O cartel do mercado de escalada

Os meus brinquedos que eu gosto tanto! :)

Os meus brinquedos que eu gosto tanto! 🙂

O dia de ontem começou quente. Não tanto pelo calor mas por um email que me deixou puto da vida. Faz dois dias eu comecei a QUEIMA DE ESTOQUE de final de ano na Quero Escalar. São produtos que já estão há alguns meses na loja e que para fazer girar o estoque estou fazendo uma promoção. Bem, acho que não preciso explicar muito essa parte, toda loja faz promoções ocasionais. Aí o motivo da minha revolta foi que eu recebo um email do Gerente comercial da Conquista dizendo que estão reclamando que meus preços estão muito baixos e que se eu não aumentasse o preço eu não mais poderia vender conquista (o que eu não entendi se seria uma coisa boa ou ruim até agora). Entre um palavrão e outro que eu consegui segurar, quis saber quem eram essas empresas e disse que essa solicitação não fazia sentido algum. Primeiro porque faz mais de um ano que trabalho com produtos Conquista e nunca abaixei sequer um centavo do preço que eles “me obrigam”  a praticar. Nesse meio tempo vi vários concorrentes com preços mais baixos, o que eu entendo que é uma maneira saudável de livre concorrência, especialmente com promoções ocasionais. Tentei argumentar, tentei justificar mas no final a palavra foi que se eu não AUMENTASSE os preços, eu não mais poderia revender conquista. Então veja você, caro amigo escalador. Em qualquer lugar que tente comprar conquista, os produtos vão estar com o mesmo preço, o que me lembra uma prática comum dos postos de gasolina daqui da minha cidade, de acordo com a Wikipedia:

Cartel é um acordo explícito ou implícito entre concorrentes para, principalmente, fixação de preços ou cotas de produção, divisão de clientes e de mercados de atuação1 ou, por meio da ação coordenada entre os participantes, eliminar a concorrência e aumentar os preços dos produtos, obtendo maiores lucros, em prejuízo do bem-estar do consumidor.

Com exceção de pouquíssimos casos, todo mundo cobra o mínimo exigido pelo fabricante, pois os preços já vem altos, e se aumentar ainda mais o preço de venda, não tem como concorrer com os produtos importados que acabam saindo mais baratos. E não estou nem entrando no mérito da qualidade.

Que fique claro que eu entendo, aceito (e pratico) que as empresas cobrem o preço mínimo de revenda e nunca desrespeitei esse acordo com nenhum fornecedor. JAMAIS. Nem com a 5.10, nem com a 4climb, nem com a Alpen Pass, nem com a USClimb, nem com a Hard Adventure (que pediu pra eu aumentar o preço pq tinha uma loja no shopping que não queria ficar com fama de careira), entre tantas outras marcas.  Claro, também se não ia virar uma zona, ta certo. O grande problema é que todo mundo faz promoções de natal, e só a Quero Escalar não pode fazer? Que discriminação é essa?

Eu escolhi entrar nesse ramo de atividade (ou fui escolhido por ele) para explorar a escalada, no sentido de dela tirar o meu sustento de maneira justa e honesta através do meu trabalho, agregando valor à minha atividade oferecendo mais que produtos, um serviço aos clientes e amigos por meio do meu conhecimento específico do funcionamento dos equipamentos, das técnicas de escalada e das necessidades dos escaladores para que através da integração desses 3 possa oferecer produtos de qualidade a preços acessíveis a todos (E também poder abrir vias, que é uma coisa que eu adoro). Creio que não tem nada de mais nisso. Em vez disso, vejo que as outras empresas só estão interessadas em explorar o escalador. Em ganhar dinheiro. Afinal, é um negócio. Aí é foda. Se eu fizer isso algum dia eu vou estar sendo contraditório, pois eu sou um escalador, e não faço para os outros o que não quero que façam para mim.

A maioria das lojas vendem equipamentos de escalada não por ideologia, mas porque “agrega valor”. Lojas que vendem tudo quanto é tipo de bugigangas. Tudo a um custo Brasil altíssimo. Praticam os preços que a maioria das pessoas está disposta a pagar, não quanto o produto vale de fato. Por isso um mosquetão de 10~12 euros chega aqui a mais de R$100. “Ai, não, é muito imposto!” Imposto é a cabeça da minha rola. Imposto tem, lógico, mas muita coisa é “mau-caratismo” de importadores e conivência das lojas. “Ah não, mas esse mosquetão é muito melhor”. Então você não entende nada de escalada ô tapado. Existem diferenças, sim, entre marcas e modelos, mas nada que justifique 100 a 120% de diferença no preço. O fato é que todo mundo quer ganhar dinheiro mas ninguém quer trabalhar. Ninguém quer viver o capitalismo de risco. Ninguém quer largar a teta. Ninguém abre o olho pros verdadeiros concorrentes. Ninguém quer inovar. E quem inova, se dá bem. Veja o exemplo da 4climb. Uma empresa feita por escaladores. Maior distribuidora de magnésio e saquinhos de mag do país. Apóia todos os eventos de escalada do país. Está PRESENTE. Manda email sempre. O Tio Dan sempre me liga perguntando se está tudo bem, se estou precisando de alguma coisa. Ele tem um interesse comercial, pode até ter. Mas sempre que ele me liga nós falamos de escalada, damos uma risada, eu lembro da marca, e metade das vezes só porque ele ligou eu lembro que estou precisando de alguma coisa e acabo fechando um pedido com ele. Porque? Porque ele trabalhou para isso.

O mercado mudou, a economia mudou, mas as lojas e os importadores continuam repetindo modelos ineficientes de comércio que não funcionam direito, que deixa muitas brechas. Eu estou lutando pra mudar isso. Não vou mudar as outras lojas, mas pretendo fazer minha parte. E não é fazendo promoções de fim de ano não pois isso são migalhas. Isso é uma maneira de agradar aos consumidores pois sei que nessa época as vendas aumentam, então resolvi ir na contra mão do mercado e abaixar os preços pra que todo mundo compre seus equipamentos e ainda sobre um troquinho pra ir estreá-los. Já dizia o Raul: “Tem gente que passa a vida toda travando uma luta contra os galhos, sem saber que lá no tronco é que está o curinga do baralho”. Estou fazendo algo grande e em breve vocês terão novidades e a prova de que é possível não explorar o escalador de fato.

Eu tenho uns 2 vídeos muito bons pra colocar aqui mas vou deixar pra outro post porque esse assunto me cansou. Nos vemos na rocha?

Este que vos fala em Rodellar, espanha.

Este que vos fala em Rodellar, espanha.

 

======= UPDATE =======

RESPOSTA DO DONO DA CONQUISTA, EDEMILSON PADILHA:

Meu nome é Edemilson Padilha, sou proprietário da Conquista Montanhismo. Iniciei no montanhismo e comecei a produzir equipamentos para montanhismo há 23 anos. Nunca tive o foco de ganhar dinheiro com a montanha, as pessoas que me conhecem sabem que levo uma vida simples e que o dinheiro que ganho gasto escalando pelo mundo. Desde o princípio e até hoje sempre tive uma conduta ética dentro do montanhismo e do mercado de montanha. Temos produtos de ótima qualidade vendidos por preços justos, sempre muito abaixo dos artigos importados. Odeio entrar em discussões pela internet, pois meu lema sempre foi escalar mais e falar menos. Fiquei surpreso em ver neste blog esta matéria, haja vista que a pessoa que escreveu é meu “amigo” no facebook, e que poderíamos ter conversado e nos entendido. Talvez tenha sido num momento de raiva, não importa. De qualquer maneira é óbvio, para quem analisar a fundo o que foi escrito, que não é bem assim. Bom, na internet, quando se analisa algo mais a fundo, percebe-se que sempre não é bem assim… É bem simples de entender: temos um produto. Temos 300 lojas que compram regularmente nossos produtos. Temos uma tabela de sugestão de preços. Ou seja, as lojas vendem por um preço mais ou menos parecido. Por que? Porque se a loja A dá um desconto de 10%, a loja B irá dar um desconto de 20% e a loja C de 30%. De maneira que as outras 297 lojas, que não podem chegar a este desconto, vão parar de comprar nossos produtos. E a marca acaba. Se não vendemos, fechamos. Isso não significa que as lojas não possam fazer descontos. Elas fazem, de artigos de coleções passadas. Isso é a norma comum do mercado mundial, não só do brasileiro. Nós somos uma empresa de pequeno porte, não conseguiríamos interferir nas regras estabelecidas. Bom, é isso que eu tenho para dizer. Além disso, faço um convite para qualquer pessoa que queira conhecer a fábrica da Conquista e a maneira como trabalhamos, que venha nos visitar. Assim poderá nos conhecer melhor e falar com mais propriedade.

RESPOSTA DO GENJA:

Oi Ed, tudo bem? Eu conheço, admiro e respeito sua pessoa como escalador e empresário. A Conquista foi a primeira marca com a que me dispus a trabalhar e que faço questão de ter na minha loja por vários motivos (1 deles é porque você é escalador). Minha crítica foi à postura do seu Gerente comercial que não foi nem um pouco compreensivo comigo. Simplesmente me obrigou a aumentar o preço e pronto. Mesmo eu justificando que eu estou fazendo uma promoção de natal com os produtos que tenho aqui em estoque ha mais de um ano. Meu desabafo no blog foi por me importar com esta marca e não entender essa postura que não condiz com o que vinha sendo exposto a mim até agora. Me senti “com tratamento diferenciado” pois as outras lojas sempre fazem promoções e eu, que nunca tinha feito, quando resolvo fazer fui ameaçado, mesmo nunca tendo abaixado nem um real o preço dos produtos. Este atrito foi apenas um estopim para, como vc mesmo disse, gerar meu desabafo de várias outras situações que vinha acumulando.
Espero que possamos continuar trabalhando juntos após esta lamentável confusão.
Um abraço.

Atenciosamente;
Rodrigo Genja

 

Anúncios

32 pensamentos sobre “O cartel do mercado de escalada

  1. É isso ai meu caro. Estamos carente de bons exemplos como o seu. Da minha parte o meu obrigado por não se encaixar no “Modelo” que se tornou comum em nossa terra. Enfim… Saudações e boas festas…

  2. Admiro sua coragem por escrever sobre esse assunto!
    Isso pode ter sérias consequências, sabemos que as empresas são agressivas no mercado, você pode sofrer retaliações.
    Admiro por compartilhar essa informação, assim podemos saber quais marcas devemos dar preferencia de compra.
    Abs, e sorte.

  3. Brow, tem coisa que irrita, que perturba, mas o importante é poder deitar a cabeça no travesseiro tranquilo das suas decisões!
    Continue dentro daquilo que você acredita e as outras coisas vão se esvaíndo como aquele mag que a gente sopra da mão e vai parar sabe lá deus onde!
    Bosn ventos!

  4. Uma forma boa de resolver essa questão, é os seus clientes se unirem e reclamarem ao PROCOM (cada um em sua cidade) da formação de cartel pela Conquista … também podem reclamar no site RECLAMEAQUI.COM, tenho visto muita coisa ser resolvida por lá.
    mas saiba que formação de cartel é “caso de polícia”.

  5. Muito Boa Rodrigo!! Isso se chama mesmo cartel e é crime!! A pergunta é: vale a pena comprar essa briga? Acho que sim, porque vc já sabia que um dia isso iria começar a acontecer, e é pra isso que a Quero Escalar foi criada: mostrar que o “velho sistema” é velho, ultrapassado. Ele vai espernear um pouco, mas vai virar passado logo-logo!!!! Parabéns Rodrigo pela persistência de propósitos!!! Estamos com vc!!!

  6. Parabéns pela hombridade, Genja! Sem falar no total desinteresse que essa empresa vem demonstrando em apoiar iniciativas de literatura de montanha…

  7. Esse é o meu Rodrigo!! Parabéns pelo belo texto! Você esta mostrando sua honestidade, que tem caráter, que tem berço. Você vai longe garoto!! Estamos com você! Torcem os por você!

  8. Gostei Rodrigo, seu caráter firme de homem justo, n podemos nos calarmos mesmo. Os justos herdarão a terra; Você vai longe menino.

  9. Caro Genja, você é o Robin Hood da escalada brasileira… pega os equipos dos fabricantes ricos, e torna eles acessíveis para os escaladores do Brasil!! Segue em frente!!

  10. Boa Genja, explana essa palha’cada mesmo.
    Esses dias tentei comprar algumas coisa num site americano e recebi a seguinte resposta:
    “esses produtos da marca tal e tal nao poderao ser enviadas para seu pais“
    ou seja, as ame’cas ja chegaram por la tmb.

  11. Amigo comprei de uma loja um atc guide com preço mais em conta, na outra loja onde frequento mais vezes o vendedor me disse que iria comunicar a BD e ao proprietário para que isso não ocorresse, esse é o brasil por isso que ninguém compra nada neste pais. Parabéns pela sua postura.

  12. Meu nome é Edemilson Padilha, sou proprietário da Conquista Montanhismo. Iniciei no montanhismo e comecei a produzir equipamentos para montanhismo há 23 anos. Nunca tive o foco de ganhar dinheiro com a montanha, as pessoas que me conhecem sabem que levo uma vida simples e que o dinheiro que ganho gasto escalando pelo mundo. Desde o princípio e até hoje sempre tive uma conduta ética dentro do montanhismo e do mercado de montanha. Temos produtos de ótima qualidade vendidos por preços justos, sempre muito abaixo dos artigos importados. Odeio entrar em discussões pela internet, pois meu lema sempre foi escalar mais e falar menos. Fiquei surpreso em ver neste blog esta matéria, haja vista que a pessoa que escreveu é meu “amigo” no facebook, e que poderíamos ter conversado e nos entendido. Talvez tenha sido num momento de raiva, não importa. De qualquer maneira é óbvio, para quem analisar a fundo o que foi escrito, que não é bem assim. Bom, na internet, quando se analisa algo mais a fundo, percebe-se que sempre não é bem assim… É bem simples de entender: temos um produto. Temos 300 lojas que compram regularmente nossos produtos. Temos uma tabela de sugestão de preços. Ou seja, as lojas vendem por um preço mais ou menos parecido. Por que? Porque se a loja A dá um desconto de 10%, a loja B irá dar um desconto de 20% e a loja C de 30%. De maneira que as outras 297 lojas, que não podem chegar a este desconto, vão parar de comprar nossos produtos. E a marca acaba. Se não vendemos, fechamos. Isso não significa que as lojas não possam fazer descontos. Elas fazem, de artigos de coleções passadas. Isso é a norma comum do mercado mundial, não só do brasileiro. Nós somos uma empresa de pequeno porte, não conseguiríamos interferir nas regras estabelecidas. Bom, é isso que eu tenho para dizer. Além disso, faço um convite para qualquer pessoa que queira conhecer a fábrica da Conquista e a maneira como trabalhamos, que venha nos visitar. Assim poderá nos conhecer melhor e falar com mais propriedade.

    • Oi Ed, tudo bem? Eu conheço, admiro e respeito sua pessoa como escalador e empresário. A Conquista foi a primeira marca com a que me dispus a trabalhar e que faço questão de ter na minha loja por vários motivos (1 deles é porque você é escalador). Minha crítica foi à postura do seu Gerente comercial que não foi nem um pouco compreensivo comigo. Simplesmente me obrigou a aumentar o preço e pronto. Mesmo eu justificando que eu estou fazendo uma promoção de natal com os produtos que tenho aqui em estoque ha mais de um ano. Meu desabafo no blog foi por me importar com esta marca e não entender essa postura que não condiz com o que vinha sendo exposto a mim até agora. Me senti “com tratamento diferenciado” pois as outras lojas sempre fazem promoções e eu, que nunca tinha feito, quando resolvo fazer fui ameaçado, mesmo nunca tendo abaixado nem um real o preço dos produtos. Este atrito foi apenas um estopim para, como vc mesmo disse, gerar meu desabafo de várias outras situações que vinha acumulando. Vou publicar seu comentário como atualização do post tudo bem Ed?
      Espero que possamos continuar trabalhando juntos após esta lamentável confusão.
      Um abraço.

      Atenciosamente;
      Rodrigo Genja

    • Citando o Edmilson: …”Porque se a loja A dá um desconto de 10%, a loja B irá dar um desconto de 20% e a loja C de 30%. De maneira que as outras 297 lojas, que não podem chegar a este desconto, vão parar de comprar nossos produtos. E a marca acaba”.

      A logica da frase PARECE correta. Apenas PARCIALMENTE. O que está equivocado é o porquê de a marca acabar. Viajo muito e o que vejo no Brasil é que as lojas NÃO QUEREM chegar ao desconto que o Edmilson mencionou!!! Na área financeira é muito natural e conhecido que o preço “justo” de um produto é o que as pessoas pagam por ele (valor percebido), mesmo que isso implique em um lucro de 300% – algo bem comum pelo pais!!! As lojas pensam assim: porque ter 100% de lucro com o fabricante A se o fabricante B me permite (E “ASSEGURA”) que eu tenha 300%!!! Os fabricantes não tem muito o que fazer contra essa lógica porque TODOS são orientados pelo mercado, e o mercado somos nós – se não seguirem o mercado “a marca acaba”.

      Portanto, essa lógica só vai mudar se a gente (consumidor) começar a dar mais valor ao nosso dinheiro, avaliando criticamente qualidade x preço, ou mesmo investigando a fundo questões como essa discutida aqui: o que se pratica no mercado de montanhismo hoje no Brasil configura cartel? Se não fazemos nada e pagamos os preços mais altos, a culpa é inteiramente nossa! Mas e se a nossa ficha cair? Onde vamos comprar se não existirem lojas como as do Rodrigo? Só fora do país!!

      PARABÉNS novamente Rodrigo por expor essa lógica antiga e acima de tudo por praticar a nova lógica!!

  13. “Não é bem assim…”
    Edemilson você se põe como refém de uma política de mercado tal qual nós enquanto consumidores, uma política que claramente não beneficia a marca nem os consumidores, apenas os revendedores que objetivam margens de lucros maiores.
    Este é um momento muito oportuno para você reavaliar sua assessoria comercial e postura diante deste mercado. Acreditar e aceitar que são “apenas” as lojas que ditam as regras de compra e venda é um equívoco, até porque a relação custo X benefício dos produtos Conquista são bons diante dos concorrentes, porém uma parcela de consumidores indignados estão dispostos até pagar mais em outra marca do que compactuar com essa situação injusta.

    Boas conquistas pra ti.

  14. Fico revoltado ao ver os preços praticados aqui no Brasil para equipos de escalada(aliás, para todos os produtos vendidos nesta bosta de Brasil). Aqui não existe LIVRE CONCORRÊNCIA! Se existisse, não haveria essa porra de preço mínimo de revenda. É simples: o fabricante tem um custo para produzir o produto e deseja ter um lucro, claro. Ele vende a R$ X, por exemplo. O preço de venda fica a critério do loja. Esta pode vender a R$ x + 20%(o lucro da loja), vai depender dos custos da loja e mais algum lucro nisso. Acontece que aqui neste país os preços não têm NENHUM CRITÉRIO! Vai no achismo. Então o fabricante estipula um preço mínimo de revenda para nivelar preços. Se fuder!!! A seleção natural(concorrência livre de verdade) manteria as lojas mais bem estruturadas no mercado e lojas “aventureiras” iriam falir. O mercado se autorregula! Agora esse empresário da conquista vem com esse papinho. MANIPULAÇÃO DE PREÇOS DESCARADA! Já não comprava porra nenhuma da Conquista, agora mesmo que não farei.

    Rodrigo, acaba de ganhar um cliente.

    Abç

    Roberto

    • Oi Roberto!! Concordo com vc, mas achar que a composição de preços é achismo, é ingenuidade!! Os caras colocam o preço no nível do que a galera paga – e quem já estudou “engenharia econômica”, ou algo similar, sabe que esse é um dos métodos de calculo de preço. Se em outros países os preços são mais baixos é porque o povo acordou e dá mais valor ao dinheiro deles que a gente ao nosso. Você acordou, e se ajudar a acordar mais gente, um dia a gente chega lá. A sorte é que pra quem acordou existe a “Quero Escalar”…heheheh. Abraco!!

    • Roberto, nosso país não é uma bosta irmão, entendi seu pensamento.Bosta mesmo são os produtos com preços absurdos que nos empurram goela abaixo.

  15. Afinal, queremos escalar! Queremos investir nisso e de forma justa. Esse é um dos motivos por no Brasil a escalada ainda engatinhar, tudo é muito caro. A maioria das pessoas que começam a escalar, logo descobrem que é muito mais barato comprar no exterior (mesmo pagando 60% de imposto) do que na esmagadora maioria das lojas daqui. E quando o assunto é bolso, dane-se o mercado nacional…
    Que essa discussão possa dar impulso a um novo movimento, onde os fabricantes valorizem as lojas que valorizam o consumidor, afinal somos nós quem sustentamos esse mercado.

  16. “DESABAFO”
    Na hora de pagar, ninguém quer. Se puderem, compram produtos piratas. Aqui neste blog os comentários são ingênuos, simplistas e, em alguns casos, vindos de espertalhões que só querem vantagens. Há quem confunda lucro com markup. Só gostaria que o autor deste blog, RODRIGO GENJA, respondesse se ele considera a CONQUISTA uma boa empresa ou não. Esta postagem que ele fez, um DESABAFO (na opinião do próprio Genja), está sendo usada no Facebook para que se crie uma onda de boicote à Conquista. Eu acho isso uma grande canalhice das pessoas que usam o texto de forma irresponsável. Triste situação.

    • Eu não contei nenhuma mentira no meu texto. Tive um desentendimento com a conquista e isso me desagradou. Não coloque palavras na minha boca sobre o que eu considero ou não. Costumo dar preferência para os fornecedores que me tratam bem, assim como o consumidor final da preferencia para quem lhes trata bem e oferece preço justo. E tratar bem também é praticar um preço honesto, não sair enfiando a faca só porque uma minoria paga. A economia mudou, e o mercado também. A concorrência é forte, e não é entre as lojas daqui não, é com a galera que traz na mala e vende no Facebook. Quando todas as lojas perceberem seus verdadeiros concorrentes e “Agirem” nesse sentido, o contrabando acaba(ou diminui bastante). Juntos somos mais fortes, lembra? Agora, dizer que os comentários são ingênuos e simplistas é tipico comentário de gente que defende o carro contra as bicicletas (pois ir para o trabalho de bicicleta é uma Utopia) ou é contra linhas preferenciais para ônibus pois aumenta os engarrafamentos de carros (garantindo que a maioria das pessoas chegue antes em casa ou no trabalho e a minoria fique presa em seus carros). Acho que quem se sentir relacionado ao comentário ingenuos, simplista ou espertalhão, poderia deixar um comentário ao Marcos aqui.
      Marcos, Obrigado pelo seu comentário, pontos de vista diferentes enriquecem a discussão. Um grande abraço;
      Sinto muito, me perdoe, sou grato, te amo, te liberto. 🙂

    • Cara, não sei o que significa esse termo gringo “markup”, mas não deve ser difícil, descobrir. Mas independente de markup, lucro ou o “o raio que o parta” você concorda que o preço que pagamos pelos equipamentos de montanhismo (e muitas outras coisas) no Brasil poderiam ser menores? Já foi discutido nesse tópico – e me pareceu muito claro, que a culpa não é da marca, é nossa mesmo!! Na minha opinião o único movimento que teria condições de começar a partir do conteúdo dessa discussão seria o de sensibilização para o tema e não o de crucificação de fabricantes nacionais!!! Mas infelizmente espertalhões existem e graças a nós mesmos, ou a uma grande maioria inconsciente!

  17. Ola Rodrigo!
    Você esta certíssimo! continue assim! O dono da Conquista diz que tem 300 lojas vendendo seu produto e que não pode deixar 2 ou 3 vender mais barato! Eu li isto mesmo? É um verdadeiro absurdo! Onde está a livre concorrência? Não é você que esta errado, é os outros 297 que não conseguem administrar seus negócios para chegar a preços validos! Preferem formar CARTEL, isso mesmo CARTEL, e é uma pena que um colega da montanha como o dono da Conquista pense deste jeito! Pode ter certeza meu brother que a galera da montanha não vai te esquecer! e de forma infelizmente negativa! Parabéns brother Rodrigo, já era um cliente eventual, mas agora passarei a ser um cliente fiel, pois tenho certeza que estou comprando numa loja que me respeita e respeita meu dinheiro, ganho suado e trabalhando e não fazendo cartéis e querendo que o consumidor se FODA, só pensando nos lucros!

  18. Me perdoe a franqueza Rodrigo, mas achei este post fraco, de visão curta e míope. Me admira que tanta gente tenha se solidarizado com ele e te achado um “herói” por falar tanta “verdade”, se “indignar” e talz, talvez (e muito provavelmente) por total desconhecimento do mercado (não só o de equipos de escalada) mas geral mesmo. A coisa tá mesmo feia.
    Se um lojista “X” qualquer (poderoso) resolver calçar o mercado com preços abaixo de todos os outros e os próprios fabricantes não fizerem nada o que vai ocorrer? Fatalmente (se for um mercado pequeno e pouco segmentado) vai quebrar os outros em pouco tempo. E o que fará depois? Poderá dominar o mercado, praticando o preço que quiser, pois já não terá mais concorrentes. Claro, isso se ele não for bonzinho, como no caso da sua loja e desejar fazer serviço social, continuando a vender super barato os produtos que só ele terá, algo meio que inconcebível num mundo capitalista… Aí, os manés que elogiaram tanto a economiazinha dos suados trocados que sobraram para tomar cerveja começarão a pagar bem mais caro quando precisarem de novos equipos, pois só poderão comprá-los em “X”, que foi o único que sobrou. Bacana né? Pois é… Mas tem mané (aqui mesmo tá cheio) que acha legal…
    Agora fale sério:
    Só a Conquista pratica este tipo de conduta no nosso mercado?
    Da forma que você deu a entender são eles os vilões. A ProAtiva (que representa uma porção de marcas gringas no Brasil, como Deuter, Sea to Summit e muitas outras – dominando aliás, creio, que uns 70% do nosso mercado por meio de várias marcas diferentes que só eles têm) não faz, né? A Trilhas e Rumos também, né? São todos santos, só a Conquista é que não presta… Pô meu, pára de ser infantil. Brigou com o gerente da Conquista e daí veio aqui “desabafar”, né? Hipocrisia, isso sim. Bota as tuas margens de lucro (reais) de lojista em cima das marcas que vende pros teus “fãs” te conhecerem… Daí venha falar dos outros.
    Outra coisa: Você disse que a Conquista faz Cartel. Meu, primeiro entenda e explique direito aos que lêem seu blog (e acreditaram nisso). Cartel é um conluio de vários fabricantes de um mesmo produto fecharem acordos para vender seus produtos num mesmo preço, sem deixar opção aos clientes. Isso é cartel, não UM fabricante exigir que você venda por um preço de tabela DELE. Pode ser qualquer outra coisa, mas NÃO É CARTEL!
    Fala isso abertamente num post aqui sobre a ProAtiva – quero ver. Claro, já vá pensando em um outro ramo para trabalhar, pois não te venderão mais nada e tua loja daí fecha, coisa que muito provavelmente o Ed não fará, afinal é dono de uma só marca, não tem esse “poder”.
    Por fim, aos espertos que reclamam dos preços dos equipos aqui no Brasil (“bosta” ou não de país, me desculpem, mas é onde vivo e vocês que escreveram isso em outros posts aqui provavelmente também, talvez por isso mesmo seja isso) saibam (deveriam saber) que quase tudo aqui é mais caro que em outros países. E por quê? Por que SOMOS BURROS e temos elegido governantes espertalhões, que nos exploram com impostos exorbitantes, e no setor de escalada não é diferente. Cerca de 40% (ou até mais) do preço que pagamos em qualquer coisa aqui vai pro governo, seja ele municipal, estadual ou federal. Trazer muamba da gringa resolve o teu problema e salva alguns cobres da tua balada de fim de semana, não o do país ou o do segmento.
    Precisamos, no geral, pensar mais e fazer algo de bom ao invés de ficar falando besteira e incitando outros a fazê-lo. Perdoem o “desabafo” também, mas estava precisando. Namastê!

    • Oi Ary, obrigado pelo comentário. Discussoes como esta sao fontes riquissimas de informação e só têm a acrescentar ao assunto. Só me diga uma coisa: Vc trabalha pra alguma das empresas q vc citou?
      Um abraço e mais uma vez obrigado pela contribuição a essa discussão. Namaste. _/\_

  19. Ô Ary, desabafo um pouco sem pensar, hein? Você acha que tá acontecendo o que nesse mercado de montanhismo? Aquilo que vc disse: “… se um lojista “X” qualquer (poderoso) resolver calçar o mercado com preços abaixo de todos os outros…”, já aconteceu faz tempo cara! O lance dos preços altos que pagamos por tudo é culpa nossa sim!! Não é só porque votamos errado, aliás se fosse só isso tava fácil… Quem cobra satisfação do político que elegeu se ele não cumpre as promessas de campanha? Aliás, quem sabe o que prometeu seu candidato na eleição passada? Se souber em quem votou já está bom!!! Além do mais, pra cobrar do candidato e também votar certo a pessoa tem que ter boa formação, pra ter boa percepção e ser capaz de fazer uma boa escolha – não só na eleição, em tudo!! Onde estão nossas escolas e professores? Se mesmo tendo boa educação formal a gente é hipnotizado por esse turbilhão da mídia que nos faz valorizar mais o ter do que o ser, imagina sem ela!!!! Nesse ponto, porque você acha que uma calça jeans feita no Brasil é vendida aqui por R$400,00 e nos EUA por USD15,00??? Não vem me dizer que é questão de escala de venda!!! Calça de marca é status. Dizer que é escalador para muitos também dá status. Carro dá status… E aí o mercado (dominado pelos grandes) usa e abusa do conceito do “valor percebido” – onde o preço final de um produto é o máximo que o mercado pode pagar por ele!! É isso que rola!!! Assim o capitalismo atinge o seu objetivo que é “maximizar os lucros” – às custas de nossa burrice e da pobreza de milhões!! O que foi discutido aqui nessa lista é de fato superficial, porque não existe solução para resolver esse problema – que é sistêmico. E nem a gente sabe pensar de forma sistêmica !! Mas já é um começo. Se ninguém “levantar essas bolas” ninguém vai pensar sobre elas e aí como vamos conseguir melhorar a situação? Se cada um fizer a sua parte fica mais fácil! Eu estou tentando fazer a minha do jeito que eu posso e acredito. Não é fácil saber por onde, mas vou estudando… E você?

  20. Na boa, isso se chama falta de ética com fornecedores! Melhor abre uma fábrica sua de equipamentos e vai lá pagar o preço fiscal absurdo para se ter uma industria aqui no brasil! Dai deixa seu mercado na mão de comerciantes como você! Ta por fora!

    • Outra solução seria focar em ter um produto competitivo em vez de reclamar que seu revendedor faz promoção de natal. Nem precisaria se acovardar atrás do anonimato pra isso! =D

    • “Escalador”, na boa boa, se informa antes de se indignar! Se vc é fabricante ou vendedor tá achando que não tem gente que pensa. Se for comprador precisa mesmo se informar! O que acontece com o mercado de equipos é o mesmo que acontece com o mercado automobilístico e quase tudo mais. Pra começar só de uma olhada nisso: https://www.youtube.com/watch?v=R7rC79NnqZ8. Na verdade, o que mais prejudica esse mercado de montanhismo no Brasil é a galera que traz muamba de fora pra fazer uns trocados. Se os preços não fossem tão altos isso não valeria a pena!!. Abraço

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s