Retomando as atividades

O Link para as outras no final...

O Link para as outras no final…

Ninguém gosta de ficar parado né? Tipo, ninguém que escala e tem essa atividade proativa de sempre estar peenchendo seu tempo com atividades sejam elas físicas ou intelectuais que de alguma maneira agreguem algum conteúdo na vida e no desenvolvimento da pessoa não é mesmo? Bem, menos aquele seu primo que não escala e que compra a camisa original do Parmera, só toma cerveja, assiste big brother e vai em micareta não é? Ontem vi um vídeo do Cauê Moura no Desce a Letra que define muito bem algumas sensações que eu tenho cotidianamente. Ele diz que a Ignorância é uma benção. Porque outro motivo tem tanta gente alienada ouvindo musica ruim, estragando sua saúde gratuitamente, assistindo programas sensacionalistas com conteúdo violento fascista e achando tudo aquilo ótimo? Aquela História de que quem gosta de osso é cachorro, é pq nunca deu uma picanha (nem precisa tanto, uma pelinha de frango já funciona) pra ele. Mas enfim… Ficar sem escalar é um martírio, e é até cedo pra usar a palavra “voltando”, mas essa semana comecei um treinamento na Academia onde Isabeto já vem treinando há mais de 6 meses com garantia de sucesso e de cadenas insuperáveis. Nesse tempo o beto mandou a Tomara que seje, 10a, Caixa de Pandora 9b, a Pequena Grande Obsessão 8c e no último fds ele mandou a Xeque-Mate 8c. A Isa também vem mostrando ótima evolução com cadenas de sétimos gordos e no último fds ela mandou a Cactus Now, 7c no cuscuzeiro, via que eu tenho pânico de entrar hehehe

Enfim, comecei a fazer os treinamentos na Academia VIDA aqui em São Carlos de terça e quinta, e na Quarta Pilates na Equilíbrio Corporal  da minha amiga Simoni, que também está começando a escalar e apresentando progresso animador. E pra mim chega de moleza e de mimimi que agora quero voltar a escalar sem medo de ser feliz. Nem é preciso ir tão longe, escalar sem medo aqui no cusco pra mim ja tava de bom tamanho! Chega de ter medo de lesões. Ficar parado é foda pq aí qdo vai voltar, e depois de ter se re-lesionado várias vezes, fica mó cagão achando que um espirro vai inflamar seu tendão de novo. Aí vc fica cada vez mais parado, e atrofia todo o resto e qdo vai escalar tem que compensar, faz mais força no tendão, está mais pesado, enfim.. um circulo vicioso do qual essas duas atividades irão me ajudar a sair

Mas enfim, feriado chegando, muita gente indo escalar… Tive um insight tardio sobre o Croqui de Arcos, comecei Voltei a edita-lo mas não a tempo do pessoal que vai pra Arcos poder leva-lo… mas com certeza a tempo de utiliza-lo no fim do ano 🙂 Eu estava precisando mesmo dar uma desconectada do Croqui do Cusco pq tava meio saturado de só fazer isso a semana inteira, chega uma hora que acaba não rendendo mais!!

Enfim, dei uma adiantada no guia, quem sabe semana que vem não ta pronto? hahaha Não prometo nada, preciso pedir pro Alexsandro de Divinópolis que me passou bastante material, atualizações que to ligado que pipocaram várias vias novas por lá desde agosto.

E deixa eu colocar um vídeo aqui antes que aquele outro Blog Socialista de Esquerda venha furar meu zóio! Este que é um dos destaques da semana: Dani Andrada, sim ele! O Máquina, abridor de vias, inspiração para nomes de via como “Eu não sou Dani Andrada mas quero tentar” (não, ainda nao batizamos uma com esse nome). Tinha rolado um teaser desse curta umas semanas atrás e agora saiu na íntegra! Massa demais, daqui a pouco sai a avaliação no melhor estilo “VEJA O REVIEW DA PROPAGANDA DE CHICLETES QUE O ALEX HONNOLD FEZ PARA UMA EMPRESA DA COSTA RICA INSULAR”  hahahaha “me parto” 😀 Confesso que eu ainda não vi… “Mas a minha mulher viu falou que é muito bom, ma oeeeee

E já que o mote do post de hj é a retomada de atividades, que tal retomar as charadas? SIM!!!

Como assim mano?

Como assim mano?

E sob a temática do feriado, quem não for escalar meu pêsames, desejo um bom almoço com a sogra, os sogros e aquele tiozão cheio de contar história (o meu pelo menos é mto foda, meu herói! hahaha). Mas calma, que nem tudo são flores no reino da dinamarca, então, entre a plantação de uma mudinha de abobrinha na sua hortinha orgânica e o regar de sua plantação de hortelã e agrião para consumo próprio, que tal dar um uso decente praquela sua corda de escalada que está encostada? Hein!? É… assim segunda feira vc nao poderá dizer que seus equipamentos de escalada são seu “Kit-Mentira”  e poderá dizer que usou sua corda no feriado. Olha que legal que você pode fazer com ela!

Bom, essa semana foi fraca de vídeos (ou eu que trabalhei demais e não os vi) então fico por aqui. Quem sabe a partir de agora eu não volto a postar fotos de escalada de verdade? (que tá foda ultimamente!)

Deixo com vc´s algumas fotos que bombaram mais que videos essa semana e umas 5 pessoas lembraram de mim (GRATO, por esse motivo lembrem sempre! B-) ) que são algumas fotos do Dean Fidelman, responsável pelo seu calendário Stone Nudes. Sem mais para o momento… Enjoy.

http://www.supertopo.com/climbing/thread.php?topic_id=2267256

PS – O Gera (de Pira) pediu pra avisar que ficou com ele sem querer um mosquetão da parada de uma via em itaqueri…(nao vou dizer qual). Semana que vem ele jura que devolve!

Fazendo jus ao nome do Blog

Primeiro dia passeando pela Pedriza. Isso sim pra mim é boulder...

Primeiro dia passeando pela Pedriza. Isso sim pra mim é boulder…

Pois é! Este que vos fala mais uma vez se vai e logo se volta. E não paro, o que é ótimo! Finalmente algumas coisas que eu tinha como meta fazia meses, pra não dizer anos, se desenrolaram, e agora estou super otimista de que tudo vai dar certo (Como sempre!). Eu sei que todo mundo está ansioso pra saber da viagem do Cipó, estava enrolando pq não tinha pego as fotos com a Isa ainda, mas também tive menos de 30horas para arrumar as malas e preparar o terreno para a viagem pra espanha. O Sebá é que está certo! Diz ele que não gosta de ter muito tempo pra fazer as coisas, que é melhor deixar pra ultima hora que você acaba fazendo tudo muito mais eficiente. E é a mais pura verdade. Veja a vida por exemplo. Depois que eu tive um “estalo” e saí da Matrix, parece que tem tanta coisa que eu quero fazer na minha vida que não vai dar tempo de fazer metade!! Essa correria toda também é motivo dos posts rareados, além é claro do meu superpopular post no blog do cume sobre “Ser melhor em vez de ficar mais forte”. Semana passada até cheguei a escrever um post imenso, tipo 3 paginas de word, só sobre filosofia de buteco, relacionamento, comportamento, atitude e a origem do universo. No fim das contas senti que era muita viagem pra pouco foco e acabei deixando de publicar (mas ta ali nos rascunhos, um dia quem sabe!).

Bem, enquanto estava no saguão do aeroporto esperando dar a hora do embarque, e depois de ter trabalhado um pouquinho, escrevi um pouco da viagem do cipó mesmo sem fotos significativas.

Júlia na Lamúrias no primeiro dia, aquecendo/aclimatando

Júlia na Lamúrias no primeiro dia, aquecendo/aclimatando

O Pico está DE-MA-IS. Claro. Arcos é tudibão, e tem potencial, mas o cipó está no epicentro das grampeações e cada vez que eu vou lá, não só o número de vias mas também de setores que duplica ou triplica. Quem diria, me senti quase em Arcos hahaha Você vai passando num setor completamente novo que vc nao fazia idéia que existia, com paredes de 30m cheio de agarras (veja que eu disse agarras, pq os agarrões estão em Arcos). Conheci o Vale Zen… Da última vez tinha sido o da perseguida a novidade (e antes o foda, e antes o cangaço), mas agora tem o coliseu, república dos chilenos, PCC, Vale zen, casinha amarela e G1 (bico do papagaio?). E parece que tem muito mais por ser aberto, Enquanto os generais de 10 estrelas ficam atrás da mesa com o c* na mão deliberando que não se deve mais abrir vias no cipó, as vias antigas, clássicas e já meio alisadas de tanto abuso, vão sendo aliviadas pelos pioneiros locais como Barão, Fei, Waguininho, Magrão entre outros, que dão o gás pro pico continuar 1000 estrelas e dar conta de suportar a tendência internacional de escaladores (e vias) que só aumenta. E cada vez mais rocha aparece, e mais um setor, um vale, uma gruta surge e a gente fica de boca aberta de novo com o potencial e qualidade das vias. Daqui a pouco a gente vai ta indo pro G3 pela zuma pois cada vez os setores estão ficando mais perto entre si, e a sala de justiça desafogada. Mas também grandes poderes vem acompanhados de grandes responsabilidades. No mundo inteiro e aqui não seria diferente. Com o aumento do número de escaladores também aumenta o número deles que não fazem nem idéia o que estão fazendo e não é dificil encontrar gente entrando guiando um oitavo grau sem ter nunca nem ter guiado na academia ou “malemá” sabendo fazer seu próprio nó. E o pior é que as pessoas batem no peito orgulhosas que não tem instrução especializada (como se isso fosse bom) e mau sabem a vergonha alheia que estão passando. Se até a gente acostumados ao partner check nos pegamos encordados só na perneira da cadeirinha, e sabemos que “não pode”, imagina quem não faz idéia e não checa? Bom, nos resta espalhar a palavra com responsabilidade e bancar os chatos que saem corrigindo a galera no pico (É mto mais fácil que carregar o malaco com a perna quebrada ou na maca trilha abaixo, garanto).

Isa, Genja, Beto, Julia e Seba - Os integrantes do SCPT nessa Trip

Isa, Genja, Beto, Julia e Seba – Os integrantes do SCPT nessa Trip

Para a viagem fomos A Júlia, o Sebá, nosso amigo italiano máquina que esta ficando 2meses em São Carlos, Isabeto e eu. No primeiro dia escalamos no Vale Zen depois de aquecer nas clássicas (Lamúrias, injustiça…). O Beto apresentou o 9c (8aFr) mais famoso do Brasil pro Sebá, a Heróis da Resistência, enquanto eu buscava os locais para mais informações sobre os novos setores. Já no Zen, Fiz a via “Gigante pela própria Natureza”. Maravilhosa, 7a de 35m medida na tinta do meio da corda! Como eu Não estou escalando nada me coloquei pequenos desafios e mandar essa via a vista equipando foi muito bom de ter conseguido! Todo mundo curtiu e meio que passou aquele veneninho no mesmo lugar X da via que eu não vou dizer onde é hehehe. Ainda no final do dia a Isa e eu entramos na via que supostamente é a Estriquinada, via que a Rafa abriu, um quintinho muito bem equipado, curtinho, ideal pra quem está começando a guiar. Só de curiosos ela e eu entramos na via do arco, bem na entrada do vale zen, mas por precaução com relação ao meu dedo (e por incompetência) fui só até a metade. No segundo dia fomos pro Vale da Perseguida, onde pude aquecer equipando a “Vai Mané” 7b, e mandar no segundo pega. Enquanto a Isa e a Jú entravam na Chorrera Musical. Depois ainda fiquei azedo pois entrei numa via sem saber que tinha regletes, e meu dedo ainda não estar 100%. Acho que o nome da lazarenta era “Por entre as pernas da perseguida” 7c/8a (mas é  uma via mto massa e quero entrar de novo qdo tiver bão). Nessa hora chegou o Rio de Janeiro Aderencion team liderados pela Naná, contando com Rogério, Rô e o famigerado Preza, que era figurinha carimbada nos picos mas que eu ainda não conhecia. FIgura! No final do dia ainda ganhei um presentão da Júlia tendo mandado no flash a Olho do Observador, láa no outro setor, o já tradicional Anfiteatro, na verdade pelos nomes das vias acho que é na caverna do dragão hehehe. Não tinha adesivo na via, então fui pro “descanso” na esquerda, o que me fez sugerir 7a pra via, mas deu uma vontadezinha de tentar o 7c reto. Via animal! Recomendo!

Preza, eu, Sebá, Naná, Rô, na frente: ROgério, Beto, Julia e Isa

Preza, eu, Sebá, Naná, Rô, na frente: ROgério, Beto, Julia e Isa

No terceiro dia voltei pro Zen com a Júlia e a Isa por causa do beta do Preza, de um 6° (Avenida Brasil) e um 7b (FlashBlack). O Riodejanereiton Aderetion Team foi pro Antão pra poder ficar mais perto do Aeroporto e pro Preza que está no Lesionados pression team assim como eu poder escalar alguma coisa. Voltando ao caso do Zen, como o Daniel de Joinville estava na Avenida Brasil (teoricamente um sexto), entrei no 7a e mandei meio a vista (meio a vista pq quem tava no chão cantou a agarra do outro lado da aresta – sorry Gui pelo spoiler, fica de troco pelo beta da chapa na direita da canaleta da gigante hahaha). Mais uma clássica do pico das que vale a pena fazer sempre que se vai pro Cipó, junto com a Gigante, a Lamúrias, a Tatara, a Cravo e a Rosa, enfim… Entrei no sexto e passei um sufoco!! PQP! Muito mais foda, com uns abaolados de ombro e em vários momentos eu me vi VOoaaandoooo só não voei pq a cabeça tava boa e apertei mesmo me vendo voando e não ficando nos abaolados, ia pros moves com dedicação e acabei mandando com a vibe da Jú e da Isa. Foi naquele esquema: “…só mais uma agarra vai, não to tão tijolado assim, além do mais se eu cair ótimo que assim já não fico mais com tanto medinho”. E funcionou hehehe. Mais tarde mandei um 7a no strictu sensu da palavra, sem saber nada. o Fei apareceu pouco antes e falou que tinha essa via nova que o Vaguininho tinha aberto, “Avenida das torres” ou algo assim. Láaaaa por entre a 8° e 9° chapa tive que abusar de minha altura, fazer entalamentos de joelho, asa de galinha, passei um sufoco, quase perdi a cadena pois fui muito pra direita, tomei marimbondada na cara (sim, marimbondada, eles trombaram comigo mas nao picaram)… mas no final deu tudo certo e acabei mandando! Ufa! Eu pensava: Tenho que mandar pra nao ter que passar por isso de novo hehehe Depois a Julia entrou e achou um monte de agarra que eu não vi. Provavelmente quando a via estiver mais limpinha vai ficar mais sussa (mas é da hora!).

Puts… e no ultimo dia… mano… Último dia fomos num lugar Magnifíc! O Magrão passou todos os betas de como chegar, fez um mapinha ishperrrto de um setor novo que tinham acabado de abrir algumas vias (tinha pó dos furos na parede ainda). São aqueles bicos que dá pra ver ali do abrigo do magrão, no G1 ainda.. à esquerda da “assombrolhos bicolhos”. Tipo meia hora de caminhada, passa por um vale muuuito lindo, cheio de umas flores vermelhas grandes, um microclima umido e frio, no meio do “agreste seco” pelo qual passamos antes pra chegar la. Passamos por dentro de uma Cave cheia de espeleotemas muito bonita, e depois demos a volta pra acessar o platô onde começam as vias. Fiz um 7c do magrão chamado “Vô coruja” A-NI-MAL. via também de 35m ou mais, com começo de 6°grau, depois um negativo de agarrões, e depois um lance vertical meio “tricky” e no final pra variar, canaleta. Fui só até o lance vertical e desci pois dali pra cima não estava equipada e eu não tinha levado costuras (e fiquei com uma puta preguiça tbm, último dia de climb sabe como é né?). Enquanto eu entrava nessa com a Isa, o Sebá, nosso Italian very relaxed man entrava com o beto na do lado, que é um 7a até a metade e depois vira um 9c. Eu já estava na capa da gaita mas ainda dei um peguinha sem compromisso na parte de 7a do 9c. E aí fomos pra casa, comemos o resto da lentilha que a Ju tinha feito pra 18 pessoas na noite anterior (mas eramos em 5), e vortemos. Na volta ainda pegamos um congestionamento de 1h em Rio Claro onde ficavamos nos estapeando Julia e eu para ficarmos acordados.

Beto, na Tecnicamente apelidada de "Falsa Lamúrias" no G1

Beto, na Tecnicamente apelidada de “Falsa Lamúrias” no G1

Destination: ARCOS – MG

Todo mundo ansioso pelo post sobre a trip pra Arcos?! Eu mesmo morrendo de vontade de contar TUTOOO como foi mas… Estava trabalhando fervorosamente num croquizão bem bonito do 2° andar de lá onde abrimos 3 vias, além é claro de fazendo faxina e esperando o puto do Beto (1x) me passar as melhores fotos que tão tavam na camera dele.

Em Breve... aguardem!

Em Breve… aguardem!

A trip foi alucinante. Escalamos, conquistamos, furamos, nos divertimos horrores, fizemos uns rangos supermassa e amigos que são figurinhas impagáveis. Saímos de Sanca quarta a noite com o carro abarrotado de coisas: Equipo de climb, de camping, de furação (de conquista) e comida principalmente inclusive, que estavamos achando que era muito (Não foi). Chegamos em Arcos lá pra uma da matina, pegamos a chave com a Célinha no pulo do gato e fomos pro pico. Não se esqueçam: Na estrada de terra, Logo depois de se afastar do trilho do trem, primeira bifurcação à direita, depois todas à esquerda. Quando chegar na porteira é porque chegou. Descarregamos o carro e blz, lanchinho ludico e cama.

Setor da frente, cartão postal do pico

Setor da frente, cartão postal do pico

Primeiro dia de Climb fomos pro segundo andar, pois, apesar de a previsão mandar muito frio, estava calor e fomos no setor frio de sombra, deixando pra escalar no sol nos dias de frio que viriam (Não vieram). Escalamos um quintinho e um sextinho simultaneamente, primeiro contato do felipe com o Calcário, e logo o Beto (2x) entrou na Café, Cachaça e tabaco. Descendo já pirou numa linha do lado esquerdo que eu já tinha pirado na outra ocasião quando entrei nela. Só o segundo dia ia ser o de furation, massss…. ah…. já tava ali mesmo né? Desci a trilha toda até a casinha, peguei a metranca enquanto o Felipe escalava (as duas vias – a existente e a futura). Logo entrei, tirei os moves, eles idem e sugerimos os locais dos furos escalando e pensando na segurança de quem iria escalar depois (É ASSIM QUE SE CONQUISTA UMA VIA ESPORTIVA ou debaixo pra cima, com cliffs, estribos, etc.. buscando os melhores locais pras clipadas não rapelando e furando com uma tronca na boca sem nem saber se a linha de agarras chega no chão). Muito bem: Ratá-tá-tá… Fiz todos os furos e pus a parada,  e o Beto (3x) pos o restante dos bolts com as chapas. E mandamos os Firsts Ascents de noite mesmo. A via ficou com 26m, com 13 proteções + parada (portanto leve14 costuras). Estávamos na dúvida entre chamá-la de Muñequito de Barro(bonequinho de barro) , por causa de um ditado espanhol que diz: Café e Cigarro, Muñequito de Barro! (café, cigarro e tabaco é a via do lado). Mas acho que ia ficar piada interna demais mass… o nome acabou ficando mais piada interna que o muñequito de barro, porém tão comprido quanto a via: MONOGAMIA HETERONORMATIVA. Um 6sup/7a lindo de morrer. O nome é uma crítica ao modelo da sociedade moderna que atrapalha/impede  a prática do amor livre, que é a monogamia heteronormativa, pela qual todo mundo que quiser ser considerado normal deve ser monogâmico e heterossexual. Leia aqui o artigo sobre a Prática do Amor livre, pra entender o contexto.

Enfim, a noite fiz um rangão da hora, tomamos uns gorozinhos que tinhamos levado, mas o charuto cubano que eu tava guardando pra uma ocasião especial como a conquista de uma via em Arcos sumiu!! Ficamos achando que tinha sido o Gato na noite anterior, certeza! No segundo dia voltamos pro Segundo andar, e o Beto (4x) e o Felipe entraram em 2 viazinhas muito legais ali no “Portal” de chegada. Muito boas as vias (Ah vá?! Via em Arcos que não é legal? Hmmmm Não tem!). Enfim, dois sextinhos meio curtos para os padrões Arquenses (só 15 ou 20m) . E depois desses o Beto entrou numa super fenda gigante do lado oposto do valezinho ali, em frente à cafe, cachaça e tabaco. Tudo em móvel, crux é desviar da árvore. Enquanto isso eu fui tentar chegar na base de uma grande proa protuberante visível da trilha, pra direita, alucinante. Tinhamos visto essa linha na outra viagem e dessa vez consegui abrir uma trilha e chegar embaixo dela. Pensamos se tratar de uma linha futurista, mas acabou que, como tudo em arcos, é um teto com uns 4m de comprimento de 7b kkkkkkk Chegamos lá e deixei o beto (5x) começar (Ô caraaa) . O Setor é alucinante e por si só já dá pra abrir várias vias… A via começa em cima de uma espécie de Totem de pedra e pra chegar na base da via tem que dar uma soladinha num segundo grau até uma pedra, onde, estando-se em pé, alcança-se o teto. Cheio de agarras. PORQUE SENHOR?! PorQUE?! Porque não temos tetos com agarras aqui no arenito senhor?! Pus a primeira chapa do chão, bem alta, para podermos utiliza-la como proteção caso ele caísse antes de furar a segunda, e sair rolando. Depois de 3 proteções virou o teto e tocou em móvel laçando bicos de pedra até o final da parede. Furou a parada, deixou uma corda fixa e marcou onde poderiam ser os outros furos. Como uma das 3 baterias (a que teoricamente aguenta mais carga) morreu no dia anterior, só deu pra fazer 5 furos, uma vez que os 2 primeiros fizemos de 12cm de profundidade por segurança. A noite o Felipe fez a comida. Achamos o charuto, matamos o segundo e último fardinho de breja e finalmente pudemos acender o cubano, que afinal não tinha sido o gato que tinha pego.

Eu, Beto e Felipe fazendo a janta

Eu, Beto e Felipe fazendo a janta

No dia seguinte fomos escalar um pouco no setor da frente, e pensei em ir terminar a via com bateras novinhas depois do almoço, quando o sol estivesse mais ameno. Entramos na Leão de Judá, um 7b que eu diria que é a “Lamúrias de um viciado” de Arcos (a lamúrias é o carimbo no passaporte de quem vai pra Serra do Cipó). E o Beto (6x) quis porque quis entrar na “Michael Jordan”, uma via que pra quem é anão, vulgo Short-leg (Aí Bianca, vai adorar) é bem mais dura. Eu não tava na pegada de apertar por causa da lesão, mas como era um bote dinâmico de um agarrão invertido para um buraco igual uma cesta de basquete muito alto, resolvi tentar “pelo folclore”. O Beto (7x) apertou um reglete lixo intermediário e isolou. O felipe entrou mas seu ombrinho não o deixou ir mto longe. Eu desencanei do reglete e já na segunda tentativa consegui isolar o bote. IN-SA-NO. O resto da via é muito legal, vai por uns patacos, única coisa é costurar a segunda que ainda tem um lancinho fortinho, e eu achei até um descanso sem mãos com entalamento de joelho da segunda pra terceira. Mais do que depressa Beto (8x) e eu já entramos e mandamos cadena. Ahul!

O Beto (9x) ainda levou o Felipe pra fazer a famigerada “Extraordinária” 7b (pra variar) e enquanto isso eu, que já tinha feito ela, fui lá terminar a via. Chegando lá, subi pela corda fixa ate a 4° proteção mas comecei a ser rodeado por umas abelhas européias que logo descobri estavam a uns 10m pra esquerda. Fiquei imóvel uns 20 mins mas sempre que voltava pra via (sem barulho de furadeira) elas voltavam, então resolvi voltar mais tarde. Enquanto esperava a poeira abelha baixar fui fazer um social com uma galera muito gente boa que tava ali na “salinha” do segundo andar. Eles já tinham entrado na Monogamia Heteronormativa e elogiaram bastante (valeu rapeize!). Quando a noite estava por cair, voltei pro tetão, subi e finalmente consegui terminar a via. Como foram poucos furos, ainda restava praticamente uma batera inteira, bati a parada de outra via, à esquerda. Nessas alturas o Beto e o Felipe já estavam ali e, com a parada pronta, armei um top e o Beto (10x) subiu a noite de tenis marcando onde seriam as chapas e aproveitou e já furou. Ficou faltando só a primeira, mas nem faz muita falta, da pra escalar sem, talvez na próxima trip coloquemo-na. E Já é! O nome do grande teto ficou “O Universo em desencanto”, nome que já saímos de São Carlos com ele na cabeça, por que estávamos ouvindo muito o cd do Tim Maia Racional (Na verdade ficamos a trip inteira com as musicas na cabeça). E guardamos ele pra esse teto. Já a via da esquerda ficou “Na caralha da noite”, em partes por ter sido aberta a noite, em partes pela zueira com a quase homônima via no cipó e em partes porque a palavra “Caralha” era utilizada para se referir a tudo pelo Felipe, praticamente um sinônimo de “coisa”. Tiramos as duas primeiras chapas da Universo em Desencanto pras pessoas não entrarem enquanto as abelhas estiverem ali perto pois está perigoso (e Na caralha da noite nem tem a primeira entao sussa!). O Peixe falou que vai com a galera lá essa semana tirar as abelhas, e deixei as chapas com o Vitor do Camping. Quem quiser mandar os FA’s é só ir lá tirar as abelhas e por as duas chapas (colocáveis do chão a primeira, e a segunda pendurado da primeira). Enquanto furávamos, tava rolando maior lual no camping, que esse dia tava cheio de gente, com a Célinha e o Vitor tendo preparado uma mega fogueira. Do alto da via ouvíamos (e viamos) a galera em volta da fogueira gritando pra gente descer e ir lá com eles. Fomos quando os trabalhos estavam terminados, e quase esquecemos de jantar! Um whiskão JB e o outro charuto cubano (e não é um eufemismo pra cigarro de outra coisa!) na beira da fogueira, papo bom com os mineiros e ninguém queria mais nada!! Tonhão, figuraça, Vitor de Arcos, pessoal de Berlândia e toda a rapeize que não vou lembrar o nome agora, foi mto da hora! Lá pelas tantas eu lembrei do rango (claro, ele é gordo, ele gosta de comeeer!) , e quando vi tinha sobrado comida pra caralho da galera, que NÃO iam mais comer e iam embora no dia seguinte. Pois joguei um pozinho de pirlimpimpim, duas baratas, pernas de rã e 3 cabelos do saco do feijão mais o frango e arroz que tinha já feito a mais no primeiro dia para esse dia e Voilá! Estava pronto o rango mais gostoso do universo! E quase os putos esquecem de jantar, quanta loucura.

Mas whisky bom não dá ressaca, e no dia seguinte estavamos lá, firmes e fortes pro ultimo dia de climb. Fomos conhecer o novo setor entre o setor da onça e o da frente, o “Vale das Sombras”. Se as vias que abrimos não tivessem ficado tão legais teria batido um leve arrependimentinho, pois o setor é muito insano, e com muita sombra! Ficamos mil anos namorando um grande teto ali logo na entrada que inexplicavelmente ainda não tinha sido conquistado. Entramos numa via que é dentro de um BURACO. É isso mesmo, vc sobe uma via em 3D. Tem que usar 360° de apoios como se estivesse escalando aquelas chaminés antigas de fábrica, um túnel na vertical, de 2,5m de diâmetro por 25 de altura. E na sequência entramos num 6sup à direita da primeira, que a Nati (que é praticamente local do pico) deixara equipada pra gente. Saindo de lá, estávamos curiosos pra saber o que era o barulho de furadeira que ouvíamos, e quando chegamos na entrada do setor, o grande Teto tinha acabado de ser conquistado debaixo pelo conquistador local, Peixe. Santa eficiência hein Batman?

Tinhamos que pegar a estrada e pra agilizar, do moídos que estávamos (com uma puta ressaca) de 4 dias intensos , entramos num quintinho do lado esquerdo da Michael Jordan. no setor da Frente. Nem preciso dizer que a via é muito boa né? E depois dessa já fomos pro carro, arrumamos tudo, nos despedimos da galera e pé na estrada! Ah! Conhecemos o Sérgio, o cara que está produzindo os “P-Bolts” que é tipo um chumbador CBA com anilha na ponta, tal qual já vinhamos utilizando em algumas paradas, porém, melhorado. Digamos que é uma chapeleta com formato de pino P. E finalmente, tocamos direto pra São Carlos. O Beto dirigiu 5hrs seguidas direto pro recanto empório, onde a moça já nos viu e trouxe o Litrão e os Baurús de contra.

O lado ruim da viagem veio segunda feira: Ressaca ou depressão pós-Arcos. Poxa, em arcos a vida é linda, a escalada é magnífica. Todas as vias são num calcário perfeito, cheio de negativos de agarrão de 30m <hmpff….>. Mas é isso aí: Bolting Trip pra Arcos: Animal! Só tenho uma coisa a dizer:

So Pyched! Life is good!!

Quais as suas Metas para 2013?

Teresa Troya encadena seu primeiro 10b em Oliana

Teresa Troya encadena seu primeiro 10c em Oliana

Ta, beleza, eu sei que ja passou 1/3 do ano praticamente (foda né mano?!) e chovendo mas como eu estava de licença pelo departamento médico do SCPT, não tinha muitas ilusões muito menos ficava pensando no que eu queria escalar, a meta era sarar. As metas são muito importantes pois desta forma traçamos um objetivo lá na frente e caminhamos em direção a ele. Dessa forma temos algo pelo que lutar e seguir em frente, uma direção a seguir em vez de ficar estagnado no lugar andando em círculos (fazendo os mesmos 5 quintos graus a vida inteira). O fato é que para 2013 eu tenho uma meia dúzia de vias que eu gostaria de mandar no Cuscuzeiro e em Itaqueri, outras em outros picos por aí (AKA: Cipó e São Bento) e beleza, daqui a pouco vou até listá-las. Mas sinceramente o meu maior desejo para este ano, é de longe, que seja aberto um pico novo de escalada aqui na região. Acho muito importante (e quase um clichê dizer isso) a abertura de vias, mas também acho que chega uma hora que tirar leite de pedra não vira mais. Não que não seja válido, eu mesmo tenho uns 4 projetos pra furar no cuscuzeiro, e irei abri-los com certeza. Só que ao mesmo tempo, parece que chega um ponto em que os picos alcançam uma certa saturação. Essa saturação pode ser física: bater chapas de vias inteiras colaterais com 1m de distância entre elas pode ser muito conveniente, mas será mesmo necessário? A espanha passou por esse processo 20 anos atrás, é natural, mas hoje eles já tentam evitar tamanha aglomeração de vias pois viram que não da muito certo, optando por deixar as vias mais espaçadas, o que também acaba sendo bom pra evitar tanto crowd no pico (qto mais vias, mais gente irá nele). E claro, existe outro tipo de saturação que é a saturação mental de ir sempre pro mesmo lugar (independente de escalar as mesmas vias ou não). Aí que entra a necessidade de um pico novo. Seria tão bom se todo o esforço investido na abertura de uma via, vez ou outra fosse aplicado de forma mais eficiente buscando um novo lugar com grande potencial para se abrir novas vias. Uma falésia nova. E essa é minha meta para 2013. Estou deixando objetivos e graus em segundo plano. Estou entrando no plano paralelo da Busca. Continuo treinando 2x por semana, e tendo meus projetinhos de curto prazo, é claro, porque não se esqueçam que eu ainda gosto de escalar, apesar do que pensam os mais Xiitas (Chatopacaralho). Quem sabe buscando, a gente não acha uma falésia nova, de 50m, negativa cheia de agarras, onde sairão dezenas de sétimos, oitavos e nonos de continuidade com rocha boa e acesso fácil e liberação total por parte dos donos? Não custa sonhar né? Vamos em busca! Só que tem aquele negócio: Apesar da premissa que quem quer arranja um jeito, quem Não quer arranja uma desculpa, também tem aquela de que uma Andorinha só não faz verão. Bora pilhar-nos uns aos outros para fazermos juntos galera! Quem topa?

Nesse sentido comprei mais de 600 chapas pra colocar a disposição na Quero Escalar pra quem quiser conquistar vias com a gente, tão pra chegar essa semana, u-hu!!! Agora o que precisamos é daquele sangue novo cheio de gás pra motivar e aprender com os mais velhos (e não fazer cagadaaaa) a minuciosa arte da abertura de vias.

E para que ninguém fique entediado com um post meramente descritivo, vou colocar uns vídeos motivacionais!!

Esse vídeo é muito legal: O cara se coloca pra fazer 35 vias no dia de seu aniversário de 35 anos… Sob um ponto de vista tocante daqueles que dá vontade de largar tudo e ir morar no cipó… (Ou em Utah, com suas fendas perfeitas)

E já que estamos falando de motivação, aí vai o pouco visto vídeo do Adam Ondra mandando a via mais foda até então, a “The Change”, graduada em 9b+ (12c brasileiro) num pico relativamente novo na Noruega.

E esse é mais um exemplo motivacional de superação. O cara passa de obeso mórbido a escalador. Até aí tudo bem, mais um, palmas pra ele. BOM. Só que tem um detalhe sórdido no meio: Ele faz isso comendo no MacDonalds!!! Puts… fudeooo negada. Bora trocar a cerveja pós Climb pelo MacChedar? Hmm… Nãaaaaooo…

E para fazer justiça, falei tanto da caixa de Pandora outro dia, coloquei o vídeo do Animal, mas não pus o vídeo mais clássico que crescemos assistindo, que é o vídeo do Rafa e do Kalango malhando-a, em meados de 2003! Agora sim! E o melhor, a via teve mais uma ascenção de lá pra cá, tendo sido encadenada Pelo Guilherme com o menor número de pegas da história! Esse menino é bão demais! Equipe Quero Escalar matando a todos de Orgulho!

Agora sinceramente, respondam aí nos comentários: QUAL SEU PROJETO para 2013? Qual via? Qual viagem? E olha que se disser apenas um grau vai ter que dizer qual via especificamente hein?! Pq falar: SABE CARA, UM DIA EU AINDA VOU MANDAR UM NONO não quer dizer nada. Agora, quando você diz: Vou malhar e mandar AQUELA via… aíiiii a ordem das coisas no universo mudam e tudo passa a conspirar a seu favor!!

E uma última coisa:

Camisetas do SCPT representando no Petzl RocTrip - Quem vai querer?

Camisetas do SCPT representando no Petzl RocTrip – Quem vai querer?

PS – Estamos pra pedir mais camisetas do SCPT, quem vai querer?

Manutenção e Abertura de Vias na Região

Essa chapa da direita foi substituída por uma igual à da esquerda

Essa chapa da direita foi substituída por uma igual à da esquerda

Pra você que não sabe, a região a que me refiro é a de São Carlos – SP. No final de semana passado nos dedicamos a arrumar paradas de vias e as “permadraws” da invernada. A parada da “Sexo, sangue, suor, lágrimas e gritaria” ganhou uma corrente maior, deixando tudo mais estético e harmônico. Apertei a ultima chapa antes da base da Caixa de fósforo que tava umas 4 voltas solta. Tentei tirar o segundo bolt da Narcotráfico mas só consegui apertar a porca e agora está bem melhor (mas ainda volto lá com pé de cabra e arranco, pra por algo melhor no lugar!). Trocamos a chapa da direita da base colômbia por uma fixe com argola, agora ficou com 2, ta liindo!!! Coloquei as correntes que tavam faltando nas duas últimas chapas da Caixa de Fósforo Extension, só ficou faltando colocar o mosquetão na debaixo, que foi colocado no finde seguinte. Tirei as chapas da Temforfri que é uma via abandonada de 3° grau que (só serve pra rapeleiro mostrar que escala) ninguém entra, que possui muitos blocos soltos e chega até a ser perigosa. Aí a argola dali coloquei na base da “Barranco noveá”, que tinha aquelas merdas de Boniers que ninguém gosta pra limpar que sempre era um sofrimento. Agora ficou com a chapa Fixe com argola mais uma chapa normal com malha rápida.

Mas o dia não foi só de manutenção: Aí Shimoto estourando uma veia do pescoço de tanto fazer força na Colômbia

Mas o dia não foi só de manutenção: Aí Shimoto estourando uma veia do pescoço de tanto fazer força na Colômbia

E beleza, domingo climb no cusco, nada demásss… e Segunda feira aproveitando nosso Sherpa Marião pra ajudar a carregar as tralhas, voltamos no cusco pra abrir um projeto antigo, uma linha muito bonita e óbvia que eu não sei como ninguém da antiga tinha aberto ainda. Cogitávamos até chamá-la de “A roupa nova do rei” heheh em alusão ao conto do rei que tinha uma roupa que só os inteligentes podiam ver hehehehe Estávamos na fissura também para estrear os nossos novos chumbadores “ALFA” que dão expansão independente da dureza ou podreza da rocha, dispensando o uso de Sika e tornando viável a conquista de vias de baixo pra cima. E foi o que fizemos.

Esses aí diferentes são os Alfas... e no fundo a chapa com argola que agora está na Colômbia.

À esquerda os parabolts PBA tradicionalmente utilizados, à direita os Alfas… e no fundo a chapa com argola que agora está na Colômbia.

Escalamos a Insaciável e o Beto saiu escalando na direção da preterida aresta. Havia um bolt batido uns 3m pra cima/frente da parada que talvez pudesse ter sido da Sedosa, que agora está com chapa, e mais acima o Beto bateu o primeiro furo. Colocou a chapa e tocou pra cima, numa viradinha delicadinha com muitas agarras boas, que deve deixar o lance em 4sup no máximo. Depois é um rampão só, de 3° grau até o platô do bundão. No rampão o beto ainda colocou mais duas proteções, uma bem depois daquele “crux” e uma antes de virar para o platô propriamente dito. Aproveitamos e tornamos a Sedosa escalável de novo pois havia um cactus gigantesco ali (aliás, ali há uma floresta de cactus, tiramos apenas um de um milhão) e agora é possível acessar o platô sem tomar cactada na cabeça, bunda, braço, costa, cara, enfim… A nova via ficou gradua da em 4sup, foi conquistada debaixo pelo Beto e por mim, que fui de segundo de tênis sem maiores problemas e agora configura mais uma opção à famosa “TRÍPLICE”  para dar CUME saindo pela Insaciável, passando por ela (ou pela sedosa antigamente) e terminando pela Espinhosa ou Jungle Man. Em virtude dos cáctus e do estilo da via , o nome da via ficou (bukactus) “Alameda das Cactáceas” e talvez coloquemos algum numero no final tipo 42, que é a resposta para a maior pergunta do universo. E pela primeira vez na televisão brasileira a parada da Insaciável conta com dois pontos propícios para passar corda. Por anos essa via teve apenas uma chapa CAMP e uma com canto vivo (Petzl). Mas agora colocamos uma correntona que alinha perfeitamente a chapa Camp e o último elo da corrente (Não a roube, por favor!).

E para finalizar o Post, uma fotinho minha na Invernada fazendo a Silbergeier Sexo, Sangue, Suor, Lágrimas e Gritaria, 7b/c dando um relax entrecruxes 🙂

Minha singela homenagem à Nina Caprez (sua linda)

Minha singela homenagem à Nina Caprez (sua linda)

Ah!!! E parabéns para o Zé e o Raul que adivinharam a Charada!!!! A resposta é Cuscuzeiro! (CUS+CRUZEIRO) Meio óbvio né?! hahahaha  Já bolei uma ótima, no próximo post ela vem!! Ives, esqueceu dos amigos? Cadê a matéria sobre os friends? (tu-dun-tsssss) kkkkkkk

Finalmente Notícias de Cadenas Locais!

Hadou-kennnn!!! Rá! Defendí!

O Feriado de finados serviu pra enterrar muitos projetos pendentes. Dei um Jedi na galera (Esses não são os Droids que estamos procurando) e convenci todos a irem pra invernada. A verdade é que não foi nada dificil pois fazia tempo que não íamos lá, todos tinhamos projetos pendentes, tinha chovido de noite e lá não molha E + uma coisa: Prometi equipar a SEXO, SANGUE, SUOR, LÁGRIMAS E GRITARIA pra geral dar um pega pois era meu projeto. É a última via que eu abri na invernada em 2010 com a Júlia Mara e nunca mais tinha voltado lá pra tentar depois que equipei. É uma via mista, de 30m (Isso mesmo, via de 30m!!) negativa de agarrão: um 7c. Ou seja, o Jedi foi só pra fazer piada pq tava todo mundo na pegada, além é claro, de querer variar um pouco o itinerário cusco-itaquerense. Fomos o Cataia e eu, e na sequência chegou o Bonde muito louco Daniel (The Flying DutchMan) e o casal Isabeto. Logo menos chegou o Rafa de descalvado, o mais novo membro do Sanca Pression Team. Depois de (pra variar) aquecer na Caixa de Fósforo  (CdF) me equipei e já cheguei chegando ali na base da “Sexo” (ou SSSLeG). E aí todo mundo tirou a senha e foi aquecendo na CdF também.  Subi pra equipar sem compromisso. Ao mesmo tempo, com a proximidade do RocTrip da PETZL, achei uma decisão salutar estrear as minhas Scarpas Instinct L e Instinct S que estavam na Redoma havia meses pois vai que eu não me habituo, me aperta, me folga, enfim, qualquer besteirinha lá na Patagônia é foda de resolver. Ao mesmo tempo, estreei meu nonagésimo sétimo saquinho de Magnésio. Eu sou meio “FRIKI” (freak) retardado mesmo pra algumas coisas, e acho que depois de 8 anos escalando eu ainda não achei meu saquinho definitivo. Mas essa semana chegou uma leva de SuperBags da 4climb e eu realmente fiquei surpreso com a qualidade dos sacos de Magnésio. Sem sombra de dúvidas é o MELHOR saco de mag do Mercado Brasileiro. Enfim, vou fazer um post-review só dedicado a ele, porque realmente tive que trocar meu importado por ele. O Daniel também estreou sua Feroce nova (Da Scarpa também) que tinha chegado segunda feira.

Nem combina, cê acha?!

Enfim: Outro motivo de eu ter querido estrear a sapata é porque a SSSLeG é uma via de 30m com algumas passagens em positivo entre os negativos, e com um descansão que vc tem que ficar em pé, então uma sapatilha muito apertada (Minha La Sportiva Venom) mói demais o pé da gente. Essa Scarpa eu tinha comprado prum Brother, é um número maior que o que eu uso, mas ele não quis, e eu  me apaixonei por elaestou começando a rever minha política de sapatilhas 18 números menor que meu pé pois depois que vc aprende a usar a sapatilha, ela não precisa estar tão moendo assim (ou pelo menos por enquanto está parecendo). Não na casa dos sétimos e oitavos graus. Bom, no fim das contas fui com a Instinct izliper (é assim né Cataia?) um pouco mais apertada mesmo pois ela eu já conhecia bem la de Rodellar (é praticamente a minha segunda dessas, longa história). Ela é tipo ítem mágico de RPG que quando vc a envoca vc ganha +4 de percepção (para ver mais pézinhos) e +2 de Destreza. Com ela no pé subi equipando a SSSLeG meio que sem compromisso para tirar os moves: passei o primeiro crux de 7b, passei o positivo, e antes da parte em móvel (eu falei que ela tem uma parte em móvel?) achei um descanso de asa de galinha dentro de um buraco bem interessante.

Eu no comecinho da “Sexo, Sangue, Suor, Lágrimas e Gritaria”, 7c

Entrei na parte em móvel e logo já coloquei um TCU 1.25 (equivalente ao Camalot #.5) que ficou supermegabomba e comecei a batalha mental contra a voada. São lances de agarrão, mas é negativo e vc precisa trabalhar bem um pé na direita da fenda e o outro meio de contra diedrando bem alto na esquerda, entao vc acaba ficando meio deitado. Dei meia lua pra frente e soco forte 3x e chamei Exu e Xangô no Grito e consegui chegar no descansão sem mãos do platô, de onde um Camalot #,75 protege a entrada no próximo lance.

Genja (vulgo eu) terminando o primeiro cruxzinho da via (SSSLeG) ao fundo. Rafa de laranja entrando na Caixa

Depois desse descanso são mais duas chapas e um camalot #3 ou #3,5 ou Estico até a base. Sem embaçar muito, abusei dos drop-knees que havia ensaiado semana passada com o Shimoto, costurei uma, costurei duas, dei outro gritinho do Chris Sharma desta vez no último Crux da via e peguei no “agarrão da cadena” que nem é tão agarrão assim, nem é da cadena pq ainda tem o estico até a base, que eu acabei protegendo com o Camalot #3,5. Sensacional!!!! Tive a oportunidade de fazer a primeira repetição da via desde que ela foi aberta. O Beto tinha mandado o FA enquanto eu tava na Espanha.

Sim, é tudo agarrão mesmo. Em 30m de via tem 2 regletes importantes apenas!

Acabei mandando a via equipando, nem esperava, já estava com a meta cumprida, mas já que estávamos ali, bora escala mais malucada!! O Cataia acabou entrando depois, e o Daniel também, porém ambos bombados preferiram não arriscar tomar uma voada nos friends por mais que eu tivesse garantido que tavam bomba. O Beto ainda foi lá e fez a segunda repetição (O viado já tinha feito o FA)

Daniel Holandês na Sexo e Cataia na CdF – depois eles trocaram

Beto entrando na parte móvel da SSSLeG

Mas antes o Beto tava com seu projeto de ânus sendo malhado: Colômbia 8b. Via curta: 3 chapas e base, uma das mais clássicas da Invernada. Ele tava sempre pagando o crux, pegando no “copinho”  e perdendo a cadena por ficar mil anos ajeitando pés. Demos o Beta: MANOOOOOOOO prum cara que faz “teraband” e exercicios pros antagonistas com corda dinâmica como se fosse tripa de mico, tá na hora de vc abusar um pouco. Ele ficava com o braço dobrado se fudendo. Simplifique: faça no monté logo com os braços esticados. Dito e feito, foi lá e mandou!!! Ainda tentou tocar na Narcotráfico mas aí já era o 3° ou 4° pega, nem tinha mais braço pra isso… Só sei que eu fiz a alegria do Holandês pois caí no mesmo copinho da colômbia que o Beto vinha caindo, porém não sei que jeito, ninguem soube explicar, vim giroletando de ponta cabeça, que nem uma hélice de helicóptero num plano não paralelo com nenhum outro conhecido. Fiquei a 20cm do chao. O Holandês foi ao delírio com mais um voador além dele! hahahaha Depois entrei e remandei a via pela primeira vez depois que tinha encadenado.

E aí Daniel, gostou da vuada do Genja? ÊÊÊÊÊEEE!!! Da horaaa!!!! \o/

E aí foi hora da sessão Roling Cones: outra que fazia tanto tempo que não entrava que nem ta mais no meu 8a.nu. Acho que o Pilates foi lindo!!! Mandei o crux com uma solidez ímpar! E aí a galera começou a sessão espanco:

Cataia fazendo o crux do jeito dos anões…

E isa fazendo idênticamente ao Cataia o mesmo move…. malditos anões! hehehhe

VOANDOOOOOO!! =)

Ainda tava com o Tomelirrolímetro a milhão, aproveitei que tinha mais quase 2h de sol (Ahhhhh o horário de verão, seu lindo!! s2 ) peguei minhas costuras, friends mais que decorados e fui na Barranco, pois era projeto do Rafa de Descalvado que mora em Sanca (puts, agora precisamos dar um apelido pra ele pra não confundir com Rafana nem ficar falando toda hora que é o de Descalvado). Mas aproveitei o tomelirrolímetro em “MUITO alta” e toquei a segunda parte, que da um 7c. Puts, a saída pra segunda parte tem uns pezinhos delicados que MANO!! A Instinct de cadarço confortável 1 número maior que a outra mandou mooooito bem! Esse Vibran II é realmente OTO PRANETA em termos de aderência!! Sem contar shape e precisão da sapata né… mas enfim. Acabei parando no último move lá em cima e não mandando desta vez, tava moído, mas é uma via muito boa e sempre gosto de entrar nela! O Cataia também mandou a primeira parte da via, no Flash! TA FoÓOORTE hein neném!??! hehehe Ele também já tinha mandado a CdF no segundo pega! Isso pq o viado ta em época de entrega de TCC e não ta treinando. Imagina se estivesse. :/ Aí o Rafa entrou e depois de 3 idas à invernada e malhos constantes mandou!! Muito bem garoto, me mata de orgulho!!

Rafa parecendo o He-man na Barranco… kkkk Não zoa não pq finalmente ele mandou! 😀

Ói a Forga do Rafa na Caixa enquanto eu to espumando de fazer força ali na SSSLeG! hahaha

Essa foto do Beto ficou bem da hora na Sexo…

Última fotenha das que eu tinha escolhido: Entrando na parde móvel da SSSLeG

E é isso galerinha! O dia na Invernada foi REPETACULÊ com muito Crimb e Cadenas, e estréias também!  Fico aguardando as fotos da txurminha que também fez várias pra decorarmos o Feicibuki e fazer a alegria da blogagem generalizada 🙂

Amanhã não escalaremos pois vamos começar a mexer na Caixa D’água pra montar as vias do Campeonato Caipira! A galerinha daqui tá foóoorte hein neném! Vai treinando daí pra poder concorrer aos melhores prêmios de terceiro lugar! hahahaha

Videozinhos de Praxe e projetos paralelos

Cataia, Atleta do SCPT na Espinhosa

Nossa!! Já fazem 20 dias que fiz o ultimo post! Pensava que tinha sido sei lá, uns 5 dias atrás! A verdade é que estou trabalhando pra caramba num projeto paralelo que ainda não posso divulgar publicamente (que os mais chegados já sabem o que é) e tenho escrito bastante por lá, o que provavelmente me tem sanado (ou seria: saciado) minha vontade de escrever e produzir conteúdo online. Enfim… Como sempre separei alguns videozinhos para vos alegrar a semana, e algumas fotenhas do climb do finde passado, quando eu voltei a escalar e fizemos uma sessão de fotos-insolação no platô do Bundão. O foda é que ultimamente ta foda selecionar BONS vídeos de climb. Eu explico: de cada 10 vídeos de escalada que saem na internet, 8 são de boulder, 6 são de rocklands, 1 da Suíca e 1 de Cocal, e aproximadamente metade desses 8 dão sono. Dos 2 que restam nem sempre são vídeos de qualidade que valem a pena ser assistidos, com aquele enredo, imagem em FullHD ou começo, meio e fim (sim, até um vídeo de um climb de 4mins precisa ter algum conteúdo – a era “escalada Brasil” de colocar o Nome da via, o cara escalando e subir os créditos quando ele a termina já era – embora as vezes alguns são muito simples assim, e muito bons) . Reflexões a parte, “empezamos!”:

Vídeo do Genial festival de escalada em Kalymnos, onde a galera tinha que ir escalando o máximo que desse, e “tickando” as vias numa lista… aí tinha prêmios… uma competição com estilo de festival, perfeito!

Vïdeo do J. Siegrist mandando a via Algorithm, a mais dificil daquele estado americano. Gosto muito da fotografia, do estilo de escalada e das vias do Siegrist, e vídeo dele é sinônimo de vídeo de qualidade!

Uma das minhas fãs, a Francesa Alizée Dufraisse escalando um 11a em Ceüse, na França. Vídeo de encher os olhos! A trilha sonora dispensa comentários de tão boa que se encaixou nos movimentos da Garota (QUE GAGOTAAAA!)

E se vc gostou do vídeo acima, apesar de eu já ter postado outro vídeo sobre ela uns 2 posts atrás, eis aqui um vídeo-biografia sobre ela feito pela Prana… Ahhh… valeu esperar minha atualização de vídeos depois desses dois últimos, diz aí? 8-P

E eis aí um vídeo de treino do Máquina Edu Marin, que estava voltando forte para os treinos. Sei lá, eu não o conhecia muito, mas ele me pareceu meio arrogante no vídeo. Normalmente a galera aparece nos vídeos falando que fez meio mundo de coisa, blz, mas ainda assim passa uma “sensação” meio de humildade… O Edu me passou uma imagem meio de: Sou foda pacaralho mesmo, e agora que eu fiquei de fora da final foi treta pq vc sabe que tinha tudo pra estar lá” hehehe sei lá, mas nunca ouvi ninguém falar mal dele, foi só uma impressão. Detalhe para o MEGAMASTERPLUS campus board dele com 30 ripas que tem que fazer de top!!! kkkkkkkk

[UPDATE] De acordo com nossa correspondente Madrilenha Marta, na verdade o que ocorreu foi um erro de interpretação multi-étnico-linguístico, pois para um nativo espanhol, as declarações do Edu foram humildes e nem de longe transparecem qualquer tipo de arrogância. Muitas culturas, estamos suscetíveis a várias interpretações! Foi mau aí Edu! É nóis 😉

Aí dois vídeos de 2 mecas do climb mundial pra vc ficar com água na boca, largar mão de trocar de celular a cada 6 meses e carro todo ano, juntar dinheiro e ir escalar na melhor região de escalada do mundo (Calma, a Januária em minas chega lá rapidinho!!!)  na espanha. O Primeiro: Rodellar, a mecca da escalada esportiva claro, com suas “Chorreiras” e negativões de 40 metros… E o segundo Margalef, onde reinam os monodedos, bidedos e tridedos… Sensacional!

E para terminar por hoje um vídeo do Água de Salsicha Gabriele Moroni, fazendo uma via bem foda na Itália… O destaque é para o nome da via: Happy Milf… Quem sabe o que é Milf vai entender hahahaha

Bem, e agora umas fotenhas do climb do finde passado:

Genja na Jungle-Man, Cuscuzeiro

Ives voltando à ativa depois de se ver livre de uma namorada que não escala… Aê dando bom exemplo! 🙂

Aê, enfim uma foto em que ele ficou bonito!

Urubu urubuzando no pinão colado do cume da visual

PORQUE SENHOOOOR??? ME DESTES UMA CHAPA TÃO LONGEEEE????

Cataia Xingando a empresa de rapel que joga pedra na cabeça de escalador…

Ives pagando uma de gatão na Pervas…

Genja fazendo a Via “Bundão” depois de anos.. 😉

Genja na Irmãos Lobo, nova via do lado direito da pervas (croqui 3 posts atrás)

E aí os 3 xibungos fugindo da insolação no Bambuzal: Genja, Cataia e Ives na direita.

E galera, uma última coisa!! Esse dia encontramos o CUME do cuscuzeiro COMPLETAMENTE PELADO. Os cadetes da AFA roçaram todo o CUME do cusco pra poder fazer seus treinamentos de rapel tático de ponta cabeça e pousos arriscados ali. Ficou parecendo um campo de golfe. Mas eles não fizeram nada demais pois não tiraram nenhuma árvore, só “RANCARAM” o MATO. Gente, o mato é muito importante na sucessão ecológica e faz sombra para outras espécies de arbustos médios brotarem e, uma vez crescidos, fazerem sombra para árvores maiores ou arbustos maiores, e estes sombra para árvores maiores. Sem contar que é o habitat de várias espécies de roedores, répteis (calanguinhos por ex.) e insetos; e nicho de algumas aves que fazem seus ninhos no meio dos pequenos arbustos. O Cume do cusco, segundo o Tonto (O Escalador mais ativo da região na década de 90) possuía uma mata fechada em seus primórdios, igual àquela da trilha, parte em que tem uma grande sombra. Foi após o famoso incêncio de 98 que o cume ficou rapado igual a Bruna Surfistinha. (puts, Key word bruna surfistinha vai me dar uns 50 pageviews a mais por dia hahahah se eu usar PELADA, de quatro, entre outras, imagina pra onde vai! hahahaha). Enfim, para fechar a discussão, o cume do cuscuzeiro é uma APP, Área de proteção permanente enquadrada na categoria: Topo de Morro, e portanto, não pode sofrer nenhum tipo de intervenção, e o roçado é caracterizado como desmatamento (Sem contar que é uma propriedade particular). Não obstante, o cuscuzeiro também faz parte da APA (Área de Proteção Ambiental) Corumbataí, segundo decreto de 18 de junho de 1982, o que obriga que qualquer intervenção em qualquer área dessa APA (que abrange todas as cuestas desde analândia até São Pedro, Descalvado, incluindo São Carlos, Itirapina e outras cidades do entorno) exija automaticamente licenciamento ambiental. E para terminar: Como todo respeito cadetes: Vocês são fodas pra caralho, todo mundo sabe que depois dos correios vocês são a instituição mais confiada do Brasil (Forças Armadas). Pra que abaixar a zona de conforto pra isso? Se é pra fazer treinamento, que seja no pior lugar possível pra pouso, cheio de mato mesmo, superfície irregular, para que continuem mantendo o padrão! Eu peço desculpa aos amigos da AFA que estavam no cume do cuscuzeiro aquele dia, não tive intenção com esse desabafo de ofender ninguém, apenas usar este espaço para tentar explicar o motivo de porque não se deve roçar o mato no cume do cuscuzeiro.

Quem quer jogar um golfe no Cusco no finde?

Bom galera, por hoje chega, ia colocar umas sugestões de música, mas fica pro próximo post. Inté!