Conheça melhor a EDELRID

Edelrid_2013

Muita gente tem me perguntado sobre a Edelrid. Para alguns, é uma marca nova, para outros, é “A marca”. As pessoas tem curiosidade de saber mais sobre essa marca com a qual tenho trabalhado nos últimos meses, e é fascinante ver o interesse que as pessoas tem pelo novo, tipo criança com uma nova história. Acho que a escalada tem esse poder sobre as pessoas: de fazer a gente se sentir criança de novo em alguns momentos.

Pra quem não sabe, a Edelrid é uma fabricante Alemã de equipamentos de escalada e montanhismo. Atualmente com um pouco mais de 150 anos de história, como eles mesmos dizem, são 150 anos de paixão pela escalada e pelo montanhismo, 150 anos de criatividade e inovação. Eles foram demolidos e reconstruídos duas vezes, e a empresa foi vendida outras tantas.

EDELRID_ALPINE_Christian_Pfanzelt_09

Quero muito uma dessa. (Costura)

Nesse meio tempo eles simplesmente foram responsáveis por uma revolução no que conhecemos como escalada hoje em dia. Em 1954 a Edelrid inventou um conceito e lançou a primeira corda com Capa e Alma, característica que até hoje é o padrão para a produção das cordas de escalada de qualquer marca. Menos de 10 anos depois eles inventaram e produziram a primeira corda dinâmica do mercado. E teve mais, pois no ano seguinte lançaram a primeira cadeirinha de escalada, e dela desenvolveram a cadeirinha de quadril nos moldes das que utilizamos atualmente.

EDELRID_History_3

Mas não parou por aí, pois na década de 70 o então dono da Edelrid, Claus Benk, que era escalador, lançou a primeira fita de costura “costurada”, que por acaso é o que praticamente todos os fabricantes produzem até hoje! A corda dupla também é invenção deles, de 1977! E seguindo as tendências, em 1994 lançaram a primeira corda de Canyonismo que bóia na água. Aí a empresa passou por um período em que aquele dono escalador não estava mais na empresa, ela foi comprada, foi vendida e ficou um tempo sem muita inovação. Até que em 2006 foram comprados pelo gigante grupo VAUDE, e aí voltaram a se estabelecer como empresa líder no ramo da escalada e as inovações voltaram a aparecer.

Primeira Costura do mundo: EDELRID

Primeira Costura do mundo: EDELRID

Praticamente 90% de seu leque de produtos atual foi desenvolvido ou melhorado nos últimos 5 anos, o que demonstra o tanto de inovação que eles tem criado. Cordas com tecnologias que aumentam sua durabilidade, certificações ambientais, cadeirinhas que não machucam, leves, que transpiram (tudo isso numa só), freios automáticos revolucionários, a primeira corda com dois diâmetros, o primeiro mosquetão com menos de 20g do mundo e o primeiro capacete dobrável também. É muita inovação pra uma empresa só! (Tanto que os cabos que sustentam a “capota” do Audi A8 conversível são da Edelrid).

Em outubro de 2013 tive a oportunidade de conhecer a fábrica em Isny, na Alemanha. Foi mais divertido que qualquer vez que eu tenha ido ao Playcenter ou Hopi Hari. Vocês nem imaginam como é a sensação de caminhar entre as máquinas que trançam cada fiozinho de nylon pra fazer uma corda! Ou entrar numa sala cheia de bancadas com pedaços de cadeirinha, fivelas, espumas, fitas e saber que é ali que eles literalmente INVENTAM as coisas que a gente é tão fascinado!

Certificação Ambiental Internacional de consumo consciente de recursos em toda a linha de produção dos materiais têxteis da Edelrid

Certificação Ambiental Internacional de consumo consciente de recursos em toda a linha de produção dos materiais têxteis da Edelrid

Em uma conversa de corredor com um dos desenvolvedores, fiquei sabendo que as cadeirinhas tem várias características meio que secretas que não são divulgadas, e que aumentam a segurança do usuário (tipo proteções antibobo). Que todas as cordas tem pelo menos um tratamento pra aumentar a durabilidade (algumas tem 3). As fibras são tratadas quando ainda estão no carretel, linha por linha, depois são trançadas, tratadas de novo, e só depois é que viram os elementos finais que vão dar origem ao trançado da corda, e ainda recebem o thermoshield. Isso para as cordas comuns, “sem tratamento”. Sem falar nas Dry. Vi também que todas as fitas são testadas individualmente e que TODAS as cordas passam 100% pelas mãos de profissionais que estão ali só pra verificar se há algum defeitinho, metro por metro, de milhares de cordas que são fabricadas semanalmente ali!

ropes

O mais incrível de tudo foi conhecer o “Business Manager” da empresa, e descobrir que tinha sido o cara que abriu as primeiras vias aqui no Cuscuzeiro em Analândia em 1997!! Não por acaso ele tem uma casa em Chaltén e passa suas férias todo ano na Patagônia Argentina. E é assim com todos os funcionários, especialmente os que desenvolvem os produtos novos: Escaladores reais que enfrentam as necessidades em campo, ao contrário de outras empresas com seus engravatados divagando sobre como achar pelo em ovo (ou ganhar mais dinheiro).

E o mais impressionante, é que lá fora a melhor cadeirinha da Edelrid custa quase o dobro de uma Petzl, mas aqui no Brasil modelos teoricamente equivalentes chegam a custar menos da metade! Isso porque na Quero Escalar importamos e revendemos direto para os escaladores, sem intermediários, e sem custo Brasil, podendo assim praticar a livre concorrência sem fazer parte de cartéis que estipulam preços tabelados.

Propaganda_cadeirinhaPortanto, se você queria saber um pouco mais sobre a Edelrid, agora já sabe que ela é uma das maiores e mais antigas empresas de equipamentos de escalada do mundo e uma das que mais investe em tecnologia e inovação. E você pode adquirir seus produtos Edelrid na Quero Escalar sem custo Brasil, com entrega para todo o Brasil, com garantia, parcelamentos, enfim, só vantagem! Mais alguma dúvida?

Carsten e eu durante visita na Fábrica da Edelrid na Alemanha.

Carsten e eu durante visita na Fábrica da Edelrid na Alemanha.

Evolução dos logos da Edelrid

Evolução dos logos da Edelrid

Equipe QE fazendo bom uso dos materiais Edelrid! Transpiráveis e confortáveis perfeitos pro nosso clima úmido!

Equipe QE fazendo bom uso dos materiais Edelrid! Transpiráveis, confortáveis e perfeitos pro nosso clima úmido!

Piano Piano se va Lontano!

Porque Nina e Alizee no meu blog precisam alternar um pouco! haha

Melissa LeNeve: Porque Nina, Sasha e Alizee no meu blog precisam alternar um pouco! haha

Hoje eu ia falar sobre mais um assunto polêmico, como de fato tinha prometido semana passada (ou retrasada). Só que vou adiar mais uma vez. Sei que todo mundo gosta de polêmica mas na verdade não estou muito inspirado para colocar os dois lados da moeda e justificar, nem ficar escrevendo muito hoje. Então vou colocar uns vídeos que (enche linguiça) todo mundo gosta, aquela fotinho básica da mina escalando com o útero à mostra e semana que vem a gente incendeia esse blog com coments e lavagem de roupa suja hehehehe

Esse ultimo fds foi o primeiro em mto tempo que vou escalar e não tenho dor no dedo. Agora eu mudei o meu aproach, e, em vez de repouso para que o dedo melhore, estou correndo, escalando de leve, botando gelo, escalando de leve, correndo, fazendo barras, abdominais, botando gelo. Parei com a academia que eu estava indo no intuito de endireitar um pouco minhas costas, pois, apesar de estar funcionando e de ter perdido “medidas”,  eu estava ganhando peso, e enquanto eu já estava lá eu me lesionei de novo, o que me fez ter certeza que o que eu preciso mesmo é estar leve, depois eu faço o resto. Minha acupunturista falou que não era pra eu parar de escalar porque senão desandaria todo o resto (emocional, físico, fortalecimental, etc..) então eu continuo escalando de leve. Evito mesmo as vias duras e com regletes e, ainda que eu não aguente mais ir pro cuscuzeiro fazer a fimose, a manga e a visual, é isso que tenho feito. Todo mundo fica me zuando e talz, mas ninguém ta na minha mão pra saber como é chato estar nessa relação de praticamente monogamia com as rochas, entrando sempre na mesma via 😦 . O bom da escalada é justamente essa putaria de poder entrar em qualquer via, quando quiser, em qualquer pico, poder viajar, que uma via não fica com ciúmes da outra, e se vc não manda a cadena de primeira, é só malhar que vc consegue uma enfiada. ;P Se eu estivesse na espanha, ou em Arcos, isso não seria problema pois é só escolher uma das milhares de vias sem regletes e kamon, mas num lugar onde vc tem itaqueri, a capital das tendinites, como quintal de casa, fica dificil! Nessa hora todo mundo é treinador com mestrado, doutorado e pos-doc em dar pitaco na escalada alheia, mas tendinite ninguém cura né?

Bia na Lapinha!

Bia na Lapinha!

Mas é isso! Muita paciência e uma recuperação decente essa vez! Ah!! E apesar do final de semana ter sido meio que tipo assim, monogâmico, deu pra inventar novas brincadeiras pra apimentar a relação, e comecei a desescalar desguiando algumas vias, ou fazer outras isolando os regletes fazendo moves mais forte entre os agarrões. Interessante. Mas mais interessante foi a Bia ter mandando seu primeiro oitavo em itaqueri, a Strikinina 8a e o Shimoto seu primeiro 7b (Não, Rolling cones, aquele boulder com chapa não conta) a Distúrbios de Jah no cuscuzeiro. Via esta que ele tinha entalada. É isso aí fiii! E se não tivesse desdenhado do quintinho no fim do dia, teria mandado um 7a em flash!! Eu falei pra ele que a insaciável era quintinho,  – e é mesmo – mas com uma saída um pouco dura (é tipo um move de 7a). Ele mandou a parte foda e no quinto ele caiu de jão… kkkkk fica o aprendizado hein nego?!

Shimoto na Dist. de Jáh no Cuscuzeiro

Shimoto na Dist. de Jáh no Cuscuzeiro

Outro destaque fica para o Italiano Sebastiano que está aqui conosco fazendo parte do São Carlos Pression Team esse mês. O bicho preenche todos os pré-requisitos do time e é forte a ponto de praticamente avistar a Marmota do cuscuzeiro e cair só no crux da Caixa de Pandora. Kamon, SCPT sempre muito receptivo, ao contrario do RJPT hehehehe

Seba no cusco!

Seba no cusco!

Bom, chega de divagações e que tal um vídeo ou outro pra animar!?

Falando em Shimoto, esse vídeo foi realmente vergonha alheia. Tipo, Joe Kinder, escalador esportivo que morou uns 4 meses na espanha, mandou 9a frances, (11c br) vai se aventurar em sua primeira via “Trad”. Ai que legal! A vida é ótima, estou animado! viva o novo… Aí eles vão lá no pico, 4,5hrs de caminhada com mochila pesada nas costas… bivacam embaixo de uma pedra e no dia seguinte: 5 cordadas (10 pessoas) na frente deles pra fazer a via. Hmm… vamos fazer a via do lado: ok, blz! Meio traumático, um sétimo grau brasileiro de umas 8 enfiadas.. No segundo dia: Vamos fazer um quintinho pra treinar e aclimatar melhor! Beleza, aí ele toma uma super vaca de 30m, bate contra a parede, não acontece nada, mas desistem, vao pro chão e vão embora… E aí ele faz um vídeo sobre isso… e vc assiste e fica esperando ele escalar a via principal (The hulk), só que não acontece!! No final vc fica meio tipo vergonha alheia hahahaha

O próximo vídeo é bem antigo, tem tipo uns 3 meses, mas eu achava que tinha posto no blog já, mas como tava na minha lista de links, fui conferir e não tinha postado mesmo. É sobre as escaladas no Panamá. Um único escalador, um país inteiro. E ele abrindo vias pra ele mesmo escalar com a seg da namorada e de um amigo ou outro que não é da pegada. What’s the catch? A pegadinha é que tem um lugar no panamá, um pico de climb, chamado Boquete. hahahaa Loco né? É tipo a ilha de Gozo (gozo Island), em Malta. Já pensou um trip de escalada em que você começa no panamá com Boquete e termina em Malta (no mar mediterrâneo seu anarfa) em Gozo. Hahahah é hoje que esse post bomba de referencias cruzada com termos nada a ver no google kkkkkkkkkk Chega.

E sabe aquele vídeo bem padrão, nada de excepcional, mas também interessantinho, bem feitinho, não fala mal de ninguém… Pois bem, um cara e uma mina malhando um 10c em Red River Gorge, nos EUA.

E um video da Melissinha, que tanto somos fãs o Felipe e eu. (já o Beto acha que ela parece um menininho). Ela fazendo propaganda de uma academia..

Agora um pouco de equipamentos, que eu gosto tanto (gosto tanto que até vendo kkkkk). Propaganda dos Torque Nuts da DMM. Náaa… São os Hexcentrics com alguns fru-frus a mais e um vídeo muito bem feitinho. A fita de dyneema é muito legalzinha! 🙂

E pra finalizar, havia toda uma discussão (ainda há) sobre o uso do capacete. Os esportivistas não usam. Os montanheiros usam, e os top-tanga também. Só que ele protege muito! Há uma polêmica na climbing do mes passado (inclusive um “mea culpa” por publicar tantas fotos de escaladores foda sem capacete) questionando se realmente os capacetes funcionam. Para alguns casos parece que não, mas pra maioria (tipo pro que vc faz, sim), vish!

(capacetes que você encontra na Quero Escalar 😉 )

E beleza, esse que era pra ser um post curtinho até que ficou e-noooor-me! kkkkk (pra variar)