Curso de Escalada, pra quê?

Pra você não morrer antes da hora, simples assim. Existe uma premissa básica que eu acho muito válida que é: Quanto mais ignorante a pessoa é sobre um determinado assunto, mais expert ela se considera. Por isso é extremamente importante que as pessoas invistam em sua capacitação pessoal e segurança naquele que provavelmente é o esporte mais importante de suas vidas: A escalada. Existem muitas nuances sutis para se aprender neste universo vertical, e nem tudo são flores no maravilhoso mundo da escalada. Existem peculiaridades sobre fitas, mosquetões, freios, cadeirinhas, cordas e até mesmo sobre as técnicas e nós que muita gente nem sonha que exista. Muitas coisas são divisores de águas entre ter um trabalho danado para realizar procedimentos de segurança simples ou realizá-los com maestria e rapidez (rapidez essa que pode ser crucial para sua segurança em determinadas situações). As vezes o que garante que você volte com vida para o chão depois de uma escalada é saber que uma fita não pode atritar com corda pois o ponto de fusão dos dois quando atritados submetidos a uma carga é facilmente alcançado. Saber que existem mosquetões e mosquetões. Que aquele mosquetão que você comprou mais barato na verdade vai ficar encostado pois para sua necessidade ele não é adequado. E aquela cadeirinha de rapel que você comprou achando que era a maior pechincha do século para só então descobrir que não serve pra escalada guiada (e que além de tudo é desconfortável pra cacete?!)? Um acidente não acontece, é construído. E é para evitar a sucessão de pequenos erros que podem levar a uma fatalidade que serve a capacitação. Para identificar riscos, saber as limitações dos equipamentos e as técnias para as quais eles foram desenvolvidos  – e tão importante quanto: para as quais eles NÃO foram desenvolvidos.

O Curso de Escalada da Quero Escalar aborda todos esses detalhes técnicos de equipamentos e vai além, passando aos participantes de maneira didática, prática e dinâmica todos os procedimentos para se assegurar um escalador, para preparar os procedimentos para montar uma parada equalizada e limpa-la depois. Quem faz este curso sai sabendo conferir os equipamentos próprios e os demais, e se torna um ponto de referência entre seu grupo pois saberá avaliar a maior parte das situações de risco a que estão submetidos os escaladores esportivos típicos.

Enfim, faça um curso, se especialize, escale com segurança e ganhe confiança para se aventurar cada vez mais alto nesse tão fascinante universo vertical.

O próximo curso será neste fim de semana! Clique aqui e faça já sua inscrição, Em caso de chuva já temos um local preparado para as práticas acontecerem normalmente.

Não perca tempo, inscreva-se já! Pagamentos facilitados =)

Não perca tempo, inscreva-se já! Pagamentos facilitados =)

“Da porta pra fora – Festival de Cinema Outdoor”

Não perca! Atrações diferentes, para um público diferente, como a gente!

Não perca! Atrações diferentes, para um público diferente, como a gente!

Antigamente qualquer eventozinho de escalada era uma raridade. Todo mundo corria pra se inscrever, mas nem todos eram lá aqueeela Brastemp. Aí neguinho ficava reclamando que o país não tinha eventos, q ninguém tinha iniciativa (os mesmos que não tinham iniciativa de organizar nada). Aí vieram os anos 2000 e os anos 10 (no qual nos encontramos,by the way) e de repente temos encontros de escalada só pra abrir vias, encontros de escalada em picos com setores inteiros novos, croquis maravilhosos de locais incríveis, campeonatos de escalada organizados por uma puta associação de escalada FODA formada por gente que escala de verdade, e claro, festivais de cinema de Montanha. Mas, por increça que parível os participantes não vinham sendo tão em massa assim. Só que de repente, parece que todo mundo se ligou que é da hora pra caralho sair de rolê com os trutas/cazamiga do climb e em vez de ir no Shoppis Centis ou no buteco tomar uma, ir para o cine ver um filme de escalada. Se antes, no bar, durante o convívio com seres normais (AKA não-escaladores) os climbers já pareciam recém saídos de um manicômio, falando com um linguajar peculiar utilizando as mãos para gesticular o vocabulário desconhecido por eles (“Pega no gaston de esquerda, sobre de direita no abaolado, tranca o abdomen, junta, dropa e vai no deadpoint pro reglete invertido”), agora quem não for climber vai pelo menos poder acompanhar e sentir um pouco da emoção desse universo todo pelo qual os escaladores demonstram tanta paixão e dedicação.

Em São Paulo no dia 10 de dezembro vai rolar um festival de Cinema Outdoor chamado “Da porta pra fora”. Confira a programação e leve seus amigos climbers – e os nãoclimbers também! – pra fazer um rolêzinho diferente e muito agradável.

Nesta primeira edição serão exibidos alguns dos filmes que participaram “BritRock film tour 2014.

10 de dezembro de 2014 às 19h30 | Espaço Itaú de Cinema – Shopping Frei Caneca | R. Frei Caneca, 569 3º piso | São Paulo – SP

 Programação:

“Wainwrights Record Attempt” – O consagrado trailrunner Steve Birkinshaw tem o objetivo de quebrar o recorde que já dura 27 anos correndo todos os  214 cumes da região de Wainwright durante sete dias

De Alaistar Lee | Posing Productions | 31 minutos

“Stone Free” – Julian Lines é um dos melhores escaladores do mundo, e poucas pessoas o conhecem.Considerado o mais comprometido escalador da Inglaterra o filme é um documento vivo de um atleta que quer se tornar um dos maiores escaladores solo da história

De Alaistar Lee | Posing Productions | 27 minutos

“All My Own Sunts” – Rob Jarman é um ciclista de MTB especializado em downhill, e neste filme conta a história de seu acidente quase fatal que teve e todo o processo de recuperação. Oscilando humor e drama é considerado, por quem viu, o filme de bike do ano de 2014.

De Alaistar Lee | Posing Productions | 24 minutos

“Project Mina” – Escaladores profissionais são iguais a pessoas comuns?Neste filme extraordinário de Jen Randall acompanha toda a experiência de Mina Leslie-Wujastyk durante a temporada da copa do mundo de escalada em 2013.Além de focar a escalada, o filme também é o documento de como é a pressão em cima de atletas de alto nível e a reação de pessoas normais a ela.

De Jen Randall  | Light Shed Pictures | 22 minutos

É isso aí galera, quem puder ir, não perca que assim incentivamos a realização de eventos de escalada pra gente como a gente! Além é claro de curtir uma movie session sobre nosso universo! ;P

Tem filme sobre essa belezinha escaladora também!

Tem filme sobre essa belezinha escaladora também!

LANÇAMENTO: “GUIA COMPLETO DE ESCALADA DO CUSCUZEIRO”

Essa é a cara do novo Guia!

Essa é a cara do novo Guia!

Senhoras e senhores, venho através deste post orgulhosamente convidá-los para a festa de lançamento do “Guia Completo de Escalada do Cuscuzeiro”. Sim! Está pronto, está impresso, está lindo de morrer. Como pai coruja, devo confessar que ficou melhor do que eu esperava. Cheio de fotos, com papel chique, colorido e com informações sobre praticamente TODAS as 61 vias do Cuscuzeiro, é um guia pra ninguém ficar perdido procurando via ou entrando em via errada. Até mesmo quem nunca veio pra cá de outros estados não terá dificuldade de, sozinho, encontrar o local, as vias e se divertir e aproveitar todo o potencial que o lugar tem para oferecer. Os detalhes do Guia você pode conferir aqui na QUERO ESCALAR =)

Detalhes de como utilizar o Guia

Detalhes de como utilizar o Guia

Mas eu quero mesmo é convidar a todos para a “FESTA DE LANÇAMENTO” que ocorrerá no dia 26, (sim, daqui uma semana) aqui na Biblioteca Comunitária da Ufscar, atrás da Caixa d´água de escalada do CUME. O Evento está marcado para começar as 19hrs, com sessão de autógrafos e para os mais incrédulos, show imperdível com os Ukulele Brothers, Cleber Harrison da aclamada Banda The Beetles One e Bruno Alberto (Vulgo Beto, que ilustra inúmeras vezes as páginas do guia). Só não vai rolar comes e bebes pois será no saguão principal da Biblioteca, mas isso a gente pode providenciar na sequência, o que acham? =)

Seção enxuta com informações das vias mas sem dar spoilers pra quem preza pela escalada à vista

Seção enxuta com informações das vias mas sem dar spoilers pra quem preza pela escalada à vista

O Guia será vendido a R$30 a partir do Lançamento, então aproveitem para prestigiar, adquirir um dos melhores guias de escalada do mundo Brasil e curtir um som com a dupla quem vem ensaiando e tocando junto há mais de 2horas! Depois quem anima um churras vegetariano com opções para os carnívoros?

Todas as vias detalhadas numa seção separada, tin tin por tin tin. Né milú?

Todas as vias detalhadas numa seção separada, tin tin por tin tin. Né milú?

Nos vemos lá?!

Adquira o seu! Vendas a partir do dia 26...

Adquira o seu! Vendas a partir do dia 26…

Ah, e não esqueçam de solicitar a tabela de pré venda de produtos da Edelrid com preços especiais até dia 30/09!

Capa nova ED

Tips for non-Brazilian-Climbers in Brazil

Strong Brazilian Climber Ana Lígia, climbing on some solid Sandstone at Itaqueri - SP

Strong Brazilian Climber Ana Lígia, climbing on some solid Sandstone at Itaqueri – SP

I’m going to make this post in English because I think there aren’t much sources of information anywhere on the internet about climbing in Brazil. I Found some texts about some crags, inviting strong climbers to come and try our projects, but nothing more detailed. So, shall we begin?

– First of all, Gringo, you should know that you are very welcome here. Anywhere in this country you go, you can make a lot of friends and do the “Dirtbag” purest style sleeping on couches or even real beds without spending a dime and even trying the Brazilian typical food of someone’s mother (the one you’d never have the opportunity to try in a restaurant). We (climbers) like to be good hosts and it is also good for us to practice our english. Because of that, don’t you even think about hiring a guide (unless you are going to Rio). If you insist, drop me a line 😉

– Brazilians DON’T Speak Spanish. Unless those who spent a season climbing in Rodellar or in Chaltén. We speak Portuguese, but we can’t understand what people from portugal say because they speak too fast. It is not difficult to find people here that don’t speak english; actually, that’s the majority. Among climbers, however, you may find higher rates of english speakers.

– Learn portuguese. If not fluent, at least key words, like Bom dia, obrigado, com licença, até logo e por favor. (Good morning, thank you, excuseme, see you soon, please). Learn some more so that you can have and active talk (I, he, she, it, we, they for a start). You’ll remember my words when you meet someone interesting and find out you suddenly can speak another language you didn’t know 😉 . Besides that, learning a foreign language makes you smarter.

Beto crushing some great Limestone in Serra do Cipó, Minas Gerais. So solid, so Strong dude!

Beto crushing some great Limestone in Serra do Cipó, Minas Gerais. So solid, so Strong dude!

– Climbing gear in Brazil is very expensive. Bring your own and some spare in case you are going to stay here too long (i.e. an extra pair of climbing shoes).

– We don’t have good enough public transportation. Or trains. The only trains we have are those on touristic attractions like 1h rides just to know how it feels, it’s not to go from A to B. What we have are a lot of trucks at roads and highways, and they are fucking crazy, if you rent a car (or drive someone’s) stay away of their way. At cities we don’t have enough buses but for some touristic and rest days it will be enough. To go from town to town maybe you’ll have to take two of them. As I said, the best is to have a host. And that’s very easy to get. We think car rentals are even more expensive than climbing gear, so we never hire them, but if because of your currency you can afford one, it’s a good solution, but dirtbag to dirtbag talking, give up on that idea. In most crags you’ll stay you don’t need a car.

– We don’t have those furgo-style vans in which you can sleep in. We don’t have the “concept” of bivouac. It’s either camping or staying on a “abrigo para escaladores” (something like a shelter or refuge, hostel-like for climbers only). If you read that in a crag it is forbidden to camp, it means bivouac as well, for land owners, it’s the same.

– Every milimeter of land in Brazil has an owner. Amazonia forest is someone’s, for sure. If it’s not private, than it is a park, and then we’re screwed. Because our parks are completely abandoned. For governants, the whole model of a park is “Foz do Iguaçu” National Park, in which you go in escalators and ascenders up and down and you don’t even touch the ground (which is with concrete most of your way inside the park). The easy solution for all the other parks that aren’t a profitable source of money is the same: Closure. There are some parks that have the intense participation of climbers in it’s management, and in those cases, climbing is permitted. But in most of them, climbing is forbidden just because the park manager thinks climbers are crazy fat drug addicted people who throw ropes down and go abseileing some vertical wall, putting *His* ass in danger. That is because if you break a leg walking on a trail on a national park or someone’s land, you can sue the owner or the park, and you’ll win. But think about it: someone actually sued a Landowner or park for having gotten injured inside a natural trail. How absurd is that? Please don’t sue no landowner while you’re here.

Brazilian Tipical Churrasco

Brazilian Tipical Churrasco

– It is possible that you go back to your country fatter than when you left. We have excelent food. From the Feijoada, frango caipira, arroz com feijão to the churrascos (Barbecue). And by Barbecue I mean with real meat, not burgers. Contra filé, Alcatra, cupim and the king of the Churrascos: PICANHA. (Write that down not to forget). But don’t let yourself be fooled: A good State of the art Churrasco  strictu sensus has meat and beer (and some cachaça, why not) only; perhaps some “french bread”. Rice, salad and other stuff is for pussies. You’ll be amazed how we can make barbecue grills from almost anything that won’t get on fire. The food from Minas Gerais is by far the most liked from us, although each state has its own typical food and you are going to love them all. (for more amazing brazilian food you MUST try out, check this link)

The three on the left are the ones I recommend.

The three beers on the left are the ones I recommend.

– We have excellent cachaças and are not those exported ones you can find all around the world. Those 50 euros cachaças here are not worthy more than 2 dollars. You have to try the boazinha, seleta, sagatiba and the nameless Cachaças Mineiras (From Minas Gerais). I’m sure my brazilian fellows will enumerate even better ones, but I’m not such an avid cachaça drinker, so, well, those are the famous (but they will agree with the mineiras ones). We also have good beer. I Suggest Bohêmia, serramalte and Original. If you want a cheap and easy-to-find beer, the best is Brahma. Avoid Kaiser and Bavaria at all costs, unless you want to make a colon cleansing to be extremely light for that redpoint you are aiming the next day. Buy a gatorade along with it to drink after the effects.

– Yes, we have a lot of vegetarian climbers and vegetarian restaurants, you don’t worry about that. Perhaps on that small town with 400 habitants will be tough to find one, but at most cities you will find one.

Awesome climbing on conglomerate in Bahia!

Awesome climbing on conglomerate in Bahia!

– We have many kinds of rock types and formations. Brazil is so big, which is good, but also, because of that, the main crags are really apart form each other. There are Class A climbs in every state of Brazil but the north region. Minas gerais is the mecca for our limestone sportclimbs with the Serra do Cipó. Rio de Janeiro is the Mecca for slab multipitch climbs on granite with urban climbs all over the city with the Pão de Açucar and many other (dozens or more) of mountains in the middle of town. Paraná has our “Indian Creek” for trad climbing with São Luís do Purunã sector 3 close to curitiba and others growing bigger with clean trad lines. São Paulo has awesome solid sandstone with the morro do Cuscuzeiro (printed guide soon!) and its surrounding crags – and it’s where I live. Santa Catarina has a strong crag called corupá, which is conglomerate, and Rio Grande do Sul has the “Gruta da 3° légua” wich for many years had the hardest climbs in Brazil, with routes around the 5.14/8b+ range. Espirito Santo has loads of virgin granite peaks and a growing sport climbing comunity. In Bahia you’ll find a slower pace of life than in south and southeast. Don’t miss the chapada diamantina climbs and waterfall showers between one climb and another. The conglomerate and quartzite rule there, so the fun is guaranteed. Cities like Igatu, lençois and Itatim are the hotspots.

Anaí Climbs one of Rio de Janeiro Classics: "The passage of the eyes" at the Pedra da Gávea, Rio de Janeiro

Anaí Climbs one of Rio de Janeiro Classics: “The passage of the eyes” at the Pedra da Gávea

– In many crags you’ll find the “tupiniquim” solution for our lack of bolt hangers in the 70’s and 80’s that lasts until nowadays: The “Grampo P”. Which is something like the chemical glued in hangers, but without the chemical glued in. It’s a great solution and it’s very safe. It’s just not recommended to be used on roofs, so, you’ll not find many on them, although the ones that have been put on roofs are there after many years of abusive falling. It is a 13mm hole with a 14mm diameter steel bar hammered inside. Everyone climbs on them, falls on them, it’s not you, the redneck gringo that will be the lucky one to take them off doing a 5.8/V+ as a A0. But don’t worry, our crags are also full of petzl SS and fixe bolt hangers. In some cases, the “Grampo (or Pino) P” are only on the anchors because of its rounded section, for rapelling.  And they are only on Granite and hard limestone. For Sandstone we glue in the 12cm (5″) parabolts inside with sikka.

This is the "Grampo P" at at one crag at Rio. The one on the right has been replaced by the left one by the locals.

This is the “Grampo P” at Rio. The one on the right has been replaced by the left one by the locals.

– There are idiots and morons everywhere in the world, so if you find one, don’t worry, he’s one of a kind, not the rule. Here in Brazil I think statistically there are less idiots/stupid/morons per climber than in other countries I have been. No offense (there deep inside you’ll know what I mean! 😉 )

– Brazil is becoming a very safe place to live, but don’t do the “gringo distracted style”. As we say here: One eye on the cat, the other on the fish. Keep your things with you and don’t trust people you don’t know. Especially on big towns. The smallest the town, the better. A friend of a friend however can gain a vote of trust. Being a Climber here is synonim for trustworthy, but hey, remember the last paragraph, and don’t forget: “One eye on the cat, the other on the fish”.  Don’t act as if you’re lost (or as we’d say here, as lost a a dog that felt from the moving truck – or as a blindman in the middle of gunshooting). Don’t stop to take pictures in the midle of nowhere in the city, the metro exit, or places like that. Be smart!

– It is not true that we don’t like Argentineans. What we don’t like are those who think Buenos Aires is the capital of Brazil. It is NOT. The capital of Brazil is Brasília. The Argentineans we like the most are the ones that climb. Those are our Brothers from the other side of the frontier, always welcome as we are on their country.

– We don’t dance Samba but even the worst Brazilian samba dancer is better than you. Get over it. Most climbers don’t like soccer as well. Despite that, the worst beer-drinking-barbecue-eating soccer player is better than you. Get over it as well. We learned to kick a ball before we could walk.

– Brazilian people are traditionnaly homophobic, but among climbers that is not an issue. We are bad-belayer-phobic, because that actually affects us somehow.

– Despite all you saw about naked girls in carnaval, we don’t go to the beach naked neither girls do topless (actually that is forbidden, can you believe it?). So you won’t see anyone doing that. Not on the beach, not on a waterfall between climbs or a river close to the climbing crag on hot days. Ever. I’ve seen more boobs in one afternoon in a ordinary shore in Valence, Spain, than I have seen my whole life in Brazil. I wish that moment could last forever.

– We have deadbite snakes. Ok, that’s true. The worst ones you’ll hardly cross if you stick to the popular sport crags, like the Jararaca. but the most popular one is the “Cascavel” (rattle snake). The good thing is that they make noise before biting (therefore, rattlesnake), so you have one chance to escape. If bitten, you won’t die instantly. Just ask for help and get to a hospital ASAP. You have like 3 hours before irreversible effects.

Yes, we have rattlesnakes. Don't kill them, just walk away!

Yes, we have rattlesnakes. Don’t kill them, just walk away!

– We don’t have deadbite Spiders. There are only 3 kinds you should be aware of: The Brown Spider (Aranha Marrom – Loxosceles spp). This one is small and likes to walk around bricks and not very common to be seen or bit, unless they are inside your shoes or clothes while you put them on. But if they bite, you probably won’t even feel. Its poison however will digest (necrosis) your skin and muscles and cause kidney failure, so, the quickest you go to the hospital, the less implications you’ll get (12hours to start to leave sequels). The Armadeira spider (Phoneutria) that looks like a small tarantula, have red “quelicerae” (teeth) and she stands on her 4 behind legs and can jump into you like 1,5m depending on the species, and is very agressive. She will never jump on someone walking the trail from behind a rock. Like the rattlesnake, if it feels threatened it warns you by waving the forelegs in the air. In that case, run. Its poison is neurotoxic and extremely strong. One of the collateral effects of its bite is that you’ll get a 24hour painful boner (yeah a boner!). The other spider you should be aware of are the red tarantulas. They are slow. They don’t jump. They don’t bite. They have as much poison as a small bee. But if it happens for you to be on the 10% of population alergic to its hairs, you can die before getting to the hospital if you breath it. You’ll probably see one inside big holes (which are holds) on the top of some routes in Minas Gerais. If you touch or harm them, they will start to rub the legs on the butt dispersing hair on the air, and then is when you jump for your lives. I once crossed one, was scared to death, but it kept there, looking at me as if I were not there, while I made my way to the anchors of the route. When I was lowered down, she was still there, as if nothing happened.

The Armadeira Spider, also know as Brazilian Wandering Spider

The Armadeira Spider, also know as Brazilian Wandering Spider

– Despite being very receptive, we are very strict with our ethics, so long developed and discussed. We are a very social community, and although such a big country, it is common every climber has at least one climber friend on each state, so if you tell me about a climber, I’ll probably have heard of him, despite where he’s from. Because of that Bond we have, the ethics are almost the same on the whole country, with some minor variations from crag to crag. Here is the most important thing you must know when you come to Brazil:

You can climb any route, but you cannot change them. Do not add bolts. Do not remove them. You can leave a maillon or a binner at an anchor if it doesn’t have one (or two). Remember gear is expensive here.

Before bolting a new route, talk to the locals. We are on a exponential grouth of the sport climbing phase, and the old school climbers that don’t climb anymore want to impose rules to the local climbers that actually climb and make the climb happen in Brazil. So, figure that, even between us there are polemics and discussions about where, how many and how to bolt new routes, imagine what could happen if you bolted a route somewhere we all concensed it’s not supposed to have anymore routes! Don’t you think you’d be doing us a favor by bolting a new route or chopping the bolts of an existing one. We are grown-up enough to take care of the climbing of our country, thanks for asking. Bolt a new route because you like the line, got psyched, it came naturally, but only after you are absolutely sure why wasn’t there a route there before.

If you want to do us a favor, please bring or buy apicultor clothes and remove the bees of some crags. What helds Brazilian climbs development besides a few other things are bees on the crags and routes. I can tell you many undeveloped crags because there are bees and not brave-enough people to remove them (me included). It is ok to remove them, because when I say bees I mean the european and african ones, that compete unequally with the native ones. The european (and afrikan) bees are not welcome here, we have our own to make their job.

We don’t bolt cracks. It’s not that we never did it. But it’s been more than 15 years that we don’t do it. If you see it, don’t worry, it’s not going to be replaced in the future, just let it be and enjoy the view. I’ve climbed 30m cracks in Italy and Spain full of bolts. So, if you think there is a bolt that shouldn’t be there, please, go back to you country and do what you gotta do in your homecrag.

Do not bolt anything before climbing. We like to do things well done, so we want the routes to be perfectly bolted. Climb on top rope, ask a shorter person to do the same and see if he/she reaches all the places you intend to put the bolts. A good route is the one you can climb putting the draws or with them already in place with slightly no difference. DO NOT Retro-Bolt (bolting on rappeling before climbing the route). That’s not a matter of style, that’s local ethics.

As you’d do anywhere (your home crag for example), if you see something potentially dangerous, just ask the locals to know if they are aware of that. If they answer that it has been like that since ever, well, you know, those hemp-roped-tied-in-the-hips old school guys in the mid 50’s really had the guts you actually don’t. I don’t either.

It’s not because you can solo 5.10d/6b+ chimneys that a 5.10d/6b+ climber have to do it. Style is not only about how spaced bolts are, but about the safety as well, we don’t like those “Now i’m safe, now I can die. Now I’m safe, now I can die” kinds of routes.

At some crags you can’t smoke. And you can’t bring dogs. Please respect that. Feel free to put your cellphone songs at anytime, but if someone arrives turn it off or ask them if they would like some music.

A Crowded crag is not the best place to rehearse your project. Give it a go, but unless it is a 45m route with many good rests and you’re sending it, “don’t push it”. (Especially if it’s the only 5.10d/6b+ on the crag for people to warm up). Most of our crags don’t have 600 routes like those in spain.

Be kind, you’re responsible for the image of your country.

Do your thing. If you climb strong, climb strong, we want to see and learn from you. If you don’t, let’s share the passion and evolv together, that’s how the thing work here. We don’t suck at it at all so, maybe you could learn something from us too. It’s totally a social sport here. The more focused, silent and strong you are, the bigger the chances people think you’re snobbish. Of course you don’t have to be the Madre tereza on the crag, but look at Dave Graham’s example: The simpathy in person. “come on”, “Venga” and “Ale” are magic words that makes us climb one grade higher and makes us feel our redpointing of all life project of a 5.10c actually matters to you. Actually it does, doesn’t it?

Don’t go around spraying beta. Ask if beta is wanted. We like the onsight climbing as well. (but you may find it difficult to find someone who won’t want it).

Fact: You don’t climb in the sun. Not even in winter. You’d melt. Arrive early, leave late, that’s our way. It is ok to climb on the sun one day or two for multipitch, but don’t get used to it. Actually, you won’t (get used), don’t worry. When it’s cold or clouded, it probably rains.

Bring headlamp! You’ll use as much as your climbing shoes.

The quickdraws on a route are not there for you to take. Although they are expensive, yes we leave routes equipped with them for a couple of days or two while we are working on it. You can climb on them, but leave them there, you know, as if you haven’t been there.

It is good courtesy to brush chalk off key holds while lowering a route you just did.

ERASE TICK MARKS if you are not going to climb a route again.

Talking about climbing shoes, as I said before, bring your own. If you need resoling, we have great resolers, BUT, it may take more than one month to get the job done.

If you are climbing on soft stone, don’t get lowered down. Abseil instead. Avoid this on the picture:

Avoid this! Abseil from routes on soft stone where the rope touches de rock

Avoid this! Abseil from routes on soft stone where the rope touches de rock

So That’s it! I hope I was clear. Please forgive my “internal jokes”, I didn’t mean to offend anyone, I just wanted to help you all with our manners and make you feel embraced and involved by our culture. We are always laughing on our own problems, and we are always positive despite the politicians we have. And of course it’s better if you know some aspects of our climbing before you are coming, like our ethics for example. Actually I think if you are in doubt, those rules apply to almost everywhere in the world 😉 . So, if you ever thought about coming to Brazil, come! (But avoid the world Cup season, it’s gonna be CHAOS and we are not prepared to receive so much people). And, of course, if you have any doubts, just drop me some words and who knows I can help you!

See you and be safe!

Rodrigo Genja

Quero Escalar team

To be a Pro, act like a Pro!

Não sei quem é, mas é um 10b!

Não sei quem é, mas é um 10b!

Faz mil anos que estou pra escrever, mas semana passada eu fiquei meio gripado, coisa que não fico quase nunca (principalmente depois que passei a frequentar os rituais espirituais xamânicos com Ayahuasca), e logo entrou uma carga de trabalho absurda. Foram as etapas finais de elaboração do croqui do cuscuzeiro, depois o pedido das calcas-bermudas especialmente feitas para Quero Escalar (bermudas um pouco mais longas que o normal), muitos pedidos novos, documentação para o despachante alfandegário, enfim… mil coisas! Mas é aquele negócio: Quanto mais vc trabalha, mas vai trabalhar! Se é com uma coisa com que gosta, porquenão? E eu adoro o meu trabalho! E um dos piores males que assolam a humanidade nos dias atuais é a ignorância e o culto ao ócio. O ócio é bom, mas ócio produtivo. Ficar a tarde inteira vegetando em frente a TV sem fazer porra nenhuma pode fazer bem de vez em quando, mas a vida inteira é foda né? (sem contar a alienação que isso traz, e a quantidade de violência e sensacionalismo barato. Então já que vamos existir que seja produzindo alguma coisa e nos aperfeiçoando e evoluindo não é mesmo?

Muito bem, ta todo mundo ansioso pela tal “polêmica”, eu sei, mas eu não quero fazer as coisas pela metade ou correndo. Tenho pouco tempo hoje para este post, mas sei que o pessoal não entra aqui só pela polêmica, mas tambem pelos vídeos e pelas charadas. Vamos ao que viemos e hoje vou colocar uns vídeos, provavelmente até o fim da semana eu consigo escanear uns trechinhos da revista climbing e fazer um artigo contundente sobre… será que eu dou spoiler?… Naaaaaão… 😉 Só os chegados já sabem hehehe Quanto suspense Batman. Até eu to curioso pra saber o que eu mesmo vou escrever hahaha

Vamos colocar uns videozinhos pois tem alguns interessantissimos essa semana e, ainda que tenha milhares salvos aqui (ok, dezenas), essa semana foi produtiva!

Começando com este que é o ápice ejacular de uma pessoa que tem TOC e vive falando pras pessoas que elas estão com as costuras ao contrário na cadeirinha (o curvo pra cima e reto pra baixo). Pois xupem todos os “se foda, dá nada!” hahahaha Os MythBusters da DMM fizeram um teste com um mosquetão reto marcado de chapeleta (igual aos seus mosquetões retos de cima de suas costuras). Com 10m de uma corda novinha tirada do plástico, fizeram testes de fator 0,4 e um peso de 80kg. Em menos de 8 quedas a capa da corda já estava na capa da gaita totalmente destruída, restando apenas a alma de fora. Impressionante não? Se não abrir cliquem AQUI  e vejam direto no vimeo pq vale a pena!

E já que estamos falando em equipamento, já viu a fábrica da Mammut? Como sua cordinha é feita? Todo mundo sabe que as cordas da mammut são bivalentes. Depois de uns 2 anos, principalmente as mais baratas, podem ser usadas como espadas de esgrima, de tão duras não é mesmo? Pois é aí que elas são fabricadas! hahaha (em tempo: dizem que as mais carinhas já são outra pegada e aí sim continuam molinhas e duráveis, mas nunca tive uma pra provar).

Lembram do Edu Marin? Depois de um passado negro ( branco na verdade né? tu-dun-tsss) voltou aos climbs mas teve uma daquelas lesões inimagináveis na escalada: Rompimento total do tendão ou polia. FODA! Acompanhem o terceiro capitulo da novelinha: A recuperação de Edu MARIN(MAR)

Seguindo a temática sentimental, que tal projetos sociais com crianças carentes inseridas no âmbito da escalada? Pois precisou um gringo vir pra cá pra que isso acontecesse na capital nacional da aderência (RJ):

Continuando com o tema social, Lembram do Projeto do Michael Jackson USA 4 Africa? Que culminou com Cindi Lauper, Leonel Richie e estrelas de alto calão cantando We are the world? Pois bem… Paige claisen está na Africa do Sul mandando o FFA das vias e tentando levantar fundos para as instituições de caridade sociais dos países.. Só não entendi a quantia que ela mencionou, pois parece que só de avião pra ir até lá + hotel dela e do câmera/equipe já é mais do que o que ela quer angariar… Enfim, bom vídeo:

Tá, e chega por hoje. Post Curto, rápido, sagaz e ácido. Finalizando com a homenagem ao pequeno Tito, un normalissimo bambino apassionato por la arrampicata. belíssima homenagem de seus amigos (#Fikdik amiguinhos! kkkk 😉 )

Então é isso! Chegaram as camisetas do São Carlos Pression Team de CoolMax e calças da Base Brasil que viram bermuda, e a bermuda pode ser usada de cadeirinha sem ficar com a coxa de fora! Em breve colocarei na QE, mas por enquanto, pedidos pelo Face! Bjo galera!

São Carlos Pression Team no PETZL RocTrip!

Todo mundo curioso, aguardando o Post sobre o Sanca Pression Team no Petzl RocTrip, verdade? Ainda não tinha publicado pois estou tendo problemas com a integração do meu site com pagseguro muito trabalho essa semana depois de voltar da viagem , mas com o tempo tudo vai se ajeitando, dormir pra quê não é mesmo?

Eu e Beto no Petzl Roctrip... Isa de Fotógrafa zuando que a gente nunca é sério!

Eu e Beto no Petzl Roctrip… Isa de Fotógrafa

Bom, pra começar devemos citar a novela Aerolíneas que fez Ema-Ema pra gente. Chegamos terça feira de manhã em Buenos Aires pra pegar a conexão até Esquel (se pronuncia Esquél e não Ésquel) mas como tava tendo greve geral eles falaram que só poderiam nos “encaixar” num vôo sábado. SÁ-BA-DO (O Evento acabava domingo). Ficamos desolados, sem vontade de cantar uma bela canção, e já achando que o povo argentino é tudo aquilo que a rivalidade futebolística prega. Sendo assim fomos ver de alugar um carro pra chegar lá: U$3.000,00 (TRÊS MIL DÓLARES). Dexa queto… Então a Patrícia, do Guichê de atendimento ao turista do Aeroporto de B.A. nos foi muito solícita, ligou pra Ana Laura, responsável pela organização do Evento da Petzl, e juntas, fizeram milagres, arranjaram 3 vôos, 4 conexões  e dois dias de viagem pra gente, coisa que a aerolineas nem tinha se importado. Mesmo assim chegariamos 2 dias atrasados ao evento. Tomamos a decisão de apostar alto: Sacamos dinheiro (não tinhamos pesos e nao podia mais trocar) e compramos uma passagem de Busão mesmo. 26 horas até Esquel, e mais 2 até a Piedra Parada com o Onibus da Petzl, que ia custar 50 pesos mas custou 85 :/

26horas no busão e uns 5 filmes depois...

26horas no busão e uns 5 filmes depois…

Problema resolvido, comida comprada, chegamos no evento e já fomos fazer as inscrições…. ai que emoção!

Enquanto isso, na fila de inscrições...

Enquanto isso, na fila de inscrições…

Pegamos nossos brindes, camisetas e fomos armar barraca e comer! Dia seguinte lá estávamos para as filmagens do vídeo do PRT e logo depois fomos escalar.

Uma galera descendo correndo uma piramba... ce ta loco!?

Uma galera descendo correndo uma piramba… ce ta loco!?

Na sequencia fomos escalar, e já de cara tivemos a impressão de que não escalaríamos muito. Muita fila nas vias. Mas muita mesmo. Mais que o Cipó no carnaval. Mais que a Ética na Semana Santa. Eram 1400 pessoas para escalar e mais 600 curiosos que estavam ali só pra ver (??!). Realmente tava treta. Mas felizmente achamos um lugarzinho ao sol hehehe

Entrada do Canyon La Buitrera

Entrada do Canyon La Buitrera

E começamos a escalar, e muito bloco solto, e algumas vias com chapas muito longe umas das outras, mas aquele negócio: Morrer vc não vai, mas se ta com o psico abalado, vai dar medinho! kkkk E eu que estava com psico abalado perdi cadenas bestas de 7a’s com proteção escassa e mandei 7b’s (inclusive um a vista praticamente) muito bem equipados. O negócio é não se cobrar muito se o psico não ajuda e aproveitar que tem muita via um pouco abaixo do seu limite e escala-las! Reparei tambem que de manhã eu tinha mais medo do que a tarde… mas que se o move era foda e a chapa tava pra baixo do pé, não importava se era de manhà ou de tarde, era fiasqueira mór…

Eu escalando um sextinho equipado pela Nina Caprez. Muita pedra solta!

Eu escalando um sextinho equipado pela Nina Caprez. Muita pedra solta!

Esse 7b derrubou UMA GALEEEERA a tarde toda enqto estavamos no setor, mas o Beto mandou a vista! Só que são tipo 6 chapas + parada em 30m de via :/

Esse 7b derrubou UMA GALEEEERA a tarde toda enqto estavamos no setor, mas o Beto mandou a vista! Só que são tipo 6 chapas + parada em 30m de via :/

Isa no mesmo sextinho das pedras soltas...

Isa no mesmo sextinho das pedras soltas…

Tava caindo MUUUUITA pedra, e esse setor, o Jardin del Eden, tava bem foda de ficar. Escalamos duas vias e já deu. NA verdade a gente começou escalando no Ortigas, mas tava mto frio e tivemos que sair pro sol…

Porque ela falou que fazer essas poses é coisa de criança! Mas bem que ela deu risada né?! ;)

Porque ela falou que fazer essas poses é coisa de criança! Mas bem que ela deu risada né?! 😉

No dia seguinte ja fomos prum setor muito bem recomendado chamado Huelitas ou holitas.. mó da hora! Negativaço de agarrão com um monte de buracos! Só que: Mimimi Era de manha, e era tipo 30m de via com 7 chapas. Não tem psico abalado que aguente pra aquecer hehehehe Mas puta via da hora, eu é que não estava rendendo. Ainda.

30m de via e umas 6 ou 7 chapas. Morrer não ia, mas... PRA QUÊÊÊÊÊ???

30m de via e umas 6 ou 7 chapas. Morrer não ia, mas… PRA QUÊÊÊÊÊ???

Beto no 6c (7aBr) do Setor Holitas. Tudo a vista fi!

Beto no 6c (7aBr) do Setor Holitas. Tudo a vista fi!

Só sei que fiquei bem chateado. Sentia-me como um ator pornô com disfunção erétil. Impossibilitado de fazer o que mais gosta!! Mas graças à umas brasileiras muito gente boa, meu problema se amenizou. A Gláucia do Rio deixou um 6c+ (7b Br) equipado e eu dei um pega na via. Fui espanetando (ou seja, escalando rápido, inteligentemente porque era fácil e sem maiores percalços) até o crux, mó da hora, e lá, perdi uns 10 minutos (e a cadena), era um movezinho tenso de regletes e equilibrio.. tirei o move, entrei de novo e mandei! Ahu!! O Beto Aproveitou e equipou outro 6c+ ao lado e entrei no flash (só é flash pq sabia onde era o crux) e mandei! Uma leitura bem complicada, dei uma roubada na altura hehehe mas aí ja fiquei mais motivado!

Banho no Rio... leva a pá pra quebrar a camada de gelo em cima do rio!

Coragem pra guiar via com esticão ele tem… mas pra entrar na água de uma vez… vish… pior que eu pra guiar via com esticão! kkkkkk

A noite foi dia de banho afinal, já tava fazendo uns dias, mas enfim… água gelada, o negócio é não pensar muito e já sair caminhando sobre a água até ela chegar no saco. Daí em diante é só alegria. 3 minutos depois o banho está terminado. 🙂

Todo dia a noite rolava fogueiras espalhadas pelo camping, E claro, as baladinhas da PETZL. Acabamos não indo em nenhuma pois iamos sempre dormir cedo pra acordar cedo pra nao pegar fila nas vias, o que nem sempre se concretizava, mas enfim…

Fogueiras por todo canto..

Fogueiras por todo canto..

Uma das vias mais clássicas do pico...

Uma das vias mais clássicas do pico…

No sábado acordamos cedo e fomos pro climb. IN-CRÍ-VEL! Nenhuma fila na via mais badalada do pico,  a Mickey Mouse! Um Sexto grau negativo de agarrão que parecia de ferro fundido! Amazing!!

Piedra Parada ao fundo... Setor El Aero..

Piedra Parada ao fundo… Setor El Aero..

Essa era a ultima via antes das vias interditadas e desequipadas por conta das escavações arqueológicas…

Pensa num agarrão...

Isa descansando numa agarrinha da via….

E a tarde paramos tudo e fomos ver os RockStars escalarem… e Aí a Tietagem rolou solta!

Alizee Dufraisse na Seg do Dave Graham...

Alizee Dufraisse na Seg do Dave Graham…

Beto e Eu Tietando a Melissa Le Neve, super simpática!

Beto e Eu Tietando a Melissa Le Neve, super simpática!

E Beto e eu Tietando o Máquina, Dani Andrada!

E Beto e eu Tietando o Máquina, Dani Andrada!

Dani Andrada meio adverso ao uso de casco...

Dani Andrada meio adverso ao uso de casco…

E esse dia ficamos pageando os nossos fãs, foi mó da hora! Conseguimos coletar autógrafos de:

– Gerome Povreau

– Steve Maclure

– Mayan Smith Gobath

– Alizée Dufraisse

– Melissa Le Neve

– Florence Pinet

– Martina Cufar

– Philippe Ribiere

– Dave Graham

– Said Belhaj

– Dani Andrada

Só faltou da Charlote Durif, que não compareceu nesse dia, e quando cruzamos com ela, ela tava com o Biro-Biro e ficamos com vergonha de pedir o dela e o dele não.. kkkkkk

Bom, de noite como sempre jantinha, o casal Isabeto para a Barraca antes das galinhas por causa do climb do dia seguinte e eu, bem… socialzinho antes né? Fiz amizade com a Delegação Chilena da Petzl (de importadores, não de atletas) e todo dia a gente se reunia em volta da fogueira. Até conheci o importador da Petzl no Brasil, o Walker!

Um sextinho legal, comprido, ao sol, mó visu, divertido!

Um sextinho legal, comprido, ao sol, mó visu, divertido!

E no dia seguinte, mais climb. Fomos pro Setor El Circo, onde pude escalar um 6b com a Isa enquanto o Beto escalava de verdade. Depois tinha uns Brazucas na via do lado, trocamos com eles assim todos escalam 🙂

Mais uma vez a Gláucia deu uns betas bons e mandei no Flash um 6c (7aBr) muito legal com direito a mega entalamento de joelho! \o/  O Beto tava malhando um 7c que acabou mandando no terceiro pega, mas eu arreguei porque apesar de bem fazível, o crux tinha costura pra baixo do pé, e aí sabe como é… Popóoooooo (Ahhhh GENJA! TOME VERGONHA NESSA SUA CARAAA! – lembra da apologia com o ator pornô né?)

Beto bem no crux do 7c (7a Fr)

Beto bem no crux do 7c (7a Fr)

E essa foi a noite do grande churras! Rolou o tal do Chulipan (Pão com “linguiça” à moda argentina e a tal carne de cordeiro). Todos se serviram a vontade, comemos tranquilamente (apesar da fila pra pegar o cordeiro) mas sabe como é… igual no Bandejão: Cozinhar pra 2.000 pessoas não fica lá aquelas coisas… mas deu pra entender o espírito da coisa (do churrasco, não do cordeiro).

Isa no Canyon la Calavera

Isa mandando um sextinho negativo de agarrão no setor Calavera…

E Segunda fomos pro Setor Calavera, onde estavam as vias mais badaladas e disputadas. Nos outros dias tava bem foda de escalar ali (leia-se: impossível) mas segunda UMA GALEEERA ja tinha vazado entao rolou sussa. Fizemos uns sextinhos pra animar, muito legais, um deles negativo de agarrão, depois mais dois de 30m, um deles um pouco mais adiante, que é a a última via do Canyon(setor galinheiro), um sexto com várias barrigas, viradas de tetos e um cruxzinho lazarento totalmente díspar com o restante da via. Mas legalzinho.

Setor la Calavera visto desde o Final do Canyon...

Setor la Calavera visto desde o Final do Canyon…

E na terça de manhãzinha Isabeto vazaram e eu fiquei mais um dia, arranjei um parça alemão que não tava com medinho de cair. Bixo ligado no 220, daqueles que qdo ta frio vai escalar no gelo, esquiar, quando ta calor vai pra pedra, quando ta tempo bom vai fazer escalada alpina… Também, o Matterhorn no quintal da casa dele, o Montblanc a algumas horas… enfim. Fiquei com os móveis e entramos numa grande chaminé de 3 enfiadas de quinto grau. Ouvimos dizer que alguns Brasileiros tinham entrado dias antes. E eu fico me perguntando: COMO????! COMO?!?! COMO eles entraram na via e mesmo assim quando eu entrei eu tirei TONELADAS de pedra da via… Era questão de pegar a agarra que menos mexia, olhar pro lado e, ao encostar o cotovelo na rocha, caia maços e maços de laquinhas de pedra pra baixo. Um terror. Colocava o pé na agarra que menos respirava, e ao olhar pra cima o joelho toca a rocha e um chumaço de pedra ia pra baixo. Fui colocar um friend uma hora, e os outros friends do mesmo mosquetao ao encostar na rocha, fizeram desprender um playstation da parede que caiu no meu joelho… PQP!! Castelo de cartas é brincadeira, é sólido… ta mais pra… sei lá… Castelo de palitos de dente.. a via devia chamar osteoporose ou algo assim. Ah! E o final era um esticão de uns 10m até a base com entalamento de asa de galinha numa fenda de meio corpo. A-hul! Quando o Chris (aquele alemão pilhado) chegou em mim falou: Fiii, desencana dessa parada! Se comigo ha 10m pra direita da canaleta/chaminé tava tomando pedradas, imagina se eu guio a segunda enfiada e vc ta aqui na parada e não consegue desviar?! Deixa isso pra lá!!

Escalamos essa Chaminé na esquerda bem óbvia... descemos em 1/3...

Escalamos essa Chaminé na esquerda bem óbvia… descemos em 1/3… (sim, tem um maluco fazendo HighLine)

Pois bem, descemos e eu lembro que o Rapel foi mais aterrorizante que a escalada em si. Credo. Acho que tava considerando a hipotese de encarar as pedradas no peito da segunda enfiada só pra não ter que fazer rapel. Mas enfim. Descemos. Comemos, eu não estava muito animado e ele entrou numa via justo ao lado da chaminé que pareceu bem massa… entrei também e me animei, acho que era um sextinho. E depois no mesmo setor ele entrou num 8b Br e eu num 6sup, mó da hora negativo com uns buracos muito bons e uma virada, logo no começo. E aí ele tava com os pés todos fodidos de usar sapata apertada 5 dias seguidos e tinha parado. Mas eu queria fazer uma última antes de ir embora, afinal, era o último dia. Íamos fazer um sexto grau de duas enfiadas em uma só, no setor Mordor, totalizando uns 60m de via. No caminho vimos o mestre malhando um 10a (8a+ Fr) no Setor Ojos de Buda, e ficamos olhando e pensamos: Não tem nada pra gente escalar ali? Eu olhei o guia e vi que tinha um 7a br. Ah.. cheguei ali perto, analisei, a via tava na sombra, tava um calorzao, a via que eu ia fazer antes tava no sol e era sextinho… Gostei da rocha, das proteções… OK, fico com esta! Entrei sacando, e a vista. Foi mó da hora pois estava pilhado (já estava antes se não não teria optado por ir fazer a outra via) e meu nível de concentração e foco foram a milhão. Cada movimento era friamente calculado 10 movimentos antes. Fui subindo, com inteligência, fazendo a leitura da via conforme ia equipando, e quando cheguei no Crux… Era um movimento de monodedo, pé na mão e costura no pé… ui ui… Meu estado de concentração era tão grande que não hesitei. Também, o mestre estava ali do lado mandando a vibe (pro amigo dele na via do lado da minha) e eu não ia fazer fiasqueira de pegar na costura na frente do Dani Andrada né? hahaha entrei pro move do crux, montei na perna direita com o monodedo de esquerda, fiquei em pé, peguei num reglete, costurei e toquei pra base. Ahul! Um 7a a vista! Ok, ok, não é o primeiro e minha obrigação era ja ta mandando 8a a vista… mas a gente fica feliz com uma cadeninha assim no ultimo dia depois da fiasqueira dos últimos dias! 🙂

Imagem lúdica do Vale...

Imagem lúdica do Vale…

Voltamos pro Camping satisfeitos e começamos a arrumar tudo pois no dia seguinte era dia de vazar. O busão foi Lotado, e fui em pé mais da metade do caminho até Esquel. Lá ficamos num Hostel chamado El Caminante, onde foram super atenciosos e deixaram a gente ficar até depois do horário no dia seguinte, curti mesmo! Enquanto estivemos ali pudemos confraternizar com uma galera que nem escalava mas que estava de turismo por ali. Tomamos cerveja a tarde inteira com Noruegueses, (que estava no Roctrip), Argentinos, Russas, Francesas, Canadenses, Alemães, ingleses, enfim, foi mó da hora e no dia seguinte peguei o voo de volta pra casa. Mais uma noite dormida no Aeroporto, dois aviões e dois ônibus depois estava em casa! A-hul!

Esse é o Cris! Mas ninguém odeia ele, que eu saiba... (tu-dun-tssss)

Esse é o Cris! Mas ninguém odeia ele, que eu saiba… (tu-dun-tssss)

Resumo da ópera:

Realizei o sonho de participar de um Roctrip. Escalei abaixo do meu limite por uma besteira que já devia ter resolvido antes que é o medinho de cair (e de fato estava melhorando), mas deu pra escalar bastante. Não se cobrar muito nessas ocasioes e aproveitar e escalar o máximo que der é uma boa pedida quando a cabeça não deixa escalar mais grau. Já que tamo ali né? Ou escala um pouco menos forte ou não escala? Sem dúvida deu pra curtir. E ver tembém gente fazendo presepada na seg né? PUTAQUIPARIU! Tanto Brasileiro quanto gringos, meldels….. Gente, usem o Grigri direitinho conforme vem no manual ta? Não tem problema que vc vai demorar pra aprender. não é nenhum oitavo grau. Mesmo pq tem gente que manda só quarto grau e sabe dar seg direito, pq vc não tenta? Tivemos um acidente do nosso lado por conta de Seg vacilão que deixou barriga de corda e segurou o Grigri de maneira incorreta. O escalador veio pro chão de 10m de altura que nem um Saco de Batata. E olha que coisa: ele sempre tinha feito seg daquele jeito e nunca tinha dado nada! Pra vc ver como são as coisas! Estranho né? O jeito certo de dar seg é o que vc sabe, e que um dia VAI falhar, ou o jeito que é à prova de tonto?

Bom, além disso, também foi tempo para aproveitar o ambiente, conhecer algumas pessoas (com certeza deveria ter socializado mais), estar num abiente agradável, e o mais importante, quebrar com velhos hábitos daqui de casa que já estavam me incomodando. Também com os vieses da viagem a gente testa nossa paciência ali, depois de 50 horas de viagem e se defronta com perguntas como se vale a pena todo o sacrifício por algo assim. Mas são sonhos. Se a gente não se sacrifica para realizá-los, qual o sentido de tudo? Valeu a pena poxa. Ví de perto meus ídolos, conversei com eles (um marmanjo de 28 anos não pode ter ídolos e pedir autógrafo? Pedi memo!), escalei vias míticas da Patagônia, fiz uns rangos muito da hora, tomei banho de rio (3 pra ser mais preciso) e treinei meu espanhol e minha diplomacia. Ta bom né? Além do mais…. É o Petzl Roctrip maluco! Ano que vem a gente se vê na Januária! (brincadeira, não sabem ainda onde vai ser)…

Imagina a corda como não ficou?

Imagina a corda como não ficou?

Essa é uma agulha muito proeminente no meio do Canyon. tudo oitavo e nono até a ultima cordada de A0... Loucura!

Essa é uma agulha muito proeminente no meio do Canyon. tudo oitavo e nono até a ultima cordada de A0… Loucura!

Vista da minha barraca ao anoitecer todos os dias..

Vista da minha barraca ao anoitecer todos os dias..

Olha quem estava junto!

Olha quem estava junto!

 

 

Vídeos para motivar os competidores do Camp. Caipira!

Essa mina tem ganho todas as competições por aí… será que ela iria ganhar o Caipira no Master? duvido!

Está chegaaaaaandooooo!!! Faltam menos de 3 dias para o campeonato mais disputado do estado de São Paulo!!!! A galera de campinas lotando as manicure pra chegar na hora e não fazer feio com a unha na rocha! Afinal, todo mundo tem aflição de unha ralando no concreto! hahaha A galera de Sanca ralando os calos e destruindo nos finger e nos campus board da vida pra poder ter uma desculpa no dia da competição:

“…Então cara, sabe o que é? Eu me lesionei treinando faz dois dias, por isso não consegui mandar aquele move do agarrão onde escorregou o pé!”…  kkkkkkkk  Para motivar os coleguinhas de todo o estado que estarão comparecendo em peso para o Campeonato Caipira, coloco alguns vídeos motivacionais que eu tinha selecionado de campeonatos:

Começando com a Sashinha, fazendo a via da Final do Campeonato americano de escalada  e ganhando (ops, Spooooiler)

Agora uma das etapas do mundial, que também rolou nos EUA (Vail, Colorado):

Outro vídeo de boulder (pois é, até video de campeonato de escalada de verdade tá em falta!) na Itália:

Hoje cedo eu fiquei de mal humor pois tava andando na rua com minha corda (tava indo na Federal terminar de marcar as vias do campeonato) e um tiozão daqueles bem barrigudo me olha e grita (imagina a voz do russão): AÊÊÊÊ!!! RAPEEELLL!!! Eu pensei: Puts… rapel não mano.. rapel não… Eu sei que responder é que nem chutar cachorro morto ou bater em bêbado, não vai adiantar nada, mas na minha inocência eu ainda respondi: “Rapel não! Escalada! É pra cima!” Se o beto tivesse ali teria dito: PRA QUEEEEEE??????? Realmente, pra que? O tiozão retrucou: Ahhh! Eu conheço os cara que faz rapel lá na cachoeira do água fria! (tipo, é tão absurdo quanto alguém dizer que pratica Bóia-Cross no tietê… quando vc fala que faz nado sincronizado (??). Enfim… já fui meio cabisbaixo pra federal pensando porque o Brasileiro é assim… Aï eu lembrei desse vídeo francês mostrando a criançada escalando horrores nos campeonatos mó bem organizados! Puts… Ô lá em casa hein?  Podia né? hahaha podia, claro… do jeito que os pais de hoje são cagões pra caramba (Eles mesmo escalarem? Quê jeito? Se a maior aventura da vida de um adulto de hoje que não escala é ir no parque ecológico fazer picnic 0_O ) , só falta por roupa de astronauta pro filho ir junto no supermercado, essa geração criada no leite com pera é foda… Mas enfim, se alguém leu até aqui, valeu, agora vc merece ver o vídeo:

Pra distrair um pouco, um videozinho de um campeonatinho/festivalzinho de boulder na beira da praia:

E pra finalizar, um videozinho de uma MILF grega que manda décimo grau, na rocha, para descontrair e lembrar porque é que a gente treina, e pra vc parar de mimimi que filho não é o fim do mundo, não que seja bom, mas vc não precisa parar de escalar por causa disso:

E chega por hoje! Vai treinar que o campeonato é daqui 3 dias!