto com o Tonto abriu as primeiras vias no Cuscuzeiro!) e eu, na fábrica da Edelrid.

E foi isso, a fábrica é Sensacional, o departamento de criação, deu pra ver como as cordas são feitas e como são projetados os equipamentos e as novas tecnologias. Simplesmente demais!

Ah! Se alguém quiser ver sua marca no guia do pico mais importante do interior do estado, entre em contato!

Escale Magro

E já que o assunto de hoje é polêmico, nada melhor…

Muita gente pensa que escalada é um esporte que ou você faz bem já no começo, ou nem precisa começar. Este tipo de pensamento na verdade faz parte da seleção natural tanto pra pessoa “entrar” no grupinho da galera que escala, quanto em outros campos da vida, extrapolando tanto para os campos da sedução quanto profissional. A verdade é que depois que você começa a escalar você começa a sair menos com aquela galerinha “Luzer”* e sedentária da faculdade que adora ficar reclamando e colocando a culpa em fatores externos em qualquer assunto que surja.

Quando você escala (e talvez até por isso que você escale) você não vê as metas como simplesmente intangíveis. A gente apenas as vê, levanta e caminha em direção a elas. Por isso existe a seleção natural. Quando começamos a escalar, chegar ao topo de uma parede de escalada pode até parecer intangível, mas tendo como meta, nos colocamos aquilo como objetivo e trabalhamos nesse sentido até que o alcancemos. Assim como muitas vezes um muleque magrelo e forte sobe a parede rapidinho, manda bem no primeiro dia da escalada mas quando as vias começam a ficar mais desafiadoras ele para de escalar, também acontece o oposto: Aquela menina baixinha e gordinha, que teve dificuldade pra escalar desde o primeiro dia se acostuma com o desafio: trabalha para supera-lo e quando o faz, já procura outra escalada mais difícil tornando-se assim uma excelente escaladora.

É tudo uma questão de atitude, de encarar os desafios, de pegar para si a responsabilidade que é só sua mesmo, e, uma vez admitido que você quer aquilo para si, ir até o fim e conseguir. Aí você começa a entender que em outros campos da vida é assim também: Basta levantar e caminhar em uma direção, tomar uma atitude, que os problemas muitas vezes vão se resolvendo sozinhos (assim como na escalada, só de escalar vc ja vai ficando mais forte ou aprendendo algo) e muitas vezes o mais dificil terá sido tomar a decisão e tirar a bunda da cadeira com a intenção de buscar uma solução para aquele problema.

Digo isso pois andei lendo muitos artigos essa semana sobre o tema Escalada X Peso. Qual o pesso ideal pra você escalar bem? Quão importante é estar magro pra poder escalar? Depende: Se você acha que escalar é fazer os mesmos quartos graus continuamente semana após semana sem nenhum comprometimento com o que você está fazendo, apenas pra “curtir” com os amigos que também vão escalar quartos graus pra sempre, então você pode ter um IMC de mais de 30 que tá de boa. Mas sinceramente, isso pra MIM não é escalada. Escalada é superação, é evolução. Ainda mais no Brasil: se você escala faz 2 anos e não guia um sexto grau, você vai viajar pra onde pra escalar? Nossos picos não são tão recheados de quintos graus assim. Os poucos que existem possuem fila. Ou você pode se esconder atrás de uma atitude de escalador “Trad” que faz parede. Aí vc não precisa treinar nunca, e ficar a vida inteira fazendo os segundos graus do setor colorido na Urca. Mas vc nunca pensou em fazer uma das vias mais bonitas do Brasil, “As Lacas Também Amam” 7c, no Pão de Açúcar? Nem precisa fazer a Migalhas indecentes (nono grau no CE2000), mas aumentar seu espectro de vias escaláveis pode ser muito saudável para sua escalada. Ir pro cipó fazer a Ninhos e a Melzinho na sua SEGUNDA ida pro cipó é osso hein? (porque na primeira tudo bem!;) (considerando que você NÃO mora a 1h do G3 né?) E a ética? A lamúrias? Eu quero mandar a especialidade da casa (Sem curintxa)! E tem a Tatara no setor foda que é coisa linda de Deus! Sem falar que to devendo a ética, ô que da hora, um monte de via por mandar! Me falaram de uma via nova sensacional chamada “chorrera musical”… nessa eu quero muito entrar! Acho que o segredo do Cipó não é que a gente manda todas as vias por lá, mas acho que é porque a gente NÃO manda hehehe Aí quando volta pra casa fica mais motivado a treinar pra quando for viajar outros 900km  pra escalar tem que estar com a lição de casa em dia…

Enfim, o importante não é ter cadenas de décimos graus no currículo, mas sim ter a liberdade de poder viajar, escalar com os amigos em qualquer pico, e, no Brasil, infelizmente, você precisa ter feito a liçãozinha de casa para estar guiando pelo menos um sextinho grau a vista. É claro que você não deve se prender e deixar de ir porque ainda não está “forte o suficiente”, também faz parte da seleção natural da escalada ser ousado e arriscar… Mas também faz parte fechar um pouco a boca e treinar mais para que essas viagens se tornem mais prazeirosas. Se você escala, as chances de que vc esteja magro são altas, porém, como vc é brasileiro, se excluíssemos a variável escalada, vc teria 48% de chances de estar GORDO.

Você escala?

Atividade física até ajuda a perder uns quilos, mas quem está acima do peso – 48,5% da população brasileira, segundo o Ministério da Saúde– precisa fechar a boca para ter resultado, de acordo com pesquisas recentes.

Essa pesquisa é muito interessante, dizendo que não adianta apenas fazer exercícios (treinar, escalar por exemplo), é preciso fechar a boca também. Leia na íntegra aqui.

É impressionante como eu desfruto mais da minha escalada quando estou mais leve. É mais prazeroso fazer os movimentos estando levinho, por mais foda e no meu limite que seja e as vezes quando eu estou meio desmotivado pois não consigo mandar aquele projeto, só de estar escalando leve isso já me motiva pelo simples fato de estar escalando, o que me faz escalar mais. Se você é muito gordo, e está envolvido numa esfera de churrascos intermináveis, pessoas sedentárias e acha difícil se livrar das amarras da gordice, o Dave Macleod, autor do livro “9 entre cada 10 escaladores cometem os mesmos erros” dá uma dica: você pode treinar gordo, malhar seus projetos gordo, aí quando for pra mandar a via, você faz uma dieta nazista, perde 10kilos em duas semanas, manda, e volta a engordar. É engraçado diz ele, que ninguém vai acreditar que “aquele gordinho” mandou aquele nono. É claro que o Macleod fala que não basta emagrecer. Ter a técnica, a força entre outros fatores são fundamentais, mas perder peso quando já não tem o que melhorar nos outros critérios pode fazer a diferença.

Nem é tanto uma questão de estética, mas totalmente de saúde

Mas o importante mesmo é sempre estar evoluindo, ampliando a base da sua pirâmide (sua escalada deve ser como uma pirâmide: Base larga de sextos graus, e ir “afunilando” tendo em seu cúspide aquela via super hard naquele grau que vc mandou só uma –> Entenda mais sobre a pirâmide) mas também aos poucos ir elevando esse ponto alto. Sempre vai ter aquela via controversa que o povo de campinas fala que é 9a, e o pessoal de São Carlos diz que é 8c (aí vem um gringo e dá 8b hehehe) mas isso faz parte do climb. O que vale é a atitude de estar sempre escalando. Aqui no São Carlos Pression Team por exemplo a gente não se liga perguntando se vamos ou não escalar no finde. Simplesmente nos ligamos no sábado de manhã pra saber PRA ONDE. E você e seus amigos, são assim também?

Quando estava procurando sobre a função do peso na escalada li muita coisa sobre pessoas “normais” que praticam “escalagem” uma temporada de suas vidas só porque é legal, mas sinceramente, é a mesma coisa que vc ir andar de kart ou jogar boliche um fim de semana ou dois, e se considerar “O Schumacher” das pistas, se considerar escalador. Para entrar nessa categoria é necessário muito mais do que ter os equipamentos do ano super leves e falar pra todo mundo que você escala. É legal pois a escalada é um esporte que não te deixa mentir, ao contrário de outros esportes coletivos que dá pra mascarar resultados através do desempenho de outros (adversário muito bom, cara do seu time que jogou mal, etc…). Na escalada ou vc escala, OU NÃO. Quantas vezes vimos gente que chega com teninho da North Face, mochila da Deuter, pagando de “climber” contando altos causos de “escaladas que ele fez por aí”, batendo no peito méritos… Aí chega na parede (artificial, vertical, só com agarras de teto) e escala que nem um preá cego com dengue hemorrágica. Ahhh, mas não seja tão preconceituoso! Deixa o cara! Pra você que não escala é facil falar, mas pra gente que escala, que se dedica, que gosta, que investe tempo e muito mais nessa arte que é a escalada, não da pra não reparar ou se incomodar com isso. É a mesma coisa que um cara falar: EU TRABALHO COM TI (tecnologia da informação). Aí seu cunhado responde: AHHH PODE CRER, EU INSTALEI O AVAST NO PC DA MINHA SOGRA ONTEM!

Eu falando de escalada e vc vem me falar que fez rapel em Brotas?

Para ler mais sobre perda de Peso Vs. Escalada  acesse:

http://climbstrong.wordpress.com/2012/03/07/fat-loss-and-weight-management-for-climbing-part-one/

E só uma última dica para os pais:

Olha que menino Saudável!

Se seu filho está desse tamanho ele está doente. E você também: da visão. Como não viu e deixou seu filho chegar nesse tamanho? Por favor pare de entupir ele de porcarias e eduque-o de forma correta, ensinando-o a comer e a ter hábitos saudáveis. Ele vai te agradecer muito quando tiver consciência do bem que vocês terão propiciado a ele! Além dele, tanto seu corpo quanto sua auto-estima agradecem! Só quem não agradece são os outros meninos do colégio que praticam bullying nele.

 

A bruxa ta solta!

Calma! Essa foto é de 2008, quando eu enfiei a mão num ouriço do mar – e eu já não gostava de praia ANTES…

Faz mais ou menos um mês eu fiz um treino de finger. Já vinha fazendo algum tipo de treino nele, mas nada muito puxado, apenas algumas suspensões nas agarras maiores, e aproveitava e fazia puxadas abdomnais (Puxando o joelho no nariz e descendo devagar com as pernas o mais esticadas possivel) pendurado, o que pra mim era a parte mais importante e eficiente do treino, que se traduzia mais em escalada fluente. Até que um mês atrás resolvi avançar no treino, e fazer a suspensão no reglete intermediário. Na hora lógico não deu nada, mas depois de uns dias aquela dorzinha incômoda não ia embora e até começou a aumentar. Era hora de parar. E cá estou eu, já ha 21 dias sem escalar (Não digo sem por uma sapatilha no pé pq aqui em casa eu coloco a sapatilha de vez em quando só pelo tesão pra relembrar a sensação). E quem mais está nessa comigo são as minhas fãs: a Sasha digiulian que teve que abandonar o RockMaster e o Campeonato Mundial em Paris este mês. Ela até foi para a final no Arco Rock Master, mas achou melhor abandonar por causa da lesão. E a outra é a Alizeé Dufraisse que lesionou o punho. É, as lesões são coisas que podem afetar até os melhores atletas! (imagina os ruim que nem eu! kkk)

De maneira que meu outro site já está quase pronto, estou pedindo a uma seleta casta de amigos para entrar e avaliar o layout e as funcionalidades, e logo logo teremos uma bela novidade no ar! Mas por enquanto vou colocando a seleção de vídeos do Genja, assim o blog vai cumprindo sua função social no meio escaladorístico: Mantendo atualizados e fornencendo assunto para as conversas desse bando de escalador que se o mundo está acabando não fica sabendo pq só lê notícia de escalada. (ah, e só pra esclarecer, quando eu escrever Cacrinsh ou cacrin$h, é o sinônimo da onomatopéia para aquele barulho de caixa registradora, sinalizando que algum dinheiro entrou em caixa).

Bem, e como não estou escalando essas semanas, vou postar o primeiro vídeo de um outro esporte, não estou certo se são os 50 ou 100m rasos (nem qual o nome deste esporte, vulgo: corrida hehe), porque não só de escalada vive o homem, é preciso variar de vez em quando! Video dedicado especialmente para o xibungo mais xibungo de itirapina, Bruno Marcondes, esse é em sua homenagem:

E agora sim, indo para os vídeos de escalada, começamos com o mais legal na minha opinião: Um estilo leve e gostoso de assistir (ainda que seja só o trailer) mas ficou muito original e divertido. Um casal que escala ônzimo grau (sim, ela também), sai de rolê pela Itália (a cantar ê ê A-há quando acabar o maluco sou eu) escalando e fazendo um vídeo muito bem animado, fica a dica casais!

E o segundo vídeo é um si ne qua non da semana, o mais comentado, twitado, faceado, shareado e viado (de view), com vocês, os dois mais populares das search engines do google: Adam Ondra e Chris Sharma (só de escrever o nome deles aqui o google ad-words já me pagaria uns R$50 hehehe – se eu tivesse) num teaser do próximo filme da Big Up productions, que ultimamente tem demorado mais pra lançar seus filmes, mas também, quando lança são blockbusters absurdos, com milhares de seeds no uTorrent! kkkkkk Ah, o vídeo é uma “pseudocompetiçãozinha” obviamente armada pela produtora de filmes pra ver quem manda primeiro um projeto e compara os estilos de ambos:  cheio de Cri-cris e gritaria do Adam Vs. o estilo Zen e os inconfundíveis “gritinhos do Chris Sharma”. O Chris Sharma perto do Adam ondra Parece eu perto do Guilherme: Um Maldito gordo hahahaha Enfim, vídeo!

A moda agora é conquistar vias novas. E como toda moda tem seus prós e contras. Ao mesmo tempo que aumenta o numero de vias pra gente subir, tambem estatisticamente falando pode aumentar o numero de vias estragadas, que ninguem vai querer subir depois (como é o caso da…) . Por isso é muito importante conquistar com parcimônia. Neste vídeo, aparece o escalador Italiano Matteo (e sua namorada Giuliana) que por acaso hoje, depois de eu ter assistido seu vídeo, mandou seu primeiro 11c aos 37 anos, a via Abyss, na França, em gorges du loup – via aberta por alex Chabot em 2006 com a primeira repetiçao do Bindhammer no ano seguinte. Bem, retomando, ele diz que curte um pico calmo, sem crowd, e que muita gente o desconcentra na hora de escalar, por isso ele mora numa província desconhecida da Itália, e equipa ele mesmo as vias. O Bom disso é que ele equipa as vias pensando na mulher dele, por isso o equipamento deve ser feito minuciosamente, e não deve sair por aí colocando bolt onde ele “achar que deve” (só na mulher dele que pode). Assim as vias ficam seguras pra ela equipar e todo mundo fica contente!

E já que o assunto é novas vias, vai outro video de abertura de vias, desta vez do “Petzl RockTrip”  da North Face, que vai acontecer em Kalymnos. Agora ta na modinha as companhias imitarem o que a Petzl vem fazendo ha mais de 10 anos: Equipar um setor inteiro novo e chamar a galera pra curtir um festival. A idéia é ótima e tem que ser copiada mesmo, mas nem todas têm tido o mesmo êxito, como é o caso da Salewa, que colocou em seu site um videozinho tosco mostrando os “salewa” rocktrips de anos anteriores, MUUUITO PAIA… hahaha Talvez eles devessem me contratar como consultor técnico de organização RockTrips ehehehe Estou aguardando sua proposta hein Salewa! Bom, voltando, novamente, ao foco: O Italiano equipando um setor novo em Kalymnos para o “Kalymnos Climbing Festival” e falando que tem de quartos a décimos, pra todos os gostos e que é pra todo mundo chegar junto e escalar na moral. Em Italiano, claro.

Prometo que agora ponho o último vídeo de conquista de vias. Esse é um tapa com luva de pelica nos conquistadores que tem medinho de usar Cliff. O Chris Sharma (ad-words: CACRIN$HHH!! Vou instalar essa porra!) conquista uma via em CEUSE na frança (la no pico onde ele mandou a Biographie/Realization 10 anos atrás e virou o fenômeno que é) só que essa conquista é debaixo pra cima, com a furadeira a tiracolo, e ele vai escalando em livre, fica no cliff e fura onde ele acha que precisa de bolt. Detalhe, a via é no minimo um ônzimo grau! É caliza de calidad eu sei (calcário), mas tem arenito bom que também dá pra ficar no cliff (e até em arenito não bom, se vc tiver com a sua costura da sorte que sua vó benzeu, no rack da cadeirinha).  Enfim, Com vc’s Chris Sharma e seu capacete de tartaruga ninja! ( É tão feio – o capacete, não o Chris Sharma (cacrin$h!) – que as pedras em queda livre vão desviar em meio a sua trajetória pra não pegar nele – até nisso a Petzl vem inovando).

O próximo é um daqueles vídeos-feedback do atleta que é patrocinado e fica um tempo sem aparecer na midia, aí faz um video desses pra ganhar moral com o patrocinador de novo hehehe Na verdade é especulação, mas como eu não tinha ouvido falar dessa mina NUNCA, então, sei lá hehehe Pode ser atleta nova patrocinada tbm, vai saber…

E agora um nacional: A chamada para o Encontro de Escalada Tradicional do Brejo da Madre (que parió a la araña de los cojones) de Diossss… Muito bem editado, e com filmagem em HD, fica dificil o vídeo nao ficar bom, mas confesso que mesmo com fullHD eu tenho as manha de estragar uma filmagem! hahaha (aguardem o The Sanstone Series episódio IV – a new hope, e o Sancapression Team: Adventure Tales).

E sobre a charada, a Isabella adivinhou no Churrasco, e a do Guilherme com Beta a Olivia e mais alguém do sexo feminino também descobriu! No próximo post eu mando a resposta!

Boa procrastinação txurminha!

Jason Andrada e outros vídeos

Bom dia senhoras e senhores! Depois da imensa quantidade de posts em menos de uma semana, de repente duas sem nada?! Foi pra compensar, claro! 😉 Na verdade tava naquele esquema sem internet, sabem como é!! Mas vamos lá, tenho muitos vídeos por desovar aqui! Começando com o vídeo Sensação do momento no interior, e assunto de todas as mesas de bar pós climb.. (e charutadas pré-climb). 

Apesar de altamente boicotado pela concorrência e pelos blogs especializados, as redes sociais são um excelente socialproof para demonstrar a popularidade de vídeos, e esse bombou! Apesar do 8a.nu não ter noticiado como parte do complô internacional contra os vídeos de escalada que não são em FULLHD, esse vídeo tem várias indicações aos prêmios da academia (do genja) nas categorias melhor roteiro adaptado, melhor figurino, melhor ator, melhor ator coadjuvante, melhor trilha sonora, melhor curta-metragem, melhor edição improvisada (alguém lembra mais algum?). O Vídeo é inenarrável e indescritível, mas marca o retorno do Jason Andrada (la roca… la regleta, regleta! Lo abaol- ROMO! Romo 1; Romo dôs! – Lembra?)

Veja o que a mídia especializada que se deu ao trabalho de comentar esse Blockbuster de sucesso das redes sociais tem falado sobre os vídeos:

“Porra Bruno, que da hora!” – Editor do blog parabenizando a um dos participantes do filme

“Não fui eu Não, foi idéia do gaivota” – Bruno, se eximindo de qualquer responsabilidade sobre o curta-metragem

“O Vídeo é inenarrável e indescritível” – Editor do Portal “Enquanto isso nao muito longe dali”

“La pregunta?” – Jason Andrada, sobre seus sucesso recente e instantâneo nas telas e mídias sociais…

Enfim serafim, é isso aí, parabéns e esperamos ansiosos por mais aparições de Jason Andrada e seu Cúmplice…

E se vc gostou, tem mais vídeos da dupla, mais tímida, só fazendo boulder sem muito alarde:

E voltando aos vídeos, depois de cruzar o oceano só pra ir num casamento, (Que não era o meu, que fique bem claro! como se não fosse um casamento muito importante hehe) Aproveitei para conhecer a “escuela” espanhola de Cuenca.. (em espanhol uma zona de climb com algumas falésias reunidas é conhecida como “escuela”… tipo São Bento: reúne Divisa, quilombo, falésia dos olhos, Baú, zinho, Ana Chata, entre muitos outros. Seria la escuela de São Bento. Mas voltando a falar de Cuenca, é um pico muito famoso por ter seus graus um pouco “puxados” (do tipo que nunca são decotados) e esticões meio desesperadores em alguns casos. Pude provar isso numa via sábado, porém, no domingo tive a felicidade de entrar numa via super negativa de agarrão (bidedos e buracos basicamente). Perfeitamente equipada. O resultado é a cadena de meu primeiro 8a no hemisfério norte e o vídeo abaixo:

E para encher-vos os olhos, dois vídeos Sulamericanos muito legais, o primeiro de duas minas (uma chilena e uma argentina) fazendo o FA de uma via de umas par de enfiadas (seriam umas 6 talvez?) no chile que varia de 9a a 9c… Fraca as mina!

E já que o assunto é América Latina, mais um, este em Cochamo Cochamó Cochamô (porra como que escreve isso?!)

http://vimeo.com/44731325

E se você está animado por mais vídeos:

Trata-se do “Trailer” de um filme sobre as escaladas na TABLE MOUNTAIN que é tipo o Pão de Açucar Sulafricano… promete! (Gui, já vai baxando aí pa nóes)

E vamos para o que interessa mais, que são vídeos da mulherada (trepando) escalando:

Uma garota (QUE GAGOTA!) do Leste europeu (seria Turquia? Não lembro, vi o vídeo faz uns 10 dias)… Enfim, de encher os olhos a mina de 15 anos mandando os graus!

E dois da Sashinha (Sasha Digiulian):

Onde ela meio que da entrevista, meio que escala e é meio que filmado debaixo… se vc ta sem tempo e não é fã da Sasha, deixa pra lá kkkkkkk

Já esse outro é mais legal, aparece a Americana arranhando um espanhol meia boca, mas até que ela se vira bem:

(É do Balearic Master, um campeonato que teve em Mallorca semana passada)

E chega por hoje, que daqui (mil anos) a pouco o Beto passa aqui pra gente ir escalar!

Fui!